Abrir menu principal

Picolina

página de desambiguação da Wikimedia
Picolina
Nome 2-Picolina 3-Picolina 4-Picolina
Outros nomes α-Picolina,
2-Metilpiridina
β-Picolina,
3-Metilpiridina
γ-Picolina,
4-Metilpiridina
Fórmula estrutural 2-Picoline Structural Formula V1.svg 3-Picoline Structural Formula V1.svg 4-Picoline Structural Formula V1.svg
Número CAS 109-06-8 108-99-6 108-89-4
1333-41-1 (Mistura de isômeros)
PubChem 7975 7970 7963
Fórmula molecular C6H7N
Massa molar 93,13 g·mol−1
Estado físico líquido
Apresentação líquido incolor
Ponto de fusão −69,9 °C[1] −18 °C[2] 3 °C[3]
Ponto de ebulição 128 °C[1] 144 °C[2] 145 °C[3]
pKs[4]
(o ácido
conjugado BH+)
5,94 5,63 6,03
Solubilidade completamente miscível com água
Identificação
GHS
GHS-pictogram-flamme.svg
GHS-pictogram-exclam.svg
Atenção[1]
GHS-pictogram-flamme.svg
GHS-pictogram-skull.svg
Perigo[2]
GHS-pictogram-flamme.svg
GHS-pictogram-skull.svg
Perigo[3]
Frases H e P 226​‐​302​‐​312​‐​332​‐​319​‐​335 226​‐​302+332​‐​311​‐​315​‐​319​‐​335 226​‐​311​‐​332​‐​302​‐​319​‐​335​‐​315
veja acima veja acima veja acima
210​‐​302+352​‐​305+351+338 10​‐​280​‐​302+352​‐​304+340
305+351+338​‐​309+310
280​‐​302+352​‐​304+340
305+351+338​‐​309+310
Informações
de perigo

[1][2][3]
Hazard X.svg
Substância nociva
(Xn)
Hazard X.svg
Substância nociva
(Xn)
Hazard T.svg
Veneno
(T)
Frases R 10​‐​20/21/22​‐​36/37 10​‐​20/21/22​‐​36/37/38 10​‐​20/22​‐​24​‐​36/37/38
Frases S (2) - 26 - 36 26 - 36/37 (1/2) - 26 - 36/37 -45

Os compostos orgânicos picolinas, ou metilpiridinas, formam em Química uma família de compostos, pertencente aos compostos heterocíclicos (mais precisamente: heteroaromáticos). Consistem de um anel piridina, substituído com um grupo metila. Através de arranjo diferente resultando em três isômeros constitucionais com a fórmula C6H7N. São bastante semelhantes em suas propriedades em relação a piridina, e em aplicações que não dependem da estrutura molecular substituí-la facilmente como solventes. Caso contrário, elas são, em muitos aspectos, blocos de construção sintéticos para a fabricação de produtos farmacêuticos, agroquímicos e corantes.[5]

HistóriaEditar

A 2-picolina foi isolada pela primeira vez em 1846 por Thomas Anderson do alcatrão de hulha.[6] O termo picolina consiste no latinismo pix (betume) e oleum (óleo) em conjunto.[5]

ObtençãoEditar

Atualmente, a 2-picolina é obtida principalmente por meio de duas rotas sintéticas: por condensação de acetaldeído, formol e amônia [7] e por ciclização de nitritos e acetileno (ciclização de Bönnemann).[8] Um exemplo é a reação de acetaldeído e amônia:

 

Aproximadamente 8000 t foram produzidas em todo o mundo em 1989.[7]

A 3-metilpiridina é preparada industrialmente por meio da reação de acroleína com amônia:[7]

 

Uma maneira mais eficiente é baseado em acroleína, propionaldeído e amônia:

 

Aproximadamente 9000 t foram produzidas em todo o mundo em 1989.[9]

PropriedadesEditar

As picolinas são líquidos incolores com um cheiro similar ao da piridina. São miscíveis com água, etanol e éter dietílico.[5] A 4-picolina, que tem simetria a mais elevada, apresenta o ponto de fusão mais alto.

Uma vez que os grupos metilo na posição 2 e 4 das respectivos isômeros de picolina estão dispostos em conjugação direta com o átomo de nitrogênio na remoção de elétrons, os grupos metilo nestes dois isômeros podem ser relativamente facilmente deprotonados por bases fortes, tais como di-isopropilamida de lítio ou butil-lítio e, em seguida, ainda obtendo-se derivados.[10]

UsosEditar

Picolinas são utilizadas como intermediários para a preparação de outros compostos químicos. Por exemplo, a 2-vinilpiridina e o agroquímico nitrapirina podem ser preparados a partir da 2-picolina.[7] A 3-picolina é usada como material de partida para a síntese do insecticida clorpirifós e da vitamina niacina (vitamina B3),[7] a 4-picolina para a produção do fármaco anti-tuberculose isoniazida.[7]

Por oxidação, por exemplo, por permanganato de potássio (KMnO4),[7][11] resultando no ácido picolínico a partir de 2-picolina, em ácido nicotínico da 3-picolina e no ácido isonicotínico da 4-picolina.

 
 

Referências

  1. a b c d Registo de 2-Methylpyridin na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA.
  2. a b c d Registo de 3-Methylpyridin na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA.
  3. a b c d Registo de 4-Methylpyridin na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA.
  4. CRC Handbook of Tables for Organic Compound Identification, Third Edition, 1984, ISBN 0-8493-0303-6.
  5. a b c Methylpyridine - Römpp Lexikon Chemie
  6. T. Anderson: „On the constitution and properties of Picoline, a new organic base from Coal Tar“; in: Edinburgh New Phil. J.; 1846; XLI; S. 146–156 und 291–300 (http://books.google.com.br/books?id=lB0AAAAAMAAJ&pg=PA146&f=false).
  7. a b c d e f g Shinkichi Shimizu, Nanao Watanabe, Toshiaki Kataoka, Takayuki Shoji, Nobuyuki Abe, Sinji Morishita, Hisao Ichimura: „Pyridine and Pyridine Derivatives“, Ullmann's Encyclopedia of Industrial Chemistry, 2002 (doi:10.1002/14356007.a22_399).
  8. A. Behr: Angewandte homogene Katalyse, Wiley-VCH, Weinheim 2008, ISBN 3-527-31666-3, S. 722.
  9. Eric F. V. Scriven, Ramiah Murugan: „Pyridine and Pyridine Derivatives“, Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology, 2005; XLI (doi:10.1002/0471238961.1625180919031809.a01.pub2).
  10. M. Sainsbury, M. Berry, J. D. Hepworth, C. Drayton, E. W. Abel, D Phillips, J. D. Woollins, A. G. Davies: Heterocyclic Chemistry, 1. Auflage, Royal Society of Chemistry, 2009, ISBN 0-85404-652-6, S. 30.
  11. Harold Hart (Autor), Leslie E. Craine (Autor), David J. Hart (Autor), Christopher M. Hadad (Autor); Nicole Kindler (Übersetzer): Organische Chemie, 3. Auflage, Wiley-VCH, Weinheim 2007, ISBN 978-3-527-31801-8, S. 494.

Ver tambémEditar