Parque da Matinha

parque municipal no município brasileiro de Belo Horizonte

Localizado na Região Nordeste de Belo Horizonte, possui 15.930,00 m² de área totalmente cercada. Sua criação se deu em 1991 através de Decreto Municipal,[2] com o nome de Parque da Matinha. Uma falha na interpretação de legislações posteriores[3] fez com que o nome "Reserva Ecológica do Bairro União" fosse usado para se referir ao mesmo local, mesmo em folhetos e comunicações antigas da prefeitura de Belo Horizonte; tal nomenclatura, entretanto, não é oficial.

Parque da Matinha
Panorama geral do parque, nas proximidades da portaria principal
Localização Bairro União, Belo Horizonte, Brasil
Tipo Público
Área 15.930,00 m²
Inauguração 26 de fevereiro de 1991[1]
Administração Fundação de Parques Municipais / Prefeitura de Belo Horizonte
Coordenadas 19° 53' 09" S 43° 55' 05" O

HistóriaEditar

Trata-se de área remanescente da implantação de loteamento pertencente ao estado, que a doou a Rádio Inconfidência para a construção de sua sede. Mais tarde foi vendida ao hoje extinto Banco do Estado de Minas Gerais (BEMGE) que, por sua vez, a vendeu a um consórcio de construtoras. Esse consórcio doou parte da área à Prefeitura de Belo Horizonte, em troca do aproveitamento do coeficiente de aproveitamento relativo a mesma em outro local.

Em 1991, através de mobilização da comunidade em prol da preservação da área, devido a presença de fauna e flora expressivas e nativas, a área foi transformada em parque.

DescriçãoEditar

É totalmente cercado por tela com mourões de concreto. Este Parque possui três entradas, sendo uma delas pela Av. José Cândido da Silveira. As demais portarias localizam-se nas ruas João das Chagas e Cláudio José de Souza, ambas asfaltadas com calçadas precariamente revestidas. Possui aceiro em todo o limite do Parque. A área do Parque é utilizada como passagem de pedestres, mas também recebe um número considerável de crianças acompanhadas pelas mães e babás, principalmente na parte da manhã.

FloraEditar

Sua área vegetada corresponde a mais de 80% da área total, predominando a vegetação nativa, do tipo floresta estacional semi-decidual. As espécies mais comuns são os Açoita-cavalo, o Angico-rajado, a Embaúba, o Jatobá e o Pau-jangada (família das Tiliaceae. Há também a presença de um sub-bosque com dominância de arranha-gato (Mimosa sp.). Os maiores espécimes arbóreos, com CAP (circunferência a altura do peito) maior que três metros, pertencem incluem o Pau-Jacaré e o Pau d'óleo. Ocorrem também espécies típicas de Cerrado como o Barbatimão, e “madeiras de lei” típicas de Mata Atlântica como o Jequitibá-branco e o Cedro (Cedrela fissilis).

FaunaEditar

A fauna relatada possui aves como o Sabiá-branco (Turdus leucomelas) e o Jacupemba, pequenos mamíferos como o Mico-estrela, o Gambá-de-orelha-branca e serpentes não peçonhentas como a Falsa-coral e a Jararaquinha de Jardim (Sybinomorphus mikanii).

O fato de espécies como o jacupeba e mico estrela serem avistados com freqüência nesse parque, justifica a sua importância como área de dispersão constituindo, junto com a arborização urbana um elemento de passagem (ou um corredor ecológico) para a fauna entre os outros parques e as áreas verdes da região. Essas espécies apresentam maior exigências em termos de área, e provavelmente utilizam outras áreas preservadas próximas como a mata do Museu de História Natural da UFMG, e as áreas verdes próximas.

Referências

  1. «Parque da Matinha | Belo Horizonte». Prefeitura de Belo Horizonte. Consultado em 18 de março de 2019. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2012 
  2. «Decreto Municipal 6780 de 26 de fevereiro de 1991.». Câmara Municipal de Belo Horizonte. Consultado em 18 de março de 2019 
  3. «Lei Municipal 5862 de 27 de fevereiro de 1991». Câmara Municipal de Belo Horizonte. Consultado em 18 de março de 2019 

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar