Patrício Bisso

jornalista, ator, figurinista e cenógrafo de cinema e teatro argentino-brasileiro

Patricio César Bisso (Buenos Aires, 28 de janeiro de 1957Buenos Aires, 13 de outubro de 2019[1]) foi um ator, figurinista, cenógrafo, ilustrador e colunista argentino radicado no Brasil de 1974 a 2002. Atuando simultaneamente em espetáculos underground e em veículos de comunicação de massa, foi uma personalidade conhecida do panorama cultural brasileiro, especialmente entre os anos 1970 e 1990.

Patrício Bisso
Nome completo Patricio César Bisso
Nascimento 28 de janeiro de 1957
Buenos Aires
Morte 13 de outubro de 2019 (62 anos)
Buenos Aires
Ocupação Ator, ilustrador, figurinista, cenógrafo, colunista

Desde cedo, Patricio demonstrava talento para o desenho e começou ainda adolescente a fazer trabalhos de ilustração para jornais e lojas de departamentos em Buenos Aires.

Sua primeira vinda ao Brasil deu-se em 1973, aos 16 anos, quando projetou a ambientação de uma casa noturna na cidade de Florianópolis.

No ano seguinte, abandonou o colégio e mudou-se para São Paulo, onde trabalhou, ainda menor de idade, como ilustrador na agência de publicidade DPZ e no Jornal da Tarde.

Ainda em 1974, estreou como ator no espetáculo Ladies na Madrugada, de Mauro Rasi, com uma interpretação da atriz e cantora argentina Libertad Lamarque[2]. Sua participação nessa peça —considerada precursora do gênero besteirol— serviu para mostrar o talento e versatilidade de Patricio, que, além de atuar, fazia seu próprio figurino e maquiagem.

Depois de passar uma temporada em Londres, entre 1978 e 1979, trabalhando no estúdio de animação de Oscar Grillo, Patricio retornou a São Paulo.

Nos anos 1980, se dedicou a criar no Brasil uma carreira solo como performer, paralelamente à sua carreira de artista gráfico. A partir de 1983, ganhou um quadro fixo na programação da Abril Vídeo, parceria da TV Gazeta com a editora Abril, em que interpretava a personagem que marcaria para sempre sua carreira: a sexóloga russa Olga del Volga[3].

Durante essa década, trabalhou ainda como figurinista de diversos filmes, entre eles "O Beijo da Mulher Aranha" (1985), de Héctor Babenco, primeiro e único longa brasileiro (coprodução americana) a concorrer ao Oscar de melhor filme e melhor diretor (em 1986).

Em 1985, levou aos palcos um de seus espetáculos mais bem recebidos pelo público e pela crítica, Louca Pelo Saxofone[4], em que interpretava diversas divas da canção internacional dos anos 1950 e 1960. A trilha do show transformou-se num disco que conta com a participação de Rita Lee e Wanderléa, entre outros artistas de sucesso[5].

No mesmo ano, foi convidado a integrar o elenco da novela Um Sonho a Mais, da Rede Globo, com sua Olga del Volga. A personagem ganhou ainda um quadro recorrente no programa da apresentadora Hebe Camargo[6].

Desde o final dos anos 1980, Bisso começou a dedicar esforços a levar a vida de Olga ao cinema. Durante a década seguinte, chegou a escrever um roteiro e conseguiu o apoio de amigos —como o ator Paulo Autran, José Wilker, Sonia Braga[7], Elke Maravilha e a própria Hebe— que se comprometeram a tomar parte no elenco do filme. O projeto, no entanto, jamais saiu do papel.

Mesmo não tendo perseguido uma carreira na sua Argentina natal, durante a década de 80, Bisso chegou a atuar junto a grupos do underground portenho, como Las Bay Biscuits, de Vivi Tellas, e com artistas consagrados, como Federico Moura, do grupo Virus, e Charly García.

Seu último espetáculo musical foi Bissolândia, de 1994, em que parodiava personagens de histórias infantis[8].

Depois disso, retirou-se dos palcos, mas continuou a fazer ilustrações para a imprensa, além de figurinos para filmes, peças de teatro e musicais. Em 2002, Patricio retornou à Argentina, para nunca mais voltar ao Brasil[9].

Morreu em 2019, aos 62 anos, no dia 13 de outubro, em sua casa, em Buenos Aires, de um infarto fulminante[10].

No cinemaEditar

Como atorEditar

Como figurinistaEditar

  • 1991 - Naked Tango
  • 1987 - Brasa Adormecida
  • 1985 - O Beijo da Mulher Aranha

No teatroEditar

Espetáculos musicais autoraisEditar

  • Perfume de Gardênia (1977)
  • Uma Noite Perdida com Patricio Bisso (1978)
  • Caprichos do Coração (1980)
  • Uma Outra Noite Perdida com Patricio Bisso (1983)
  • Louca Pelo Saxofone (1985)
  • Bisso, Black and Blue (1988)
  • Sarau Siberiano (1991)
  • Programa das Índias (1992)
  • Bissolândia (1994)

Como atorEditar

Como autorEditar

  • Castronauts, or How I Killed Fidel, [13] com Bobby Houston (2008)

Na televisãoEditar

Como atorEditar

  • 1983 a 1984 - Abril Vídeo (TV Gazeta), dentro do programa São Paulo na TV, como Olga del Volga
  • 1985 - Um Sonho a Mais (Globo) como Olga del Volga
  • 1987- Hebe (Band/SBT) como Olga del Volga
  • 1993 - Retrato de Mulher - Episódio 7 - "Era Uma Vez Dulcineia" (Globo) - como Olga del Volga e apresentadora de concurso

Na imprensaEditar

Como ilustradorEditar

  • Jornal da Tarde (1974 a 1980)
  • Folha de S.Paulo (1980 a 2002)
  • "A imagem do som de Chico Buarque" (Ed. Barleu, 1999), de Felipe Taborda, com a ilustração da letra de "Bom Conselho".

Como colunistaEditar

  • Jornal da Tarde
  • Folha de S.Paulo

Referências

  1. «Da Redação - Morre o artista argentino Patricio Bisso, aos 62 anos». amauryjr.blog.bol.uol.com.br. Consultado em 4 de março de 2022 
  2. Wasilewski, Luís (1 de janeiro de 2012). «Estudo de Ladies na Madrugada» (PDF). Portal Abrace. Consultado em 1 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 1 de janeiro de 2012 
  3. «Abril Vídeo na Gazeta». Museu da TV, Rádio & Cinema. 22 de março de 2017. Consultado em 7 de março de 2022 
  4. «Opinião: Patricio Bisso marcou a cultura underground paulistana dos anos 1980». Folha de S.Paulo. 14 de outubro de 2019. Consultado em 4 de março de 2022 
  5. «Pioneiro da cena LGBT, Bisso tem reeditado disco feito com Lolita, Rita Lee e Wanderléa». G1. Consultado em 4 de março de 2022 
  6. «Morre o performer, ilustrador e figurinista Patricio Bisso, aos 62». Folha de S.Paulo. 14 de outubro de 2019. Consultado em 4 de março de 2022 
  7. «Sônia Braga lamenta morte do amigo Patrício Bisso». Agora São Paulo. 16 de outubro de 2019. Consultado em 4 de março de 2022 
  8. «Folha de S.Paulo - ``Bissolândia" recria mundo de Disney - 23/10/1994». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 4 de março de 2022 
  9. «Opinião: Multiartista Patricio Bisso era ferino, bocudo, inteligente e culto». Folha de S.Paulo. 14 de outubro de 2019. Consultado em 4 de março de 2022 
  10. «Depois de maltratá-lo, Brasil se esqueceu de Patricio Bisso». F5. 15 de outubro de 2019. Consultado em 4 de março de 2022 
  11. Cinemateca Brasileira, O Beijo da Mulher Aranha [em linha]
  12. WASILEWSKI, Luís Francisco. Isto é Besteirol: O Teatro de Vicente Pereira. Coleção Aplauso. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010, pp. 16-17, 37
  13. «5th annual New York Musical Theatre Festival, setembro de 2008». Consultado em 29 de março de 2013. Arquivado do original em 12 de outubro de 2008 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.