Abrir menu principal

Plaek Pibulsonggram

(Redirecionado de Plaek Phibunsongkhram)
Plaek Pibulsonggram
Nascimento 14 de julho de 1897
Nonthaburi
Morte 11 de junho de 1964 (66 anos)
Sagamihara
Sepultamento Bancoque
Cidadania Tailândia
Cônjuge La-iad Bhandhukravi
Filho(s) Nitya Pibulsonggram
Alma mater Academia Militar Real de Chulachomklao
Ocupação político, militar
Prêmios Ordem das Nove Gemas, Ordem de Chula Chom Klao, Ordem do Elefante Branco, Ordem da Coroa da Tailândia, Comandante-Chefe da Legião do Mérito, Grão-Cordão da Ordem do Sol Nascente, Ordem de Sikatuna, Grande Cruz do Mérito da República Federal da Alemanha
Religião Teravada, budismo
Assinatura
Signature of Plek Pibulsongkram.svg

Plaek Pibulsonggram (em tailandês: แปลก พิบูลสงคราม; alternativamente transcrito como Pibulsongkram; Nonthaburi, 14 de julho de 1897 – Sagamihara, 11 de junho de 1964), ou simplesmente Phibun (Pibul) no Ocidente,[1] foi primeiro-ministro e virtual ditador militar da Tailândia nos períodos de 1938 a 1944 e de 1948 a 1957.

Ele foi um dos líderes do ramo militar do Partido Popular (Khana Ratsadon) que encenou um golpe de Estado que derrubou a monarquia absoluta em 1932.[2]

Em 1938, Pibul reassumiu o poder. Ele começou a aumentar o ritmo de modernização na Tailândia e apoiou o fascismo e nacionalismo. Junto com Luang Wichitwathakan, o ministro da Propaganda, ele construiu um culto de liderança e depois disso as fotografias de Phibunsongkhram podiam ser encontrados em toda parte e as do rei abdicado, Prajadhipok, foram proibidas.[3] Em 1939, o nome do país foi mudado de Sião para Tailândia.[3]

Com o objetivo de elevar o espírito nacional e código moral da nação e incutir tendências progressistas, uma série de mandatos culturais foram emitidos pelo governo. Esses mandatos encorajavam os tailandeses a saudar a bandeira em locais públicos, conhecer o novo hino nacional, e usar o idioma tailandês, não dialetos regionais. As pessoas foram encorajadas a adotar roupas ocidentais em oposição ao traje tradicional.[4] Da mesma forma, as pessoas foram encorajadas a comer com garfo e colher, e não com as mãos como era costume. Pibulsonggram viu essas políticas necessárias no interesse do progressismo para mudar a Tailândia a partir de um país subdesenvolvido para um civilizado e modernizado.[5]

Graças à mediação japonesa, em 1941, o governo chegou a um acordo com a França pelo qual a Tailândia recebia parte do Camboja ocidental e todos os territórios do Laos às margens do rio Mekong.[6]

Primeiros anosEditar

 
Phibun na adolescência

Ele nasceu Plaek Khittasangkha (tailandês: ขีตตสังคะ [plɛ̀ːk kʰìːt.tà.sǎŋ.kʰá]) na província de Nonthaburi, filho de Keed Khittasangkha e sua esposa.[7] Dizia-se que o avô paterno de Plaek era um imigrante chinês de língua cantonesa. No entanto, a família foi completamente assimilada e Plaek não mostrava quaisquer características consideradas típicas dos chineses étnicos,[8] e por isso ele conseguiu mais tarde esconder e negar suas raízes chinesas.[9] Os pais de Plaek possuíam uma plantação de durião. Ele recebeu seu nome - que significa "estranho" em tailandês - por causa de sua aparência incomum quando criança. Plaek Khittasangkha estudou nas escolas do templo budista e foi nomeado para a Academia Militar Real de Chulachomklao. Ele se formou em 1914 e foi comissionado um segundo tenente na artilharia. Após a Primeira Guerra Mundial, ele foi enviado para estudar táticas de artilharia na França. Em 1928, ao subir no ranking, recebeu o nobre título Luang do rei Prajadhipok e ficou conhecido como Luang Phibunsongkhram. Mais tarde, ele abandonaria seu título, mas adotou Phibunsongkhram como sobrenome.

Revolução de 1932Editar

 Ver artigo principal: Revolução Siamesa de 1932

Phibunsongkhram foi um dos líderes do ramo militar do Partido do Povo (Khana Ratsadon) que encenou um golpe de Estado e derrubou a monarquia absoluta em 1932. Então o tenente-coronel Phibunsongkhram tornou-se proeminente como um "homem a cavalo", praticamente um ditador. A nacionalização de algumas empresas e o crescente controle estatal da economia seguiram o golpe de 1932.

Abdicação do reiEditar

No ano seguinte, Phibunsongkhram, junto com oficiais aliados na mesma causa, esmagou com sucesso a Rebelião Boworadet. Esta foi uma revolta monarquista liderada pelo príncipe Boworadet. Embora o rei Prajadhipok não estivesse de modo algum envolvido na rebelião, marcou o início de um deslizamento que terminou com a sua abdicação e substituição em 1935 pelo rei Ananda Mahidol. O novo rei ainda era uma criança que estudava na Suíça, e o parlamento nomeou o coronel príncipe Anuwatjaturong, o tenente-comandante Príncipe Aditya Dibabha e Chao Phraya Yommaraj (Pun Sukhum) como seus regentes.

Primeiro Ministro da TailândiaEditar

Em 1938, Phibunsongkhram substituiu Phraya Phahol como Primeiro Ministro e Comandante do Exército Real Siamês, e consolidou sua posição recompensando vários membros de sua própria facção do exército com posições influentes em seu governo.

Phibunsongkhram começou a aumentar o ritmo de modernização na Tailândia. Ele apoiava o fascismo e o nacionalismo. Juntamente com Luang Wichitwathakan, o Ministro da Propaganda, ele construiu um culto de liderança em 1938 e depois disso. Fotografias de Phibun eram encontradas em todos os lugares, e as do abdicado rei Prajadhipok foram banidas. Suas citações apareceram nos jornais, eram coladas em outdoors e repetidas pelo rádio.

 
Phibun fazendo um discurso ultranacionalista para as multidões no Ministério da Defesa, que é oposto ao portão de Swasti Sopha do Grande Palácio, em 1940.

Imitando o fascismo italianoEditar

Depois da revolução de 1932, os governos tailandeses de Phraya Phahol Pholphayuhasena ficaram impressionados com o sucesso da Marcha sobre Roma do movimento fascista de Benito Mussolini na Itália. Phibun também parecia ser um admirador do fascismo italiano. Phibun procurou imitar a propaganda cinematográfica do regime italiano fascista, valorizada como um dos mais poderosos instrumentos de propaganda do poder político italiano, cujo principal objetivo era promover as ideologias do nacionalismo e do militarismo, fortalecendo a unidade e a harmonia do Estado, e também glorificando o poder. política de ruralização em Itália e no estrangeiro. Com as inclinações pró-fascistas dos líderes políticos tailandeses, filmes de propaganda italianos: noticiários, documentários, curtas-metragens e longas-metragens, como o Istituto Luce Cinecittà, foram exibidos na Tailândia durante o período entre guerras.

Phibun adotou a saudação fascista italiana, inspirada na saudação romana, e usou-a durante os discursos. A saudação não foi obrigatória na Tailândia. Ele teve a oposição de Luang Wichitwathakan e de muitos membros do gabinete, por considerarem isso inadequado para a cultura tailandesa.

 
Cartaz tailandês da era Phibun, mostrando vestimentas "incivilizada" proibida à esquerda, e roupas ocidentais apropriadas à direita.

Revolução Cultural TailandesaEditar

"Com o objetivo de elevar o espírito nacional e o código moral da nação e incutir tendências progressistas e uma novidade na vida tailandesa", uma série de mandatos culturais foi emitida pelo governo. Esses mandatos encorajaram todos os tailandeses a saudar a bandeira em locais públicos, conhecer o novo hino nacional e usar a língua tailandesa, e não dialetos regionais. As pessoas eram encorajadas a adotar trajes ocidentais, em oposição aos tradicionais. Da mesma forma, as pessoas eram encorajadas a comer com garfo e colher, em vez de com as mãos, como era habitual. Phibun viu essas políticas como necessárias, no interesse do progressismo, para mudar a Tailândia na mente dos estrangeiros de um país subdesenvolvido para um país civilizado e moderno.

A administração de Phibun estimulou o nacionalismo econômico. Políticas anti-chinesas foram impostas, e o povo tailandês deveria comprar tantos produtos tailandeses quanto possível, reduzindo assim o poder econômico chinês. Em um discurso em 1938, Luang Wichitwathakan, ele próprio de ascendência chinesa, seguiu o livro de Rama VI, Judeus do Oriente, comparando os chineses no Sião aos judeus na Alemanha, que na época eram duramente reprimidos.

Em 1939, Phibun mudou o nome do país de "Sião" para "Tailândia". Em 1941, no meio da Segunda Guerra Mundial, ele decretou o dia 1º de janeiro como o início oficial do novo ano, em vez do tradicional 13 de abril.

Guerra Franco-TailandesaEditar

 Ver artigo principal: Guerra Franco-Tailandesa

Ardentemente pró-japonês no início, Phibun e seu governo logo se distanciaram do Japão após as conseqüências da guerra franco-tailandesa. Esse conflito durou de outubro de 1940 a maio de 1941. Após as negociações de paz, os japoneses conquistaram o direito de ocupar a Indochina Francesa. Ameaçado com a guerra, Phibun afirmou que os japoneses seriam os transgressores. O governo também percebeu que a Tailândia teria que se defender quando a invasão japonesa viesse, considerando sua deterioração nas relações com as principais potências ocidentais na área.

Segunda Guerra MundialEditar

 Ver artigo principal: Tailândia na Segunda Guerra Mundial

Quando os japoneses invadiram a Tailândia em 8 de dezembro de 1941, (por causa da linha internacional de data, isso ocorreu uma hora e meia antes do ataque a Pearl Harbor),[10] Pibulsonggram foi relutantemente forçado a pedir um cessar-fogo, depois de apenas um dia de resistência e permitir que os exércitos japoneses usassem o país como base para suas invasões da Birmânia e Malásia.[11] A hesitação, no entanto, deu lugar ao entusiasmo depois que os japoneses atravessaram a Malaia em uma "Blitzkrieg de bicicleta" com uma resistência surpreendentemente pequena.[12][13] Em 21 de dezembro, Phibun assinou uma aliança militar com o Japão. No mês seguinte, em 25 de janeiro de 1942, Phibun declarou guerra à Grã-Bretanha e aos Estados Unidos. A África do Sul e a Nova Zelândia declararam guerra à Tailândia no mesmo dia. A Austrália seguiu logo depois.[14] Todos os que se opuseram à aliança japonesa foram expurgados de seu governo. Pridi Phanomyong foi nomeado regente interino para o ausente rei Ananda Mahidol, enquanto Direk Jayanama, o proeminente ministro das Relações Exteriores que defendia a continuação da resistência contra os japoneses, foi posteriormente enviado a Tóquio como embaixador. Os Estados Unidos consideraram a Tailândia como um fantoche do Japão e se recusaram a declarar guerra. Quando os aliados foram vitoriosos, os Estados Unidos bloquearam os esforços britânicos para impor uma paz punitiva.[15]

À medida que o Japão se aproximava da derrota e a resistência anti-japonesa clandestina no país, a Seri Thai, crescia em força, a Assembleia Nacional expulsou Phibun. Seu reinado de seis anos como comandante militar chegava ao fim. Sua renúncia foi parcialmente forçada por dois planos grandiosos. Uma delas foi transferir a capital de Bangkok para um local remoto na floresta perto de Phetchabun, no centro-norte da Tailândia. A outra era construir uma "cidade budista" em Saraburi. Anunciado em um momento de grande dificuldade econômica, essas idéias puseram muitos oficiais do governo contra ele.[16] Phibunsongkhram foi ficar no quartel-general do exército em Lopburi.

Khuang Aphaiwong o substituiu como primeiro-ministro, ostensivamente para continuar as relações com os japoneses, mas, na realidade, para secretamente ajudar os Seri Thai.

No final da guerra, Phibun foi levado a julgamento por insistência dos Aliados, acusado de ter cometido crimes de guerra, principalmente o de colaborar com as potências do Eixo. No entanto, ele foi absolvido em meio a intensa pressão pública. A opinião pública ainda era favorável a Phibun, pois acreditava-se que ele fizera o melhor que podia para proteger os interesses tailandeses. Sua aliança com o Japão fez com que a Tailândia aproveitasse o apoio japonês para expandir o território tailandês na Malásia e na Birmânia.[17]


Referências

  1. B. J. Terwiel (2005). «Restoration, Revolt and The Rise of Military». "Thailand's Political History" (em inglês). Thailand: Narisa Chakrabonse. p. 261. ISBN 974 986308 9 
  2. B. J. Terwiel; "Thailand's Political History"; página 265
  3. a b B. J. Terwiel; "Thailand's Political History"; página 271
  4. The Royal Gazette, Vol. 58, Page 113. January 21, B.E. 2484 (C.E. 1941). Acessado em 10 de julho de 2014
  5. B. J. Terwiel; "Thailand's Political History"; página 272
  6. B. J. Terwiel; "Thailand's Political History"; página 273
  7. «ผู้นำทางการเมืองไทยกับสงครามโลกครั้งที่ 2» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 27 de junho de 2008 
  8. Batson, Benjamin (1990). The tragedy of Wanit: a Japanese account of wartime Thai politics. Singapore: Dept. of History, National University of Singapore. ISBN 9971622467. OCLC 25930088 
  9. Ramsay, Ansil (2001). The Chinese in Thailand: Ethnicity, Power and Cultural Opportunity Structures. Global Multiculturalism: Comparative Perspectives on Ethnicity, Race, and Nation. Lanham: Rowman & Littlefield 
  10. Churchill, Winston S. The Second World War, Vol 3, The Grand Alliance, p.548 Cassell & Co. Ltd, 1950
  11. A Slice of Thai History: The Japanese invasion of Thailand, 8 December 1941 (part one)
  12. «Colonel Masanobu Tsuji of Malaya». www.warbirdforum.com. Consultado em 10 de março de 2019 
  13. The Swift Japanese Assault, Reflections at Bukit Chandu, National Archives of Singapore
  14. A Slice of Thai History: The Japanese invasion of Thailand, 8 December 1941 (part three)
  15. Dear, Ian; Foot, Michael Richard Daniell (1995). The Oxford companion to the Second World War. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0192141686. OCLC 46240444 
  16. Roeder, Eric (5 de junho de 2011). «The Origin and Significance of the Emerald Buddha». Southeast Asian Studies Student Association. Consultado em 10 de março de 2019 
  17. Aldrich, Richard J. (1993). The key to the South : Britain, the United States, and Thailand during the approach of the Pacific War, 1929-1942. Kuala Lumpur: Oxford University Press. ISBN 0195886127. OCLC 27145014