Partido da Democracia Cristã

Partido da Democracia Cristã
Líder José Sanches Osório
Fundação 10 de maio de 1974
Dissolução 20 de agosto de 2004
Sede Rua Barata Salgueiro, 37-5., Lisboa, Portugal Portugal
Ideologia Democracia cristã (oficial)
Doutrina Católica
Doutrina Social da Igreja
Personalismo
Nacionalismo português
Conservadorismo nacional
Conservadorismo social
Populismo
Espectro político Direita
Publicação Presença Democrática
Cores Verde

O Partido da Democracia Cristã (PDC) foi um partido político português da direita política de princípios cristãos, criado em 10 de maio de 1975,[1], a partir de uma cisão de direita do Partido Cristão Social Democrático (PCSD), pretendendo reunir liberais e conservadores democratas-cristãos, inspirando-se, segundo as declarações do seu líder Nuno Calvet de Magalhães, na tradição antissalazarista,[2].

O PDC esteve suspenso de actividade política durante o PREC[3] por ter supostamente apoiado o General Spínola durante a tentativa de golpe de 11 de Março de 1975[4] e por se ter tornado numa "barriga-de-aluguer" de extremo-direitistas (apesar do líder-fundador Sanches Osório ter sido um dos Capitães de Abril e os fundadores do partido terem sido de facto democratas-cristãos), e tendo a sua ilegalização sido solicitada no Parlamento pelo menos até 1976.[5]

A partir da entrada em vigor da Constituição da República Portuguesa de 1976, a existência do PDC era uma clara violação desta, que no n.º 3 do Art.º 51.º estipula que «Os partidos políticos não podem, sem prejuízo da filosofia ou ideologia inspiradora do seu programa, usar denominação que contenha expressões directamente relacionadas com quaisquer religiões ou igrejas, bem como emblemas confundíveis com símbolos nacionais ou religiosos.»[6]

Apesar disto, o PDC existiu por mais de 30 anos, tendo sido extinto apenas em 20 de agosto de 2004, não pela inconstitucionalidade do seu nome, mas por não apresentar as suas contas em três anos consecutivos.[7]

IdeologiaEditar

No seu ideário afirma-se aberto a todos os portugueses sem discriminação de raças ou credos religiosos. Tinha em vista a defesa do primado do Homem em toda a sua dimensão criadora. Apelava à participação ativa no processo político após o 25 de abril. Defendia as seguintes ideias:

Resultados EleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1976 9.º 29 874
0,54 / 100,00
0 / 263
Extra-parlamentar
1979 5.º 72 514
1,21 / 100,00
 0,67
0 / 250
  Extra-parlamentar
1980 9.º 23 819
0,40 / 100,00
 0,81
0 / 250
  Extra-parlamentar Aliança com MIRN/PDP e FN
1983 5.º 39 180
0,69 / 100,00
 0,29
0 / 250
  Extra-parlamentar
1985 7.º 41 831
0,72 / 100,00
 0,03
0 / 250
  Extra-parlamentar
1987 António Santos Ferreira[9] 9.º 31 667
0,56 / 100,00
 0,16
0 / 250
  Extra-parlamentar

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1987 8.º 40 812
0,72 / 100,00
0 / 24
1989 9.º 29 745
0,72 / 100,00
 
0 / 24
 

Ligações externasEditar

Referências

  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.