Pandemia de COVID-19 no Brasil

pandemia viral no Brasil

No Brasil, a pandemia de COVID-19 teve início em 26 de fevereiro de 2020 com a confirmação do primeiro caso na cidade de São Paulo.[2][3][4] Menos de um mês depois, o Ministério da Saúde (MS) declarou o estado de transmissão comunitária em todo o território nacional[5] e, desde então, foram confirmados 37 553 337 casos e 702 421 mortes.

Pandemia de COVID-19 no Brasil
Pandemia de COVID-19 no Brasil
Casos por UF de notificação
Pandemia de COVID-19 no Brasil
Hospital de emergência para as vítimas da Covid-19 em Santo André, São Paulo.
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Wuhan, Hubei, China
(via Itália)
Local 26 estados e Distrito Federal
Período (3 anos, 11 meses e 23 dias)
Início 26 de fevereiro de 2020
Estatísticas globais
Casos confirmados 37 553 337[1]
Mortes 702 421
Casos que recuperaram 36 786 138
Página Governamental
Atualizado em 19 de maio de 2023 08:13 UTC-3

No início da pandemia, o então ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta posicionou-se de acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS)[6] ao adotar o distanciamento social[7] com o objetivo de "achatar a curva" de contágio[8] e assim evitar o colapso do sistema de saúde.[9] Por outro lado, a resposta do então presidente Jair Bolsonaro foi amplamente criticada depois que ele minimizou os efeitos da doença,[10][11][12][13][14][15] defendeu tratamentos sem eficácia comprovada[16][17][18][19][20] e postergou a compra de vacinas,[21][22] além de ter entrado em conflito com governadores por discordar de medidas de distanciamento social.[23][24] Por causa dessa resposta errática, o Senado Federal instaurou a CPI da COVID-19, uma comissão parlamentar de inquérito para investigar ações e omissões do poder público no combate à pandemia.[25]

Entre os impactos da pandemia, o sistema de saúde passou por uma crise sanitária em 2021, quando o país começou a registrar mortes em filas de espera por leitos[26] e alertas para possíveis desabastecimentos de oxigênio e produtos de intubação.[27][28] Na economia, interrompeu a recuperação de longo prazo e afetou diretamente o emprego e a renda da população.[29] Por fim, prejudicou a educação de alunos em fase de alfabetização.[30]

Evolução editar

Em 28 de janeiro de 2020, o Ministério da Saúde (MS) subiu o nível de alerta do país para "perigo iminente" e mudou o protocolo para identificar os casos suspeitos.[31][32][33] Poucos dias depois, o órgão reconheceu o estado de Emergência de Saúde Pública Importância Nacional (ESPIN).[34] O primeiro caso foi confirmado em 26 de fevereiro.[2][35] No entanto, um estudo liderado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indicou que o vírus começou a se espalhar por volta da primeira semana daquele mês.[36][37][38][39]

Na primeira semana de março, os primeiros casos de infecção no país foram confirmados em São Paulo (13), Bahia (2), Rio de Janeiro (2), Distrito Federal (1) e Espírito Santo (1).[40] Em 11 de março de 2020, a OMS declarou oficialmente a pandemia de COVID-19,[41] quando o Brasil já registrava mais de cem casos confirmados.[42] Poucos dias depois, o MS anunciou a transmissão comunitária em todo o território nacional.[5]

A pandemia evoluiu em "ondas" ou fases mais ou menos evidenciadas a partir de variantes do vírus infeccioso que causaram escalada de casos, embora a ideia de "onda epidêmica" não seja consensual na epidemiologia ou não tenha definição formal no país.[43] Nesse sentido, o pico da primeira onda se deu entre abril e maio de 2020 a partir da cepa original do vírus.[43] Uma nova onda epidêmica iniciou em dezembro daquele ano e atingiu um pico bem maior que a anterior em março de 2021, em função da variante gama (anteriormente, P.1).[43] A vacinação foi iniciada no país no início daquele ano, até que, com poucas doses de reforço da vacina aplicadas, ocorreu uma terceira escalada da doença no início de 2022 associada à variante ômicron surgida no exterior.[44] Em fase de extinção da terceira onda,[45] o Ministério da Saúde revogou a vigência a emergência sanitária nacional (ESPIN) em fins de abril de 2022, muito embora a OMS tivesse decidido em 12 de abril pela continuidade da declaração de Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional.[46] Depois do arrefecimento da transmissão após a extinta terceira onda, houve elevação de casos e hospitalizações associada à subvariante BQ.1 da ômicron em torno de outubro de 2022.[44]

Desde o início até 18 de fevereiro de 2024, foram confirmados 37 553 337 casos e 702 421 mortes. Os gráficos abaixo apresentam o crescimento de casos e óbitos a partir da confirmação do primeiro caso no país em 26 de fevereiro de 2020.[4][35] Nos gráficos, as colunas representam os números acumulados registrados nos respectivos intervalos.

Reações editar

Poder executivo editar

Pronunciamento oficial de Jair Bolsonaro, em 24 de março de 2020.
Jair Bolsonaro em videoconferência com governadores do Sudeste.

O poder executivo, sob recomendação do MS, decretou, oficialmente, emergência sanitária por causa da COVID-19 e enviou ao congresso um projeto de lei para regulamentar a quarentena e receber brasileiros que estavam em Wuhan, o epicentro da doença.[47][48][49] Naquele momento, o país ainda não havia confirmado casos, mas a decisão foi tomada para facilitar compras de equipamentos de segurança para agentes de saúde.[50][51]

Poucos dias depois, o MS e a Fundação Oswaldo Cruz, a pedido da Organização Pan-Americana da Saúde, fizeram a capacitação técnica de representantes de nove países da América do Sul e Cetral para o diagnóstico laboratorial do vírus.[52] O órgão também ampliou o número de países em monitoramento devido ao surgimento de casos da doença na Europa[53][54] e anunciou a compra de 20 milhões de máscaras cirúrgicas e 600 mil aventais hospitalares em razão do aumento da demanda de atendimentos médicos.[55] No mesmo período, Bolsonaro assinou uma medida provisória destinando crédito extraordinário de 11,2 bilhões de reais ao Ministério da Defesa para custear ações de enfrentamento de emergência de saúde pública.[56]

Em 6 de março, em pronunciamento à nação, Bolsonaro afirmou que não havia motivo para "entrar em pânico" e classificou as recomendações de especialistas como a "melhor medida de proteção".[57] No entanto, ao longo do mês, a postura do então presidente mudou rapidamente, a ponto dele declarar que seu governo estava "ganhando de goleada" do vírus.[58] Na ocasião, a resposta de Bolsonaro à crise da COVID-19 foi reprovada pela população brasileira[59][60][61][62] e começou a ser pauta de panelaços.[63][64][65][66]

No dia 24 de março, através de um pronunciamento em rede nacional, Bolsonaro minimizou a doença ao compará-la a uma "gripezinha" ou "resfriadinho",[67][68][69][70] criticou os meios de comunicação, por, segundo ele, espalhar o pânico entre a população,[67][69][70] e ainda afirmou que o país deveria voltar à normalidade,[67][68][69][70] atacando autoridades estaduais e municipais que adotaram medidas sanitárias, as quais ele chamou de táticas de confinamento em massa.[67][68][69][70] Logo após a transmissão, o pronunciamento foi repudiado nas redes sociais,[71] e ainda recebeu críticas negativas da mídia internacional[72] e de autoridades e políticos.[73][74]

O mês de abril ficou marcado por uma série de manifestações contra as medidas sanitárias[75][76][77] e a favor de pautas antidemocráticas.[78][79] Bolsonaro, por sua vez, participou de uma manifestação que defendia a intervenção militar e o AI-5,[80][81] além de ter provocado inúmeras aglomerações.[82][83][84] Durante todo o período da pandemia, o ex-presidente contrariou orientações preconizadas por especialistas e entidades de saúde,[85] disseminou informações falsas ou distorcidas,[85][86] defendeu tratamentos sem eficácia comprovada[87][88][89] e postergou a compra de vacinas.[90][91][92]

Poder legislativo editar

 Ver artigos principais: Auxílio Emergencial e CPI da COVID-19
 
Homenagem do congresso nacional aos profissionais da saúde.

No âmbito legislativo, a Câmara dos Deputados criou, em 11 de fevereiro de 2020, uma comissão externa para acompanhar as medidas sanitárias e possíveis consequências da pandemia,[93] com as audiências sendo realizadas por meios de videoconferências.[94] Nos dois meses seguintes, o congresso aprovou o decreto de calamidade pública[95] e uma mudança na lei de diretrizes orçamentárias (LDO) para aumentar o défice fiscal, permitindo que estados e municípios possam gastar mais com ações de combate ao vírus.[96] Em maio, foi promulgada a proposta de emenda constitucional que criou um orçamento paralelo, chamado de "orçamento de guerra", para gastar recursos exclusivos em medidas sanitárias sem as exigências aplicadas ao orçamento regular[97] e também o uso obrigatório de máscaras.[98]

Para conter os impactos econômicos causados pela pandemia, o congresso aprovou um programa emergencial de manutenção de emprego, que permitiu, durante o período de calamidade pública, a suspensão temporária do contrato de trabalho e a redução de salários e da jornada de trabalho,[99][100] com o objetivo de diminuir as despesas das empresas.[101] Uma outra ação adotada garantiu uma renda mínima emergencial aos mais vulneráveis.[100][102][103]

O Senado, por sua vez, instaurou, em 27 de abril de 2021, uma comissão parlamentar de inquérito para investigar ações e omissões do poder público no combate à pandemia[104][105][106] e que revelou a existência de um gabinete paralelo[107] e indícios de corrupção na compra de vacinas.[108][109][110] Três meses depois, a comissão foi concluída com o pedido de 80 indiciamentos.[111]

Poder judiciário editar

 
Palácio do Supremo Tribunal Federal.

No âmbito judiciário, os órgãos se adaptaram às exigências sanitárias,[112] adotando o trabalho telepresencial como regra, realizando audiências por meio de videoconferências de forma contínua e implementado a sistemática da conciliação virtualmente.[113][114] Em 17 de março, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) emitiu uma recomendação a tribunais e magistrados para adoção de medidas preventivas que incluíram: redução do fluxo de ingresso no sistema prisional e socioeducativo, medidas de prevenção na realização de audiências judiciais nos fóruns, suspensão excepcional da audiência de custódia, ação conjunta com os Executivos locais na elaboração de planos de contingência e suporte aos planos de contingência deliberados pelas administrações penitenciárias dos estados em relação às visitas.[115] No entanto, Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), discordou da liberação dos presos em regime semiaberto e alertou que a medida poderia resultar em uma "crise sem precedentes na segurança pública nacional".[116]

Em 29 de março de 2020, o ministro Alexandre de Moraes autorizou em liminar que o governo descumprisse as leis de diretrizes orçamentárias e responsabilidade fiscal (LRF) a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) como medida emergencial.[117] No mês seguinte, o Plenário do STF, por unanimidade, confirmou o entendimento de que as medidas emergenciais adotadas pelo governo federal não anulam a competência concorrente nem a tomada de providências normativas e administrativas pelos estados e municípios.[118]

Governos estaduais e municipais editar

 
O então governador de São Paulo João Doria em uma coletiva de imprensa.

Diante do contexto de negacionismo e crise sanitária, coube aos governadores, prefeitos e secretarias municipais de saúde decretarem medidas de combate à pandemia, como isolamento social e uso de máscara.[119][120] Em março de 2020, com a propagação do vírus em território nacional, os governos de todas as unidades federativas suspenderam temporariamente as atividades escolares[121] e eventos com grande número de pessoas.[122] Outras restrições foram adotadas simultaneamente em vários estados, tais como a redução do transporte público, incentivos ao trabalho remoto e o fechamento de atividades comerciais não essenciais.[122] Hospitais de campanha também foram montados[123][124][125][126] para aumentar a capacidade hospitalar.[127]

Por causa das medidas sanitárias, governadores e prefeitos foram atacados por Bolsonaro,[128][129] que defendia medidas mais frouxas para minimizar os impactos na economia,[130][131][132] e chegou a classificar como criminosas as medidas adotadas por estados e municípios.[133] Os governadores responderam mantendo em vigor as medidas sanitárias.[134] Em 25 de março de 2020, Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, discutiram durante uma reunião virtual. Doria criticou a postura do então presidente e afirmou que a crise sanitária não seria vencida sem diálogo.[135] No dia seguinte, todos os governadores, com exceção de Ibaneis Rocha, do Distrito Federal, assinaram uma carta com reivindicações ao governo federal, convidando Bolsonaro a agir em parceria com eles e com os demais poderes.[136]

Por outro lado, alguns municípios ficaram marcados por gestões negacionistas e caóticas, como o município de Duque de Caxias, denunciado por desrespeitar a ordem dos grupos prioritários e aplicar doses em vias públicas.[137] Além disso, muitos prefeitos distribuíram à população medicamentos do Kit Covid.[138]

Impactos editar

Saúde editar

Manifestações de profissionais de saúde.

De acordo com levantamento da Internacional de Serviços Públicos (ISP), produzido pela Lagom Data, mais de 4500 profissionais de saúde, a maior parte de auxiliares ou técnicos de enfermagem, morreram entre março de 2020 e dezembro de 2021.[139][140][141] O estudo ainda indicou que oito a cada dez desses óbitos eram de mulheres.[139] O número de profissionais de saúde afastados após serem infectados com o vírus também aumentou,[142][143] a ponto de muitos não se sentirem protegidos nos locais de trabalhos.[144] De todo modo, profissionais de saúde receberam homenagens por atuarem na linha de frente no enfrentamento da pandemia.[145][146][147][148]

No contexto operacional, Manaus foi a primeira capital que enfrentou um colapso hospitalar e funerário. O evento ocorreu em abril de 2020, quando os leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) operaram na capacidade máxima, os necrotérios não suportaram o aumento da demanda e os cemitérios públicos começaram a abrir valas comuns.[149][150][151] Em janeiro de 2021, a cidade viveu um segundo colapso, muito provavelmente impulsionado por uma cepa mais contagiosa.[152] O estado do Amazonas, inclusive, não conseguiu suprir a demanda de oxigênio, o que agravou a crise sanitária.[153] No mesmo período, o MS incentivou a população[154][155] e pressionou a prefeitura de Manaus para aderirem ao tratamento precoce.[156][157][158]

Na primeira quinzena de março de 2021, 24 estados e o Distrito Federal apresentaram taxas de ocupação de leitos de UTI superiores a 80%,[159] sendo dezesseis acima dos 90%.[160] Os números refletiram um colapso nacional[26] e rapidamente o Brasil começou a registrar mortes em filas de espera por leitos[26] e alertas para possíveis desabastecimentos de oxigênio e equipamentos para a intubação de pacientes.[161][28]

Como se isso não fosse suficiente, a pandemia diminuiu o número de procedimentos cirúrgicos,[162][163][164] impactou o diagnóstico e o tratamento de câncer[165][166] e agravou a saúde mental.[167][168]

Economia editar

Ação Social para arrecadação de alimentos em Brasília.
Produção de máscaras de proteção durante a pandemia.

No âmbito econômico, a pandemia interrompeu a recuperação de longo prazo[29] e impactou diretamente no emprego e na renda da população.[29][169][170] No dia 30 de março, foi prevista pela primeira vez uma retração no PIB do país para o ano de 2020,[171] A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB), que antes era de um crescimento de 1,48%, passou a ser uma queda de 0,48%. Foi a sétima queda consecutiva da previsão de crescimento.[172]

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de desempregados ultrapassou os 15,2 milhões no primeiro trimestre de 2021, uma taxa de 14,9%.[173][174] Por outro lado, o país apresentou uma recuperação no número de desocupados, mas os dados corresponderam a um aumento da informalidade.[173] Para garantir a manutenção de empregos formais, o congresso aprovou aprovou um programa emergencial de manutenção de emprego, que permitiu, durante o período de calamidade pública, a suspensão temporária do contrato de trabalho e a redução de salários e da jornada de trabalho,[99][100] com o objetivo de diminuir as despesas das empresas.[101] Ao mesmo tempo, a renda da população foi significativamente impactada. Inclusive, a inflação das famílias de renda mais baixa foi de 16,8%.[175][176] Na ocasião, as pressões inflacionárias ficaram concentradas entre os alimentos,[177] classe que compromete mais o orçamento de famílias menos favorecidas.[176] Para endossar as medidas sanitárias e diminuir os efeitos inflacionários, o congresso aprovou o auxílio emergencial, um programa de transferências de renda mínima aos mais vulneráveis.[102]

Apesar disso, o uso obrigatório de máscaras resultou no aumento da demanda, encarecendo o produto.[178][179] A alternativa foi incentivar a produção em grande escala de máscaras de proteção para profissionais de saúde e para a população, criando uma oportunidade de mercado para indústrias têxteis, de confecções e pequenas oficinas de costura.[180]

Em 14 de abril de 2020, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que a dívida bruta do governo fecharia o ano em 85% ou mais do PIB em um cenário sem venda de reservas internacionais pelo Banco Central. Esse crescimento ocorreu principalmente pelas despesas do governo com as ações de combate à pandemia.[181] Para a consultoria Capital Economics, em razão ao aumenta da dívida pública, o Brasil deve ser um dos países que mais tempo leverão para se recuperar da crise econômica.[182]

Educação editar

Profissional de limpeza higieniza uma carteira escolar.
Estudante usando uma máscara de proteção.

A pandemia de COVID-19 impactou o sistema educacional brasileiro, alterando a rotina dos estudantes nos mais diversos níveis de aprendizado e paralisando as aulas presenciais em todo o país.[183][184][185] O Brasil, inclusive, foi o país que manteve escolas fechadas por mais tempo, em 2020, com 178 dias.[186][187] Para atender as demandas sanitárias, muitas escolas privadas optaram, inicialmente, por antecipar as férias de julho.[188] Em algumas universidades públicas, principalmente as federais, o calendário do ano letivo foi cancelado.[189][190][191][192] Com a impossibilidade das aulas presenciais, escolas e universidades adotaram a educação a distância,[193][194] modalidade que propiciou a continuidade da educação, mas evidenciou a desigualdade existente no país.[195][196]

Logo no início da pandemia, em 1.º de abril de 2020, o então presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que suspendeu a obrigatoriedade de instituições de ensino cumprirem a quantidade mínima de dias letivos, mantendo apenas a carga horária mínima.[197][198][199] O Ministério da Educação (MEC), por sua vez, abriu um cadastro para que estudantes de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia atuassem em estabelecimentos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).[200][201] O Senado aprovou, em 15 de maio de 2020, a suspensão do pagamento de empréstimos no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) por três meses.[202] No mesmo mês, o congresso também aprovou um projeto de lei que adiou o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e os demais processos seletivos para o ano de 2021.[203]

De acordo com o MEC, a pandemia prejudicou os alunos em fase de alfabetização. As avaliações do segundo ano do ensino fundamental mostram que o percentual de estudantes, por volta de 7 anos, que ainda não sabem ler palavras isoladas subiu de 15% para 34% em relação ao último censo, em 2019. Por outro lado, aqueles que não têm capacidade para somar ou subtrair correspondem a 22% dos discentes, contra 16% há dois anos. O resultado das provas aplicadas para o quinto ano do ensino fundamental indicou que 23% dos alunos, mesmo entre os que sabem ler, não compreendem sentidos de palavras e expressões em textos.[30]

Cultura e turismo editar

 
Grafite em homenagem aos profissionais da saúde.

Assim como em outros setores, estabelecimentos culturais, como bibliotecas,[204] cinemas,[205] festivais,[206] museus[207] e teatros,[208] entre outros segmentos, tiveram suas atividades temporariamente paralisadas.[209][210] Além do mais, importantes eventos foram cancelados ou adiados, incluindo o Lollapalooza,[211] a Virada Cultural de São Paulo,[212] o Festival de Teatro de Curitiba,[213] a Festa Literária Internacional de Paraty,[214] a São Paulo Fashion Week,[215] a Oktoberfest ,[216] o Festival Folclórico de Parintins,[217] a procissão do Círio de Nazaré,[218] entre outros, somando mais de 800 eventos[219][220][221] e cinco mil shows musicais afetados.[209]

Diante das restrições, o consumo por música cresceu, assim como as visualizações de videoclipes musicais no YouTube e a audiência de serviços de streaming. Por sua vez, diversos portais digitais foram lançados para transmitir aulas, debates, espetáculos e oficinas.[210]

No turismo, a pandemia diminuiu mais da metade o número de turistas internacionais, ao registrar 2,9 milhões.[222] Devido às dificuldades, o turismo doméstico, por ter menos restrições e ser menos custoso,[223] aumentou consideravelmente.[224] O setor, inclusive, terminou 2020 com o faturamento 30% abaixo do patamar verificado antes da pandemia,[225] sendo que, somente em março daquele ano, a perda foi 2,2 bilhões de reais.[226]

O setor aéreo também sofreu grande impacto. Logo no início da pandemia, a maior parte da frota global de aviões ficou parada por causa do fechamento de fronteiras e das medidas de distanciamento social.[227] Por conseguinte, muitos vôos foram cancelados,[228] o que necessitou a adoção de regras emergenciais para o reembolso ou remarcação de passagens aéreas.[229] De acordo com a Associação Internacional de Transportes Aéreos, as perdas globais das companhias aéreas foram de 157 bilhões de dólares.[230]

Período eleitoral editar

 
Eleitores e mesários usaram máscaras e álcool em gel como protocolo de segurança.

Durante a propagação do coronavírus em território nacional, em 2020, entes e partidos políticos discutiram a realização das eleições municipais. Na ocasião várias sugestões foram feitas, incluindo o adiamento dos pleitos e a prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores.[231][232] No mês de julho, o congresso nacional oficializou o adiamento de 4 e 25 de outubro para 15 e 29 de novembro.[233]

As eleições municipais de 2020 ficaram marcadas, na sua dimensão procedimental, pela adoção de protocolos de distanciamento social e de higiene pessoal.[234] O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou regras específicas, como uso obrigatório de máscaras, higienização constante e horários preferenciais para idosos.[235][236]

Em decorrência do contexto sanitário, cientistas políticos alertaram para um aumento no número de abstenção,[237][238] o que realmente ocorreu. O país registrou 23,14% de abstenções no primeiro turno, o maior índice em 20 anos, embora não tenha subido significativamente em relação às médias anteriores.[239] No segundo turno, o índice foi de 29,5%.[240] Em janeiro de 2021, o TSE suspendeu as consequências legais para quem não compareceu nas eleições municipais.[241]

Vacinação editar

 
A enfermeira Mônica Calazans foi a primeira pessoa a receber uma dose da vacina contra a COVID-19.

Em 17 de janeiro de 2021, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial das vacinas AZD1222 e CoronaVac.[242][243] No mesmo dia, o governo de São Paulo aplicou a primeira dose na enfermeira Mônica Calazans, a qual tornou-se a primeira pessoa, fora dos estudos clínicos, vacinada no Brasil.[244]

Por sua vez, a vacinação em todo território nacional teve início em 19 de janeiro de 2021, com profissionais de saúde, residentes de asilos e indígenas recebendo a imunização.[245] Em setembro de 2021, o país havia vacinado parcialmente 147 milhões de pessoas,[246] o que contribuiu para uma queda no número de mortes de 79%.[247] O ano de 2021, aliás, foi encerrado com 80% da população adulta vacinada com as duas doses.[248] No dia 24 de abril de 2023, o MS, sob a gestão de Nísia Trindade, ampliou o programa de vacinação com dose de reforço bivalente para toda população acima de 18 anos.[249]

A vacinação foi considerada uma das principais causas da redução de óbitos e internações no Brasil.[250][251][252] Apesar dos números positivos, o país enfrentou inúmeros desafios durante a campanha de vacinação, com denúncias de desvios de doses,[253][254][255] fura-filas[256][257][258] e irregularidades na aplicação.[259][260]

Referências

  1. «Coronavírus Brasil». Ministério da Saúde. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  2. a b «Brasil confirma primeiro caso do novo coronavírus». Governo Executivo do Brasil. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 19 de abril de 2023. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2020 
  3. Alex Rodrigues (26 de fevereiro de 2020). «Ministério da Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no Brasil». Agência Brasil. Consultado em 19 de abril de 2023. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2020 
  4. a b Elida Oliveira; Brenda Ortiz (26 de fevereiro de 2020). «Ministério da Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no Brasil». G1. Consultado em 19 de abril de 2023. Cópia arquivada em 13 de abril de 2023 
  5. a b Jonas Valente (20 de março de 2020). «Covid-19: governo declara transmissão comunitária em todo o país». Agência Brasil. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2022 
  6. Ronan da Silva Parreira Gaia (2020). «Subcidadania, raça e isolamento social nas periferias brasileiras: reflexões em tempos de COVID-19». Revista Thema. 18. doi:10.15536/thema.V18.Especial.2020.92-110.1827. eISSN 2177-2894. Cópia arquivada em 29 de junho de 2022. As posições assumidas pelas representações governamentais brasileiras têm se contrariado, na medida que enquanto o presidente da República banaliza a pandemia como uma simples “gripezinha”, o Ministério da Saúde (durante a gestão de LuizHenrique Mandetta) e os governadores dos estados tem buscado seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). 
  7. Flávia Said (16 de abril de 2020). «Mandetta anuncia que foi demitido por Bolsonaro e defende transição suave». Congresso em Foco. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2021 
  8. «Brasil terá pico de Covid-19 em abril e maio, e vírus deve circular até meados de setembro, afirma Mandetta e especialistas em relatório técnico». G1. 7 de abril de 2020. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 2 de julho de 2022 
  9. Lisandra Paraguassu (17 de abril de 2020). «Mandetta diz que pior da epidemia do coronavírus ainda não passou». Yahoo! Notícias. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 20 de abril de 2020 
  10. «"Gripezinha" e "histeria": cinco vezes em que Bolsonaro minimizou o coronavírus». Congresso em Foco. 1 de abril de 2020. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2022 
  11. Matheus R. Ribeiro (8 de janeiro de 2021). «Brasil, 200 mil mortes por Covid: 200 frases de Bolsonaro minimizando a pandemia». Yahoo! Notícias. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2022 
  12. Eduardo Simões (15 de março de 2021). «Governo Bolsonaro é denunciado na ONU por "tragédia humanitária" na pandemia». Reuters. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2023 
  13. Mariana Muniz (15 de dezembro de 2021). «MPF diz que governo Bolsonaro minimizou pandemia e pede indenização de R$ 62,5 bilhões para vítimas da covid-19» . O Globo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 27 de junho de 2022 
  14. Daniel Francisco Nagao Menezes (2020). «Democracia e emergência na América Latina – um novo paradigma do Coronavírus». Pouso Alegre. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas. 36 (2) 
  15. Josiele da Costa Santos; Celso Kallarrari (2022). «Estratégias de polidez em um pronunciamento de Jair Bolsonaro sobre a pandemia da Covid-19». Rio de Janeiro. Philologus. 28 (83). ISSN 1413-6457. eISSN 2675-6846 
  16. «Comissão do Ministério da Saúde aprova relatório que rejeita uso de kit covid no SUS» . O Estado de S. Paulo. 8 de dezembro de 2021. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 22 de maio de 2022 
  17. Beatriz Jucá (15 de outubro de 2021). «Como o Conselho de Medicina silenciou diante do negacionismo de Bolsonaro e abraçou a cloroquina». El País Brasil. Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2023 
  18. Atila Iamarino (26 de janeiro de 2021). «Negacionismo que mata» . Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de junho de 2021. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2021 
  19. Vicente Vilardaga; Fernando Lavieri (23 de abril de 2021). «Por dentro da mente dos negacionistas». IstoÉ. Consultado em 3 de junho de 2021. Cópia arquivada em 30 de abril de 2021 
  20. Luiz Felipe Stevanim (1 de abril de 2021). «A BOLHA NEGACIONISTA». Radis. Consultado em 3 de junho de 2021. Cópia arquivada em 7 de maio de 2021 
  21. «Representante da Pfizer confirma: governo não respondeu ofertas feitas em agosto de 2020». Senado Federal do Brasil. 13 de maio de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2022 
  22. «Pfizer foi ignorada pelo governo federal 81 vezes, expõe Randolfe Rodrigues à CPI». TV Cultura. 9 de junho de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  23. Thais Arbex (24 de março de 2020). «Governadores preparam reação conjunta a Bolsonaro e mantêm restrições para combater coronavírus». O Globo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de março de 2020 
  24. Daniel Adjuto (1 de março de 2021). «19 governadores rebatem Bolsonaro: 'má informação' e 'promoção do conflito'». CNN Brasil. Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de julho de 2022 
  25. «CPI da Covid: as omissões e irregularidades do governo Bolsonaro investigadas e o que já veio à tona». G1. 21 de maio de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 18 de maio de 2022 
  26. a b c «UTIs cheias, mortes sem leito e variante revelam hospitais em colapso». Estado de Minas. 19 de março de 2021. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 21 de março de 2021 
  27. «Estados e municípios temem falta de oxigênio e alertam Ministério da Saúde». O Globo. 18 de março de 2021. Consultado em 3 de abril de 2021. Arquivado do original em 31 de março de 2021 
  28. a b Jonas Valente (1 de abril de 2021). «Covid-19: 1.141 municípios relatam risco de ficar sem kit intubação». Agência Brasil. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 3 de abril de 2021 
  29. a b c Mygre Lopes da Silva; Rodrigo Abbade da Silva (19 de junho de 2020). «Economia brasileira pré, durante e pós-pandemia do covid-19: impactos e reflexões» (PDF). Observatório Socioeconômico da COVID-19. Cópia arquivada (PDF) em 26 de outubro de 2022 
  30. a b Duda Monteiro de Barros; Ricardo Ferraz (16 de setembro de 2022). «O gigantesco impacto da pandemia na educação básica». Veja. Consultado em 13 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2022 
  31. Gabriel Shinohara (28 de janeiro de 2020). «Coronavírus: Brasil sobe nível de alerta para 'perigo iminente'». O Globo. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2022 
  32. «Com três casos suspeitos, alerta no Brasil sobe para perigo iminente». O Tempo. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 25 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 21 de julho de 2020 
  33. Natália Cancian (28 de janeiro de 2020). «Brasil investiga três casos de suspeita de coronavírus, e ministério sobe nível de alerta» . Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2023 
  34. Guilherme Mazui; Pedro Henrique Gomes (3 de fevereiro de 2020). «País adotará emergência para retirar cidadãos de área de surto de coronavírus, diz ministro». G1. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2022 
  35. a b «Primeiro caso de Covid-19 no Brasil permanece sendo o de 26 de fevereiro». Ministério da Saúde. 17 de julho de 2020. Consultado em 25 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2023 
  36. Edson Delatorre; Daiana Mir; Tiago Gräf; Gonzalo Bello (2020). «Tracking the onset date of the community spread of SARS-CoV-2 in western countries». Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. ISSN 0074-0276. doi:10.1590/0074-02760200183 
  37. «Covid-19 circulou no Brasil mais de 20 dias antes da 1ª confirmação, diz Fiocruz». CNN Brasil. 12 de maio de 2020. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  38. Ana Luiza Albuquerque (11 de maio de 2020). «Novo coronavírus começou a circular no Brasil no início de fevereiro, diz estudo da Fiocruz» . Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2023 
  39. «Estudo da Fiocruz aponta que a COVID-19 já circulava no Brasil em fevereiro». Conselho Federal de Biologia. 12 de maio de 2020. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2021 
  40. «Brasil confirma 19 casos do novo coronavírus». Veja. 7 de março de 2020. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2023 
  41. Ardilhes Moreira; Lara Pinheiro (11 de março de 2020). «OMS declara pandemia de coronavírus». G1. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2023 
  42. Bruna Lima; Eduardo Oliveira (12 de março de 2020). «Brasil já tem mais de 100 casos confirmados de coronavírus». Estado de Minas. Consultado em 16 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 8 de abril de 2020 
  43. a b c Lucas Rocha (30 de maio de 2021). «O que são ondas da Covid-19 e por que o Brasil pode estar diante da terceira». CNN Brasil. Consultado em 12 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2021 
  44. a b Wanderley Preite Sobrinho (23 de novembro de 2022). «Covid em alta: até quando teremos novas ondas no Brasil?». UOL. Consultado em 12 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2023 
  45. Regina Castro (8 de abril de 2022). «Observatório Covid-19 aponta fase de extinção da "terceira onda" no Brasil». Fundação Oswaldo Cruz. Consultado em 12 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2023 
  46. Bruno Dominguez; Luiz Felipe Stevanim (18 de maio de 2022). «Seria o fim da pandemia?». Radis. Consultado em 12 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 23 de maio de 2022 
  47. «Brasil decreta emergência sanitária por causa do novo coronavírus». G1. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  48. «Governo federal decreta estado de emergência para conter coronavírus no Brasil» . Folha de S.Paulo. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2022 
  49. «Governo desiste de MP e envia PL para regulamentar combate ao coronavírus». Consultor Jurídico. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  50. Mateus Vargas (4 de fevereiro de 2020). «Mesmo sem casos confirmados, governo antecipa emergência contra coronavírus e faz MP da quarentena» . O Estado de S. Paulo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2023 
  51. Mateus Vargas; Julia Lindner; Gilberto Amendola (4 de fevereiro de 2020). «Mesmo sem confirmar coronavírus no Brasil, governo decreta emergência». O Estado de S. Paulo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2022 
  52. «Brasil apresenta ações para enfrentamento do novo coronavírus». Ministério da Saúde. 19 de fevereiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2020 
  53. «Brasil dobra número de países em monitoramento de casos suspeitos de novo coronavírus; Itália, França e Alemanha entram na lista». G1. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2022 
  54. Mateus Vargas; Amanda Pupo (11 de abril de 2020). «Brasil vai monitorar passageiros vindos de Itália, França e Alemanha com sintomas de coronavírus» . O Estado de S. Paulo. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2023 
  55. «Ministério da Saúde faz compra direta de 20 milhões de máscaras cirúrgicas». Gazeta do Povo. 2 de março de 2020. Consultado em 6 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2022 
  56. Guilherme Mazui (10 de fevereiro de 2020). «Bolsonaro assina MP e destina R$ 11,2 milhões para combate ao coronavírus». G1. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2022 
  57. Filipe Matoso; Mateus Rodrigues (6 de março de 2020). «Coronavírus: Bolsonaro diz na TV que não há razão para pânico ainda que problema se agrave». G1. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2022 
  58. Guilherme Mazui; Luiz Felipe Barbiéri; Sara Resende; Pedro Gomes; Alexandro Martello (18 de março de 2020). «Em entrevista sobre coronavírus, Bolsonaro diz que governo ganha 'de goleada' e pede elogios». G1. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2023 
  59. Talita Bedinelli (19 de março de 2020). «Gestão de Bolsonaro do coronavírus é reprovada por 64%, e 45% se dizem a favor de impeachment». El País Brasil. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2022 
  60. «Bolsonaro tem aprovação de 33% e reprovação de 39% na gestão da crise do coronavírus, diz Datafolha». G1. 3 de abril de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2022 
  61. Igor Gielow (4 de abril de 2020). «Para 51%, Bolsonaro mais atrapalha do que ajuda no combate ao coronavírus, diz Datafolha» . Folha de S.Paulo. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2022 
  62. «Para 51%, Bolsonaro mais atrapalha que ajuda no combate à Covid-19». Correio. 3 de abril de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2022 
  63. «São Paulo registra panelaços contra Jair Bolsonaro durante pronunciamento». G1. 18 de março de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 19 de março de 2020 
  64. «Cidades registram panelaços contra Bolsonaro durante e depois de pronunciamento». G1. 18 de março de 2020. Consultado em 22 de março de 2020. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2022 
  65. Larissa Ricci (21 de março de 2020). «Bolsonaro é alvo de mais um panelaço neste sábado; veja vídeos». Estado de Minas. Consultado em 22 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2022 
  66. «Cidades brasileiras registram panelaços contra Bolsonaro pelo oitavo dia seguido». G1. 24 de março de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de março de 2020 
  67. a b c d Ricardo Della Coletta (24 de março de 2020). «Em pronunciamento, Bolsonaro critica fechamento de escolas, ataca governadores e culpa mídia» . Folha de S.Paulo. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2022 
  68. a b c Felipe Betim (25 de março de 2020). «Em cadeia de TV, Bolsonaro minimiza coronavírus para insuflar base radical». El País Brasil. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2022 
  69. a b c d Humberto Martins (24 de março de 2020). «Bolsonaro critica 'histeria' com coronavírus: 'Devemos voltar à normalidade'». Estado de Minas. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2021 
  70. a b c d «Em rede nacional, Bolsonaro critica fechamento de escolas e comércio e compara coronavírus a 'resfriadinho'». BBC Brasil. 24 de março de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2022 
  71. Ana Flor (25 de março de 2020). «Pronunciamento de Bolsonaro é repudiado nas redes sociais, aponta levantamento da FGV». G1. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2022 
  72. «Pronunciamento de Bolsonaro repercute na imprensa internacional». Exame. 25 de março de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2022 
  73. «Veja repercussão do pronunciamento de Bolsonaro sobre o coronavírus em que ele contrariou especialistas e pediu fim do 'confinamento em massa'». G1. 24 de março de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2022 
  74. «Secretários estaduais de Saúde: Bolsonaro 'dificulta o trabalho de todos'». Veja. 25 de março de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2022 
  75. «Grupo pró-Bolsonaro e anti-isolamento faz carreata e fecha avenida em São Paulo». CNN Brasil. 18 de abril de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2022 
  76. Renan Marra (15 de abril de 2020). «Brasil não é o único país a registrar protestos contra isolamento social». Folha de S.Paulo. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2022 
  77. Ciro Barros; Diogo da Silva; Joana Suarez; Rafael Oliveira (17 de abril de 2020). «Políticos ligados ao Aliança Pelo Brasil chamam carreatas e agem para furar isolamento nos Estados». Agência Pública. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2022 
  78. Aiuri Rebello (19 de abril de 2020). «Carreata pró-Bolsonaro e anti-Doria reúne multidão e fecha Paulista». UOL. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020 
  79. «Atos antidemocráticos, colapso em Manaus e mais notícias da manhã de 22 de abril». CNN Brasil. 22 de abril de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2023 
  80. Tiago Aguiar (20 de abril de 2020). «Estimulados por Bolsonaro, atos ocorrem em ao menos 6 capitais; no RS, houve agressão» . O Estado de S. Paulo. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2023 
  81. Eduardo Militão; Hanrrikson Andrade (19 de abril de 2020). «Políticos e ministros reprovam adesão de Bolsonaro a ato antidemocrático». UOL. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 20 de abril de 2020 
  82. «4 pontos sobre o discurso de Bolsonaro em ato a favor de 'intervenção militar'». BBC Brasil. 20 de abril de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 22 de abril de 2020 
  83. Daniela Mercier (20 de abril de 2020). «Bolsonaro endossa ato pró-intervenção militar e provoca reação de Maia, STF e governadores». El País Brasil. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 20 de abril de 2020 
  84. Arthur Sandes (17 de maio de 2020). «Bolsonaro esteve, em média, em uma aglomeração por dia durante a pandemia». UOL. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2022 
  85. a b «Relembre o que Bolsonaro já disse sobre a pandemia, de gripezinha e país de maricas a frescura e mimimi». Folha de S.Paulo. 5 de março de 2021. Consultado em 9 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2022 
  86. Amanda Ribeiro (3 de janeiro de 2022). «Bolsonaro disse cerca de sete informações falsas ou distorcidas por dia em 2021». Aos Fatos. Consultado em 3 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2022 
  87. «Não recomenda? 6 vezes que Bolsonaro defendeu uso da cloroquina». Correio Braziliense. 16 de julho de 2020. Consultado em 4 de junho de 2021. Cópia arquivada em 27 de abril de 2021 
  88. Rayanderson Guerra (20 de maio de 2021). «Bolsonaro defendeu uso de cloroquina em 23 discursos oficiais; leia as frases» . O Globo. Consultado em 4 de junho de 2021. Cópia arquivada em 29 de maio de 2021 
  89. Alexandre Bazzan (5 de maio de 2021). «Bolsonaro citou nas redes 129 vezes remédios sem eficácia desde começo da pandemia». Rede Bandeirantes. Consultado em 4 de junho de 2021. Cópia arquivada em 11 de maio de 2021 
  90. Renato Machado (21 de maio de 2021). «Emails da Pfizer comprovam omissão da gestão Bolsonaro na busca por vacinas, dizem senadores da CPI» . Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2022 
  91. Octavio Guedes (27 de abril de 2021). «CPI da Covid: Governo Bolsonaro recusou 11 vezes ofertas para compras de vacina». G1. Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2023 
  92. Hanrrikson de Andrade (7 de abril de 2022). «Após postergar compra de vacina, Bolsonaro diz que não errou na pandemia». UOL. Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 3 de maio de 2022 
  93. «Ato da Presidência». Câmara dos Deputados do Brasil. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2022 
  94. «Comissão externa sobre ações preventivas ao coronavírus faz hoje balanço das atividades». Câmara dos Deputados do Brasil. 28 de abril de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2022 
  95. «Senado aprova decreto de calamidade pública no Brasil». Exame. 20 de março de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 30 de junho de 2022 
  96. «Congresso aprova proposta que facilita gastos contra covid-19». Senado Federal do Brasil. 3 de abril de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2022 
  97. Sara Resende; Paloma Rodrigues (7 de maio de 2020). «Congresso promulga emenda do 'orçamento de guerra', que facilita gastos do governo na pandemia». G1. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de julho de 2022 
  98. «Câmara aprova o uso obrigatório de máscaras em todo o Brasil». CNN Brasil. 19 de maio de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2022 
  99. a b Marcelo Brandão (16 de junho de 2020). «Texto da medida provisória vai agora a sanção presidencial». Agência Brasil. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2022 
  100. a b c Felipe Mendonça Russo; Sandro Pereira Silva; Carlos Henrique Leite Corseuil (2021). «Programas federais de manutenção de empregos e garantia de renda no contexto da pandemia em 2020: panorama geral de implementação e cobertura» (PDF). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 22 de novembro de 2022 
  101. a b Andreia Verdélio (7 de julho de 2020). «Publicada lei que cria o programa de manutenção do emprego e renda». Agência Brasil. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 16 de julho de 2020 
  102. a b Guilherme Mazui; Nilson Klava (1 de abril de 2020). «Bolsonaro sanciona com vetos auxílio de R$ 600 mensais a trabalhadores informais». G1. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2022 
  103. «Senado amplia abrangência do auxílio emergencial e projeto vai à sanção». CNN Brasil. 22 de abril de 2020. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2022 
  104. Gustavo Garcia; Sara Resende; Luiz Felipe Barbiéri; Marcela Mattos (27 de abril de 2021). «CPI da Covid: Omar Aziz é eleito presidente e indica Renan Calheiros para relatoria». G1. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 27 de abril de 2021 
  105. Augusto Castro (13 de abril de 2021). «CPI da Covid é criada pelo Senado». Senado Federal do Brasil. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 13 de abril de 2021 
  106. «CPI da Covid: quem é quem na comissão que investigará ações e omissões do governo Bolsonaro». BBC Brasil. 25 de abril de 2021. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de abril de 2021 
  107. Accioly, Dante (28 de maio de 2021). «Mandetta revela "gabinete paralelo" e tentativa de mudar bula da cloroquina». Agência Senado. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de maio de 2021 
  108. «Entenda as suspeitas na compra de vacinas, o relato sobre propina e a cronologia da crise sob Bolsonaro» . Folha de S.Paulo. 30 de junho de 2021. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2021 
  109. Sarah Teófilo (23 de junho de 2021). «Suspeita de corrupção na compra da vacina Covaxin vira alvo da CPI da Covid». Estado de Minas. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  110. Afonso Benites (24 de junho de 2021). «Compra de vacina Covaxin arrasta Bolsonaro para sombra da corrupção». El País Brasil. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 24 de junho de 2021 
  111. Erro Lua: not enough memory.
  112. Erro Lua: not enough memory.
  113. Erro Lua: not enough memory.
  114. Erro Lua: not enough memory.
  115. Erro Lua: not enough memory.
  116. Erro Lua: not enough memory.
  117. Erro Lua: not enough memory.
  118. Erro Lua: not enough memory.
  119. Erro Lua: not enough memory.
  120. Erro Lua: not enough memory.
  121. Erro Lua: not enough memory.
  122. a b Erro Lua: not enough memory.
  123. Erro Lua: not enough memory.
  124. Erro Lua: not enough memory.
  125. Erro Lua: not enough memory.
  126. Erro Lua: not enough memory.
  127. Erro Lua: not enough memory.
  128. Erro Lua: not enough memory.
  129. Erro Lua: not enough memory.
  130. Erro Lua: not enough memory.
  131. Erro Lua: not enough memory.
  132. Erro Lua: not enough memory.
  133. Erro Lua: not enough memory.
  134. Erro Lua: not enough memory.
  135. Erro Lua: not enough memory.
  136. Erro Lua: not enough memory.
  137. Erro Lua: not enough memory.
  138. Erro Lua: not enough memory.
  139. a b Erro Lua: not enough memory.
  140. Erro Lua: not enough memory.
  141. Erro Lua: not enough memory.
  142. Erro Lua: not enough memory.
  143. Erro Lua: not enough memory.
  144. Erro Lua: not enough memory.
  145. Erro Lua: not enough memory.
  146. Erro Lua: not enough memory.
  147. Erro Lua: not enough memory.
  148. Erro Lua: not enough memory.
  149. Erro Lua: not enough memory.
  150. Erro Lua: not enough memory.
  151. Erro Lua: not enough memory.
  152. Erro Lua: not enough memory.
  153. Erro Lua: not enough memory.
  154. Erro Lua: not enough memory.
  155. Erro Lua: not enough memory.
  156. Erro Lua: not enough memory.
  157. Erro Lua: not enough memory.
  158. Erro Lua: not enough memory.
  159. Erro Lua: not enough memory.
  160. Erro Lua: not enough memory.
  161. Erro Lua: not enough memory.
  162. Erro Lua: not enough memory.
  163. Erro Lua: not enough memory.
  164. Erro Lua: not enough memory.
  165. Erro Lua: not enough memory.
  166. Erro Lua: not enough memory.
  167. Erro Lua: not enough memory.
  168. Erro Lua: not enough memory.
  169. Erro Lua: not enough memory.
  170. Erro Lua: not enough memory.
  171. Erro Lua: not enough memory.
  172. Erro Lua: not enough memory.
  173. a b Erro Lua: not enough memory.
  174. Erro Lua: not enough memory.
  175. Erro Lua: not enough memory.
  176. a b Erro Lua: not enough memory.
  177. Erro Lua: not enough memory.
  178. Erro Lua: not enough memory.
  179. Erro Lua: not enough memory.
  180. Erro Lua: not enough memory.
  181. Erro Lua: not enough memory.
  182. Erro Lua: not enough memory.
  183. Erro Lua: not enough memory.
  184. Erro Lua: not enough memory.
  185. Erro Lua: not enough memory.
  186. Erro Lua: not enough memory.
  187. Erro Lua: not enough memory.
  188. Erro Lua: not enough memory.
  189. Erro Lua: not enough memory.
  190. Erro Lua: not enough memory.
  191. Erro Lua: not enough memory.
  192. Erro Lua: not enough memory.
  193. Erro Lua: not enough memory.
  194. Erro Lua: not enough memory.
  195. Erro Lua: not enough memory.
  196. Erro Lua: not enough memory.
  197. Erro Lua: not enough memory.
  198. Erro Lua: not enough memory.
  199. Erro Lua: not enough memory.
  200. Erro Lua: not enough memory.
  201. Erro Lua: not enough memory.
  202. Erro Lua: not enough memory.
  203. Erro Lua: not enough memory.
  204. Erro Lua: not enough memory.
  205. Erro Lua: not enough memory.
  206. Erro Lua: not enough memory.
  207. Erro Lua: not enough memory.
  208. Erro Lua: not enough memory.
  209. a b Erro Lua: not enough memory.
  210. a b Erro Lua: not enough memory.
  211. Erro Lua: not enough memory.
  212. Erro Lua: not enough memory.
  213. Erro Lua: not enough memory.
  214. Erro Lua: not enough memory.
  215. Erro Lua: not enough memory.
  216. Erro Lua: not enough memory.
  217. Erro Lua: not enough memory.
  218. Erro Lua: not enough memory.
  219. Erro Lua: not enough memory.
  220. Erro Lua: not enough memory.
  221. Erro Lua: not enough memory.
  222. Erro Lua: not enough memory.
  223. Erro Lua: not enough memory.
  224. Erro Lua: not enough memory.
  225. Erro Lua: not enough memory.
  226. Erro Lua: not enough memory.
  227. Erro Lua: not enough memory.
  228. Erro Lua: not enough memory.
  229. Erro Lua: not enough memory.
  230. Erro Lua: not enough memory.
  231. Erro Lua: not enough memory.
  232. Erro Lua: not enough memory.
  233. Erro Lua: not enough memory.
  234. Erro Lua: not enough memory.
  235. Erro Lua: not enough memory.
  236. Erro Lua: not enough memory.
  237. Erro Lua: not enough memory.
  238. Erro Lua: not enough memory.
  239. Erro Lua: not enough memory.
  240. Erro Lua: not enough memory.
  241. Erro Lua: not enough memory.
  242. Erro Lua: not enough memory.
  243. Erro Lua: not enough memory.
  244. Erro Lua: not enough memory.
  245. Erro Lua: not enough memory.
  246. Erro Lua: not enough memory.
  247. Erro Lua: not enough memory.
  248. Erro Lua: not enough memory.
  249. Erro Lua: not enough memory.
  250. Erro Lua: not enough memory.
  251. Erro Lua: not enough memory.
  252. Erro Lua: not enough memory.
  253. Erro Lua: not enough memory.
  254. Erro Lua: not enough memory.
  255. Erro Lua: not enough memory.
  256. Erro Lua: not enough memory.
  257. Erro Lua: not enough memory.
  258. Erro Lua: not enough memory.
  259. Erro Lua: not enough memory.
  260. Erro Lua: not enough memory.

Ver também editar

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre [{{fullurl:Commons:Category:Erro Lua: not enough memory.}}?uselang=pt Erro Lua: not enough memory.]

Erro Lua: not enough memory. Erro Lua: not enough memory.

Erro Lua: not enough memory.