Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaParaphysornis brasiliensis
Paraphysornis BW-2r.jpg
Estado de conservação
Extinta
Extinta
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Gruiformes
Família: Phorusrhacidae
Género: Paraphysornis
Espécie: P. brasiliensis
Nome binomial
Paraphysornis brasiliensis
Alvarenga, 1982
  • Phororhacosidae
    1889
  • Pelecyornidae
    1891
  • Brontornithidae
    1891
  • Darwinornithidae
    1891
  • Stereornithidae
    1891
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Paraphysornis brasiliensis
Paraphysornis brasiliensis

O Paraphysornis brasiliensis é membro de uma família denominada popularmente de Aves do Terror devido sua natureza predatória,que lhes conferiram o status de predadores dominantes durante o Brasil Pliocénico. Os seus poucos competidores durante a maior parte da sua existência foram algumas espécies de carnívoros marsupiais e o smilodon.

Um dado evolucionário interessante desta família de aves predadoras é que suas asas estariam se desenvolvendo, evoluindo para um tipo de mão primitiva. Na espécie Titanis seus ossos se voltavam para a frente forçando o animal a manter seus braços para a frente com as palmas voltadas para dentro. Os dedos provavelmente possuíam uma garra que poderia ter sido usada para um melhor manuseio das suas vítimas. Alguns cientistas consideram estas aves como sendo parte de um ramo de dinossauros terópodes sobreviventes a extinção cretácea. Ou seja, a 22 milhões de anos atrás, durante o Plioceno, corriam pelas terras do Brasil criaturas semelhantes aos raptores do cretáceo. Predadores bípedes, com garras e apetites vorazes. Sem caudas longas ou dentes afiados, porém tão agressivos quanto seus ancestrais.

Na cidade de Taubaté, no estado de São Paulo, no Museu de História de Taubaté, esta em exposição o esqueleto quase completo de Paraphysornis brasiliensis. Este esqueleto em exposição é o que fora originalmente descoberto e descrito por Herculano Alvarenga em 1982.

A descobertaEditar

A descrição da espécie tem como base no esqueleto quase 100% recuperado procedente dos sedimentos terciários da Bacia de Taubaté. Seu descobridor em reportagem para o site Globo, posa frente ao Paraphysornis tendo a mão o crânio de um Velociraptor. Para Herculano Alvarenga,a 'Paraphysornis brasiliensis' foi sua principal descoberta.

Muitas réplicas deste fóssil foram feitas e enviadas para diversas partes do mundo, incluindo Estados Unidos e Japão sendo que a peça original permanece no Brasil.

ReferênciasEditar

Alvarenga, H.M.F. 1982. Uma gigantesca ave fóssil do cenozoico brasileiro: Physornis brasiliensis sp. n. Anais da Academia Brasileira de Ciências 54(4):697-712.

Ligações externasEditar