Abrir menu principal
Passagem Superior de Alcântara
Secção elevada, sobre a Avenida 24 de Julho. Ao fundo, o ramal para o antigo Jumbo.
Nome oficial Passagem Superior de Alcântara
Arquitetura e construção
Mantida por Rede Ferroviária Nacional
Término da construção 1991
Data de abertura 1991
Data de encerramento 2008
Comprimento total 480 metros
Largura 10 metros
Geografia
Via Pedonal
Localização Alcântara, Lisboa, Portugal
Coordenadas 38° 42' 15.06" N 9° 10' 27.95" O
P. S. Alcântara
Unknown route-map component "v-CONTg"
L.ª Cintura Campolide-A
Unknown route-map component "RP4"
Unknown route-map component "BLa" + Unknown route-map component "BLaq" + Unknown route-map component "v-BHF"
Alcântara-Terra
Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "RP4q" + Unused transverse waterway
Unknown route-map component "RP4q" + Unused transverse waterway + Unknown route-map component "BL" + Unknown route-map component "v-SHI2r"
× Carris: C.Santo-Ajuda
Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "RP4" + Urban transverse track
Unknown route-map component "RP4q" + Urban transverse track + Unknown route-map component "BL" + Unknown route-map component "vSTR-"
× Carris: C.Sodré-C.Qb.
Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "BLq"
Unknown route-map component "BL" + Unknown route-map component "vSTR-" + Unknown route-map component "BLeq"
ramal para o Jumbo
Unknown route-map component "RP4"
Unknown route-map component "BL" + Unknown route-map component "vSTR-"
Unknown route-map component "RP4ensRP4" + Unknown route-map component "STRc2"
Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "vSTR3-"
Unknown route-map component "STR+l" + Unknown route-map component "STR+1"
Unknown route-map component "STRc4" + Stop on transverse track
Unknown route-map component "STR+r"
Alcântara-Mar
Straight track Continuation forward
L.ª CascaisSantos
Continuation forward
L.ª CascaisBelém

A Passagem Superior de Alcântara foi uma infraestrutura pedonal, que ligava as estações de Alcântara-Mar (Linha de Cascais) e Alcântara-Terra (Linha de Cintura), em Lisboa, Portugal. Funcionou entre 1991 e 2008, quando foi demolida.

Índice

CaracterizaçãoEditar

Esta estrutura consistia num conjunto de 3 passagens para peões, totalizando aproximadamente 480 metros: uma iniciava-se numa rampa junto à Estação de Alcântara-Terra, percorrendo cerca de 320 metros, a vários metros acima do nível da rua, e terminava junto ao cruzamento de estradas onde terminam as Ruas Fradesso da Silveira e de Cascais e se iniciam as Avenidas de Ceuta e 24 de Julho; nesse ponto, a passagem tinha um ramal elevado, com cerca de 40 metros de comprimento, para um estabelecimento comercial Jumbo, do lado oposto da Rua de Cascais, e uma rampa de acesso a uma passagem ao nível do solo, com aproximadamente 130 metros de extensão, que terminava a Norte da Avenida da Índia, junto ao cruzamento desta artéria com a Rua de Cascais.

O atravessamento da Avenida e ligação à Estação de Alcântara-Mar é efectuado por uma passagem subterrânea.[1] A estrutura incluía, no seu interior, um conjunto de passadeiras rolantes para os utentes.[1]

HistóriaEditar

 
Aspeto do processo de desmontagem, a 20 de Setembro de 2008.

InauguraçãoEditar

A Passagem Superior de Alcântara foi inaugurada em 1991, de forma a que os passageiros pudessem efectuar o transbordo entre as Estações de Alcântara-Mar, na Linha de Cascais, e Alcântara-Terra, na Linha de Cintura[1], pois não existia, na altura, qualquer serviço ferroviário de passageiros que ligasse estas linhas.

Pretendia-se, assim, melhorar as ligações entre o centro de Lisboa e a Linha de Cascais.[1]

Declínio e demoliçãoEditar

Desde a abertura à exploração que esta estrutura não teve o movimento previsto, e, após alguns anos, deixou de ser efectuada a manutenção, pelo que as passadeiras rolantes começaram a avariar[1][2]; depois, o ramal para o Jumbo, que também era utilizado frequentemente para atravessar a estrada, foi encerrado, e toda a estrutura entrou num estado de degradação, reduzindo ainda mais o número de utentes.[1]

Em 3 de Outubro de 2007, um grupo de vereadores, liderada pelo antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carmona Rodrigues, apresentou uma proposta para a demolição da Passagem Superior, com base no avançado estado de degradação e abandono em que esta se encontrava[3]; este pedido, que se englobou num projecto de requalificação da zona de Alcântara, sugeriu que se formasse um protocolo com a Rede Ferroviária Nacional, que já desde antes se tinha mostrado interessada na demolição da estrutura.[3]

A demolição da estrutura, prevista para 15 de Setembro de 2008, foi levada a cabo entre os dias 20 e 22 desse mês, tendo as obras de remoção afectado o trânsito na zona[4]; esta medida foi aplaudida pelos moradores, que consideravam a estrutura como uma obstrução visual.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f CRUZ-FILIPE, Luís (04 de Outubro de 2008). «A passagem de Alcântara». Divagações sobre tudo e sobre nada. Consultado em 18 de Maio de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. «Respirar debaixo de água/ tapetes». Boa Pergunta. 31 de Agosto de 2004. Consultado em 18 de Maio de 2010 
  3. a b «Equipa de Carmona propõe demolição de passagem superior em Alcântara». Destak. 2 de Outubro de 2007. Consultado em 18 de Maio de 2010 
  4. «Remoção total da passadeira metálica para peões já está atrasada». Público. 20 de Setembro de 2008 
  5. ««Lisboa é das pessoas, mais contentores não!»». IOL Diário. 27 de Outubro de 2008. Consultado em 18 de Maio de 2010 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Passagem Superior de Alcântara

Ligações externasEditar