Abrir menu principal
Petra Kelly
Nome completo Petra Karin Lehmann
Nascimento 29 de novembro de 1947
Günzburg, Baviera, Alemanha
Morte 01 de outubro de 1992
Bonn, Alemanha
Ocupação Militante política
Kelly e Otto Schily após a eleição federal da Alemanha Ocidental, 1983
Joseph Beuys com Petra Kelly. Fotografados por Rainer Rappmann

Petra Karin Kelly (29 de novembro de 1947 - 1 de outubro de 1992) foi uma política do Aliança 90/Os Verdes da Alemanha e ativista ecofeminista. Foi fundamental na fundação do Partido Verde Alemão, o primeiro partido verde a ganhar destaque nacionalmente na Alemanha e no mundo.

Índice

Primeiros anosEditar

Kelly nasceu em Günzburg, Baviera, então Alemanha Ocupada - Zona Americana de Ocupação, Alemanha), em 1947, como Petra Karin Lehmann. Teve seu nome mudado para Kelly depois que sua mãe se casou com John E. Kelly, um oficial do Exército dos EUA. Foi educada num convento católico romano em Günzburg e depois frequentou a escola na Geórgia e Virgínia quando sua família se mudou em 1959 para os Estados Unidos, onde viveu e estudou nos Estados Unidos até seu retorno à Alemanha Ocidental em 1970. Ela manteve sua cidadania alemã (ocidental) por toda a vida.

Era admiradora de Martin Luther King Jr e fez campanha para Robert F. Kennedy e Hubert Humphrey nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, 1968 | Ela estudou ciências políticas na Escola de Serviço Internacional da Universidade Americana (Washington, DC), onde se formou em 1970. Ela se formou no Instituto Europeu da Universidade de Amsterdã em 1971.

Enquanto trabalhava na Comissão Europeia (Bruxelas, Bélgica, 1971 - 83), participou em numerosas campanhas de paz e ambientais na Alemanha e noutros países.

Depois de trabalhar por dois anos na Comissão Européia, ela se mudou para um cargo administrativo no Comitê Econômico e Social, onde defendeu os direitos das mulheres.[1][2]

Partido Verde alemãoEditar

Em 12 de maio de 1983, Kelly, Gert Bastian e três outros membros do Bundestag Verde desdobraram um banner na Alexanderplatz em Berlim Oriental, que dizia "Os Verdes - Swords to Ploughshares"". Depois de serem presso, eles se encontraram com partidos da oposição da Alemanha Oriental. As autoridades da Alemanha Oriental toleraram isso desde que os Verdes da Alemanha Ocidental repudiaram a Decisão Dupla da OTAN.[3][4]Em outubro de 1983, Erich Honecker, o líder da República Democrática Alemã, conheceu Petra Kelly, Gert Bastian e outros Verdes. Kelly usava um pulôver com as palavras "Swords to Ploughshares" nele. Ela exigiu a libertação de todos os prisioneiros do movimento de paz da Alemanha Oriental e perguntou a Honecker por que ele reprimiu algo na RDA que ele apoiou no Ocidente..[5][6]

Em 1984, Kelly escreveu o livro Fighting for Hope , publicado pela South End Press. O livro é um apelo urgente por um mundo livre de violência entre o Norte e o Sul, homens e mulheres, nós mesmos e nosso meio ambiente.[7] Nos últimos anos de sua vida, Kelly tornou-se cada vez mais distante da maioria de seus colegas de partido devido à virada pragmática assumida pelos Verdes na época, enquanto ela continuava a se opor a qualquer aliança com partidos políticos tradicionais.

MorteEditar

Em 19 de outubro de 1992, os corpos decompostos de Kelly e seu parceiro, ex-general e político verde Gert Bastian (nascido em 1923), foram descobertos no quarto de sua casa em Bonn por policiais que receberam telefonemas da esposa de Bastian e da avó de Kelly, que relataram que não terem ouvido falar de Bastian ou Kelly por algumas semanas. A polícia determinou que Kelly foi morta a tiros enquanto dormia por Bastian, o qual então se matou. Ela tinha 44 anos, ele era 69.[8][9] A última vez que alguém ouviu falar do casal foi em 30 de setembro de 1992, quando Kelly enviou um pacote para sua avó..[10] A polícia estimou que as mortes provavelmente ocorreram em 1º de outubro, mas a hora exata da morte não pôde ser identificada devido ao atraso na localização dos corpos e seu estado de decomposição.[10][11] Kelly foi sepultada no Waldfriedhof (cemitério da floresta) em Würzburg, nas proximidades de Heidingsfeld na Baixa Francônia, Bavaria.

PremiaçõesEditar

  • 1982: Prémio Nobel Alternativo
  • Em 2006, Kelly ficou em 45º lugar na lista britânica de cientistas, ativistas, escritores, economistas e naturalistas que, no seu ponto de vista, fizeram o máximo para salvar o planeta. Kelly foi posicionada entre o ecologista tropical Mike Hands e o visionário dos parques nacionais John Gordon Dower].[12]

TrabalhosEditar

  • Kelly, Petra K. Thinking Green! Essays on Environmentalism, Feminism, and Nonviolence, Parallax Press, Berkeley, California, 1994 (ISBN 0-938077-62-7)
  • Kelly, Petra K. Nonviolence Speaks to Power, online book, almost complete text (also, out of print, published by Matsunaga Institute for Peace, University of Hawaii, 1992, ISBN 1-880309-05-X)

NotasEditar

  1. Petra Kelly By Josh Kamrar
  2. «The Right Livelihood Award recipient 1982». rightlivelihood.org. Arquivado do original em 21 de junho de 2015 
  3. Baron, Udo (2003). Kalter Krieg und heisser Frieden. Der Einfluss der SED und ihrer westdeutschen Verbündeten auf die Partei 'Die Grünen' (em German). [S.l.]: Lit Verlag. p. 188. ISBN 3-8258-6108-2 
  4. «Petra Kelly und Gert Bastian». MDR: Damals im Osten 
  5. Kowalczuk, Ilko-Sascha (2009). Endspiel: Die Revolution von 1989 in der DDR 2nd revised ed. Munich: C.H. Beck. p. 247. ISBN 3-406-58357-1 
  6. «Das Petra-Kelly-Archiv». Heinrich-Böll-Stiftung. 5 de março de 2008 
  7. Kelly, Petra (1984). Fighting for Hope. [S.l.]: South End Press 
  8. «Who Killed Petra Kelly». Mother Jones. Janeiro–fevereiro de 1993 
  9. «The Death of Petra Kelly». People In Action. Dezembro de 2004 
  10. a b Hilton, Isabel (23 de outubro de 1992). «What killed Petra Kelly?». The Independent (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2015 
  11. [1] Arquivado em abril 19, 2009[Erro data trocada], no Wayback Machine.
  12. Adam, David (28 de novembro de 2006). «Earthshakers: the top 100 green campaigners of all time». The Guardian 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar