Poesia nórdica antiga

Uma página do Heimskringla, um colecção de poemas skáldicos.

A poesia nórdica antiga compreende uma gama de formas em verso escritas em nórdico antigo, durante o período que vai do século VIII até ao século XIII. A maioria da poesia nórdica antiga remanescente foi conservada na Islândia, mas também existem 122 inscrições rúnicas suecas, 54 norueguesas e 12 dinamarquesas.[1]

A poesia desempenhou um papel importante na vida social e religiosa dos nórdicos. Na mitologia nórdica, o Skáldskaparmál explica a história de como Odin leva o hidromel poético para Asgard, isto indica a importância da poesia na cultura escandinava da Era víquingue.

A poesia nòrdica antiga caracteriza-se pela aliteração e por um vasto vocabulário poético pelo uso de heitis e kennings. Uma importante fonte de informação sobre formas poéticas em nórdico antigo é o Edda em prosa de Snorri Sturluson.

Normalmente, a poesia nórdica antiga é dividida em dois tipos: a Edda poética (também denominada poesia éddica) e a Poesia skáldica. O Edda poética inclui os poemas do Códex Regius e outros similares, e tudo o resto costuma ser considerado poesia skáldica.

MétricaEditar

A poesia nórdica antiga tem muitas formas métricas desde o relativamente simples fornyrðislag ao profundamente complexo dróttkvætt (a denominada métrica cortesã).

Em poesia éddica, as estruturas métricas são geralmente simples, praticamente sempre ou são ljóðaháttr ou fornyrðislag. O ljóðaháttr (conhecido também como a "métrica do canto"), devido à sua estrutura com estrofes quebradas, tendia ao diálogo e o discurso. O fornyrðislag (a "métrica de palavras antigas") é o mais geralmente utilizado dos dois, e é geralmente utilizado onde o poema é em grande parte narrativo. É composto por quatro ou mais sílabas por linha. Outras métricas conhecidas são:

  • Málaháttr. É similar ao fornyrðislag, mas com uma largura fixa de cinco sílabas.
  • Hrynhenda. uma variante do dróttkvætt, o qual utiliza todas as regras do dróttkvætt, com excepção da linha que compreende quatro pés métricos em vez de três.
  • Kviðuháttr outra variante de fornyrðislag com linhas alternadas de 3 e 4 sílabas
  • Galdralag a "métrica mágica", a qual contém uma quarta linha que repete e varia a terceira linha

Edda poéticaEditar

 
A inscrição rúnica da estela de Karlevi poema skáldico  em dróttkvætt. A estela foi alçada em memória dum nobre víquingue.

A poesia éddica tem as seguintes características:

  • O autor é sempre anónimo.
  • A métrica é simples: fornyrðislag, málaháttr ou ljóðaháttr.
  • A ordem das palavras é relativamente directa.
  • Os kennings são utilizados de forma moderada e raramente se utilizam os mais obscuros.

Poesia skáldicaEditar

A poesia skáldica tem as seguintes características:

  • Normalmente não se conhece o autor..
  • A métrica é ornamentada, normalmente dróttkvætt ou variações sobre isto.
  • A sintaxe é ornamentada, com frases geralmente entrelaçadas.
  • Utilizam-se frequentemente os kennings.

Referências

  1. Skaldic.arts.usyd.edu.au (ed.). «skaldic poetry project» (em inglês) 

BibliografiaEditar

  • Erik Brate, Fornnordisk metrik, R. Almqvist & J. Wiksell, 1884
  • Margaret Clunies Ross (2011), A History of Old Norse Poetry and Poetics, DS Brewer, 2011, ISBN 1843842793
  • Old Norse Poetry, General Books LLC, 2010, ISBN 1156552834

Ver tambémEditar