Peste antonina

epidemia atingindo Roma em 166

A peste antonina ou peste dos Antoninos foi uma epidemia que iniciou-se no ano 165, atingindo Roma em 166. Perdurou até 180, afetando todo o mundo Romano e além. Seu nome deriva da família que governava a região na época. Esta epidemia tinha como sintomas febre, erupções cutâneas e diarreia, de acordo com Cláudio Galeno. Esta doença pode ter causado a morte dos imperadores Lúcio Vero e Marco Aurélio, nos anos de 169 e 180.[1]

"O anjo da morte indo até a porta de Roma", por Jules-Élie Delaunay.

De acordo com o historiador romano Dião Cássio, no auge, a praga matava mais de 2000 pessoas por dia na cidade de Roma, com uma taxa de mortalidade de 25% dentre os adoecidos.[2] Estudos modernos estimam o total de mortos em mais de 5 milhões de pessoas[3], com algumas cidades perdendo até um-terço de suas populações. Em particular, o exército romano foi bem enfraquecido pela peste, com milhares de soldados adoecendo e morrendo, especialmente no leste.[4]

Fontes antigas concordam que a epidemia apareceu primeiramente durante o cerco romano a cidade de Selêucia, durante o inverno de 165–166.[5] Amiano Marcelino reportou que a peste rapidamente se espalhou para a Gália Romana e entre as legiões ao longo do rio Reno. Eutrópio afirmou que a praga se alastrou por todo o Império.[6]

O historiador australiano Rafe de Crespigny especula que a praga pode ter se originado na China, durante a Dinastia Han, antes do ano 166 da era Cristã, segundo relatos feitos em registros chineses históricos. A peste afetou profundamente a cultura e literatura romanas, e pode ter afetado as relações indo-romanas no Oceano Índico.[7][8]

Referências

  1. Ujvari, Stefan Cunha (2021). História das Epidemias. [S.l.]: Contexto. 320 páginas. ISBN 978-6555410082 
  2. Dio Cassius, LXXII 14.3–4.
  3. «Past pandemics that ravaged Europe». BBC. Consultado em 19 de abril de 2021 
  4. Plague in the Ancient World
  5. Martin Sicker, (2000). "The Struggle over the Euphrates Frontier". The Pre-Islamic Middle East. (Greenwood) 2000:p.169 ISBN 0-275-96890-1.
  6. Eutropius XXXI, 6.24.
  7. Crespigny, Rafe de (2007). A Biographical Dictionary of Later Han to the Three Kingdoms (23-220 AD). Leiden: Koninklijke Brill. p. 514-515. ISBN 978-90-04-15605-0 
  8. Bruun, Christer, "The Antonine Plague and the 'Third-Century Crisis'," in Olivier Hekster, Gerda de Kleijn, Danielle Slootjes (ed.), Crises and the Roman Empire: Proceedings of the Seventh Workshop of the International Network Impact of Empire, Nijmegen, June 20–24, 2006. Leiden/Boston: Brill, 2007 (Impacto do Império, 7), 201–218.
  Este artigo sobre epidemias ou pandemias é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.