Paleogenómica

A paleogenómica (português europeu) ou paleogenômica (português brasileiro) é um campo da ciência baseado na reconstrução e análise de informação genómica de espécies extintas. Métodos especializados para a extração de DNA antigo (aDNA) de artefactos de museus, núcleos de gelo, sítios arqueológicos ou paleontológicos e tecnologias de sequenciação de última geração tornaram este campo possível. É agora possível detectar deriva genética, migração e inter-relações entre populações antigas, a história evolutiva de espécies extintas de plantas, animais (por exemplo, Homo) e identificação de características fenotípicas através de várias regiões geográficas. Cientistas também podem usar a paleogenómica para comparar ancestrais antigos com humanos modernos.[1] A crescente importância da paleogenómica é evidente pelo fato de que o Prémio Nobel de 2022 em fisiologia ou medicina foi concedido a um geneticista sueco Svante Pääbo [1955-], que trabalha em paleogenómica.[2]

ReferênciasEditar

  1. Lan T. and Lindqvist C. 2018. Paleogenomics: Genome-Scale Analysis of Ancient DNA and Population and Evolutionary Genomic Inferences. In: Population Genomics, Springer, Cham. pp 1-38.
  2. «The Nobel Prize in Physiology or Medicine 2022». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2022