Partido Democrata (1909)

extinto partido político brasileiro

O Partido Democrata foi uma agremiação política surgida no estado de Goiás no ano de 1909, em contrariedade à oligarquia Xavier de Almeida, centrada no patriarca José Xavier de Almeida porém, favorável ao grupo coronelístico de Leopoldo de Bulhões.[2] A formação deste partido sucedeu-se na Revolução de 1909, ligado aos dois grupos políticos já citados, que eclodiu em 2 de março, com a eleição estadual de Hermenegildo de Morais, próximo de José Xavier, como presidente de Goiás. O movimento perdurou até maio, o evento resultou no retorno de Bulhões ao poder.[3][4]

Partido Democrata
Partido Democrata (1909)
Presidente Leopoldo Bulhões (1909-1912)
Antônio Ramos Caiado (1912-1917)
Miguel da Rocha Lima (1917-1930)
Porta-voz Totó Caiado[1]
Fundação 2 de março de 1909
Dissolução 24 de outubro de 1930 (93 anos)
Sede Cidade de Goiás, Goiás, Brasil
Ideologia conservadorismo
federalismo
política dos governadores
Espectro político centro-direita à extrema-direita
Publicação O Democrata
Dividiu-se de PRG
Sucessor Coligação Libertadora
País  Brasil
Sigla PD

Coronelismo e desempenho eleitoral

editar
 
Ala goiana no Congresso Nacional em 1918: de pé, da esquerda para a direita, os deputados Francisco Ayres, Totó Caiado e Tullo Hostílio Jayme. Sentados, senadores Gonzaga Jayme, Eugênio Jardim e Hermenegildo Lopes, seguido do deputado Olegário Pinto.

Ligados ao grupo de Leopoldo Bulhões e Gonzaga Jaime, o PD elegeu vários senadores e deputados estaduais, além de deputados federais, como Totó Caiado, que presidiu o partido de 1912 até 1930, após a refundação do Partido Republicano de Goiás liderada por Bulhões.[5][2] A 11ª legislatura do Senado Estadual de Goiás, era composta exclusivamente por 12 senadores do Partido Democrata e a 11ª legislatura da Câmara Estadual de Goiás, era formada por 24 deputados estaduais do PD.[6] As acusações de fraude eleitoral e voto de cabresto são existentes sobre os resultados do partido, devido à época em que o Brasil se encontrava. Com a existência de tais ações, resultou na extinção partidária com a Revolução de 1930 e a interventoria federal de Pedro Ludovico Teixeira.[7][8]

Presidentes partidários

editar
N.º Nome Retrato Início do mandato Fim do mandato
1 Leopoldo de Bulhões
 
2 de março de 1909 1912
2 Totó Caiado
 
1912 1917
3 Miguel da Rocha Lima
 
1917 24 de outubro de 1930[9]

Referências

  1. Manhã, Diario da (28 de junho de 2016). «Totó Caiado, Goyaz e o centenário do jornal O Democrata | Diario da Manhã». Diário da manhã. Consultado em 24 de abril de 2024 
  2. a b «História do Legislativo de Goiás» (PDF). web.archive.org. Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  3. Manhã, Diario da (4 de maio de 2015). «A primeira miss Goiás e a revolução de 1909[1] | Diario da Manhã». Diário da manhã. Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  4. «O CORONELISMO NO ESTADO DE GOIÁS. - 1 A REPÚBLICA E O CORONELISMO». 1library.org. Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  5. «CPDOC- Totó Caiado» (PDF). Consultado em 5 de outubro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 5 de outubro de 2023 
  6. «História do Legislativo de Goiás» (PDF). web.archive.org. Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  7. «Tipos, causas e a geografia da fraude eleitoral na Primeira República (1889-1930)». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  8. «História – A era Vargas, uma introdução – Conexão Escola SME». Consultado em 6 de dezembro de 2023 
  9. «Miguel da Rocha Lima- deputado estadual por Goiás». web.archive.org. 13 de julho de 2018. Consultado em 24 de abril de 2024