Peacefire

filme de 2008 dirigido por Macdara Vallely

Peacefire (bra: Fogo da Paz[1]) é um filme independente da Irlanda feito em coprodução com o Reino Unido. O filme chamou a atenção da crítica nos festivais de cinema, ganhando os prêmios do Galway Film Fleadh, do Annonay International Festival of First Films e Angers European First Film Festival.[3] Foi apresentado no Brasil em 2008 na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.[1]

Peacefire
Peacefire
Pôster do filme.
No Brasil Fogo da Paz
 Irlanda
 Reino Unido
2008 •  cor •  88 min 
Gênero comédia dramática
policial
humor negro
ficção histórica
Direção Macdara Vallely
Produção Chris Martin
Sarah Perry
Roteiro Macdara Vallely
Música Brendan Dolan
Cinematografia Núria Roldos
Edição Macdara Vallely
Companhia(s) produtora(s) mayFLY Entertainment
Distribuição RDS Media Capital
Lançamento
Idioma inglês
Orçamento £ 200 000[2]

Sinopse Editar

Colin McNally (John Travers) é um adolescente problemático que está sendo criado por sua mãe viúva após a sua morte dos pais. Com sua atitude despreocupada em relação à situação política na Irlanda do Norte, Colin torna-se envolvido em atividades criminosas. Ele e os amigos, Spuds (Gerard Jordan) e Jimbo (Sean Roberts) começam a roubar carros, levá-los para um racha e depois tocam fogo neles.

Na sequência de um acidente de carro em um dos rachas, Colin e seus amigos escapam com apenas algumas pequenas lesões e estão presos. Enquanto ele e seus amigos estão sendo interrogados separadamente, um policial faz para Colin uma oferta - ou ele ajuda a polícia por se tornar um informante em derrubar uma autoridade superior do IRA (Exército Republicano Irlandês) ou ele e seus amigos serão enviados para a prisão.[carece de fontes?]

Produção Editar

"Se eu tivesse que comparar Peacefire com outros filmes, eu diria que é um cruzamento entre [Mathieu Kassovitz] de La Haine e Cidade de Deus".

"Eu realmente acredito que isso é bom. Foi feito com um orçamento de 200 000 libras, mas há uma qualidade ao filme que não é o reflexo de suas limitações financeiras." "Obviamente, as vidas dos personagens não são todas às rosas. Há bebidas, drogas, viagens de recreio, uma presença policial e violência paramilitar para lidar com eles. Mas há também uma boa dose de humor negro jogado lá também, e sem humor não se pode chamar o filme de realista." "Macdara fez um trabalho brilhante de expansão do jogo original para a tela. Ele conseguiu manter o humor ea autenticidade da peça. É muito mais um reflexo de como é a vida em áreas da classe trabalhadora."

Chris Martin, (2008)

[2]

As gravações do filme ocorreram de 17 de setembro a 21 de outubro de 2007 com locações em Lurgan, County Armagh. Parte do elenco e financiamento foi feito pela Irlanda do Norte. É um dos primeiros longas-metragens da Irlanda do Norte filmado com um sistema de câmeras digitais. O equipamento usado foi o P2 System Storage, fornecido pelo Manic Films, que disponibilizaram um adaptador de lente de 35mm Redrock M2 e uma HVX200 Panasonic para a filmagem.[4]

Recepção Editar

Crítica Editar

Stephen Farber em análise para o The Hollywood Reporter disse que "Tal como acontece com "Sweet Sixteen" e "Ratcatcher," grande parte do poder de "Peacefire" (...) vem da presença de vital fresco do seu jovem protagonista masculino, neste caso John Travers. E, como "Ratcatcher," muito do seu poder dramático vem de tranquilos momentos, visualmente poéticas. (...) O filme é quase impecável. (...) Mesmo com alguns momentos clichês (...) O roteiro é sólido." Farber também disse que o dialeto irlandês de classe baixa é muitas vezes impenetrável, prejudicando a distribuição do filme.[5]

Joseph Hurley do IrishEcho disse que "Peacefire é carregado com detalhes específicos e com precisão observada, (...) "uma rave política de multimedia", mas que é realmente um fragmento emocionalmente válido, ricamente evocativo da vida comum em tempos terríveis. Como tal é, sem sombra de dúvida, vale a pena experimentar."[6]

Pablo Villaça do Diário de Bordo deu ao filme duas de cinco estrelas dizendo que "é um drama frouxo (...) visando expor os abusos do IRA (...) Embora traga alguns momentos de maior energia e exemplos isolados de um bom humor particular (...) é, de modo geral, dirigido de maneira burocrática por Vallely, que também emprega um preocupante maniqueísmo em sua forma de retratar Patsy (O’Neill), o principal representante local do IRA, e o policial Moorcroft (Doherty), que são vistos praticamente como dois lados da mesma moeda, ambos reprimindo os pobres “civis” que se encontram em seu caminho. Com um desfecho que comprova apenas a estupidez do protagonista (...) Fogo da Paz jamais consegue provocar o impacto que, aparentemente, julga alcançar."[7]

Lançamento Editar

O filme foi originalmente exibido na República Checa, em 5 de Julho de 2008, no Karlovy Vary International Film Festival, uma semana antes de estrear em seu país natal, na Irlanda, em 12 de Julho de 2008, onde foi mostrado no Film Fleadh Galway. Nos Estados Unidos foi exibido em setembro de 2009 no Los Angeles Irish Film Festival. Foi apresentado em 23 de maio de 2010 no Irish Film Institute Ireland.[8]

Prêmios Editar

Ano Premiação Prêmio Categoria Resultado Indicado(s)
2008 Galway Film Fleadh Feature Film Award Melhor longa-metragem Venceu[carece de fontes?] Chris Martin
Primeiro melhor longa-metragem Venceu[carece de fontes?] Macdara Vallely
2009 Angers European First Film Award European Jury Award Feature Film Venceu[carece de fontes?] Chris Martin
Europen Special Jury Award Venceu Macdara Vallely[3]

Referências

  1. a b c Redação (25 de outubro de 2008). «MOSTRA 2008: Após Cannes, drama em animação chega à SP». Cineclick. Consultado em 8 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2016 
  2. a b «Peacefire». Culture Northern Ireland (em inglês). 21 de março de 2008. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  3. a b «Meet the 2012 Tribeca Filmmakers #33: Macdara Vallely, 'Babygirl'». IndieWire (em inglês). 17 de abril de 2012. Consultado em 9 de fevereiro de 2016 
  4. «Shooting Wraps On Northern Ireland Pic 'Peacefire'». The Irish Film & Television Network (em inglês). iftn.ie. 8 de novembro de 2007. Consultado em 11 de fevereiro de 2016 
  5. Stephen Farber (8 de julho de 2008). «Peacefire». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2016 
  6. Joseph Hurley (16 de fevereiro de 2011). «Film Review 'Peacefire' a harrowing trip». Irish Echo (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2016 
  7. Pablo Villaça (27 de outubro de 2008). «SP – Dia 12 - Diário de Bordo». Diário de Bordo. Cinema em Cena. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  8. «IFI's Ireland on Sunday: Peacefire» (em inglês). filmireland.net. 13 de maio de 2010. Consultado em 11 de fevereiro de 2016