Abrir menu principal

Wikipédia β

Políptico do Mosteiro de Santa Cruz (Cristóvão de Figueiredo)

Políptico do Mosteiro de Santa Cruz
Autor Cristóvão de Figueiredo
Data c. 1521 a 1530
Técnica Pintura a óleo sobre madeira de carvalho
Localização Museu Nacional de Arte Antiga, Museu Nacional Machado de Castro, Igreja do Mosteiro de Santa Cruz.

O Políptico quinhentista do Mosteiro de Santa Cruz era um políptico de pinturas a óleo sobre madeira criado no período de 1521 a 1530 pelo pintor português da época do Renascimento Cristóvão de Figueiredo (activo em 1515-1543) e que fazia parte do Retábulo quinhentista do Altar-mor da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.

Os vários painéis que compunham presumivelmente o Políptico quinhentista do Mosteiro de Santa Cruz encontram-se actualmente dispersos por vários museus: Calvário, Ecce Homo e quatro pinturas ovais com os bustos de oito Apóstolos na sacristia da Igreja de Santa Cruz, a Deposição no Túmulo no Museu Nacional de Arte Antiga em Lisboa, e Achamento da Cruz por Santa Helena, Exaltação da Cruz e Milagre da Ressureição o Mancebo no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra.[1]:129[2]

Encomendado a Cristovão de Figueiredo em 1521, o Políptico só ficaria concluido em 1530.[3] A estrutura em talha de suporte do Políptico de Cristóvão de Figueiredo foi obra do entalhador Francisco Lorete.[4] O Retábulo renascentista com pinturas de Cristóvão de Figueiredo foi substituído, no início do século XVII, pelo novo Retábulo maneirista do escultor Bernardo Coelho e dos pintores Simão Rodrigues e Domingos Vieira Serrão.[4]

Segundo Markl e Pereira (1986), nos painéis do Políptico do Mosteiro de Santa Cruz é discernível um estilo próprio de Cristóvão de Figueiredo que não é confundível com o dos seus colegas Gregório Lopes e Garcia Fernandes. Nele se notam as lições aprendidas na oficina de Jorge Afonso, como a iconografia do Calvário, o tratamento das figuras em escorço que é sugestão por sua vez das gravuras de Dürer, a escala e o centralismo da composição e ainda o gosto pelos trajes cortesãos. Mas notam-se também diferenças: a expressão das atitudes, evidenciando uma agitação que estava ausente da pintura anterior, a densificação dos fundos com a presença de grupos humanos em movimento, a construção de novos eixos na construção das cenas e a representação de arquitectura e escultura ao gosto italiano.[1]:129

Índice

Enquadramento históricoEditar

Fundado em 1131, no exterior das muralhas de Coimbra, por D. Telo, da Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, com 12 companheiros, o Mosteiro de Santa Cruz foi a mais importante casa monástica nos primeiros tempos da monarquia portuguesa. A sua escola foi fundamental nos tempos medievais e ponto de passagem obrigatória para as elites do poder e da intelectualidade. O seu scriptorium foi o responsável pela justificação da elevação ao título de rei por D. Afonso Henriques, não sendo de estranhar que este tenha decidido ser sepultado precisamente na igreja deste Mosteiro.[5]

Como grande instituição monacal, o Mosteiro de Santa Cruz foi objecto de numerosas remodelações ao longo do tempo. A principal, e que deu ao edifício o aspecto actual, data da primeira metade do século XVI, quando D. Manuel I assumiu a tutela daquela comunidade religiosa. Para tal recorreu a alguns dos melhores artistas que então trabalhavam no reino, como Diogo de Castilho, Machim e João de Ruão na arquitectura, Cristóvão de Figueiredo e Vasco Fernandes na pintura, Diogo Boitaca, Marcos Pires e Nicolau de Chanterene na escultura.[5]

Mas a reformulação do edifício ocorreu em simultâneo com a criação e instalação no Mosteiro da Ordem dos Crúzios. Assim, em 1527, Frei Brás de Braga, da Ordem de São Jerónimo, inicia a reforma dos crúzios de Coimbra, que decorre até 1556 quando ocorre a formação da Congregação de Santa Cruz de Coimbra. A encomenda do Políptico de Cristóvão de Figueiredo insere-se assim neste grande movimento da época manuelina de reconstrução do Mosteiro e da renovação da sua ocupação monástica.[6]

DescriçãoEditar

Achamento da Cruz por Santa Helena
Autor Cristóvão de Figueiredo
Data c. 1521-1530
Técnica Pintura a óleo sobre madeira de carvalho
Dimensões 150 cm  × 140 cm 
Localização Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra

O Políptico quinhentista do Mosteiro de Santa Cruz de Cristóvão de Figueiredo executado para a casa-mãe da Ordem da Santa Cruz, teve como tema central compreensivelmente a história do Santo Lenho. Divulgada através da Lenda Dourada (c. 1260) de Tiago de Voragine, a história da recuperação da Santa Cruz por Santa Helena, mãe do imperador Constantino, o Grande, é desenvolvida neste vasto políptico.[7]

Além do Políptico quinhentista, o Retábulo quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz englobava um grande conjunto escultórico sobre a Lamentação que se pensa terá ocupado o espaço central em frente do Políptico, obra de João Alemão e que poderá ser o que se encontra actualmente na Capela da Nossa Senhora da Piedade de Antuzede.[2][8]

Achamento da Cruz por Santa HelenaEditar

O Achamento da Cruz por Santa Helena é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo, mede 150 cm de altura e 140 cm de largura, e fazia parte do Políptico quinhentista do Altar-mor da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, encontrando-se actualmente no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra.[9]

Em primeiro plano, do lado esquerdo, um grupo de obreiros inclinados para a terra desenterram a Cruz com que Cristo havia sido crucificado. Do lado direito, dirigindo e comprovando o evento está Santa Helena, faustosamente vestida e coroada no seu estatuto de rainha, que tem perto de si quatro aias, também ricamente trajadas e adornadas de jóias. Mais atrás, ao centro, está implantada a tenda imperial, partindo dela numa disposição horizontal um esquadrão de cavaleiros que está em espera, ou guarda, estando armadas mais longe outras duas tendas de menor dimensão.[9]

A cena decorre naturalmente no campo, representando os arrabaldes de Jerusalém, vendo-se à esquerda o Gólgota e à direita uma sucessão de penhascos que se prolongam até ao horizonte. A dinâmica da cena é gerada pelo elevado número de figuras dispostas em vários planos, pelos gestos dos que estão mais próximos e pelo hábil desenho de diagonais que se cruzam ou são cortadas por linhas horizontais. A visão do espectador é dirigida para o ícone cristão, a Vera Cruz, que é objecto de invocação e veneração pelos frades de Santa Cruz de Coimbra, para cujo altar se destinou o Políptico de que a pintura fez parte.[9]

Milagre da Ressureição do ManceboEditar

 
Milagre da Ressureição do Mancebo (c. 1521-1530), de Cristóvão de Figueiredo, com 106 cm de altura e 141,5 cm de largura, no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra

O Milagre da Ressureição do Mancebo é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo, mede 106 cm de altura e 141,5 cm de largura, e fazia parte do Políptico quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz, encontrando-se actualmente no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra.[10]

Este painel é a representação de um dos episódios da iconografia tradicional de Santa Helena, mãe do imperador Constantino: a história da recuperação da Vera Cruz, divulgada no Ocidente através da Lenda Dourada. O momento representado é o da apresentação da Cruz de Cristo ao defunto que jazia numa padiola ocupando em diagonal o centro da composição e em paralelo à travessa superior da cruz. Em segundo plano, um grupo de figuras testemunha a ressurreição do jovem, graças à visão por este da Cruz conforme pedido de Santa Helena. A ponta da Cruz por sua vez liga-se à aia de Santa Helena estando as duas ligeiramente afastadas do restante grupo. O Santo Lenho é o centro da história e como que fixa o olhar do espectador entre o defunto e a Rainha.[10]

A figura em primeiro plano à esquerda mais uma vez revela claras influências das gravuras de Durer, na sua posição de costas e em contraposto, envergando um traje mais claro e iluminado que os dos restantes assistentes, mas menos do que a mortalha do jovem defunto e do que o manto e face de Santa Helena, o que indica um foco de luz do lado direito.[10]

Apesar da degradação evidente da camada cromática, havendo numerosas lacunas e desníveis, tendo-se perdido valores essenciais para a sua completa apreciação, a luz incidente nas duas figuras femininas e a espessura das velaturas nesse ponto é um dos valores essenciais que permanece para o entendimento da obra, para além da complexidade das linhas da composição.[10]

Exaltação da CruzEditar

 
Exaltação da Santa Cruz (c. 1521-1530), de Cristóvão de Figueiredo, com 149 cm de altura e 129,5 cm de largura, no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra

A Exaltação da Cruz é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo, mede 149 cm de altura e 129,5 cm de largura, e fazia parte do Políptico quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, encontrando-se actualmente no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra.

De acordo com o conhecimento na época em que Cristóvão de Figueiredo pintou este quadro, actualmente posto em causa pela historiografia moderna, em 614 o xá sassânida Cosroes II apoderou-se como troféu da relíquia da Vera Cruz que estava em Jerusalém quando com o cerco de 614 capturou a cidade. Treze anos mais tarde, em 628, o imperador bizantino Heráclio derrotou Cosroes e recuperou a relíquia que manteve inicialmente em Constantinopla, mas que levou de volta a Jerusalém em 630. É este último evento que Cristóvão Figueiredo representou nesta pintura.[11][12]

A pintura representa então o imperador Heráclio transportando a Vera Cruz preparando-se com o seu séquito para entrar em Jerusalém. O Imperador está montado num cavalo ricamente ajaezado, tendo a seu lado, em primeiro plano, três personagens a pé e outras cinco atrás montadas a cavalo. Junto à muralha da cidade (à esquerda), um outro grupo de homens como que protege a entrada do cortejo. Pairando sobre este último grupo, um anjo avisa o Imperador que não pode entrar na Cidade Santa ostentando tantas riquezas e vaidades.[3]

A composição parece concentrar-se nestas duas figuras, procurando que a atenção do observador seja orientada para o anjo através da figura que está de costas, em primeiro plano, que apresenta claras influências das gravuras de Dürer. Esta figura orienta-nos para o elemento fundamental deste painel e de todo o retábulo: a Vera Cruz.[3]

Esta pintura é reveladora também do gosto do autor em pintar ambientes cortesãos, evidenciado no tratamento dos tecidos e no desenho das roupas dos personagens.[3]

 
Ecce Homo (c. 1521-1530), de Cristóvão de Figueiredo na Sacristia da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra

A representação do Imperador Heráclio, tentando entrar em Jerusalém sumptuosamente vestido e fazendo-se acompanhar dos seus homens e riquezas, integra-se nas características da pintura palaciana, como se nota pelo tratamento da indumentária e pela postura das figuras, concebidas como se fora uma cena contemporânea do auspicioso reinado de D. João III.[13]

O tratamento em escorço da figura em primeiro plano, demonstra o conhecimento das gravuras de Dürer. De facto, o soldado de costas é uma repetição do guerreiro "alemão" do Calvário do Retábulo de Setúbal que reencontramos decalcado no baixo-relevo do Ecce Homo esculpido por Chanterenne no Claustro do Silêncio do Mosteiro de Santa Cruz. A origem só pode ser o lansquenete do Ecce Homo (em Galeria) gravado por Albrecht Dürer na série Grande Paixão. Mas também o conhecimento de Metsys como se pode ver nas bandeiras da águia bicéfala preta em fundo amarelo que o mestre flamengo havia usado no Cristo a Caminho do Calvário do Políptico das Sete Dores de Maria.[1]:135

Ecce HomoEditar

O Ecce Homo é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo que fazia parte do Políptico quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz e que se encontra actualmente na Sacristia da Igreja de Santa Cruz, em Coimbra.[14]

Segundo Sant´Anna Dionísio, no Ecce Homo, o Cristo, enorme e resignado, exprime muitas afinidades de sentimento com o Calvário que levou o historiador de arte alemão Carl Justi (1832-1912) a atribui-lo a Cristóvão de Figueiredo, embora algumas figuras secundárias tenham levado o também historiador de arte francês Émile Bertaux (1869-1917) a considerá-lo próximo do Calvário de Viseu, ou seja de Vasco Fernandes.[14]:217:218

CalvárioEditar

Calvário
Autor Cristóvão de Figueiredo
Data c. 1521-1530
Técnica Pintura a óleo sobre madeira de carvalho
Localização Sacristia da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra

O Calvário é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo que fazia parte do Políptico quinhentista do altar-mor da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz e que se encontra actualmente na Sacristia da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.[14]:216:217

O Calvário foi identificado por Émile Bertaux como sendo de Cristóvão de Figueiredo e fazendo parte do Políptico quinhentista da Igreja de Santa Cruz encomendado no tempo de D. Manuel, nas pintado apenas no de D. João III. Painel notável pelo dramatismo que caracteriza o grupo da Virgem e das Santas Mulheres cujos véus caem sobre as faces doloridas em sombras de mistério e de dó.[14]:216:217

Deposição no TúmuloEditar

A Deposição no Túmulo é uma pintura a óleo sobre madeira pintada no período de 1521 a 1530 por Cristóvão de Figueiredo, mede 182 cm de altura e 155,5 cm de largura, fazia parte do Políptico quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz, e encontra-se actualmente no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.[4]

Representa o episódio bíblico do Sepultamento de Jesus. O cadáver de Cristo é deposto no túmulo por José de Arimateia e Nicodemos na presença da dolorosa Virgem Maria, de São João e de três santas mulheres. Em primeiro plano, Maria Madalena, ajoelhada e envergando um manto vistoso, sustenta compadecida a coroa de espinhos deposta sobre uma toalha branca. Do lado direito estão duas figuras vestidas de escuro como monjes que se julga poderem representar os encomendadores nominais da obra porque a obra terá sido paga pelas finanças reais.[4]

 
Deposição no Túmulo (c. 1521-1530) de Cristóvão de Figueiredo, com 182 cm de altura e 155,5 cm de largura, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa

A cena tem como fundo uma paisagem arborizada e rochosa, podendo vislumbrar-se ao longe a cidade de Jerusalém. O túmulo, de desenho clássico, tem no lado visível em baixo-relevo dois tondi com cenas do Antigo Testamento. Num, Jeremias é lançado na cisterna (Jeremias 38:6:6) e, no outro, Jonas é engolido pela baleia (Jonas 2:1:1).[4]

Segundo Émile Bertaux, esta pintura e o Ecce Homo fariam parte do mesmo retábulo, obra de mestre desconhecido. José de Figueiredo atribuiu a pintura a Cristóvão de Figueiredo, colocando a hipótese de ter sido originariamente realizada para o retábulo do altar da igreja de Santa Cruz de Coimbra. Partilhando a atribuição proposta por José de Figueiredo, mas retomando as considerações de Bertaux, Teixeira de Carvalho foi de opinião que este seria o painel central de um tríptico de que o Ecce Homo seria um dos painéis laterais. Virgílio Correia incluiu o quadro no Retábulo de Santa Cruz de Coimbra apontando como autor Cristóvão de Figueiredo e parceiros, opinião seguida geralmente pela crítica actual.[4]

Segundo Markl e Pereira (1986), dos painéis do Políptico, a Deposição no Túmulo é o que se mostra mais próximo do classicismo anterior, em que os fundos rochosos, a limpidez da atmosfera e a serenidade narrativa não deixam dúvidas quanto à formação clássica do seu autor.[1]:130

Ainda segundo Markl e Pereira, poder-se-á afirmar que Cristóvão de Figueiredo é um continuador de Quentin Metsys em Portugal. Este painel é claramente uma versão do painel central, com o mesmo tema, do Tríptico da Lamentação (em Galeria) executado por aquele pintor flamengo em 1511 para a Catedral de Antuérpia. Cristóvão de Figueiredo recorre nesta pintura à relação entre o Antigo e o Novo Testamento, ou seja, ao simbolismo tipológico, como são os dois episódios representados na face lateral do túmulo. Por outro lado, mantém-se o enigma dos dois retratados que surgem em plano recuado do lado direito para quem olha. Serão os doadores e ideólogos da composição? Se assim for, o mais jovem poderia ser Frei Brás de Barros nascido em 1484 e que teria à data da pintura cerca de 46 anos. De qualquer modo, é certo que se tratam de dois cónegos regrantes crúzios.[1]:137

Bustos dos ApóstolosEditar

Bustos de Quatro Apóstolos
Autor Cristóvão de Figueiredo
Data c. 1521-1530
Técnica Pintura a óleo sobre madeira de carvalho
Localização Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra

Como predela do Políptico quinhentista do altar-mor do Mosteiro de Santa Cruz figurariam a todo o comprimento seis conjuntos de Bustos de Apóstolos, dois a dois, que hoje se encontram na Sacristia da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.[8]:11

HistóriaEditar

O Retábulo quinhentista do altar-mor de Santa Cruz estava feito, no que respeita à marcenaria, em março de 1522 porque o vedor das obras, Gregório Lourenço, escreveu nesse ano a D. João III a informar sobre o que havia sido ordenado por D. Manuel I e o que estava realizado e o que faltava realizar. Mais informava que a pintura havia sido cometida a Cristóvão de Figueiredo, e que este ainda nada fizera porque o Mosteiro não tinha verba para lhe pagar. As pinturas só devem ter sido realizadas em 1530, época em que Cristóvão de Figueiredo esteve em Coimbra. Já a escultura do Retábulo foi indubitavelmente realizada por João Alemão no período de 1518 a 1522.[8]:12

O Retábulo quinhentista de Santa Cruz teve grande fama em tempos antigos sendo objecto de vários registos escritos podendo saber-se as vicissitudes porque passou desde a sua execução.[8]:5 Tal como em Coimbra, nesta época do início do séc. XVI, faziam-se em Portugal retábulos que incluíam escultura, marcenaria e pintura, designadamente em Évora, Abrantes, Funchal e noutros lugares.

A mais antiga referência ao conjunto escultórico do Retábulo foi de Manuel de Faria e Sousa (1590-1649) no seu livro Europa Portuguesa, referindo a imagem que se situava nas imediações de Coimbra. A referência seguinte é de Frei Agostinho de Santa Maria na obra Santuário Mariano de 1705 em que diz que a escultura de Antuzede fora venerada primeiro no Convento de Santa Cruz. Uma informação mais recente sobre a escultura é a de Henriques Seco, natural de Antuzede, na sua Memória Histórica e Corográfica do Distrito de Coimbra, editado em 1853.[8]:5:6

Sobre o Convento Crúzio de Coimbra a mais antiga informação é de Frei Veríssimo, Descrição e Debuxo do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, escrita em 1540 ou 1541, portanto numa época em que o Político quinhentista estaria no seu local original, mas centrando-se mais na parte escultórica e nos túmulos dos dois primeiros reis portugueses.[8]:6

Depois, antes de 1589, Frei Jerónimo Ramón ao descrever o Mosteiro refere-se ao altar-mor descrevendo o conjunto que muito se parece com o grupo de Antuzede segundo Pedro Dias.[8]:8

A substituição do Retábulo quinhentista pelo novo Retábulo maneirista que incluía pinturas de Simão Rodrigues e de Domingos Vieira Serrão foi descrita por Nogueira Gonçalves no artigo O altar-mor do Séc. XVII de Santa Cruz e os seus prováveis restos, de 1935, no Correio de Coimbra, apontando que a substituição deve ter ocorrido entre 1599 e 1602, devendo ter sido então que o grupo escultórico foi levado para Antuzede.[8]:8:9

As obras de pintura do Políptico quinhentista ficaram no Mosteiro tendo sido colocadas em diversas dependências, duas das quais, o Ecce Homo e o Calvário, bem como dois Bustos duplos de Apóstolos ainda se encontram na Sacristia. O conjunto devia ter mais de quatro metros e meio de largura e de altura devia passar dos cinco metros ao centro e cinco metros nas laterais.[8]:9:10

ReconstituiçãoEditar

No início do século XVII, quando foi substituído pelo novo Retábulo maneirista, o Políptico renascentista de Cristóvão de Figueiredo, e o Retábulo de que fazia parte na capela-mor da Igreja de Santa Cruz, foi desmembrado tendo as suas componentes sido dispersas por várias instituições.[2]

Pedro Dias, em artigo de 1983, defendeu que o conjunto escultórico existente na Capela da Nossa Senhora da Piedade de Antuzede seria o elemento central do Retábulo quinhentista atrás do qual estaria o Políptico, tendo apresentado uma conjectura de reconstituição do Políptico. Os cinco painéis do Políptico quinhentista estariam dispostos em duas fiadas de dois painéis cada, com um espaço entre eles para enquadrar o grupo escultório, estando o Achamento da Cruz e a Exaltação da Cruz na fila inferior, o Ecce Homo e a Deposição no Túmulo na fileira intermédia e no topo ficaria isolado o Calvário, não se referindo assim ao Milagre da Ressureição do Mancebo que outros autores incluem no Políptico. Como predela estariam finalmente as pinturas ovais de duplos bustos de Apóstolos.[8]

Em 1986, Markl e Pereira afirmavam que todas as propostas de reconstituição feitas até à data não eram convincentes.[1]:129

Entretanto, em 2001, Fernando Baptista Pereira sugere a definição do Políptico, tendo destacado à sua frente o conjunto escultórico, em duas fiadas de painéis, sendo a superior constituida pelas pinturas que tratam a Paixão de Cristo com as pinturas Ecce Homo, Calvário e Deposição no Túmulo, e na fiada de baixo as três pinturas relativas à história da Vera Cruz enquanto relíquia, ou seja, Achamento da Cruz por Santa Helena, Milagre da Ressureição do Mancebo e Exaltação da Cruz. Em predela as seis pinturas ovais com duplos Bustos de Apóstolos.[15]

GaleriaEditar

ReferênciasEditar

  1. a b c d e f Markl, Dagoberto e Pereira, Fernando (1986), História da Arte em Portugal, Lisboa, vol. 6 "O Renascimento"
  2. a b c Nota do Museu Machado de Castro
  3. a b c d Nota informativa sobre a obra na Matriznet [1].
  4. a b c d e f Nota sobre a Deposição no Túmulo na Matriznet
  5. a b Página da DGPC
  6. Cronologia sobre o Mosteiro de Santa Cruz em SIPA Sistema de Informação para o Património Arquitetónico, em [2]
  7. [3]
  8. a b c d e f g h i j Pedro Dias, "O Retábulo Quinhentista da Igreja de Santa Cruz de Coimbra", in Mundo da Arte, nº 16 - Dezembro. Coimbra: U.C., 1983, pág. 3-14.
  9. a b c Nota sobre a obra na Matriznet
  10. a b c d Nota sobre a obra na MatrizNet
  11. Treadgold, Warren (1997). A History of the Byzantine State and Society. Stanford: Stanford University Press. p. 299. ISBN 0-8047-2630-2 
  12. Há estudiosos que discordam desta narrativa, como Constantin Zuckerman, considerando que a Vera Cruz foi realmente perdida pelos persas e que a madeira contida no relicário alegadamente ainda selado trazido a Jerusalém por Heráclio em 629 era uma falsificação. Em sua análise, a burla foi congeminada para servir os propósitos políticos tanto de Heraclius como do seu anterior inimigo e posterior aliado e sogro, o general persa Sarbaro que se tornou rei persa.Constantin Zuckerman (2013). Heraclius and the return of the Holy Cross. Col: Constructing the Seventh Century. Travaux et mémoires (17). Paris: Association des amis du Centre d'histoire et civilisation de Byzance. pp. 197–218. ISBN 978-2-916716-45-9 
  13. Nota do Museu Machado de Castro sobre o Exaltação da Cruz
  14. a b c d Sant´Anna Dionísio, Guia de Portugal, 2ª ed., 3º Vol. Beira I. Beira Litoral, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984
  15. Fernando Baptista Pereira, Imagens e Histórias de devoção. Espaço, Tempo e Narrativa na Pintura Portuguesa do Renascimento (1450-1550), tese de doutoramento em Ciências da Arte, Faculdade de Belas Artes da U.L., policopiado, 2001, Volume II, pág. 114.

BibliografiaEditar

  • Cartório do Mosteiro de Santa Cruz. Tom.5 das Notas, liv. 10, fl.150. Bibl. 7, pp-4-5. Coimbra: 1530, pág. -
  • Correia, Vergílio - Estudos de História de Arte, Obras. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1953.
  • Dias, Pedro - "O Retábulo Quinhentista da Igreja de Santa Cruz de Coimbra", in O Mundo da Arte, nº16 - Dezembro. Coimbra: U.C., 1983, pág. 3-14.
  • Dias, Pedro; Serrão, Vítor - "A Pintura, a Iluminura e a Gravura dos Primeiros Tempos do Século XVI", in História da Arte em Portugal, vol. 5 - "O Manuelino". Lisboa: Alfa, 1986.
  • Figueiredo, José de - "Introdução a um Ensaio sobre a Pintura Quinhentista em Portugal", in Boletim de Arte e Arqueologia, Fasc. I. Lisboa: 1921
  • Malkiel-Jirmounsky, Myron - Pintura à sombra dos mosteiros. A pintura religiosa portuguesa nos séculos XV e XVI. Lisboa: Edições Ática, s.d.
  • Markl, Dagoberto; Pereira, Fernando A. Baptista - "A pintura num período de transição", in História da Arte em Portugal, Vol. VI "O Renascimento"- O Renascimento. Lisboa: Alfa, 1986.
  • Pereira, Fernando A. Baptista - Imagens e Histórias de devoção. Espaço, Tempo e Narrativa na Pintura Portuguesa do Renascimento (1450-1550). Tese de doutoramento em Ciências da Arte. Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, policopiado, 2 vol., 2001.
  • Reis-Santos, Luís - Cristovão de Figueiredo. Lisboa: Artis, 1960.
  • Rodrigues, Dalila - "A Pintura do Período Manuelino", in História da Arte Portuguesa (dir. Paulo Pereira), Vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores, 1995.
  • Santos, Reynaldo dos - Os Primitivos Portugueses (1450-1550). Lisboa: 1940
  • Santos, Reynaldo dos - Oito Séculos de Arte Portuguesa. História e Espírito. Lisboa: Empresa Nac. de Publicidade, 1965.
  • Taborda, José da Cunha - Regras da Arte de Pintura. Lisboa: Nota da Impressão Régia, 1815.
  • Teixeira, José Carlos Cruz - A Pintura Portuguesa do Renascimento. Ensaio de Caracterização (dissertação de doutoramento em História da Arte, texto policopiado), Universidade Nova de Lisboa, 3 Vols.. Lisboa: 1991.
  • Viterbo, F. M. Sousa - O Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Coimbra: 1914.

Ligações externasEditar