Paul Josef Cordes

Paul Josef Cordes (Kirchhundem, 5 de setembro de 1934) é um cardeal da Igreja Católica alemão, presidente-emérito do Pontifício Conselho Cor Unum no Vaticano.

Paul Josef Cordes
Cardeal da Igreja Católica
Presidente emérito do Pontifício Conselho Cor Unum
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Serviço pastoral Pontifício Conselho Cor Unum
Nomeação 2 de dezembro de 1995
Predecessor Dom Roger Marie Élie Cardeal Etchegaray
Sucessor Robert Cardeal Sarah
Mandato 1995 - 2010
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 21 de dezembro de 1961
por Lorenz Jäger
Nomeação episcopal 27 de outubro de 1975
Ordenação episcopal 1 de fevereiro de 1976
Catedral de Paderborn
por Johannes Joachim Degenhardt
Nomeado arcebispo 2 de dezembro de 1995
Cardinalato
Criação 24 de novembro de 2007
por Papa Bento XVI
Ordem Cardeal-diácono (2007-2018)
Cardeal-presbítero (2018- )
Título São Lourenço em Piscibus
Brasão
Coat of arms of Paul Josef Cordes.svg
Lema DEUS FIDELIS
Dados pessoais
Nascimento Kirchhundem
5 de setembro de 1934 (87 anos)
Nacionalidade alemão
Funções exercidas -Bispo-auxiliar de Paderborn (1975-1980)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

BiografiaEditar

Estudou no Gymnasium de Attendorn (ensino secundário) até 1955 e depois, estudou dois semestres de medicina em Münster. Em 1956 sentiu crescer dentro de si a vocação ao sacerdócio e, tendo abandonado os estudos universitários, entrou no seminário maior de Paderborn. Mais tarde, estudou na Faculdade de Filosofia de Paderborn e também estudou filosofia em Lyon.[1][2]

Foi ordenado padre em 21 de dezembro de 1961, por Lorenz Jäger, arcebispo de Paderborn.[1][2][3] Também estudou na Faculdade Teológica de Paderborn e na Universidade de Mainz, onde foi assistente do Professor Karl Lehmann, futuro cardeal; foi o primeiro aluno a defender sua tese sob o comando do jovem professor Lehmann, com o tema "Sendung zum Dienst. Exegetisch-historische und sistemamatische Studien zum Konzilsdekret 'Über Leben und Dienst der Priester'", em 1971.[1][2]

Em 1972, o cardeal Julius August Döpfner, então presidente da Conferência Episcopal Alemã, nomeou-o secretário da comissão pastoral da própria Conferência. Foi neste período que, precisamente em virtude do seu cargo, começou a colaborar com associações, movimentos e várias instituições eclesiais na Alemanha. Uma experiência que pôde colocar à disposição do Sínodo das Dioceses da República Federal da Alemanha, realizado de 1972 a 1975, no qual participaram bispos, padres e leigos. O sínodo foi convocado para deliberações e decisões pastorais.[2]

Eleito bispo-auxiliar de Paderborn pelo Papa Paulo VI em 27 de outubro de 1975, foi consagrado bispo-titular de Naísso em 1 de fevereiro de 1976, na catedral de Paderborn, por Johannes Joachim Degenhardt, arcebispo de Paderborn, assistido pelo cardeal Julius Döpfner, arcebispo de München und Freising, e por Paul Norhues, bispo-titular de Cos, bispo-auxiliar de Paderborn.[1][2][3]

Em 1980, o Papa João Paulo II o chamou para servir na Cúria Romana, nomeando-o vice-presidente do Pontifício Concílio para os Leigos. Em seguida, seguiram-se as nomeações como consultor de outros escritórios da Cúria Romana. O Papa também o encarregou ad personam de seguir o apostolado do International Catholic Charismatic Renewal Office e da jornada neocatecumenal, cargo que ocupou até dezembro de 1995.[2]

Foi o promotor do Centro Internacional Juvenil San Lorenzo, inaugurado em Roma no dia 13 de março de 1983. Foi durante um encontro no Centro - a ocasião foi a celebração do Ano Santo Extraordinário 1983-1984 - nasceu a ideia de organizar um encontro de jovens em todo o mundo. O evento aconteceu no Domingo de Ramos de 1984 e praticamente marcou o nascimento das Jornadas Mundiais da Juventude.[2]

Em 2 de dezembro de 1995 foi promovido à dignidade arquiepiscopal e nomeado presidente do Pontifício Conselho Cor Unum.[1][2][3]

Em 17 de outubro de 2007, foi anunciada a sua criação como cardeal pelo Papa Bento XVI, no Consistório de 24 de novembro, em que recebeu o barrete vermelho e o título de cardeal-diácono de São Lourenço em Piscibus.[1][3] Renunciou à presidência do Pontifício Conselho Cor Unum por limite de idade em 7 de outubro de 2010.[1][2]

É autor de várias publicações, nascidas sobretudo do conhecimento da realidade dos movimentos e das novas comunidades eclesiais. Os mais recentes são: Participação ativa na Eucaristia, La atuosa participatio em pequenas comunidades (1996), Sinais de esperança. Movimentos e novas realidades na vida da Igreja na véspera do Jubileu (1998), Eclipse do Pai. Um grito (2002).[2]

Nos últimos anos, lhe foram confiadas numerosas missões no mundo para levar a caridade e a solidariedade do Papa a todos os lugares, recentemente participou dos trabalhos do congresso da Caritas de toda a Federação Russa, realizado em Moscou de 18 a 21 de outubro de 2007. Na ocasião, fez uma visita a Novosibirsk, onde conheceu as Missionárias da Caridade de Madre Teresa de Calcutá, que trabalharam durante anos nesta área, e o pessoal da escola franciscana local. Em 18 de outubro, em Moscou, ele conheceu o Patriarca de Moscou e Toda a Rússia Aleixo II.[2]

Em 19 de maio de 2018, o Papa Francisco realizou um Consistório Público Ordinário para a canonização de alguns Beatos, ao qual se seguiu a optatio de seis cardeais da ordem dos Diáconos à ordem dos Presbíteros. A pedido do cardeal Cordes, a diaconia de São Lourenço em Piscibus foi elevada pro hac vice ao título de presbitério.[1][2][3]

ConclavesEditar

Referências

  1. a b c d e f g h The Cardinals of the Holy Roman Church
  2. a b c d e f g h i j k l Biografia no site do Vaticano
  3. a b c d e Catholic Hierarchy

Ligações externasEditar

Precedido por
Victor Hugo Martínez Contreras
 
Bispo-titular de Naísso

19751995
Sucedido por
elevado a arcebispo
Precedido por
antes bispo
 
Arcebispo-titular de Naísso

19952007
Sucedido por
Ambrose Madtha
Precedido por
Roger Marie Élie Etchegaray
 
Presidente do
Pontifício Conselho Cor Unum

19952010
Sucedido por
Robert Sarah
Precedido por
criação do titulus
 
Cardeal-presbítero de
São Lourenço em Piscibus

2007
Até 2018, como cardeal-diácono
Sucedido por
incumbente