Peugeot 208

Peugeot 208
modelo 2019/2019
Visão Geral
Produção 2012 - Presente
Fabricante Peugeot, Grupo PSA
Matriz Paris, França
Modelo
Classe Compacto
Carroceria hatch 3 portas
hatch 5 portas
Ficha técnica
Motor 1.4L HDI 68cv
1.6L HDI 92cv
1.6L HDI 112cv
1.0L VTi 68cv
1.2L 82cv
1.2L THP 110cv
1.4L 95cv
1.6L THP 156cv
1.6L 120cv
1.6L 156cv

1.2L 90cv Flex
1.5L 93cv Flex
1.6L 122cv Flex
1.6L THP 173cv Flex [1]
Potência Diesel
1.4: 68 cv (50 kW) @ 4000 rpm
1.6: 75 cv (55 kW) @ 3500 rpm
1.6: 92 cv (68 kW) @ 4000 rpm
1.6: 100 cv (74 kW) @ 3750 rpm
1.6: 112 cv (82 kW) @ 3600 rpm
1.6: 115 cv (85 kW) @ 3600 rpm
1.6: 120 cv (88 kW) @ 3500 rpm[2]
Plataforma PF1
Transmissão Manual de 5 marchas

Manual de 6 marchas Automática de 4 marchas

Autonomia Até 1.000 km
Modelos relacionados Fiat Punto
Chevrolet Sonic
Ford Fiesta
Opel Corsa
Citroën C3
Volkswagen Polo
Honda Fit
Fiat Argo
Renault Clio
Chevrolet Onix
Hyundai i30
Dimensões
Comprimento 3962 mm
Entre-eixos 2538 mm
Altura 1463 mm
Tanque 55 Litros
Cronologia
Peugeot 207

O Peugeot 208 é um carro fabricado pela empresa francesa Peugeot. Começou a ser fabricado em 2012 na Europa e em 2013 no Brasil, para suceder o 207 (tanto no Brasil, quanto em Portugal).

No Brasil, na progressão do 206 para o 207, houve apenas um redesenho ("facelift") do 206, que na Europa ficou conhecido como 206+. O 207 verdadeiro não foi oferecido no Brasil. Após a família 207 (206+) ter se mostrado um fiasco e ter prejudicado a imagem da marca no mercado brasileiro, a Peugeot decidiu rever sua estratégia.

Então, em 2013, apresentou o novo 208. As versões de entrada e intermediárias Active, Active Pack e Allure usavam motor 1.5 4 cilindros de 8 válvulas de 89/93 cv (Gasolina/Etanol) derivado do antigo 1.4 8v de 75/82 cv usado no 207 brasileiro, que por sua vez é a versão bicombustível daquele usado desde o 205 na década de 90, também usado no 206. Já a versão mais cara Griffe usava o EC5 1.6 16V de 115/122cv (G/E), com câmbio manual de 5 marchas ou automático AT8 de 4 velocidades. Com isso, o 207 hatch perdeu suas versões mais caras, permanecendo apenas a versão de entrada Active 1.4, para concorrer no segmento de compactos populares, tendo se despedido do mercado em 2014.[3]

O 208 passou a atuar entre os chamados compactos "premium", junto com Fiat Punto, Citroën C3 (com quem compartilha a plataforma, fábrica e também o conjunto mecânico), Ford Fiesta, Honda Fit e Chevrolet Sonic.

No modelo 2016, apresentado em Junho de 2015, recebeu novos equipamentos de série. A versão Active passou a ser equipada com rádio e faróis de neblina, ao passo que a ActivePack recebeu airbag lateral de tórax, ar condicionado com 2 zonas de temperatura, e apoio de cabeça central. A versão Allure ganhou piloto automático e sensor de estacionamento traseiro, enquanto a Griffe (a mais completa da linha), recebeu airbag de cortina, soleiras e sensor de estacionamento também na frente.

FaceliftEditar

Seu primeiro facelift foi lançado no Brasil em Maio de 2016, como linha 2017, trazendo um novo motor PureTech 1.2 com 3 cilindros e 12 válvulas, com 84/90 cv (G/E) importado da França, em substituição ao velho 1.5 4 cilindros de 93 cv nas versões Active, Active Pack e Allure. O motor 1.6 EC5 continuou sendo oferecido para a versão Allure e Griffe com câmbio automático e Sport, essa com câmbio mecânico.

Grande novidade foi o lançamento da Peugeot 208 GT, equipado com o motor 1.6 THP Flex, que produz 173cv quando abastecido com Etanol. Essa versão só está disponível com câmbio mecânico de 6 marchas. Trata-se do mesmo 1.6 THP usado por 308, 408 e 2008. Essa versão acelera de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos.[4]

Segunda geração (2019 - presente)Editar

A segunda geração do Peugeot 208 foi apresentada no Salão do Automóvel de Genebra em março de 2019 e foi oficialmente vendida em toda a Europa durante o verão. Uma versão totalmente elétrica, chamada e-208, também foi revelada em Genebra. O 208 oferece uma escolha de grupos trens de força (powertrain), usando motores a gasolina ou diesel convencionais ou um motor elétrico.

e-208 a bateria elétricaEditar

Ao contrário dos veículos contemporâneos concorrentes, como o Renault Zoe e o Volkswagen ID.3, o e-208 compartilha um chassi comum com o 208 convencional movido a gasolina/diesel. A Peugeot escolheu isso deliberadamente para permitir que potenciais compradores selecionem o trem de força que melhor se adapte às suas necessidades. Isso também permite que a Peugeot monte o e-208 na mesma linha das outras versões. Comparado às versões de potência convencional do 208, o e-208 é aproximadamente 350 kg (770 lb) mais pesado e possui um eixo traseiro um pouco mais largo, para acomodar a bateria.

O e-208 possui uma bateria de 50 kWh controlada por bomba de calor, um motor de 100 kW (130 hp) e um carregador de 6,6 kW. O alcance do WLTP é de 340 km (211 milhas). É equipado com um conector CCS Combo tipo 2 e pode carregar a uma taxa de até 100 kW de uma estação de carregamento rápido CC adequada. A taxa de carregamento pode ser de 70 kW-se para 40% do estado de carga, em seguida, diminuindo a 50kW. O carregador de bordo é limitado a 7,4 kW, mas pode ser equipado com um carregador trifásico de 11 kW como opção. No e-208, o seletor de marchas é usado para escolher o nível de frenagem regenerativa.

Logo após a sua venda em outubro de 2019, a demanda pelo e-208 foi forte. A Peugeot tinha previsto fazer cerca de 30.000 e-208 carros por ano, 10% da produção anual prevista de 300.000 para toda a linha de 208 produtos, mas ​14 de todas as pré-encomendas recebidas foram para o e-208. A produção máxima para o e-208 é de 60.000 por ano.

TécnicoEditar

As transmissões e a plataforma do 208 são compartilhadas com o Peugeot 2008, o Citroen DS 3 Crossback e o Vauxhall Corsa, todos veículos do Grupo PSA.

Os motores a gasolina convencionais (não híbridos) da marca "PureTech" são todos turbos de 1,2 litro e três cilindros com 74, 99 e 128 cv. O modelo diesel virá em apenas uma variante do motor, um motor de 1,5 litros e quatro cilindros produzindo 99bhp. A Peugeot ainda não anunciou os modelos esportivos e o motor que eles usarão, como o GTi, que faz parte da família dos 208. No entanto, Guillaume Clerc, gerente de projetos da segunda geração do 208, afirmou que o desenvolvimento de um 208 GTi a gasolina terminou em 2017 porque era impossível atender à média corporativa de metas de emissão de CO2 com o maior motor de 1,6 litro usado no 208 GTi da geração anterior. Clerc sugeriu que o próximo GTi poderia ser baseado no e-208.

O 208 e o e-208 estão disponíveis com sistemas avançados opcionais de assistência ao motorista, com controle de cruzeiro adaptável, centralização de faixas, estacionamento automático e monitoramento de pontos cegos. Os modelos equipados com transmissão manual apresentam controle de cruzeiro até uma velocidade mínima de 29 km/h; os modelos automático e e-208 podem controlar o carro até parar.

VendasEditar

Seu lançamento no Brasil aconteceria ainda no primeiro semestre de 2020, mas toda a questão da pandemia do novo coronavírus atrasou sua estreia para o segundo semestre, assim como o início da produção na Argentina. Por lá, o lançamento industrial acontecerá no dia 15 de agosto, de onde será vendida nos demais países do Mercosul, inclusive o Brasil. Ele será o primeiro produto da PSA a ter a nova plataforma CMP na região e, para isso, a fábrica de El Palomar recebeu um investimento de US$ 320 milhões. De lá, ainda poderá sair o novo Peugeot 2008, enquanto Porto Real (RJ) deve receber uma nova família de modelos da Citroën, também feita sobre essa base. No Brasil, o lançamento já ocorreu em setembro. Bastante esperado, pode marcar uma nova fase para a marca francesa no país, com um produto para rivalizar com outros hatches compactos, como o VW Polo, Fiat Argo, Citroen C3, Renault Clio, Chevrolet Onix e Hyundai i30, apostando em design e equipamentos.[5][6]

DesportoEditar

Foi com um Peugeot 208 que o piloto francês Sébastien Loeb venceu o recorde da Subida de Pikes Peak no dia 30 de junho 2013, subindo as 156 curvas em 8:13.878, ou seja 1 minuto e meio mais rápido do que o recorde anterior.[7]

RecordesEditar

Recorrendo a vários pilotos profissionais a Peugeot estabeleceu um recorde de consumo com um 208 equipado com motor 1.6 BlueHDi 100 S&S em França. Ao longo de 38 horas o carro cor de laranja percorreu 2125 km na pista de Belchamp e consumiu apenas 43 litros de gasóleo (2l/100 km de média). Esta marca é inferior em cerca de um terço ao consumo que a Peugeot conseguiu na homologação do modelo (3 l/100 km). Este recorde de consumo, homologado pela entidade competente tornou o automóvel francês líder de economia entre os modelos do seu segmento.[8]

Com o motor 1.2 PureTech Flex, a Peugeot do Brasil percorreu 1.000 Km com um tanque de Gasolina. A montadora realizou uma viagem com modelo entre as cidades de São Paulo e Brasília. Um consumo médio de 18km/l. [9]

GaleriaEditar

Primeira geração (2012-2019) 
Traseira versão pré-facelift hatchback (três portas) 
Traseira versão pré-facelift hatchback (cinco portas) 
Interior modelo 2015 pré-facelift (volante na direita) 
Frente após facelift 2017 
Traseira após facelift 2017 (cinco portas) 
Interior modelo 2019 após facelift (volante na direita) 
Segunda geração (2019-presente) 
Traseira Peugeot e-208 hatchback 2020 (cinco portas) 
Traseira Peugeot 208 hatchback 2020 (cinco portas) 
Interior Peugeot e-208 2020 (volante na direita) 
Interior Peugeot 208 GT Line 2019 (volante na direita) 

Ver tambémEditar

Referências

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Peugeot 208
  Este artigo sobre automóveis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.