Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Além do estatuto conferido pelo Plano Director Municipal de Benavente como Área de Conservação da Natureza, o Paul de Trejoito contém uma grande diversidade de micro habitats. Esta área húmida surge como ponto de apoio em particular para a avifuana aquática, surgindo como ponte entre a Reserva Natural do Paul do Boquilobo e a Reserva Natural do Estuário do Tejo. Esta área tem vindo a ser modificada com vista à conversão em arrozal, sendo as principais ameaças à sua integridade o enxugo a drenagem, e a poluição da água, por excesso de pesticidas e fertilizantes.

CaracterizaçãoEditar

No que respeita a fauna e flora o Paul de Trejoito caracteriza-se por:

FloraEditar

É constituído por vegetação dominada maioritariamente por caniço, com áreas de água livre com nenúfares, Ninféia e Nymphaea lotus. Os terrenos envolventes são compostos por montados de sobreiro (Quercus suber) e pinheiro (Pinus pinaster), destacando-se também grandes manchas de estevas (Cistus ladanifer).

FaunaEditar

AvesEditar

Estão inventariadas no Paul cerca de 150 espécies de aves, sendo que 27 destas estão consideradas ameaçadas. Nidificam no Paul várias espécies, sendo que se destacam:

Estes indivíduos pernoitam em abrigos localizados na Reserva Natural do Estuário do Tejo e durante o dia vão alimentar-se para arrozais deste e doutros pauis. Destacam-se algumas ave de rapina, tais como:

MamíferosEditar

São habitantes do Paul de Trejoito a lontra (Lutra lutra) e o toirão (Mustela putorius).

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar