Abrir menu principal

Panorama de São Paulo, 1870

pintura de Henrique Manzo
Panorama de São Paulo, 1870
Autor Henrique Manzo
Gênero pintura histórica
Técnica tinta a óleo
Dimensões 98 centímetros x 222 centímetros
Localização Museu Paulista
Sound-icon.svg Descrição audível da obra no Wikimedia Commons
Vista geral da imperial cidade de São Paulo, de Jules Martin.

Panorama de São Paulo, 1870 é uma pintura de Henrique Manzo. A obra é do gênero pintura histórica e foi produzida na década de 1940. Está localizada em Museu Paulista. A obra foi produzida com tinta a óleo. Suas medidas são: 98 centímetros de altura e 222 centímetros de largura.[1]

A obra compõe uma série de pinturas, normalmente encomendadas por Afonso D'Escragnolle Taunay, então diretor do Museu Paulista, para representar de modo positivo a Várzea do Carmo.[1]

A representação da Várzea do Carmo, nas encomendas de Taunay, foi normalmente realizada para representar São Paulo no século XIX, quando o logradouro não havia ainda se transformado em um parque, no período republicano. A imagem normalmente revelada estava de acordo com a condição da região no período imperial. Para reconstituir São Paulo de antigamente, Manzo utilizou como modelo uma litogravura de Jules Martin, possivelmente enviada a ele pelo próprio Taunay.[1]

A pintura é um panorama sobre São Paulo, com uma família em primeiro plano. O homem nessa família usa uma luneta. No fundo da paisagem, destacam-se torres de igrejas. A Várzea do Carmo é apresentada como uma área organizada; o Rio Tamanduateí segue um traçado retilíneo.[1]

Manzo trouxe elementos que não estavam presentes na imagem de Martin, em especial um tropeiro. Este encontra-se na frente de um trem, o que indica uma tensão entre rural e urbano, caracterizada pela velocidade e grandeza do trem em relação à quietude e discrição do homem a cavalo. A representação da coexistência entre rural e urbano era um elemento central do acervo sendo constituído por Taunay.[1]

Ver tambémEditar

Referências