Paulo Sousa

futebolista português

Paulo Manuel Carvalho Sousa CvIH (Viseu, 30 de agosto de 1970) é um treinador e ex-futebolista português que atuava como meio-campista. Atualmente comanda o Flamengo.

Paulo Sousa
Paulo Sousa
Paulo em 2014, durante um amistoso comemorativo
Informações pessoais
Nome completo Paulo Manuel Carvalho Sousa
Data de nasc. 30 de agosto de 1970 (51 anos)
Local de nasc. Viseu, Portugal
Nacionalidade português
Altura 1,77 m
destro
Informações profissionais
Equipa atual Flamengo
Posição ex-meia
Função treinador
Clubes de juventude
1984–1986
1986–1989
Repesenses
Benfica
Clubes profissionais
Anos Clubes
1989–1993
1993–1994
1994–1996
1996–1998
1998–1999
2000
2000–2001
2002
Benfica
Sporting
Juventus
Borussia Dortmund
Internazionale
Parma
Panathinaikos
Espanyol
Seleção nacional
1987
1987–1988
1989
1989–1991
1991–2002
Portugal Sub-16
Portugal Sub-18
Portugal Sub-20
Portugal Sub-21
Portugal
Times/Equipas que treinou
2005–2008
2008–2009
2009–2010
2010
2011–2013
2013–2014
2014–2015
2015–2017
2017–2018
2019–2020
2021
2022–
Portugal Sub-16
Queens Park Rangers
Swansea City
Leicester
Videoton
Maccabi Tel Aviv
Basel
Fiorentina
Tianjin Quanjian
Bordeaux
Polônia
Flamengo
Última atualização: 29 de dezembro de 2021

Carreira como jogadorEditar

A 22 de março de 1989, foi feito Cavaleiro da Ordem do Infante D. Henrique.[1]

Início no BenficaEditar

Paulo Sousa iniciou a sua carreira no Benfica, sendo um produto dos escalões de formação do clube. Estreou-se na equipa principal na época de 1989–90, tendo conquistado o título nacional no ano seguinte e a Taça de Portugal na época de 1992–93, numa equipa onde jogavam, entre outros, João Vieira Pinto, Paulo Futre, Rui Costa e Vítor Paneira. Desempenhava-se como um médio central de classe e técnica apurada, sendo comparado ao argentino Fernando Redondo pelo estilo de jogo,[2] bem como ao brasileiro Paulo Roberto Falcão.[3] Fora de campo, também chamava atenção por seu aparência, elogiada como a de um galã.[4]

Sporting e JuventusEditar

No verão de 1993, juntamente com o extremo-esquerdo Pacheco, optou por não renovar contrato com o Benfica para assinar pelo rival Sporting, numa transferência muito polémica na altura, justificada por ele por não sentir-se devidamente valorizado no clube encarnado.[4] As suas exibições, de extrema consistência, e a sua extraordinária visão de jogo valeram-lhe uma transferência para a Juventus no ano seguinte, onde conquistou a Serie A de 1994–95,[5] além da Copa da Itália na mesma temporada, em que o time de Turim também foi vice-campeão na Copa da UEFA.[3]

Em sua primeira temporada no calcio, Sousa não teve problemas de se adaptar e foi um jogador assíduo em um meio-campo que promovia um rodízio entre Antonio Conte, Angelo Di Livio, Didier Deschamps, Alessio Tacchinardi e Giancarlo Marocchi. Contudo, a partir da segunda temporada sua presença tornou-se mais irregular, em função de pequenas e crônicas lesões no seu joelho e tratamentos incorretos. Nela, pôde vencer a Liga dos Campeões da UEFA de 1995–96, mas terminou vendido ao Borussia Dortmund.

Borussia DortmundEditar

No clube alemão, acabou por vencer a Liga dos Campeões seguinte (justamente diante da Juventus), se tornando um raro jogador bicampeão seguido do torneio por times diferentes.[3] Até então, apenas Marcel Desailly havia conseguido o mesmo (1993 e 1994) e desde ali somente Gerard Piqué (2008 e 2009) e Samuel Eto'o (2009 e 2010) também realizaram o feito.[2] Sousa também venceu com o Dortmund o Mundial Interclubes de 1997, atuando em toda a partida contra o Cruzeiro.[4]

InternazionaleEditar

Pouco depois, voltou em janeiro de 1998 à Itália, causando polêmica similar à de 1993, ao novamente transferir-se ao principal rival de um ex-clube - no caso, a Internazionale, com quem a Juventus trava o Derby D'Italia. Em Milão, inicialmente foi um membro razoável do elenco vice-campeão italiano de 1997–98, mas a partir de então começou a aparecer de modo mais raro. Afetado por lesões,[3] passou a rumar em clubes menores.[4]

Seus últimos clubes foram o Parma, em 2000, o Panathinaikos, entre 2000 e 2001,[4] e o Espanyol, onde chegou em janeiro de 2002. Participou de apenas nove partidas na La Liga e foi descrito num dicionário de jogadores do clube catalão como alguém que "em só meia temporada teve tempo de demonstrar sua extraordinária classe como meio-campista organizador. Elegante, inteligente e com visão de jogo. Não obstante, ao acabar a temporada, surpreendeu anunciando sua retirada (alegou problemas físicos) quando o treinador Juande Ramos contava com ele".[6] Assim, Paulo Sousa anunciou a aposentadoria ao fim da Copa do Mundo FIFA de 2002.[4]

Seleção NacionalEditar

Tendo representado Portugal em todas as categorias de base, Paulo Sousa esteve presente na Seleção Portuguesa Sub-20 que conquistou a Copa do Mundo FIFA Sub-20 de 1989. Já pela Seleção Portuguesa principal, estreou no dia 16 de janeiro de 1991, num amistoso contra a Espanha. Logo tornou-se presença assídua no meio-campo da Seleção, juntamente com os craques Luís Figo e Rui Costa. Participou das Eurocopas de 1996 e 2000 e foi convocado para a Copa do Mundo FIFA de 2002, realizada na Coreia do Sul e no Japão, mas não atuou em nenhuma partida. A última de suas 51 internacionalizações foi num jogo de preparação para o mesmo Mundial, que terminou numa vitória por 2 a 0 contra a China.

Carreira como treinadorEditar

InícioEditar

Após se retirar como jogador, Paulo Sousa desempenhou funções na equipa técnica da Seleção Nacional, tendo treinado a Seleção Portuguesa Sub-16 de 2005 a 2008.[7]

Queens Park RangersEditar

Foi anunciado como treinador principal do Queens Park Rangers no dia 19 de novembro de 2008, que na época disputava a EFL Championship.[8]

Swansea CityEditar

Em junho de 2009 foi anunciado como novo treinador do Swansea City, equipe do País de Gales, terminado a época no sétimo lugar.[9]

LeicesterEditar

Já no ano de 2010, Paulo Sousa foi o treinador principal da equipa do Leicester City, clube que também militava no segundo escalão da EFL Championship.[10]

VideotonEditar

No dia 15 de maio de 2011, Paulo Sousa assinou um contrato de três anos com o Videoton, da Hungria.[11] No clube húngaro, o treinador venceu a Taça da Liga e a Supertaça da Hungria. A 7 de janeiro de 2013, o clube anunciou que tinha aceitado o pedido do treinador para deixar o clube devido a razões familiares.

Maccabi Tel AvivEditar

Em julho de 2013 foi anunciado pelo Maccabi Tel Aviv, onde substituiu o treinador espanhol Óscar García.[12] Na única época em que ficou na equipa, sagrou-se campeão do Campeonato Israelense.[13]

BaselEditar

Com a saída de Murat Yakın[14] para o Spartak Moscou,[15] o clube suíço viu em Paulo Sousa o homem ideal para comandar a equipa. Foi confirmado como treinador no fim de maio de 2014. Terminou a época como campeão da Super Liga Suíça.[16]

FiorentinaEditar

Em 22 de junho de 2015, foi confirmada a sua contratação pela Fiorentina.[17]

Tianjin QuanjianEditar

Paulo Sousa assinou pelo Tianjin Quanjian, da China, em 6 de novembro 2017.[18] Permaneceu na equipa até o dia 3 de outubro de 2018.[19]

BordeauxEditar

Acertou com o Bordeaux no dia 8 de março de 2019.[20] Rescindiu contrato com o clube francês no dia 2 de julho 2020 por estar em desacordo com o projecto, depois de ter salvado o clube francês do rebaixamento. Estava a lutar pelos lugares de acesso às competições europeias quando a Ligue 1 foi cancelada devido à pandemia COVID-19.

Seleção PolonesaEditar

Foi anunciado como novo treinador da Seleção Polonesa no dia 21 janeiro de 2021.[21] Conduziu a Polônia numa boa campanha na Euro 2020 e levou a Seleção aos play-offs nas eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2022, que disputará frente à Rússia em março 2022, após terminar o grupo de qualificação com seis vitórias, dois empates e duas derrotas. Em 29 de dezembro de 2021, foi divulgado a rescisão contratual do técnico com a Polônia. No acordo firmado, Paulo Sousa pagará uma multa de aproximadamente 300 000 euros à Federação Polonesa de Futebol.[22][23][24][25]

FlamengoEditar

Após semanas de negociações, foi anunciado oficialmente pelo Flamengo no dia 29 de dezembro de 2021 e assinou contrato por duas temporadas.[26]

Estatísticas como treinadorEditar

Atualizadas até 15 de novembro de 2021

Clube Início Até Jogos
J V E D GP GC SG %
Queens Park Rangers 19 de novembro de 2008 9 de abril de 2009 26 7 12 7 23 24 -1 26.92
Swansea City 23 de junho de 2009 4 de julho de 2010 49 18 18 13 45 41 +4 36.73
Leicester 7 de julho de 2010 1 de outubro de 2010 12 4 2 6 18 27 -9 33.33
Videoton 1 de junho de 2011 7 de janeiro de 2013 88 52 17 19 140 63 +77 59.09
Maccabi Tel Aviv 11 de junho de 2013 28 de maio de 2014 49 31 10 8 91 45 +46 63.27
Basel 28 de maio de 2014 17 de junho de 2015 50 31 8 11 112 60 +52 62
Fiorentina 21 de junho de 2015 6 de junho de 2017 95 43 25 27 154 121 +33 45.26
Tianjin Quanjian 6 de novembro de 2017 5 de outubro de 2018 37 13 10 14 51 58 -7 35.14
Bordeaux 8 de março de 2019 10 de agosto de 2020 42 13 12 17 53 51 +2 30.95
Polônia 21 de janeiro de 2021 29 de dezembro de 2021 15 6 5 4 37 20 +17 37.5
Flamengo 29 de dezembro de 2021 presente 0 0 0 0 0 0 +0
Total 463 218 119 126 724 510 +214 47.08

TítulosEditar

Como jogadorEditar

Benfica
Juventus
Borussia Dortmund
Seleção Portuguesa

Como treinadorEditar

Videoton
  • Supertaça da Hungria: 2011 e 2012
  • Taça da Liga da Hungria: 2011–12
Maccabi Tel Aviv
Basel

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Paulo Manuel Carvalho Sousa". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  2. a b «De ex-jogador multicampeão a técnico pouco midiático: conheça Paulo Sousa, preferido pelo Inter». GloboEsporte.com. 26 de dezembro de 2021 
  3. a b c d Nelson Oliveira (dezembro de 2018). «Times históricos: Corações ingratos: os jogadores que defenderam os rivais Inter e Juventus». Calciopédia. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  4. a b c d e f «10 coisas que você (provavelmente) não sabe sobre a carreira de Paulo Sousa, novo técnico do Flamengo». GloboEsporte.com. 28 de dezembro de 2021 
  5. Leandro Stein (21 de maio de 2020). «A Juventus que rompeu um jejum de nove anos e encantou: A história do essencial Scudetto de 1994/95». Trivela. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  6. MARTÍNEZ DÍAZ, Juan Pedro & ENSENYAT, Xavier Martín (2018). Paulo Sousa. Corazón Perico. Barcelona: Fundació del RCD Espanyol de Barcelona, p. 168
  7. «Sub-16: Paulo Sousa: «Um caminho grande a percorrer»». Record. 20 de fevereiro de 2007. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  8. «Paulo Sousa treina Queens Park Rangers». Rádio e Televisão de Portugal. 19 de novembro de 2008. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  9. Chris Wathan (24 de junho de 2009). «Paulo Sousa aims to put Swansea City on world map» (em inglês). WalesOnline. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  10. «Paulo Sousa vai treinar o Leicester City». Jornal de Notícias. 7 de julho de 2010. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  11. «Paulo Sousa nomeado treinador do Videoton». UEFA.com. 15 de maio de 2011. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  12. «Paulo Sousa ao leme do Maccabi Tel-Aviv». UEFA.com. 12 de junho de 2013. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  13. «Treinador Paulo Sousa campeão em Israel». TSF Rádio Notícias. 3 de maio de 2014. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  14. «Suíça: Murat Yakin rescinde com Basileia». Record. 17 de maio de 2014. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  15. «Spartak escolhe Yakin para treinador». UEFA.com. 16 de junho de 2014. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  16. «Basileia de Paulo Sousa é campeão da Suíça». PÚBLICO. 17 de maio de 2015. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  17. «Paulo Sousa: «Estou na Fiorentina para trabalhar arduamente»». Record. 22 de junho de 2015. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  18. Francisco Marques (6 de novembro de 2017). «Paulo Sousa confirmado como treinador do Tianjin Quanjian». Euronews. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  19. «China: Paulo Sousa deixa comando técnico do Tianjin Quanjian». Record. 4 de outubro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  20. «Paulo Sousa apresentado como treinador do Bordéus». Diário de Notícias. 8 de março de 2019. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  21. Leo Escudeiro (21 de janeiro de 2021). «Com jogadores talentosos, Polônia escolhe Paulo Sousa como técnico para subir de patamar». Trivela. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  22. «Sousa nie jest już selekcjonerem reprezentacji» [Sousa deixou de ser técnico da Seleção Polonesa] (em polonês). PiłkaNożna.pl. 29 de dezembro de 2021 
  23. Diogo Dantas (29 de dezembro de 2021). «Antes de anúncio do Flamengo, Paulo Sousa resolve pendências e Polônia confirma liberação sem ação na Fifa». O Globo 
  24. «Paulo Sousa pagará a indemnização de acordo com as expectativas da federação polaca». Record. 29 de dezembro de 2021 
  25. «Oficjalnie: Paulo Sousa odchodzi z reprezentacji Polski!» [PZPN confirma: Paulo Sousa deixa a Seleção Polonesa! Quem o substituirá?] (em polonês). Onet Sport. 29 de dezembro de 2021 
  26. Rômulo Paranhos (29 de dezembro de 2021). «Paulo Sousa é o novo treinador do Flamengo». Site oficial do Flamengo 

Ligações externasEditar