Plano-sequência

Plano-sequência, em cinema e audiovisual, é um plano que registra a ação de uma sequência inteira, sem cortes.

ConceitoEditar

Segundo o teórico Jacques Aumont,[1] o que caracteriza o plano-sequência não é apenas a sua duração, mas o fato de ele ser articulado para representar o equivalente de uma sequência. Conviria, portanto, distingui-lo do plano longo "onde nenhuma sucessão de acontecimentos é representada", tais como planos fixos de duração acima da média envolvendo diálogos ou simples localizações de personagens e cenários.

Mas o próprio Aumont adverte que esta distinção é difícil e que por isso, muitas vezes, o conceito de plano-sequência é confundido com o de plano longo.

HistóricoEditar

Se fosse considerada apenas a duração, seria forçoso concluir que os primeiros filmes dos irmãos Lumière, já em 1895, eram formados por planos-sequência, uma vez que eram filmes inteiros rodados num único plano de 40 a 45 segundos de duração. Mas seria uma conclusão imprecisa, pois o próprio conceito de plano ainda não tinha sido formulado.

Muitos historiadores consideram que o filme "Aurora", de Murnau (1927) conteria um dos primeiros verdadeiros planos-sequência filmados, no trecho em que o Homem (George O'Brien) corre em direção à Mulher da Cidade (Margaret Livingston), acompanhado pela câmara em movimento de travelling.

Já em "Ninotchka" (1939), de Ernst Lubitsch, há um longo plano em que o Conde d'Algout (Melvyn Douglas) tenta fazer rir a agente soviética representada por Greta Garbo, contando-lhe piadas das quais ela não acha graça, mas que termina com o conde caindo da cadeira e, finalmente, provocando na moça uma gargalhada.

Em 1948, Hitchcock tentou fazer o longa-metragem "Festim diabólico" rodado num único plano-sequência. Como os maiores rolos de película fabricados eram (e continuam sendo) de 1000 pés (aproximadamente 11 minutos), o filme acabou sendo rodado em 12 planos, com durações entre 4 e 10 minutos cada, e com cortes "invisíveis" entre eles, dando a impressão de um único plano.[2]

Roberto Rossellini no cinema italiano, Kenji Mizoguchi no japonês e Mikhaïl Kalatozov no soviético são exemplos de cineastas que utilizaram o plano-sequência em seus filmes rodados entre as décadas de 1950 e 1960.

Discussão estéticaEditar

Mas foi principalmente a partir dos longos e elaborados planos filmados por Orson Welles e seu fotógrafo Gregg Toland em "Cidadão Kane" (1941) que se desenvolveu a teoria do plano-sequência. O teórico André Bazin, em vários artigos escritos para a revista Cahiers du Cinéma a partir de 1951, defendeu a ideia de que o plano-sequência e a profundidade de campo seriam os grandes instrumentos do realismo cinematográfico, evitando a fragmentação do real que ocorreria através da montagem e respeitando a realidade e a liberdade do espectador.

Apesar da importância histórica da reflexão de Bazin (reunida em "O que é o cinema", obra em 4 volumes publicada a partir de sua morte, em 1958), vários autores posteriores chamaram atenção para o fato de que esta concepção de realismo cinematográfico (do plano-sequência e da profundidade de campo) era apenas uma entre outras possibilidades. Jean-Louis Comolli afirmou inclusive que o plano-sequência não é tão "realista" quanto se chegou a acreditar, já que o seu valor depende das normas estéticas em vigor.[3]

No cinema atualEditar

O plano-sequência continua sendo usado no cinema contemporâneo, mas normalmente sem a defesa ideológica que costumava acompanhá-lo nos anos 1960. Cineastas como Brian De Palma, Stanley Kubrick, Alfonso Cuarón, Martin Scorsese, Paul Thomas Anderson, etc, souberam utilizar planos-sequências em momentos-chave de seus filmes, provocando no espectador a sensação de uma mudança na relação entre o tempo do filme e o tempo da história que ele conta, que normalmente é estabelecida pela decupagem e pela montagem. Já diretores como Theo Angelopoulos, Jim Jarmusch e Andrei Tarkovski tornaram-se conhecidos por rodarem filmes inteiros estruturados em um pequeno número de longos planos-sequência.

Assim que a tecnologia digital superou a limitação dos rolos de 11 minutos, experiências mais radicais puderam ser tentadas: em 2002, Alexander Sokurov rodou "A Arca russa" em um único plano-sequência de 96 minutos; antes ainda, em 2000, Mike Figgis realizou "Timecode" em 4 planos-sequência de 97 minutos cada, rodados ao mesmo tempo com quatro câmaras digitais e, no filme, exibidos simultaneamente numa tela dividida em quatro.

No Brasil, em 2008, Gustavo Spolidoro dirigiu "Ainda orangotangos", rodado em um único plano-sequência de 81 minutos.

Em 2014, Birdman foi gravado em planos-sequências. Ganhou o Oscar de Melhor Filme.

Na televisão o plano-sequência também apareceu em 2016 no nono episódio da 6ª temporada da aclamada série Game of Thrones no episódio intitulado "Battle of the Bastards", um espetacular plano-sequência de quase 30 minutos.

ExemplosEditar

Planos-sequência "reais"Editar

Ano Título Duração Diretor País Ref.
1982 Macbeth 57 min. Bela Tarr Hungria [4]
1998 Big Monday 74 min. Michael Rehfield Estados Unidos [5]
2000 Timecode 97 min. Mike Figgis Estados Unidos [6]
2002 Russian Ark 96 min. Alexander Sokurov Rússia [7]
2003 Sábado, una película en tiempo real 65 min. Matías Bize Chile
2005 The Magicians 96 min. Song Il-gon Coréia do Sul
The Circle 103 min. Yuri Zeltser França
2007 PVC-1 85 min. Spiros Stathoulopoulos Colômbia [8]
2008 Ainda Orangotangos 81 min. Gustavo Spolidero Brasil [9]
2011 21 Brothers 96 min. Michael McGuire Canadá
2013 Rati Chakravyuh 102 min. Ashish Avikunthak Índia [10]
Fish & Cat 134 min. Shahram Mokri Irã [11]
El triste olor de la carne 87 min. Cristóbal Arteaga Espanha [12]
Ana Arabia 85 min. Amos Gitaï Israel [13]
2014 Agadam 123 min. Mohamad Issack Índia [14]
2015 Victoria 140 min. Sebastian Schipper Alemanha [15]
Anino sa likod ng buwan 120 min. Jun Lana Filipinas [16]
Daksha S. Narayan Índia [17]
2016 Eight 81 min. Peter Blackburn Austrália [18]
Immortality 145 min. Mahdi Fard Ghaderi Irã
King Dave 99 min. Podz Canadá [19]
2017 Fourever 77 min. Dean Ronalds Estados Unidos
The Wedding Party 119 min. Thane Economou [20]
Lost in London 100 min. Woody Harrelson
One Shot-Fear Without Cut 140 min. Haroon Rashid Índia [21]
Invasion 90 min. Shahram Mokri Irã
2018 A Boy. A Girl. A Dream: Love on Election Night 89 min. Qasim Basir Estados Unidos [22]
Utøya: July 22 90 min. Erik Poppe Noruega [23]
Blind Spot 98 min. Tuva Novotny [24]
Tatort: Die Musik stirbt zuletzt 87 min. (versão Alemã) Dani Levy Suíça [25]
88 min. (versão padrão) [26]
2020 Limbo 89 min. Tim Dünschede Alemanha [27]

Planos-sequência editadosEditar

Ano Título Duração Diretor País Ref.
1948 Rope 80 min. Alfred Hitchcock Reino Unido / Estados Unidos
1991 Homework 85 min. Jaime Humberto Hermosillo México
1997 Running Time 70 min. Josh Becker Estados Unidos
2002 Irréversible 97 min. Gaspar Noé França
2009 Enter the Void 161 min.
2010 La Casa Muda 86 min. Gustavo Hernández Uruguai
2011 Silent House 87 min. Chris Kentis, Laura Lau Estados Unidos
2014 Birdman 119 min. Alejandro G. Iñárritu México
2017 "eps3.4_runtime-error.r00" (Mr. Robot) 43 min. (episódio de TV) Sam Esmail Estados Unidos [28]
Bushwick 94 min. Cary Murnion, Jonathan Milott Estados Unidos
2018 "Two Storms" (The Haunting of Hill House ep. 1.6) 57 min. (episódio de TV) Mike Flanagan Estados Unidos [29][30]
2019 1917 118 min. Sam Mendes Reino Unido

Obras com plano-sequência que não são filmesEditar

Ano Título Notas Ref.
2016 Tony Hinchcliffe: One Shot Comédia Especial [31]
2018 God of War Jogo eletrônico de ação-aventura [32]

Referências

  1. "Dicionário teórico e crítico de cinema", de Jacques Aumont e Michel Marie, Papirus Editora, 2003, pp. 231-232
  2. "Hitchcock-Truffaut, entrevistas", editora Brasiliense, 1983, pp. 107-111
  3. "Ver e poder, a inocência perdida", de Jean-Louis Comolli, Editora da UFMG, 2008
  4. «Bela Tarr: Macbeth (1982)». Can't Stop the Movies. 3 de agosto de 2010. Consultado em 27 de março de 2016 
  5. Smith, Clay (19 de março de 1999). «Reflections». The Austin Chronicle. Austin. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  6. Williams, Richard (11 de agosto de 2000). «Once upon a Time Code». The Guardian. London. Consultado em 3 de junho de 2013 
  7. Ward, Caleb (22 de abril de 2014). «Behind the Scenes of the 96 Minute Shot, The Russian Ark». The Beat. PremiumBeat. Consultado em 27 de setembro de 2015 
  8. Beale, Lewis (15 de julho de 2008). «A movie shot in real time recalls Colombian nightmare». NY Daily News. Consultado em 21 de abril de 2018 
  9. Lowe, Justin (12 de novembro de 2008). «Still Orangutans». The Hollywood Reporter. AP. Consultado em 21 de abril de 2018 
  10. Sorabjee, Deepika (6 de julho de 2014). «Circling Time». ArtSlant. Consultado em 7 de outubro de 2015 
  11. Simon, Alissa (17 de setembro de 2013). «Venice Film Review: 'Fish & Cat'». Variety. Consultado em 21 de abril de 2018 
  12. Dalton, Stephen (10 de julho de 2013). «The Sad Smell of Flesh (El Triste Olor de la Carne): Karlovy Vary Review». The Hollywood Reporter. Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  13. Lyttelton, Oliver (9 de setembro de 2013). «Venice Review: Amos Gitai's Shot-In-One-Take 'Ana Arabia'». IndieWire. Consultado em 27 de novembro de 2015 
  14. Jeshi, K. (2 de janeiro de 2014). «A record start». The Hindu. Consultado em 20 de outubro de 2015  JESHI, K. (2 de janeiro de 2014). «A record start». The Hindu 
  15. Kohn, Eric (16 de fevereiro de 2015). «Adopt Films Picks Up One-Shot Heist Thriller 'Victoria'». IndieWire. Consultado em 27 de setembro de 2015 
  16. «Shadow Behind the Moon». Five Flavours Film Festival. Consultado em 29 de março de 2017 
  17. «Duniya Vijay's 'Daksha' with S.Narayan». Sify Movies. 7 de abril de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  18. Barry, Kristina (28 de março de 2014). «One shot wonders - how feature film Eight was made». The Creative Issue. Consultado em 21 de abril de 2018 
  19. Kelly, Brendan (11 de julho de 2016). «Podz's King Dave: One-shot film premières at Fantasia». The Montreal Gazette. Consultado em 10 de junho de 2017 
  20. Chitwood, Adam (16 de maio de 2017). «'The Wedding Party' Trailer Reveals Romantic Comedy Shot Entirely in One Take». Collider. Consultado em 21 de abril de 2018 
  21. Shukla, Richa (2 de janeiro de 2017). «Haroon Rashid's film in Guinness World Records». The Times of India. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  22. Buder, Emily (24 de janeiro de 2018). «How a Sundance Film Pulled Off a 90-Minute Single Take». No Film School. Consultado em 24 de janeiro de 2018 
  23. Connolly, Kate (19 de fevereiro de 2018). «Utøya massacre re-enactment stuns Berlin audiences». The Guardian. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  24. Lodge, Guy (3 de outubro de 2018). «Film Review: 'Blind Spot'». Variety. Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  25. Brachmann, Jan (5 de agosto de 2018). «Luzern hören und sterben». Frankfurter Allgemeine. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  26. comparação entre as versões suíça e alemã: https://www.youtube.com/watch?v=jRcsqnJeQZw
  27. Ortmann, Joana (20 de fevereiro de 2020). «Das ist das One-Shot-Experiment von fünf HFF-Absolventen». Bayerischer Rundfunk. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  28. O'Keeffe, Jack (9 de novembro de 2017). «Was That 'Mr. Robot' Episode Really Shot In One Take? "eps3.4_runtime-err0r.r00" Is The Most Ambitious Hour Of The Series So Far». Bustle. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  29. Evangelista, Chris (23 de outubro de 2018). «Here's How 'The Haunting of Hill House' Episode 6 Was Made». /Film 
  30. Stack, Tim (23 de outubro de 2018). «The Haunting of Hill House creator Mike Flanagan on hidden clues, major scares, and a season 2». Entertainment Weekly. Meredith Corporation 
  31. Tony Hinchcliffe: One Shot, consultado em 18 de dezembro de 2019 
  32. Bratt, Chris (21 de junho de 2017). «God of War director explains why entire game has no camera cuts». Eurogamer.net (em inglês). Consultado em 13 de abril de 2018