Abrir menu principal
Paul Broca
Nascimento 28 de junho de 1824
Sainte-Foy-la-Grande
Morte 9 de julho de 1880 (56 anos)
Paris
Nacionalidade Francês
Cidadania França
Alma mater Faculdade de Medicina de Paris
Ocupação médico, anatomista, antropólogo, neurologista, biólogo, político, cirurgião
Empregador École pratique des hautes études
Causa da morte Aneurisma Cerebral
Campo(s) Ciência, medicina, anatomia e antropologia

Pierre Paul Broca (Sainte-Foy-la-Grande, 28 de junho de 1824Paris, 9 de julho de 1880) foi um cientista, médico, anatomista e antropólogo francês. Formado em medicina aos 20 anos, logo se tornou professor de patologia cirúrgica da Universidade de Paris e um renomado pesquisador médico em diversas áreas.

BiografiaEditar

Paul Broca foi um cirurgião e antropólogo francês que nasceu em Sant-Foy-la-Grande, em 1824. Entrou na escola de medicina aos 17 anos, formando-se aos 20, quando a maioria de seus contemporâneos ainda estava iniciando seus estudos em medicina. Estudou medicina na Universidade de Paris, onde logo se tornou professor de patologia cirúrgica e um médico pesquisador notável. Especializou-se em muitas áreas, como, por exemplo, em a anatomia e em histologia. Aos 24 anos já havia sido premiado com muitas medalhas e posições importantes. Realizou diversos trabalhos científicos sobre a histologia da cartilagem e dos ossos, a patologia do câncer, o tratamento dos aneurismas e a mortalidade infantil. Sendo um excelente neuroanatomista, Broca faz contribuições importante acerca do sistema límbico. Ele funda, em 1848, uma sociedade de livres-pensadores e se simpatiza pela teoria da seleção natural de Darwin. Escreve vários livros e artigos, sendo que, 53 destes, foram dedicados aos estudos sobre o cérebro. Ele também se dedicou à assistência médica aos pobres e foi uma célebre figura na Assistance Publique.

Broca também é um pioneiro em antropologia física. Ele fundou a Sociedade de Antropologia de Paris, em 1859, a Revue d'Anthropologie em 1872, e a Escola de Antropologia, em Paris, em 1876. Outra área em que Broca se dedicou foi a anatomia comparativa dos primatas. Ele descreveu pela primeira vez trepanações que remontam ao Neolítico. Era muito interessado nas relações entre a anatomia do crânio e do cérebro e as habilidades mentais e inteligência. Já no final de sua vida, Broca é eleito membro vitalício do Senado da França, sendo também um membro da Academia Francesa de Ciências. Ele recebeu graus honoríficos de muitas instituições do saber, na França e no exterior. Paul Pierre Broca morre em Paris, em 1880.

É um dos 72 nomes perpetuados na Torre Eiffel.[1]

Contribuições para a neurociênciaEditar

Apesar de ter sido um renomado cientista e pesquisador, o que confere a Broca o lugar na história da medicina é a sua descoberta do "centro da linguagem" no cérebro, na região do lobo frontal. Broca foi influenciado pelos esforços de Franz Joseph Gall em mapear as funções superiores no encéfalo; contudo, em vez de correlacionar o comportamento com calombos no crânio, ele correlacionou evidências clínicas de afasia com lesões encefálicas descobertas post-mortem. Em 1861, ele escreveu: "Eu acreditava que, se houvesse uma ciência frenológica, seria a frenologia das circunvoluções (no córtex), e não a frenologia dos calombos (na cabeça)". Com base nessa percepção, Broca fundou a neuropsicologia, uma ciência dos processos mentais que ele diferenciou da frenologia de Gall.

Esta descoberta é fruto de seus estudos sobre os cérebros dos pacientes com afasia. Em 1861, Broca descreveu um paciente, Leborgne, que, como resultado de um acidente vascular encefálico, não podia falar, embora pudesse compreender a linguagem perfeitamente bem. Esse paciente não apresentava déficits motores da língua, da boca ou das pregas vocais que pudessem afetar sua capacidade de falar. Na verdade, ele podia emitir palavras isoladas, assobiar e cantar uma melodia sem dificuldades. No entanto, não conseguia falar de forma gramaticamente correta ou criar sentenças completas e também não conseguia exprimir ideias escrevendo. Exames post-mortem do encéfalo desse paciente mostraram uma lesão na região posterior do lobo frontal, agora denominada área de Broca. Broca estudou oito pacientes semelhantes, todos com lesões nessa região, e em todos os casos a lesão estava localizada no hemisfério cerebral esquerdo. Essa descoberta levou Broca, em 1864, a anunciar: "Nous parlons avec l'hémisphère gauche!" (Nós falamos com o hemisfério esquerdo!). Esta disfunção passou a ser chamada de Afasia de Broca, e a área lesionada como Área de Broca.

O trabalho de Broca estimulou uma busca por regiões corticais associadas a outros comportamentos específicos - uma busca logo recompensada. Em 1870, Gustav Fritsch e Eduard Hitzig causaram grande excitação na comidade científica quando mostraram que movimentos característicos das patas de cães, como estender uma pata, podem ser produzidos pela estimulação elétrica de determinadas regiões do giro pré-central.[2]

PublicaçõesEditar

1849. De propagação da inflamação - Quelques proposições dites sur les Tumeurs cancéreuses. Tese de doutorado

1856. Traité des anévrismes et leur traitement. Paris: Labé e Asselin

1861. sobre o princípio das localizações cérébrales. Touro. Société d'Anthropologie 2: 190-204

1861. Perte de la parole, ramollissement chronique et partielle destrual antérieur gauche du lóbulo. Boletim da Sociedade de Antropologia 2: 235-38

1861. Nouvelle d'observation aphémie produite par une moitié et troisième des postérieurs gauches circonvolution frente. Touro. Société Anatomique 36: 398-407

1863. Localizações das funções cérébrales. Siège du langage de articulé faculté. Touro. Société d'Anthropologie 4: 200-208

1866. Sul facultado geral do idioma, em suas relações com o idioma articulado ou facultado. Touro. Société d'Anthropologie deuxième série 1: 377-82

1871-1878. Memoires d'Anthropologie, 3 v. Paris: C. Reinwald

BibliografiaEditar

BEAR, M. F.; CONNORS, B. W.; PARADISO, M. A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. Tradução: Carla Dalmaz. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2008

FRANÇA, Aniela Improta. Teoria fonológica, arquitetura e variação de gramática: Apresentação. Revista Lingüística. Volume 7 Número 2 Dezembro 2011

GAZZANIGA, M. Neurociência Cognitiva: A biologia da mente. tradução Angelica Rosat. 2ª Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2006.

GUSMÃO, S;  SILVEIRA, R. L;  FILHO, G. C. Broca e o nascimento da moderna neurocirurgia. Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.58 n.4 São Paulo Dec. 2000 http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2000000600028 

LENT, Roberto. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo, Edito MACHADO, Angelo. Neuroanatomia Funcional. 2 ed. – São Paulo: Editora Atheneu, 2004.

ROSA, Maria C. Introdução à (Bio)Lingüística: linguagem e mente. São Paulo: Contexto, 2010.

SABBATINI, R. M. E. A História da Psicocirurgia. Cérebro & Mente, junho 1997.

_____________Frenologia: História da Localização Cerebral

Em: Cérebro & Mente, Março de 1997, atualizado em Fevereiro de 2003.

_____________, R.M.E.: Mapeando o Cérebro: O Estudo da Localização Cerebral no Século Dezenove, Revista Cérebro & Mente, março de1997:

Referências

  1. «Biografia» (em francês). Planete TP. Consultado em 2 de outubro de 2009 
  2. Kandel, Eric R. (2013). Princípios de Neurociências. McGraw-Hill Global Education Holdings, LLC. Nova York, NY.: AMGH Editora ltda. pp. p40–41 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.