Abrir menu principal

Partitio terrarum imperii Romaniae

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.


Partitio Romaniae
em latim: Partitio terrarum imperii Romaniae
A repartição dos territórios bizantinos após a Quarta Cruzada
Assinado 1204
Local Constantinopla, capital do Império Latino

Partitio terrarum imperii Romaniae (latim para "repartição das terras do império da România[1] [Império Bizantino]") foi um tratado assinado após o saque de Constantinopla (1204), a capital do Império Bizantino, pela Quarta Cruzada. Ele fundou o Império Latino e definiu os termos da divisão dos territórios bizantinos entre os participantes da cruzada, beneficiando principalmente a República de Veneza.

TermosEditar

O tratado, que foi promulgado ou no final de setembro ou no início de outubro de 1204 (ou ainda, de acordo com Nicolau Oikonomides, imediatamente depois do saque, em abril-maio de 1204), foi escrito por um comitê de 24 pessoas, doze das quais venezeanas e os demais, representantes dos demais líderes cruzados. Ele deu ao imperador latino controle direto sobre um quarto do território bizantino, a Veneza, três-oitavos - incluindo três oitavos da cidade de Constantinopla, incluindo Hagia Sophia - e restante foi proporcionalmente dividido entre os demais líderes. Pelos termos desta divisão, Veneza se tornou a principal potência na região e o poder de facto por trás do Império Latino, o que claramente se percebe pelo suntuoso título que seu doge incorporou: Dominator quartae et dimidiae partis totius Romaniae ("Senhor de um quarto e meio de toda a România" em latim).

EfeitosEditar

A Partitio Romaniae iniciou um período da História da Grécia conhecido como Francocracia ou Latinocracia ("controle franco/latino"), no qual os nobres católicos da Europa Ocidental, a maioria franceses e italianos, fundaram estados no antigo território bizantino e governaram a população nativa majoritariamente composta de gregos bizantinos ortodoxos. Os termos da Partitio Romaniae não foram completamente implementados, parcialmente pela resistência dos nobres gregos, que fundaram estados independentes em Epiro, Niceia e Trebizonda, e também por conta de conflitos entre os próprios cruzados. O próprio Império Latino também acabou metido num desastroso conflito com o poderoso Segundo Império Búlgaro.

Importância como fonte históricaEditar

Como a divisão se baseou em documentos e registros tributários da chancelaria imperial bizantina, hoje perdidos, a Partitio Romaniae é um documento valioso sobre as divisões administrativas (episcépse) e as propriedades do governo central bizantino e das diversas famílias bizantinas mais ricas por volta de 1203.

Referências

  1. România é um termo ambíguo, veja R.L. Wolff, "Romania: The Latin Empire of Constantinople". In: Speculum, 23 (1948), pp. 1-34.

BibliografiaEditar