Abrir menu principal

Estação Santa Rita (CPTM)

estação da CPTM em São Paulo
(Redirecionado de Parada Santa Rita)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a estação ferroviária da CPTM. Para a estação ferroviária da CBTU localizada em João Pessoa/PB, veja Estação Santa Rita (CBTU).
CPTM icon.svg Santa Rita
Uso atual Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Estação de trens metropolitanos
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração Estrada de Ferro Sorocabana (déc. 1950–1971)
FEPASA (1975–1996)
CPTM icon.svg CPTM (1996–atualmente)
Linha 8cinza.png Diamante
Sigla SRT
Posição Superfície
Serviços Terminal rodoviário
Informações históricas
Inauguração Década de 1950
Fechamento 30 de abril de 2010 (9 anos)
Inauguração da
atual edificação
23 de abril de 2014 (5 anos)
Localização
Localização Gnome-globe.png Santa Rita
Endereço Rodovia Engenheiro Renê Benedito da Silva, 185 - Itapevi
Próxima estação
Sentido Amador Bueno 8cinza.png Sentido Itapevi/
Júlio Prestes
Amador Bueno Itapevi
Santa Rita

A Estação Santa Rita faz parte da extensão operacional da Linha 8–Diamante da CPTM, localizada no município de Itapevi.

HistóriaEditar

A Parada Santa Rita foi inaugurada pela Estrada de Ferro Sorocabana na década de 1950, servindo de transporte para os moradores do bairro homônimo e os operários da Fábrica de Cimento Santa Rita (Cimenrita). Santa Rita recebeu novas instalações em 21 de junho de 1985, durante a modernização do sistema de trens de subúrbio efetuada pela Fepasa nos anos 1970 e 1980. Em 1997, sua bilheteria foi desativada pela CPTM, devido aos constantes assaltos. Atualmente, ela faz parte da extensão operacional ItapeviAmador Bueno.[1][2][3][4]

Foi demolida em agosto de 2010, para início das obras de retificação de vias e modernização do trecho entre Itapevi e Amador Bueno. Durante as obras, a localização da estação foi remanejada para algumas centenas de metros a leste. Ela foi reinaugurada em abril de 2014, junto com Amador Bueno.[5][6][7]

ToponímiaEditar

Santa Rita remete ao nome da Fábrica de Cimento Santa Rita (Cimenrita), aberta pelo grupo italiano Calci e Cementi di Segni em Itapevi em 1951. Por causa da fábrica, um bairro surgiu ao seu redor, sendo chamado de Santa Rita. Para atender ao deslocamento dos moradores e operários da fábrica, a Sorocabana implantou a Parada Santa Rita, no quilômetro 40 de sua linha tronco.[8] Posteriormente, a Sorocabana abriu, em 1959, uma parada mais próxima da fábrica, chamada Cimenrita. Rita de Cássia (1381–1457) foi uma monja da ordem de Santo Agostinho, beatificada em 1627 e canonizada em 1900. É tida como a advogada das causas perdidas e a santa do impossível.

TabelasEditar

Sigla Estação Inauguração Plataformas Posição Notas
SRT Estação Santa Rita déc. 1950 Central Superfície Parada da extensão operacional com embarque gratuito.

Referências

  1. Jairo Azevedo (27 de agosto de 1959). «Requerimento N. 1.444» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, nº 191, 1ª Coluna, página 38. Consultado em 6 de maio de 2019 
  2. Evandro Mesquita (28 de maio de 1985). «Debates» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Seção I, terceira coluna, página 40. Consultado em 6 de maio de 2019 
  3. «Trem japonês». Folha de S.Paulo, ano 65, edição 20534, página 19. 22 de junho de 1985. Consultado em 6 de maio de 2019 
  4. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Santa Rita». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 6 de maio de 2019 
  5. Estadão Conteúdo (23 de abril de 2014). «Com atraso, Alckmin reinaugura trecho da CPTM em Itapevi». UOL. Consultado em 6 de maio de 2019 
  6. Renato Lobo (19 de julho de 2013). «CPTM prepara trens para volta da extensão operacional da Linha 8-Diamante». Via Trólebus. Consultado em 6 de maio de 2019 
  7. Portal do Governo do Estado (23 de abril de 2019). «Estações Amador Bueno e Santa Rita da CPTM são entregues em Itapevi». Portal do Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 6 de maio de 2019 
  8. Henrique Caruso Almeida (fevereiro de 2006). «Patrimônio industrial e memória. A formação da cidade de Itapevi SP a partir da contribuição da Santa Rita S.A.». Vitruvius. Consultado em 6 de maio de 2019 

Ligações externasEditar