Abrir menu principal
Três Picos de Nova Friburgo

O Parque Estadual dos Três Picos (PETP) localiza-se na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, no Brasil. O seu nome evoca os Três Picos de Friburgo, imponente conjunto de montanhas graníticas que, elevando-se a de 2.366 metros [1] acima do nível do mar, e é o ponto culminante de toda a Serra do Mar.

Com uma área aproximada de 65.113 hectares, é o maior parque estadual do Rio de Janeiro, abrangendo porções dos municípios de Cachoeiras de Macacu, Teresópolis, Nova Friburgo, Silva Jardim, e Guapimirim.

Índice

ClimaEditar

 
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O clima do parque varia do tropical Af (na escala de Koppen) nas partes mais baixas em Cachoeiras de Macacu ao mesotérmico brando Cwb nas áreas acima de 1200m, com verões brandos (média simples do mês de fevereiro entre 15°C e 18°C) e invernos frios (média simples do mês de julho abaixo de 10°C). O Parque Estadual dos Três Picos registra a maior incidência de geadas no estado do Rio de Janeiro, perdendo apenas para o Parque Nacional de Itatiaia, devendo a este fato a ocorrência de campos de altitude. Frequentemente são verificadas temperaturas negativas nos picos e com menor frequência nos vales ao redor. A Pesagro já registrou a ocorrência de sincelo (nevoeiro congelado) na região, evento climático típico de países de clima temperado, estes eventos ocorrem quando grande umidade proveniente do mar eleva-se a grande altitude e encontra-se com ar seco abaixo do ponto de congelamento, isso faz com que as gotículas de água em suspensão congelem e se precipitem. A geada é comum todos os anos, entre os meses de maio a setembro. Nas madrugadas de julho mais especificamente no cume do Pico da Caledônia não é difícil as temperaturas chegarem entre 0 e -5°C, e que ocorram geadas, no dia 8 de agosto de 2014, a temperatura mínima nos pontos mais altos do parque pode ter chegado a -9°C, pois nesta data a temperatura bateu 1 grau negativo em Salinas (região rural de Friburgo), e nos pontos acima de 2 mil metros na região costuma ficar 8 graus mais frio que Salinas, pois a estação meteorológica nesta localidade está em apenas 1065 metros. Há rumores de queda de neve na região de acordo com residentes locais em invernos hostis, mas nunca foi confirmado, mas é possível, meteorologistas do Climatempo não descartam as possibilidades de tal eventualidade por causa da alta altitude, o que dificulta o fenômeno é a baixa umidade do inverno da Região Sudeste do Brasil. É também o 3 ° ponto mais frio do Sudeste do Brasil perdendo apenas para alguns trechos da Serra da Mantiqueira e para Serra do Caparaó, podendo ficar mais de uma semana registrando temperaturas negativas, principalmente durante as madrugadas de inverno. O índice pluviométrico fica no torno de 1500 mm anual.

FaunaEditar

A criação do parque representou um acréscimo de 75% em toda a área protegida por parques e reservas estaduais, visando preservar o cinturão central de Mata Atlântica do Estado do Rio de Janeiro, que já perdeu cerca de 83% de sua cobertura florestal original. Em suas densas matas foram detectados os mais elevados índices de biodiversidade em todo o Estado, isto é, a maior variedade de espécies animais e vegetais em uma dada unidade de área, sendo por isso considerada uma região da mais elevada prioridade, em termos de conservação, pelos especialistas.

Muitas espécies ameaçadas, especialmente grandes mamíferos como o puma ou onça-parda, porco-do-mato, o Muriqui-do-sul a lontra e a jaguatirica ou aves como o gavião-pega-macaco, aqui encontram refúgio, pois o Parque Estadual forma um extenso contínuo florestal com o Parque Nacional da Serra dos Órgãos e com a Estação Ecológica do Paraíso, em Guapimirim. Sem o estabelecimento de tais contínuos de vegetação, populações isoladas destas e de outras espécies entram em inevitável declínio, devido aos cruzamentos entre parentes próximos. Já a onça pintada desapareceu ao longo do século XX, porém um projeto em desenvolvimento pela UFRJ pretende reintroduzir esta espécie no parque [2].

TurismoEditar

 
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Parque Estadual dos Três Picos representa ainda um estímulo ao desenvolvimento econômico regional, pois favorece o turismo em todas as suas formas, em especial o ecoturismo, já que oferece muitas possibilidades de trilhas, escaladas e cachoeiras de inigualável beleza. Entre os pontos de atração turística encontram-se o Pico da Caledônia, a Pedra do Faraó, as Torres de Bonsucesso, a Mulher de Pedra e os próprios Três Picos.

A cerca de 50 minutos de caminhada de Cachoeiras de Macacu, na localidade de Boca do Mato, destaca-se ainda um magnífico exemplar de um milenar jequitibá rosa (Cariniana legalis), com copa de de vinte metros de circunferência, elevando-se a cerca de cinqüenta metros de altura e idade estimada em aproximadamente mil anos.

Também em Boca do Mato encontra-se uma trilha ecológica que percorre parte do antigo trajeto do extinto ramal de Cantagalo da Estrada de Ferro Leopoldina que ligava Cachoeiras de Macacu a Nova Friburgo, podendo ser encontradas algumas de suas ruínas encobertas pela floresta.

Policia florestalEditar

 
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

No dia 18 de dezembro de 2012 foi inaugurada uma Unidade de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, visando o aumento na segurança do parque, bem como o combate a crimes ambientais na região.

Referências

Ligações externasEditar