Abrir menu principal

Plataforma Universal do Windows

Plataforma Universal do Windows
Desenvolvedor Microsoft Corporation
Modelo do desenvolvimento Código Fechado
Linguagem C++, VB.NET, JavaScript, C#
Sistema operacional Windows 10, Windows 10 Mobile, Windows Server 2016
Gênero(s) Interface de programação de aplicações
Estado do desenvolvimento Em desenvolvimento
Página oficial Centro de Desenvolvimento do Windows

A Plataforma Universal do Windows (ou em inglês Universal Windows Platform) é a denominação de um conjunto de APIs criadas pela Microsoft para o desenvolvimento de aplicativos, lançada junto com o Windows 10. O objetivo dessa plataforma é de auxiliar no desenvolvimento de aplicativos de interface moderna que são executados no Windows 10 e no Windows 10 Mobile sem a necessidade de escrever um código para cada sistema operacional. A plataforma suporta o desenvolvimento de aplicativos escritos em C++, C#, XAML ou VB.NET, e a API é escrita em C# e suporta C++, VB.NET, C#, F# e JavaScript. Entendida como uma extensão da API Windows Runtime, introduzida no Windows 8, a Plataforma Universal do Windows permite a criação de aplicativos compatíveis com qualquer sistema que suporte a API, e esses aplicativos são chamados Aplicativos Universais.[1][2]

CompatibilidadeEditar

Apesar de ser considerada uma derivação da antiga plataforma Windows Runtime, a plataforma é parte do Windows 10, e os aplicativos universais não são diretamente compatíveis com as versões anteriores do Windows, sendo necessária modificações para a execução. A partir da versão 2015 do Visual Studio, as aplicações desenvolvidas já são nativamente compatíveis com a Plataforma Universal.[3]

Durante a Build 2015, a Microsoft anunciou as "pontes de desenvolvimento" para permitir o porte de aplicativos para o Windows 10 Mobile que foram desenvolvidos inicialmente para Android e iOS. A Ponte do Windows para Android (chamada de Projeto Astoria) permitia que os aplicativos escritos em Java ou C++ fossem portados para o Windows 10 Mobile e publicada. Essa ponte continha várias limitações como a perda da integração com os serviços do Google e com o Google Play Services, e também o mal funcionamento de aplicativos que possuíam uma "profunda integração com as tarefas de plano de fundo", como os aplicativos de mensagens. A Ponte do Windows para iOS (chamada de Projeto Islanwood) permite que os desenvolvedores portem os aplicativos do iOS desenvolvidos em Objective-C para o Windows 10 Mobile. Esse porte é feito utilizando o Visual Studio 2015 para converter o código do aplicativo no Xcode para o código utilizado no Visual Studio.[4]

Em fevereiro de 2016, o Projeto Astoria foi cancelado porque, segundo a Microsoft, causava confusão e era desnecessário aos desenvolvedores a manutenção das duas pontes de desenvolvimento. Junto com esse anúncio, a Microsoft também comunicou a compra da Xamarin: uma empresa responsável por desenvolvimento de aplicativos para desenvolvimento multiplataforma.[5]

Referências

  1. Higa, Paulo. «Com os apps universais para Windows, o mesmo app poderá rodar no smartphone, tablet e desktop». Tecnoblog. Consultado em 28 de maio de 2016 
  2. «O que é um aplicativo da Plataforma Universal do Windows (UWP)?». Centro de Desenvolvimento do Windows. Consultado em 28 de maio de 2016 
  3. Gogini, Ronaldo (26 de março de 2015). «Microsoft lança dev kit para criar apps universais do Windows 10». Meiobit. Consultado em 28 de maio de 2016 
  4. Alves, Paulo (29 de abril de 2015). «Entenda como Windows 10 vai rodar aplicativos para Android e iPhone». Techtudo. Consultado em 28 de maio de 2016 
  5. «Microsoft cancela Projeto Astoria, que permitia migrar apps Android para Windows». Canaltech. 26 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de maio de 2016