Abrir menu principal

Palaiseau

comuna francesa
Palaiseau
  Comuna francesa França  
Hôtel de ville.
Hôtel de ville.
Símbolos
Brasão de armas de Palaiseau
Brasão de armas
Gentílico Palaisiens
Localização
Palaiseau está localizado em: França
Palaiseau
Localização de Palaiseau na França
Coordenadas 48° 42' 52" N 2° 14' 45" E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Essonne.svg Essona
Administração
Prefeito Grégoire de Lasteyrie (Les Républicains)
Características geográficas
Área total 11,51 km²
População total (2010) [1] 30 285 hab.
Densidade 2 631,2 hab./km²
Altitude máxima 159 m
Altitude mínima 47 m
Código Postal 91120
Código INSEE 91477
ville-palaiseau.fr

Palaiseau é uma comuna francesa, situada a 18 km a sudoeste de Paris, sub-prefeitura do departamento de Essonne, na Île-de-France. É a sede do arrondissement de Palaiseau e do cantão de Palaiseau.

Domínio real no século VI e novamente no século XVIII, na estrada importante de Chartres a Paris, a comuna foi fortemente industrializada no século XIX, com a chegada de muitas vias ferroviárias, tornou-se um importante centro operário, parte do cinturão vermelho, fenômeno acentuado na segunda metade do século XX com a construção de muitas cidades-jardim. Tornou-se sub-prefeitura do Seine-et-Oise em 1962 e depois do Essonne em 1968, associada com o desenvolvimento de Massy e do planalto de Saclay, abriga na seu território a Escola politécnica, o Institut d'optique e a ENSTA ParisTech, centros de pesquisa do ONERA, Danone e Thales.

Seus habitantes são chamados Palaisiens[2].

GeografiaEditar

HistóriaEditar

A história começa com a construção de Palaiseau por Quildeberto I de um pequeno castelo, chamado palatolium (pequeno palácio) em latim, que deu nome ao lugar. Mais tarde, a rainha Batilda, esposa do rei Clóvis II se mudou para lá com seu filho, Clotário. Ela foi originalmente uma abadia perto do castelo, com o monge São Wandrille vindo de Ruão por um caso relativo à Abadia de Fontanelles.

A existência do sítio é atestada a partir de 25 de julho de 754, quando Pepino o Breve doou a área de Palaiseau e de suas dependências à a abadia de Saint-Germain-des-Prés então, dita, da exumação dos restos mortais de São Germano, na presença do Papa. O caixão parecia pesado demais para ser transferido quando um espectador teria afirmado que era por causa do conflito entre o domínio real e da abadia sobre Palaiseau que o corpo do santo foi bloqueado. Pepino fez a doação, o corpo de São Germano teria sido imediatamente movido[3]. Esta terra é então estendida sobre as atuais comunas de Palaiseau, Orsay, Bures-sur-Yvette, Gif-sur-Yvette, Saint-Rémy-lès-Chevreuse Saclay, Vauhallan e Villebon-sur-Yvette. Impostos importantes deveriam então ser pagos para a abadia.

A Revolução fez seu ofício, em 24 de janeiro de 1790: a assembleia local foi eleita, o príncipe Luís José de Condé foi o último senhor de Palaiseau. Em 14 de novembro de 1790 foi realizada a segunda eleição da assembleia local. Em 1815, Palaiseau ficou famosa com uma representação no Théâtre de la Porte-Saint-Martin da peça A Pega Ladra ou a Empregada de Palaiseau escrita por Laigniez e D'Aubigny.

Em 1845 começou a construção da Linha de Sceaux, inaugurada em 23 de junho de 1846. Em 29 de julho de 1854, foi prolongada até Orsay, e fundiu-se com a Compagnie d’Orléans. Palaiseau, que foi por muito tempo ponto de paragem na estrada de Chartres a Paris rapidamente se tornou acessível pelos parisienses com as suas três estações: Palaiseau, Palaiseau-Villebon e Lozère. Os primeiros escritores (George Sand, Alexandre Dumas Filho, Charles Péguy, entre outros), depois os anônimos construíram ricas mansões nas encostas ou no vale. Uma dessas mansões é o castelo da Saussaye em frente à Estação de Palaiseau.

Em 1880, a cidade tornou-se cruzamento de comunicação. À linha de Sceaux foi acrescentada a linha da Grande Ceinture, cuja estação de Massy - Palaiseau foi inaugurada no dia 1º de maio de 1880.

A Primeira Guerra Mundial feriu a cidade. A Segunda Guerra Mundial atingiu novamente Palaiseau, ocupada pelos alemães, que estabeleceram um Kommandatur e estacionaram dois batalhões da Wehrmacht e SS no Castelo Villebon-sur-Yvette. Ela foi libertada em 24 de agosto de 1944 pela Divisão Leclerc. Em paralelo se reuniram em Palaiseau do Comité militaire national (CMN) do movimento de resistência dos Francs-tireurs et partisans.

Em 1º de janeiro de 1968, após a separação do Sena e Oise, Palaiseau foi integrado no novo departamento francês do Essonne. Em 1976, a École Polytechnique se estabeleceu no território da cidade, seguido pela ENSTA ParisTech e o ONERA Os bairros do Pileu, das Garennes foram loteados, os grands ensembles foram construídos e equipamentos coletivos adicionados para atender às novas necessidades dos Palaisiens.

GeminaçãoEditar

EducaçãoEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013». www.insee.fr (em francês). INSEE. Dezembro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2013 
  2. Gentilé sur le site habitants.fr Consultado em 17 de maio de 2008.
  3. Lorànt Deutsch, Métronome : L'histoire de France au rythme du métro parisien, Michel Lafon, septembre 2009, 380p ISBN 978-2-7499-1011-6
  4. Fiche du jumelage avec Unna sur le site du ministère français des Affaires étrangères.[ligação inativa] Consultado em 09/01/2013.

Ligações externasEditar