Partido Comunista da Grécia

Partido Comunista da Grécia
Κομμουνιστικό Κόμμα Ελλάδας
Líder Dimitris Koutsoumpas
Fundação 1918
Sede Atenas,  Grécia
Ideologia Comunismo[1]
Marxismo-leninismo[1]
Euroceticismo[2][3][4]
Espectro político Extrema-esquerda[5][6][7][8][9][10]
Publicação Rizospastis
Ala jovem Juventude Comunista da Grécia
Afiliação europeia Iniciativa dos Partidos Comunistas e Operários
Grupo no Parlamento Europeu Não Inscritos[4]
Parlamento Helénico
15 / 300
Parlamento Europeu
2 / 21
Regiões
48 / 703
Cores Vermelho
Página oficial
Página oficial em português

O Partido Comunista da Grécia (em grego: Κομμουνιστικό Κόμμα Ελλάδας/Kommounistikó Kómma Elládas, KKE) é um partido comunista da Grécia. [11]

Foi fundado em 1918 como Partido Socialista-Trabalhista da Grécia, sendo a agremiação política mais antiga do país.[11] Teve participação ativa na resistência e na libertação da Grécia durante a Segunda Guerra Mundial, quando chegou a ter cerca de 450.000 filiados. De 1946 a 1949, lutou contra o Exército Helénico (então monarquista) na Guerra Civil Grega. Por consequência disso, foi colocado na ilegalidade e passou a concorrer as eleições como Esquerda Democrática Unida até o golpe de estado de 1967. Foi durante essa época, em 1958, que obteve seu melhor resultado eleitoral (60 assentos e 24% dos votos). Durante o regime militar grego, foi uma das mais importantes vozes de oposição. Após o fim do regime militar, em 1984, manteve cerca de 9% dos votos até atingir o pico de 13% (28 assentos) em 1989. Declinou até 4,5% em 1993 e ascendeu para 7-8% entre 2007 e 2012. Com o surgimento do Syriza, perdeu parte de seus votos, mantendo-se atualmente com o apoio de cerca de 5% dos gregos.

Resultados eleitoraisEditar

Nas Eleições legislativas na Grécia em 2015 o partido recebeu 5,47% dos votos, tendo ganho 15 lugares no Parlamento da Grécia .[12]

Eleições legislativasEditar

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
Banido de 1936 a 1974
1974 Esquerda Unida
8 / 300
Oposição
1977 4.º 480 272
9,4 / 100,0
 0,1
11 / 300
 3 Oposição
1981 3.º 620 302
10,9 / 100,0
 1,5
13 / 300
 2 Oposição
1985 3.º 629 525
9,9 / 100,0
 1,0
12 / 300
 1 Oposição
06/1989 Synaspismos
20 / 300
 8 Governo
11/1989
16 / 300
 4 Governo
1990
15 / 300
 1 Oposição
1993 4.º 313 001
4,5 / 100,0
9 / 300
 6 Oposição
1996 3.º 380 046
5,6 / 100,0
 1,1
11 / 300
 2 Oposição
2000 3.º 379 454
5,5 / 100,0
 0,1
11 / 300
  Oposição
2004 3.º 436 818
5,9 / 100,0
 0,4
12 / 300
 1 Oposição
2007 3.º 583 750
8,2 / 100,0
 2,3
22 / 300
 10 Oposição
2009 3.º 517 154
7,5 / 100,0
 0,7
21 / 300
 1 Oposição
05/2012 5.º 536 105
8,5 / 100,0
 1,0
26 / 300
 5 Oposição
06/2012 7.º 277 227
4,5 / 100,0
 4,0
12 / 300
 14 Oposição
01/2015 5.º 338 138
5,5 / 100,0
 1,0
15 / 300
 3 Oposição
09/2015 5.º 301 632
5,5 / 100,0
 
15 / 300
  Oposição
2019 4.º 299 592
5,3 / 100,0
 0,2
15 / 300
  Oposição

Eleições europeiasEditar

Datas CI. Votos % +/- Deputados +/-
1981 3.º 729 052
12,8 / 100,0
3 / 24
1984 3.º 693 304
11,6 / 100,0
 1,2
3 / 24
 
1989 Synaspismos
4 / 24
 1
1994 4.º 410 741
6,3 / 100,0
2 / 25
 2
1999 3.º 557 365
8,7 / 100,0
 2,4
3 / 25
 1
2004 3.º 580 396
9,5 / 100,0
 0,8
3 / 24
 
2009 3.º 428 283
8,4 / 100,0
 1,1
2 / 22
 1
2014 6.º 349 255
6,1 / 100,0
 2,3
2 / 21
 
2019 4.º 302 673
5,4 / 100,0
 0,7
2 / 21
 

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Nordsieck, Wolfram (2019). «Greece». Parties and Elections in Europe 
  2. Svarrer, Luna (4 December 2016). «From sweet to sour: Euroscepticism in Greece». Medium. AthensLive. Consultado em 9 December 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  3. Vasilopoulou, S. (2018). The party politics of Euroscepticism in times of crisis: The case of Greece. Politics, 38(3), 311–326. https://doi.org/10.1177/0263395718770599
  4. a b «Statement of the Central Committee of the KKE on the stance of the KKE in the EU parliament» 
  5. Nicolò Conti (4 December 2013). Party Attitudes Towards the EU in the Member States: Parties for Europe, Parties Against Europe. [S.l.]: Routledge. p. 155. ISBN 978-1-317-93656-5  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Freedom House (5 September 2008). Freedom in the World 2008: The Annual Survey of Political Rights and Civil Liberties. [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers. p. 284. ISBN 978-0-7425-6598-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Bart van der Steen (1 September 2014). The City Is Ours: Squatting and Autonomous Movements in Europe from the 1970s to the Present. [S.l.]: PM Press. p. 75. ISBN 978-1-60486-683-4  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. David Sanders; Pedro Magalhaes; Gabor Toka (26 July 2012). Citizens and the European Polity: Mass Attitudes Towards the European and National Polities. [S.l.]: OUP Oxford. p. 86. ISBN 978-0-19-960233-9  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. http://library.fes.de/pdf-files/id/ipa/05818.pdf
  10. «[Focus] Far-left set for big gains in European Parliament elections». Consultado em 9 September 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. a b «Breve história do KKE». Partido Comunista da Grécia. Consultado em 26 de janeiro de 2015 
  12. Goksör, Joakim (26 de janeiro de 2015). «Nytt styre - Nytt hopp». Göteborgs-Posten. ISSN 1103-9345 

Ligações externasEditar