Personagem fictícia

personagem fictício em uma obra narrativa de artes
(Redirecionado de Personagem fictício)

Na ficção, uma personagem fictícia ou ficcional[1][2] é uma pessoa ou outro ser em uma narrativa (como um romance, peça, rádio ou série de televisão, música, filme ou videogame).[3][4][5] Personagens fictícios podem estar presentes em livros, jogos, séries e filmes e podem ser pessoas, animais ou até mesmo seres imaginários.

Frankenstein, personagem fictício de livro de mesmo nome

Em latim, persona é o termo usado para designar a máscara do ator e o sufixo “-age” vem do verbo agere: agir. O personagem designa, portanto, o personagem representado pela máscara, encarnado por um ator, aquele que atua. No teatro romano, vários personagens foram assim personificados: Maccus, Bucco, Dossenus, etc.[6]

O personagem pode ser totalmente fictício ou baseado em uma pessoa da vida real, caso em que a distinção entre um personagem "fictício" e um "real" pode ser feita.[4] Derivado da palavra grega antiga χαρακτήρ, a palavra inglesa data da Restauração,[7] embora tenha se tornado amplamente utilizado após sua aparição em Tom Jones por Henry Fielding em 1749.[8][9] A partir disso, desenvolveu-se o sentido de "um papel desempenhado por um ator".[9] (Antes desse desenvolvimento, o termo dramatis personae, naturalizado em inglês do latim e significando "máscaras do drama", encapsulava a noção de personagens do aspecto literal das máscaras).

Personagem, particularmente quando representado por um ator no teatro ou cinema, envolve "a ilusão de ser uma pessoa humana".[10] Na literatura, os personagens guiam os leitores através de suas histórias, ajudando-os a entender as tramas e a refletir sobre os temas.[11] Desde o final do século XVIII, a frase" no personagem "tem sido usada para descrever uma representação efetiva de um ator.[9] Desde o século XIX, a arte de criar personagens, praticada por atores ou escritores, tem sido chamada de caracterização.[9]

Um personagem que representa uma determinada classe ou grupo de pessoas é conhecido como um tipo.[12] Os tipos incluem tanto caracteres de estoque quanto aqueles que são mais totalmente individualizados.[12] As personagens de Hedda Gabler (1891) de Henrik Ibsen e Miss Julie (1888) de August Strindberg, por exemplo, são representativas de posições específicas nas relações sociais de classe e gênero, de modo que os conflitos entre as personagens revelar conflitos ideológicos.[13]

Quatro personagens da commedia dell'arte, cujos figurinos e comportamento indicam os papéis de personagens comuns que eles retratam neste gênero.

O estudo de um personagem requer uma análise de suas relações com todos os outros personagens da obra.[14] O estatuto individual de uma personagem define-se através da rede de oposições (proairética, pragmática, linguística, proxémica) que forma com as outras personagens.[15] A relação entre os personagens e a ação da história muda historicamente, muitas vezes imitando mudanças na sociedade e suas ideias sobre individualidade humana, autodeterminação e ordem social.[16]

Análise clássica editar

No primeiro trabalho sobrevivente da teoria dramática, Poética (c. 335 a.C.), o filósofo grego clássico Aristóteles deduz que o personagem (ethos) é uma das seis partes qualitativas da tragédia ateniense e um dos três objetos que ela representa (1450a12).[17] Ele entende personagem não para denotar uma pessoa fictícia, mas a qualidade da pessoa que atua na história e reage a suas situações (1450a5).[18] Ele define caráter como "aquilo que revela decisão, de qualquer tipo" (1450b8).[18] É possível, portanto, ter histórias que não contenham "personagens" no sentido aristotélico da palavra, pois personagem envolve necessariamente tornar claras as disposições éticas de quem pratica a ação.[19] Se, em discursos, o orador "decide ou evita absolutamente nada", então esses discursos "não têm caráter" (1450b9-11).[20] Aristóteles defende a primazia do enredo (mythos) sobre o personagem (ethos).[21] Ele escreve:

Mas o mais importante deles é a estrutura dos incidentes. Pois (i) a tragédia é uma representação não de seres humanos, mas de ação e vida. A felicidade e a infelicidade estão na ação, e o fim [da vida] é um tipo de ação, não uma qualidade; as pessoas são de um certo tipo de acordo com seus personagens, mas felizes ou o oposto de acordo com suas ações. Então [os atores] não agem para representar os personagens, mas eles incluem os personagens por causa de suas ações" (1450a15-23).[22]

Aristóteles sugere que as obras foram distinguidas, em primeiro lugar, de acordo com a natureza da pessoa que as criou: "as pessoas grandiosas representavam boas ações, ou seja, as de boas pessoas", produzindo "hinos e poemas de louvor", enquanto "as pessoas comuns representavam aqueles dos inferiores" por "compor injúrias" (1448b20-1449a5).[23] Com base nisso, surgiu uma distinção entre os indivíduos representados na tragédia e na comédia: a tragédia, junto com a poesia épica, é "uma representação de pessoas sérias" (1449b9-10), enquanto a comédia é "uma representação de pessoas que são bastante inferiores" (1449a32-33).[24]

No Tractatus coislinianus (que pode ou não ser de Aristóteles), a comédia grega antiga é definida como envolvendo três tipos de personagens: o bufão (bômolochus), o ironista (eirōn) e o impostor ou fanfarrão (alazṓn).[25] Todos os três são centrais para a Antiga Comédia de Aristófanes.[26]

Na época em que o dramaturgo cômico romano Plauto escreveu suas peças, dois séculos depois, o uso de personagens para definir gêneros dramáticos estava bem estabelecido.[27] Seu Amphitryon começa com um prólogo no qual Mercúrio afirma que, uma vez que a peça contém reis e deuses, não pode ser uma comédia e deve ser uma tragicomédia.[28]

Referências

  1. «Fictício». Dicio. Consultado em 17 de maio de 2023 
  2. «Fictício». Michaelis On-Line. Consultado em 17 de maio de 2023 
  3. Matthew Freeman (2016). Historicising Transmedia Storytelling: Early Twentieth-Century Transmedia Story Worlds. [S.l.]: Routledge. pp. 31–34. ISBN 978-1315439501. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  4. a b Maria DiBattista (2011). Novel Characters: A Genealogy. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 14–20. ISBN 978-1444351552. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  5. Baldick (2001, 37) and Childs and Fowler (2006, 23). See also "character, 10b" in Trumble and Stevenson (2003, 381): "A person portrayed in a novel, a drama, etc; a part played by an actor".
  6. «Microsoft Word - Hartmann le personnage de théâtre.doc» (PDF). archive.wikiwix.com. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  7. OED "character" sense 17.a citing, inter alia, Dryden's 1679 preface to Troilus and Cressida: "The chief character or Hero in a Tragedy ... ought in prudence to be such a man, who has so much more in him of Virtue than of Vice... If Creon had been the chief character in Œdipus..."
  8. Aston and Savona (1991, 34), quotation:

    [...] is first used in English to denote 'a personality in a novel or a play' in 1749 (The Shorter Oxford English Dictionary, s.v.).

  9. a b c d Harrison (1998, 51-2) quotation:

    Its use as 'the sum of the qualities which constitute an individual' is a mC17 development. The modern literary and theatrical sense of 'an individual created in a fictitious work' is not attested in OED until mC18: 'Whatever characters any... have for the jestsake personated... are now thrown off' (1749, Fielding, Tom Jones).

  10. Pavis (1998, 47).
  11. Roser, Nancy; Miriam Martinez; Charles Fuhrken; Kathleen McDonnold (2007). «Characters as Guides to Meaning». The Reading Teacher. 60 (6): 548–559. doi:10.1598/RT.60.6.5 
  12. a b Baldick (2001, 265).
  13. Aston and Savona (1991, 35).
  14. Aston and Savona (1991, 41).
  15. Elam (2002, 133).
  16. Childs and Fowler (2006, 23).
  17. Janko (1987, 8). Aristotle defines the six qualitative elements of tragedy as "plot, character, diction, reasoning, spectacle and song" (1450a10); the three objects are plot (mythos), character (ethos), and reasoning (dianoia).
  18. a b Janko (1987, 9, 84).
  19. Aristotle writes: "Again, without action, a tragedy cannot exist, but without characters, it may. For the tragedies of most recent [poets] lack character, and in general, there are many such poets" (1450a24-25); see Janko (1987, 9, 86).
  20. Janko (1987, 9).
  21. Aston and Savona (1991, 34) and Janko (1987, 8).
  22. Janko (1987, 8).
  23. Janko (1987, 5). This distinction, Aristotle argues, arises from two causes that are natural and common to all humans—the delight taken in experiencing representations and the way in which we learn through imitation (1448b4—19); see Janko (1987, 4—5).
  24. Janko (1987, 6—7). Aristotle specifies that comedy does not represent all kinds of ugliness and vice, but only that which is laughable (1449a32—1449a37).
  25. Carlson (1993, 23) and Janko (1987, 45, 170).
  26. Janko (1987, 170).
  27. Carlson (1993, 22).
  28. Amphritruo, line 59.

Fontes editar

  • Aston, Elaine, and George Savona. 1991. Theatre as Sign-System: A Semiotics of Text and Performance. London and New York: Routledge. ISBN 0-415-04932-6.
  • Baldick, Chris. 2001. The Concise Oxford Dictionary of Literary Terms. 2nd ed. Oxford: Oxford UP. ISBN 0-19-280118-X.
  • Burke, Kenneth. 1945. A Grammar of Motives. California edition. Berkeley: U of California P, 1969. ISBN 0-520-01544-4.
  • Carlson, Marvin. 1993. Theories of the Theatre: A Historical and Critical Survey from the Greeks to the Present. Expanded ed. Ithaca and London: Cornell University Press. ISBN 978-0-8014-8154-3.
  • Childs, Peter, and Roger Fowler. 2006. The Routledge Dictionary of Literary Terms. London and New York: Routledge. ISBN 0-415-34017-9.
  • Eco, Umberto. 2009. On the ontology of fictional characters: A semiotic approach. Sign Systems Studies 37(1/2): 82–98.
  • Elam, Keir. 2002. The Semiotics of Theatre and Drama. 2nd edition. New Accents Ser. London and New York: Routledge. ISBN 0-415-28018-4. Originally published in 1980.
  • Goring, Rosemary, ed. 1994. Larousse Dictionary of Literary Characters. Edinburgh and New York: Larousse. ISBN 0-7523-0001-6.
  • Harrison, Martin. 1998. The Language of Theatre. London: Routledge. ISBN 0-87830-087-2.
  • Hodgson, Terry. 1988. The Batsford Dictionary of Drama. London: Batsford. ISBN 0-7134-4694-3.
  • Janko, Richard, trans. 1987. Poetics with Tractatus Coislinianus, Reconstruction of Poetics II and the Fragments of the On Poets. By Aristotle. Cambridge: Hackett. ISBN 0-87220-033-7.
  • McGovern, Una, ed. 2004. Dictionary of Literary Characters. Edinburgh: Chambers. ISBN 0-550-10127-6.
  • Pavis, Patrice. 1998. Dictionary of the Theatre: Terms, Concepts, and Analysis. Trans. Christine Shantz. Toronto and Buffalo: U of Toronto P. ISBN 0-8020-8163-0.
  • Pringle, David. 1987. Imaginary People: A Who's Who of Modern Fictional Characters. London: Grafton. ISBN 0-246-12968-9.
  • Rayner, Alice. 1994. To Act, To Do, To Perform: Drama and the Phenomenology of Action. Theater: Theory/Text/Performance Ser. Ann Arbor: University of Michigan Press. ISBN 0-472-10537-X.
  • Trumble, William R, and Angus Stevenson, ed. 2002. Shorter Oxford English Dictionary on Historical Principles. 5th ed. Oxford: Oxford UP. ISBN 0-19-860575-7..
  • Paisley Livingston; Andrea Sauchelli (2011). «Philosophical Perspectives on Fictional Characters». New Literary History. 42, 2 (2): 337–60