Papa Valentino

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Valentino. Para outros significados, veja Valentim.
Valentino
Papa da Igreja Católica
100° Papa da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 1 de setembro de 827
Fim do pontificado 16 de novembro de 827 (&0000000000000076.00000076dias)
Predecessor Eugénio II
Sucessor Gregório IV
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 820
por Papa Pascoal I
Ordem Cardeal-diácono
Dados pessoais
Nascimento Roma, Itália
780
Morte Roma, Itália
16 de novembro de 827 (47 anos)
Nacionalidade italiano
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

O Papa Valentino era romano e governou apenas quarenta dias. Eleito em 1 de Setembro de 827, morreu em 16 de novembro desse mesmo ano. A sua consagração foi acolhida com grandes manifestações de júbilo pelo seu caráter bondoso.

CarreiraEditar

Nascido em Roma, na região da Via Lata, Valentim era filho de um nobre romano chamado Leôncio.[1] Mostrando uma aptidão precoce para a aprendizagem, ele foi transferido da escola anexa ao Palácio de Latrão e, de acordo com o Liber Pontificalis, foi feito diácono pelo Papa Pascoal I (817-824).[2] Seu biógrafo no Liber pontificalis elogia sua piedade e pureza moral, que lhe valeu o favor de Pascal I, que o elevou ao posto de arquidiácono.[3] Ele também foi claramente favorecido pelo sucessor de Pascal, Eugênio II, a ponto de circularem rumores de que Valentine era realmente filho de Eugene. De acordo com Louis-Marie DeCormenin, outros rumores declararam que Valentine e Eugene estavam envolvidos em um relacionamento ilícito.[4]

Com a morte de Eugênio II, Valentim foi aclamado papa pelo clero romano, pela nobreza e pelo povo. Tiraram-no da Basílica de Santa Maria Maggiore e instalaram-no no Palácio de Latrão, ignorando os seus protestos. Na pressa, eles o entronizaram antes de ser ordenado sacerdote. Essa foi uma reversão incomum dos procedimentos normais e, de fato, foi a primeira vez que aconteceu na história registrada do papado, embora se repetisse durante o pontificado de Bento III.[5] No domingo seguinte, ele foi formalmente consagrado bispo na Basílica de São Pedro. Não houve representantes imperiais presentes durante a eleição, e Valentim não teve oportunidade de ratificar sua eleição com o imperador carolíngio, pois ele morreu em cinco semanas, morrendo em 10 de outubro de 827.[6][7]

LegadoEditar

A eleição de Valentim foi outro sinal do aumento da influência que a nobreza romana estava tendo no processo eleitoral papal. Eles não apenas conseguiram eleger um deles, mas também participaram da própria eleição.[8] O Concílio de Latrão de 769, sob Estêvão III, ordenou que a eleição do papa fosse responsabilidade apenas do clero romano, e que a nobreza só poderia oferecer seus respeitos após o papa ter sido escolhido e entronizado. O édito desse concílio foi revogado, entretanto, com o Ludowicianum de 817, que previa que a nobreza leiga romana participasse das eleições papais. Esta invasão gradual no processo eleitoral papal alcançaria seu ponto mais baixo durante o século X, quando o papado tornou-se o brinquedo da aristocracia romana.[9]

BibliografiaEditar

  • Mann, Horace K., The Lives of the Popes in the Early Middle Ages, Vol. II: The Popes During the Carolingian Empire, 795–858 (1906)
  • DeCormenin, Louis Marie; Gihon, James L., A Complete History of the Popes of Rome, from Saint Peter, the First Bishop to Pius the Ninth (1857)
  • Davis, Raymond, Lives of the Ninth-Century Popes, (Liverpool: Liverpool University Press, 1995)

ReferênciasEditar

  1. Mann, págs. 183-184
  2. Mann, pg. 184
  3. «Kirsch, Johann Peter. "Pope Valentine." The Catholic Encyclopedia». ol. 15. New York: Robert Appleton Company. 1912 
  4. DeCormenin, pgs. 217–218
  5. Mann, pgs. 184–185
  6. Mann, pgs. 185–186
  7. DeCormenin, pg. 218
  8. Davis, Raymond, Lives of the Ninth-Century Popes, (Liverpool: Liverpool University Press, 1995): 34.
  9. Mann, pg. 185


Precedido por
Eugénio II
 
Papa

100.º
Sucedido por
Gregório IV