Peter Mitchell

Peter Dennis Mitchell (Mitcham, 29 de setembro de 192010 de abril de 1992) foi um químico britânico.

Peter Mitchell
Nascimento 29 de setembro de 1920
Mitcham
Morte 10 de abril de 1992 (71 anos)
Nacionalidade Britânico
Alma mater Jesus College (Cambridge), Universidade de Cambridge, Universidade de Edimburgo
Prêmios Prêmio Rosenstiel (1976), Medalha Sir Hans Krebs (1978), Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1978), Medalha Copley (1981)
Campo(s) Bioquímica

Foi laureado com o Nobel de Química de 1978, pela teoria quimiosmótica, na qual esclarece como uma diferença de concentração iônica pode ser usada nas células para produção de energia.

Carreira e pesquisaEditar

Em 1955 foi convidado pelo Professor Michael Swann para criar uma unidade de investigação bioquímica, denominada Unidade de Biologia Química, no Departamento de Zoologia da Universidade de Edimburgo, onde foi nomeado Professor Sénior em 1961, depois Leitor em 1962, embora a oposição institucional ao seu trabalho, juntamente com problemas de saúde, tenha levado à sua demissão em 1963.

Ele e sua ex-colega de pesquisa, Jennifer Moyle, fundaram uma empresa de caridade, conhecida como Glynn Research Ltd., para promover a pesquisa biológica fundamental na Glynn House e embarcaram em um programa de pesquisa sobre reações quimiosmóticas e sistemas de reação.[1][2][3][4][5]

Hipótese quimiosmóticaEditar

 
Fosforilação oxidativa

Na década de 1960, o ATP era conhecido por ser a moeda de energia da vida, mas o mecanismo pelo qual o ATP foi criado na mitocôndria foi considerado por fosforilação em nível de substrato. A hipótese quimiosmótica de Mitchell foi a base para a compreensão do processo real de fosforilação oxidativa. Na época, o mecanismo bioquímico da síntese de ATP por fosforilação oxidativa era desconhecido.

Mitchell percebeu que o movimento dos íons através de uma diferença de potencial eletroquímico poderia fornecer a energia necessária para produzir ATP. Sua hipótese foi derivada de informações bem conhecidas na década de 1960. Ele sabia que as células vivas tinham um potencial de membrana; negativo interior para o meio ambiente. O movimento de íons carregados através de uma membrana é, portanto, afetado pelas forças elétricas (a atração de cargas positivas para negativas). Seu movimento também é afetado por forças termodinâmicas, a tendência de as substâncias se difundirem de regiões de maior concentração. Ele passou a mostrar que a síntese de ATP estava acoplada a esse gradiente eletroquímico.[6]

Sua hipótese foi confirmada pela descoberta da ATP sintase, uma proteína ligada à membrana que usa a energia potencial do gradiente eletroquímico para produzir ATP; e pela descoberta de André Jagendorf que uma diferença de pH através da membrana tilacóide no cloroplasto resulta na síntese de ATP.[7]

Protonmotive Q-cycleEditar

Mais tarde, Peter Mitchell também formulou a hipótese de alguns dos detalhes complexos das cadeias de transporte de elétrons. Ele concebeu o acoplamento do bombeamento de prótons à bifurcação de elétrons à base de quinona, que contribui para a força motriz do próton e, portanto, a síntese de ATP.[8]

ReferênciasEditar

  1. Mitchell, P. (1966). «Chemiosmotic Coupling in Oxidative and Photosynthetic Phosphorylation». Biological Reviews. 41 (3): 445–502. PMID 5329743. doi:10.1111/j.1469-185X.1966.tb01501.x 
  2. Mitchell, P. (1972). «Chemiosmotic coupling in energy transduction: A logical development of biochemical knowledge». Journal of Bioenergetics. 3 (1): 5–24. PMID 4263930. doi:10.1007/BF01515993 
  3. Greville, G.D. (1969). «A scrutiny of Mitchell's chemiosmotic hypothesis of respiratory chain and photosynthetic phosphorylation». Curr. Topics Bioenergetics. Current Topics in Bioenergetics. 3: 1–78. ISBN 9781483199719. doi:10.1016/B978-1-4831-9971-9.50008-0 
  4. Mitchell, P. (1970). «Aspects of the chemiosmotic hypothesis». The Biochemical Journal. 116 (4): 5P–6P. PMC 1185429 . PMID 4244889. doi:10.1042/bj1160005p 
  5. Mitchell, P. (1976). «Possible molecular mechanisms of the protonmotive function of cytochrome systems». Journal of Theoretical Biology. 62 (2): 327–367. PMID 186667. doi:10.1016/0022-5193(76)90124-7 
  6. Mitchell, P. (1961). «Coupling of Phosphorylation to Electron and Hydrogen Transfer by a Chemi-Osmotic type of Mechanism» (PDF). Nature. 191 (4784): 144–148. Bibcode:1961Natur.191..144M. PMID 13771349. doi:10.1038/191144a0 
  7. Jagendorf A. T. and E. Uribe (1966). «ATP formation caused by acid-base transition of spinach chloroplasts.». Proc. Natl. Acad. Sci. USA. 55 (1): 170–177. Bibcode:1966PNAS...55..170J. PMC 285771 . PMID 5220864. doi:10.1073/pnas.55.1.170 
  8. Mitchell, Peter (15 de novembro de 1975). «The protonmotive Q cycle: A general formulation». FEBS Letters (em inglês). 59 (2): 137–139. ISSN 1873-3468. PMID 1227927. doi:10.1016/0014-5793(75)80359-0 

Ligações externasEditar


Precedido por
Ilya Prigogine
Nobel de Química
1978
Sucedido por
Herbert Charles Brown e Georg Wittig
Precedido por
Derek Barton
Medalha Copley
1981
Sucedido por
John Cornforth


  Este artigo sobre um(a) químico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.