Pervez Musharraf

general e político paquistanês, ex-presidente do Paquistão

Syed Pervez Musharraf,[1] (em urdu پرويز مشرف); (Deli, 11 de agosto de 1943Dubai, 5 de fevereiro de 2023) foi um general do exército e político paquistanês. Foi presidente de seu país, de 20 de junho de 2001 até 18 de agosto de 2008, quando renunciou ao cargo, depois de uma campanha pelo seu impeachment ter sido lançada pelos partidos de oposição.[2][3][4][5]

Pervez Musharraf
Pervez Musharraf
Musharraf em 2008.
10.º Presidente do Paquistão
Período 20 de junho de 2001
a 18 de agosto de 2008
Antecessor(a) Muhammad Rafiq Tarar
Sucessor(a) Muhammad Mian Soomro (Interino)
Chefe do Executivo do Paquistão
Período 12 de outubro de 1999
a 21 de novembro de 2002
Presidente Muhammad Rafiq Tarar
Antecessor(a) Nawaz Sharif (como Primeiro-ministro)
Sucessor(a) Zafarullah Khan Jamali (como Primeiro-ministro)
Ministro da Defesa do Paquistão
Período 12 de outubro de 1999
a 23 de outubro de 2002
Antecessor(a) Nawaz Sharif
Sucessor(a) Rao Sikandar Iqbal
Chefe do Comitê do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Paquistão
Período 8 de outubro de 1998
a 7 de outubro de 2001
Antecessor(a) Jehangir Karamat
Sucessor(a) Aziz Khan
Chefe do Estado-Maior do Exército do Paquistão
Período 6 de outubro de 1998
a 28 de novembro de 2007
Antecessor(a) Jehangir Karamat
Sucessor(a) Ashfaq Parvez Kayani
Dados pessoais
Nome completo Syed Pervez Musharraf
Nascimento 11 de agosto de 1943
Deli, Território da Capital,
Índia Britânica
Morte 5 de fevereiro de 2023 (79 anos)
Dubai, Emirados Árabes Unidos
Nacionalidade paquistanês
Alma mater Forman Christian College
Academia Militar Paquistanesa
Faculdade de Comando e Estado-Maior
Universidade de Defesa Nacional Paquistanesa
Real Faculdade de Estudos de Defesa
Cônjuge Sehba Musharraf
Filhos(as) 2
Partido Liga Total Muçulmana do Paquistão
Religião Islã
Profissão Militar e político
Serviço militar
Lealdade Paquistão
Serviço/ramo Exército Paquistanês
Anos de serviço 19612007
Graduação General
Unidade Regimento de Artilharia
Comandos I Corpo de Exército
Grupo de Serviços Especiais
Diretor Geral de Operações Militares
40ª Divisão do Exército
Conflitos Guerra Indo-Paquistanesa de 1965
Guerra Indo-Paquistanesa de 1971
Conflito de Siachen
Guerra de Cargil
Guerra Civil Afegã (1996–2001)
Golpe de Estado no Paquistão em 1999
Confronto indo-paquistanês de 2001–2002
Guerra no Noroeste do Paquistão
Condecorações Nishan-e-Imtiaz
Tamgha-e-Basalat
Imtiazi Sanad
Ordem de al-Saud

Biografia editar

Nascido em Delhi durante o Raj britânico, Musharraf foi criado em Karachi e Istambul. Ele estudou matemática no Forman Christian College em Lahore e também foi educado no Royal College of Defense Studies no Reino Unido. Musharraf ingressou na Academia Militar do Paquistão em 1961 e foi comissionado no regimento de artilharia do Exército do Paquistão em 1964. Musharraf entrou em ação durante a Guerra Indo-Paquistanesa de 1965 como segundo tenente. Na década de 1980, ele comandava uma brigada de artilharia. Na década de 1990, Musharraf foi promovido a major-general e designado para uma divisão de infantaria, e posteriormente comandou o Grupo de Serviços Especiais.[6] Logo depois, também atuou como subsecretário militar e diretor geral de operações militares. Ele desempenhou um papel ativo na guerra civil afegã, encorajando o apoio paquistanês ao Talibã.[7]

Musharraf ganhou destaque nacional quando foi promovido a general de quatro estrelas pelo primeiro-ministro Nawaz Sharif em 1998, fazendo de Musharraf o chefe das forças armadas. Ele liderou a infiltração de Kargil que levou a Índia e o Paquistão à guerra em 1999. Após meses de relações conflituosas entre Sharif e Musharraf, Sharif tentou, sem sucesso, remover Musharraf como líder do exército. Em retaliação, o exército deu um golpe de estado em 1999, que permitiu a Musharraf assumir o Paquistão como presidente em 2001. Posteriormente, ele colocou Sharif sob prisão domiciliar antes de iniciar um processo criminal oficial contra ele.[8][9]

Musharraf inicialmente permaneceu como Presidente do Estado-Maior Conjunto e Chefe do Estado-Maior do Exército, renunciando ao cargo anterior após a confirmação de sua presidência. No entanto, ele permaneceu como chefe do Exército até se aposentar em 2007. Os estágios iniciais de sua presidência incluíram vitórias polêmicas em um referendo estadual para conceder-lhe um limite de mandato de cinco anos e uma eleição geral em 2002. Durante seu mandato, na presidência, defendeu a Terceira Via, adotando uma síntese de conservadorismo e socialismo. Musharraf restabeleceu a constituição em 2002, embora tenha sido fortemente alterada. Ele nomeou Zafarullah Jamali e mais tarde Shaukat Aziz como primeiro-ministro e supervisionou as políticas dirigidas contra o terrorismo, tornando-se uma peça importânte na guerra contra o terrorismo liderada pelos Estados Unidos.[9][10][11]

Musharraf pressionou pelo liberalismo social e promoveu a liberalização econômica, enquanto também bania os sindicatos. A presidência de Musharraf coincidiu com um aumento geral do produto interno bruto em cerca de 50%; no mesmo período, a poupança doméstica diminuiu e a desigualdade econômica aumentou rapidamente. O governo de Musharraf também foi acusado de abusos dos direitos humanos, e ele sobreviveu a várias tentativas de assassinato durante sua presidência. Quando Aziz deixou o cargo de primeiro-ministro a posição política de Musharraf enfraqueceu dramaticamente. Apresentando sua renúncia para evitar o impeachment em 2008, Musharraf emigrou para Londres em um exílio auto-imposto. Seu legado como líder é misto; ele viu o surgimento de uma classe média mais assertiva, mas seu desrespeito aberto pelas instituições civis enfraqueceu muito a democracia no Paquistão.[9][12][13][14][15]

Musharraf voltou ao Paquistão em 2013 para participar das eleições gerais daquele ano, mas foi desqualificado depois que os tribunais superiores do país emitiram mandados de prisão para ele e Aziz por seu suposto envolvimento nos assassinatos de Nawab Akbar Bugti e Benazir Bhutto Após a reeleição de Nawaz Sharif em 2013, ele iniciou acusações de alta traição contra Musharraf por implementar o estado de emergência e suspender a constituição em 2007. O caso contra Musharraf continuou após a destituição de Sharif do cargo em 2017. Em 2019, Musharraf, à revelia, foi condenado à morte pelas acusações de traição, embora a sentença de morte tenha sido posteriormente anulada pelo Tribunal Superior de Lahore.[16][17][18][19][20][21]

Musharraf morreu após sofrer um caso prolongado de amiloidose no Hospital Americano de Dubai, em 5 de fevereiro de 2023, aos 79 anos.[22]

Tentativas de assassinato editar

Musharraf sobreviveu a várias tentativas de assassinato e supostos complôs.[23][24] Em 2000, Kamran Atif, um suposto membro do Harkat-ul Mujahideen al-Alami, tentou assassinar Musharraf. Atif foi condenado à morte em 2006 por um Tribunal Antiterrorismo.[25] Em 14 de dezembro de 2003, Musharraf sobreviveu a uma tentativa de assassinato quando uma poderosa bomba explodiu minutos depois que seu comboio altamente vigiado atravessou uma ponte em Rawalpindi; foi a terceira tentativa do tipo durante seus quatro anos de governo. Em 25 de dezembro de 2003, dois homens-bomba tentaram assassinar Musharraf, mas seus carros-bomba não conseguiram matá-lo; Outras 16 pessoas morreram.[26] Musharraf escapou com apenas um para-brisa rachado em seu carro.[27] Amjad Farooqi foi um suposto mentor por trás dessas tentativas, e foi morto pelas forças paquistanesas em 2004 após uma extensa caça ao homem.[28][29]

Em 6 de julho de 2007, houve outra tentativa de assassinato, quando um grupo desconhecido disparou uma submetralhadora 7.62 contra o avião de Musharraf quando ele decolava de uma pista em Rawalpindi. A segurança também recuperou duas armas antiaéreas, das quais nenhum tiro foi disparado.[30] Em 17 de julho de 2007, a polícia paquistanesa deteve 39 pessoas em relação à tentativa de assassinato de Musharraf.[31] Os suspeitos foram detidos em um local não revelado por uma equipe conjunta da Polícia de Punjab, da Agência Federal de Investigação e de outras agências de inteligência paquistanesas.[32]

Ver também editar

Referências

  1. «Syed Pervez Musharraf kon hain ? | Daily Jang». jang.com.pk 
  2. "Pervez Musharraf renuncia à presidência do Paquistão", Folha de S. Paulo, 18 de agosto de 2008
  3. Rashid, Ahmed (2012). Pakistan in the Brink. [S.l.]: Allen Lane. pp. 6, 21, 31, 35–38, 42, 52, 147, 165, 172, 185, 199, 205. ISBN 9781846145858 
  4. «Syed Pervez Musharraf kon hain ? | Daily Jang». jang.com.pk. Consultado em 26 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  5. Dummett, Mark (18 de agosto de 2008). «Pakistan's Musharraf steps down». Work and report completed by BBC correspondent for Pakistan Mark Dummett. BBC Pakistan, 2008. BBC Pakistan. Consultado em 5 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2009 
  6. «Pervez Musharraf Biography President (non-U.S.), General (1943–)». Cópia arquivada em 10 de outubro de 2018 
  7. Wilson, John (2007). «General Pervez Musharraf— A Profile». The General and Jihad. Washington D.C.: Pentagon Press, 2007. ISBN 9780520244481 
  8. «Pervez Musharraf | president of Pakistan». Consultado em 21 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2017 
  9. a b c Morris, Chris (18 de agosto de 2008). «Pervez Musharraf's mixed legacy». Special report published by Chris Morris BBC News, Islamabad. BBC News, Islamabad. BBC News, Islamabad. Consultado em 5 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2015 
  10. Constable, Pamela (28 de novembro de 2007). «Musharraf Steps Down as Head of Pakistani Army». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2016 
  11. «Pakistan's Dubious Referendum». The New York Times. 1 de maio de 2002. ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2017 
  12. «Labour leaders urge Musharraf to quit». Cópia arquivada em 27 de setembro de 2016 
  13. «The economy under Pervez Musharraf». 17 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2016 
  14. «The myth of Musharraf's 'economic boom' needs to die». 16 de janeiro de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2018 
  15. «Pakistan: Hold Musharraf Accountable for Abuses». 23 de março de 2013. Consultado em 3 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2016 
  16. «Lahore High Court annuls Musharraf's death sentence». The Hindu (em inglês). 13 de janeiro de 2020. Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  17. «Benazir Bhutto assassination case: Two senior cops sentenced to 17 years in jail, five acquitted; Pervez Musharraf declared absconder». The Indian Express. 31 de agosto de 2017. Consultado em 1 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2017 
  18. «Pakistan court sentences Pervez Musharraf to death for treason». The Economic Times. 17 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2019 
  19. «Pervez Musharraf Sentenced To Death In High Treason Case: Pak Media». NDTV.com. Consultado em 17 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2019 
  20. «Pervez Musharraf, Pakistan's fugitive ex-leader: Profile». aljazeera.com. Consultado em 17 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2019 
  21. Madiha Afzal (19 de dezembro de 2019). «Why Pakistan's former ruler Musharraf was sentenced to death, and what it means». Order From Chaos: Foreign Policy in a Troubled World. Brookings Institution. Sharif had signaled his intent to bring high treason charges against Musharraf in June 2013, right after he came into power...and in 2013, Sharif's government brought charges of high treason against him for imposing the 2007 emergency. 
  22. «Morreu antigo Presidente do Paquistão Pervez Musharraf». publico.pt. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  23. «PAKISTANI LEADER ESCAPES ATTEMPT AT ASSASSINATION - The New York Times». web.archive.org. 17 de dezembro de 2019. Consultado em 20 de abril de 2024 
  24. «Pakistan: Pervez Musharraf Targeted in Failed Assassination Plot | Time». web.archive.org. 9 de agosto de 2020. Consultado em 20 de abril de 2024 
  25. «KARACHI: Harkat man gets death sentence in murder case». Dawn. 2006. Cópia arquivada em 2019 
  26. «South Asia | Arrests follow Musharraf attack». BBC News. 2003. Cópia arquivada em 2004 
  27. Masood, Salman (2003). «Pakistani Leader Escapes Attempt at Assassination». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Cópia arquivada em 2019 
  28. Masood, Salman; Hussain, Talat (2004). «Suspect in Reporter's Death Is Wanted in Attacks on Musharraf». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Cópia arquivada em 2019 
  29. «Profile: Amjad Farooqi» (em inglês). 2004. Cópia arquivada em 2019 
  30. Masood, Salman and Nizza, Mike "Gunmen Fire on Musharraf's Plane" Arquivado em 12 março 2018 no Wayback Machine The New York Times 6 July 2007
  31. Attack on Musharraf: 39 detained Arquivado em 7 março 2008 no Wayback Machine rediff.com 17 July 2007
  32. «39 arrested for links to attack on Musharraf». Daily Times. 2007. Arquivado do original em 2013 

Ligações externas editar

  Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Muhammad Rafiq Tarar
Presidente do Paquistão
2001 - 2008
Sucedido por
Muhammad Mian Soomro
interino