Partido Operário de Unidade Socialista

partido político

O Partido Operário de Unidade Socialista (POUS) é uma associação política portuguesa que tem origem no extinto partido trotskista homónimo.[2]

Partido Operário de Unidade Socialista
Líder Carmelinda Pereira
Fundação 1979[1]
Dissolução 2020
Sede Portugal Portugal
Rua de Santo António da Glória, 52 B, cave C
1250-217 Lisboa
Ideologia Socialismo
Trotskismo
Euroceticismo
Espectro político Extrema-esquerda
Publicação "O Militante Socialista"
Ala jovem Juventude Pela Revolução
Antecessor Partido Socialista (cisão)
Afiliação internacional IV Internacional (La Verité)
Cores Vermelho
Página oficial
https://pous.pt

Em 2020, foi convertido em associação política - Política Operária de Unidade Socialista (POUS)

O POUS defende a ruptura com a União Europeia e a proibição dos despedimentos. É a secção portuguesa da Quarta Internacional (La Verité) e edita o jornal O Militante Socialista e a Revista A Verdade.

HistóriaEditar

O POUS foi fundado por Aires Rodrigues e Carmelinda Pereira em 1979[1], pouco depois de, em 1977, terem sido expulsos do Partido Socialista[3], cujo rumo contestavam. Segundo estas duas figuras, as linhas de orientação do PS estavam mais próximas dos partidos de direita do que dos partidos de esquerda.

O Movimento para a Unidade dos Trabalhadores (MUT)Editar

Em 1994 o POUS passou a chamar-se Movimento para a Unidade dos Trabalhadores (MUT) em virtude da alteração da denominação, sigla e símbolo do partido, tendo concorrido a eleições em 1994 e 1995. O seu símbolo consistia num rectangulo branco com a incrição "MUT".[4]

O Partido Operário de Unidade Socialista (POUS)Editar

Em 1999 é retomada a denominação, sigla e símbolos originários.

O POUS tem atraído poucos votos nas eleições a que concorreu. Nas eleições europeias parlamentares de 2009, o POUS foi o partido menos votado com 5 177 votos e 0,15%, menos de metade dos votos dos partido classificado imediatamente acima; embora tenha crescido relativamente aos votos (4 275 votos) que atingiu nas eleições europeias parlamentares de 2004 caiu 0,02% na percentagem de votos expressos. Permanece muito residual, a sua popularidade entre os eleitores portugueses, assim em 2011 apenas obteve 4.601 votos (0,08% dos votos), não tendo eleito qualquer deputado.

Em 2011 foi criada a Juventude Pela Revolução, ala jovem do POUS.

Associação PolíticaEditar

A 10 de dezembro de 2020, com efeitos retroativos a 16 de novembro de 2020, o Tribunal Constitucional procedeu à dissolução do POUS e ao cancelamento do seu registo, após a realização do XII Congresso do partido, a 14 de novembro de 2020, no qual se deliberou extinguir o POUS e convertê-lo na associação política POUS - Política Operária de Unidade Socialista.[2]

Resultados eleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder CI. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1979 Carmelinda Pereira 9.º 12 713
0,21 / 100,0
0 / 250
Extra-parlamentar
1980 Carmelinda Pereira 5.º 83 095
1,38 / 100,0
 1,17
0 / 250
  Extra-parlamentar Em coligação com o PST
1983 Carmelinda Pereira 10.º 19 657
0,34 / 100,0
 1,04
0 / 250
  Extra-parlamentar
1985 Carmelinda Pereira 10.º 19 085
0,33 / 100,0
 0,01
0 / 250
  Extra-parlamentar
1987 Carmelinda Pereira 13.º 9 185
0,16 / 100,0
 0,17
0 / 250
  Extra-parlamentar
1991 Não concorreu
1995 Carmelinda Pereira 12.º 2 544
0,04 / 100,0
0 / 230
Extra-parlamentar
1999 Carmelinda Pereira 11.º 4 104
0,08 / 100,0
 0,04
0 / 230
  Extra-parlamentar
2002 Carmelinda Pereira 11.º 4 316
0,07 / 100,0
 0,01
0 / 230
  Extra-parlamentar
2005 Carmelinda Pereira 10.º 5 535
0,10 / 100,0
 0,03
0 / 230
  Extra-parlamentar
2009 Carmelinda Pereira 15.º 4 632
0,08 / 100,0
 0,02
0 / 230
  Extra-parlamentar
2011 Carmelinda Pereira 15.º 4 572
0,08 / 100,0
 
0 / 230
  Extra-parlamentar
2015 Não concorreu, mas apoiou o Livre/Tempo de Avançar[5].
2019 Não concorreu

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de Lista CI. Votos % +/- Deputados +/-
1987 Não concorreu
1989 11.º 11 182
0,27 / 100,0
0 / 24
1994 Carmelinda Pereira 14.º 2 893
0,10 / 100,0
 0,17
0 / 25
 
1999 10.º 5 565
0,16 / 100,0
 0,06
0 / 25
 
2004 13.º 4 275
0,13 / 100,0
 0,03
0 / 24
 
2009 Carmelinda Pereira 13.º 5 177
0,15 / 100,0
 0,02
0 / 22
 
2014 Carmelinda Pereira 16.º 3 695
0,11 / 100,0
 0,04
0 / 21
 
2019 Não concorreu

Eleições presidenciaisEditar

Data Candidato
apoiado
1ª Volta 2ª Volta Notas
CI. Votos % CI. Votos %
1980 Aires Rodrigues 6.º 12 745
0,12 / 100,00
1986 Carmelinda Pereira Candidatura rejeitada[6].
1991 Nenhum candidato apoiado
1996
2001
2006 Carmelinda Pereira Não apresentou o número mínimo de assinaturas[7].
2011 Nenhum candidato apoiado
2016

Eleições autárquicasEditar

(Resultado que excluem os resultados de coligações envolvendo o partido)
Data CI. Votos % +/- Presidentes CM +/- Vereadores +/- Assembleias
Municipais
+/- Assembleias de
Freguesias
+/-
1979 11.º 273
0,01 / 100,00
0 / 305
0 / 1 900
Não concorreu
1 / 40 110
1982 12.º 5 519
0,11 / 100,00
 0,10
0 / 305
 
0 / 1 913
 
0 / 9 897
-
0 / 41 636
 1
1985 10.º 2 311
0,05 / 100,00
 0,06
0 / 305
 
0 / 1 975
 
0 / 6 672
 
0 / 31 941
 
1989 Não concorreu
1993
1997
2001
2005
2009
2013
2017

Referências

  1. a b «POUS». Partido Operário de Unidade Socialista / Secção portuguesa da IV Internacional. Consultado em 7 de novembro de 2015. O MUS reuniu, em congresso, com a Organização da IV Internacional – Organização Socialista dos Trabalhadores – OST, em 1979, e as duas organizações fundiram-se constituindo o POUS 
  2. a b «ACÓRDÃO Nº 743/2020». Tribunal Constitucional. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  3. Alexander, Robert Jackson (1991). «Trotskyism in Portugal». International Trotskyism (PDF). 1929-1985 A Documented Analysis of the Movement (em inglês). [S.l.]: Duke University Press. p. 659. 1125 páginas. ISBN 0-8223-0975-0. Consultado em 7 de novembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  4. «Movimento para a Unidade dos Trabalhadores». CNE -Comissão Nacional de Eleições. Consultado em 7 de Novembro de 2015 
  5. https://observador.pt/2015/08/31/carmelinda-pereira-do-pous-nao-vamos-desaparecer/
  6. «Sorteio das candidaturas - Eleição para o Presidente da República 1986 (1ª volta)» 
  7. «Carmelinda Pereira sem assinaturas suficientes para candidatura». TVI24. Consultado em 24 de agosto de 2020 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um partido político ou coligação partidária é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.