Pompeo Ugonio

Pompeu Ugoni , Pompeio Ugonius, também conhecido sob o nome de Pompeo Pompeo ( 1550 aproximadamente - Roma , 28 de abril de 1614 ), era um religioso, bibliotecário e antiquário italiano.

BiografiaEditar

Pompeo Ugonio frequentou o Colégio Romano, onde se formou em artes em 1569. Entre seus professores, ele provavelmente tinha os jesuítas Fulvio Cardulo, Giovanni Pietro Maffei, Domenico Buonacorsi, Orazio Torsellini e Paolo Comitoli.[1]

Na ocasião de sua formatura, ele teve um resumo das teses que defenderia publicamente, publicado em um volume dedicado ao cardeal Giacomo Savelli . Cânone da Basílica do Vaticano (1572), nos anos 70, foi bibliotecário e antiquário do cardeal Ascanio Colonna, um grande colecionador de antiguidades. Em 4 de novembro de 1586, Ugonio obteve a cadeira de retórica no Archiginnasio della Sapienza romano e realizou sua prolusão inaugural De lingua Latina (Romae, apud Ioannem Martinellum, 1586). Quando o Papa Sisto V mudou o obelisco do Vaticano para sua posição atual na Praça de São Pedro em 1586, Ugonio comemorou o feito, criado pelo arquiteto Domenico Fontana, em uma série de poemas publicados em 1587 com o título De sanctissima cruce in vertice obelisci vaticani.

Pompeo Ugonio também foi autor de louvores funerários, como os dos cardeais Giacomo Savelli, Anton Maria Salviati (1537–1602) e Andrea da Áustria e escritos comemorativos do Papa Leão X.

A Historia delle stationi di Roma é a principal obra de Ugonio. Publicada em 1588 e dedicada a Camilla Peretti, irmã do Papa Sisto V, foi o prelúdio de um trabalho muito maior que consumia Ugonio até sua morte em 1614, o Theatrum urbis Romae, uma coleção de material erudito de tamanho tão vasto que nunca viu a publicação e sobrevive hoje apenas em duas grandes coleções de manuscritos (Cod. Cuba. Barb. Lat. 1994, e Sra. I, 161, Ariostea Library, Ferrara). Em uma série de mapas esquemáticos, Ugonio traçou a história de Roma como um continuum desde suas origens, passando pela transformação em uma capital cristã, até atingir o clímax em seu tempo, com o plano urbano previsto e, em parte, elaborado por Papa Sisto V.[2] As informações coletadas por Ugonio no Theatrum, desordenadas e, portanto, difíceis de decifrar, dizem respeito tanto a descobertas antigas quanto a monumentos contemporâneos, com uma clara ênfase na antiguidade.

Seu contemporâneo mais antigo, o humanista e pesquisador renascentista Fulvio Orsini, definiu-o em uma carta de 7 de julho de 1589: um jovem romano e muito bem encaminhado nas letras.[3]

Segundo Francesco Maria Torrigio (1580-1650), Pompeo Ugonio era bem conhecido por sua erudição e foi particularmente apreciado pelo Papa Clemente VIII, que o considerou para uma posição no palácio apostólico.[4]

PublicaçõesEditar

ReferênciasEditar

  1. McGinness (1995) p. 601
  2. The Classical Tradition (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. 2010. ISBN 9780674035720. Pompeo Ugonio's Historia delle stationi di Roma, published in 1588 and dedicated to Camilla Peretti, was the presage to a much larger work that would consume Ugonio up to his death in 1614. The Theatrum urbis Romae, a compendium of notes so vast in scope that it never saw publication, survives in two voluminous manuscripts (Cod. Vat. Barb. Lat. 1994, and Ms. I, 161, Biblioteca Ariostea, Ferrara). In a series of diagrammatic maps, Ugonio attempted to trace a continuum in the evolution of Rome from its origins through its transformation into a Christian capital, culminating in his own time with the master plan envisioned and partly realized by Sixtus V. 
  3. Pierre de Nolhac, La bibliothèque de Fulvio Orsini. Contributions à l’histoire des collections d’Italie et à l’étude de la Renaissance Parigi, 1887, F. Vieweg, p. 177, nota 1 (online).
  4. Torrigio (1644) p. 144.

BibliografiaEditar

  • Gian Vittorio Rossi, Pinacotheca imaginum illustrium, doctrinae vel ingenti laude, virorum qui, auctore superstite, diem suum obierunt, Coloniae Agrippinae 1643, pp. 163 s.;
  • Francesco Maria Torrigio (1644). I sacri trofei romani del trionfante prencipe degli apostoli San Pietro gloriosissimo. [S.l.: s.n.] pp. 143–145 
  • Francesco Cancellieri, De Secretariis Basilicae Vaticanae veteris, ac novae, IV, Sylloge veterum monumentorum partim ex ineditis mss., partim ex autographis marmoribus cincinnata notisque illustrata, Romae 1786, pp. 1735, 2028 s.;
  • Giovanni Battista de Rossi, La Roma sotterranea cristiana, I, Roma 1864, pp. 19 s.;
  • P. de Nolhac, La Bibliothèque de Fulvio Orsini. Contributions à l’histoire des collections d’Italie et de la Renaissance, Paris 1887, p. 177 nota 1;
  • Christian Hülsen: Le chiese di Roma nel medio evo. Cataloghi ed appunti. Olschki, Firenze 1927, pp. XXXIII–XXXIV (online);
  • Enrico Josi, Ugonio, Pompeo, in Enciclopedia cattolica, XII, Città del Vaticano [1954], coll. 715 s.;
  • Vittorio Peri, Due protagonisti dell’Editio Romana dei Concili ecumenici: Pietro Morin ed Antonio d’Aquino, in Mélanges Eugène Tisserant, VII, Città del Vaticano 1964, pp. 131-232 (in partic. pp. 150 s.);
  • Frederick J. McGinness, The rhetoric of praise and the New Rome of the Counter reformation, in Rome in the Renaissance. The city and the myth, a cura di P. A. Ramsey, Binghamton 1982, pp. 355–370 (in partic. pp. 362-366);
  • Ingo Herklotz, ‘Historia Sacra’ und mittelalterliche Kunst während der zweiten Hälfte des 16. Jahrhunderts in Rom, in Baronio e l’arte. Atti del Convegno internazionale di studi... 1984, a cura di R. De Maio et al., Sora 1985, pp. 21-74 (in partic. pp. 39-45, 73 s.);
  • Philip Jacks, The antiquarian and the myth of antiquity. The origins of Rome in Renaissance thought, Cambridge 1993, pp. 241-259;
  • Frederick J. McGinness (1995). «The Collegio Romano, the University of Rome, and the Decline and Rise of Rhetoric in the Late Cinquecento». Roma moderna e comtemporanea. 3 
  • Louise Rice, Jesuit thesis prints and the festive academic defence at the Collegio Romano, in The jesuits. Cultures, sciences, and the arts, 1540-1773, a cura di T. Frank Kennedy, Toronto 1999, pp. 148-169 (in partic. pp. 149 s. fig. 6.1);
  • Marc Laureys, The pagan and christian legacy of Rome in Pompeo Ugonio’s oration De Lingua Latina, in Neulateinisches Jahrbuch, II (2000), pp. 125-153;
  • Alberto Andreoli, Pompeo Ugonio, Richard Krautheimer e le chiese di Roma, in Ecclesiae Urbis, a cura di F. Guidobaldi e A. Guiglia Guidobaldi, I, Città del Vaticano 2002, pp. 41–56;
  • Daniela Mondini, “Qui sono varie historie scancellate...”. Die verlorenen Fresken aus S. Maria de Palmis in Rom nach einer Skizze von Pompeo Ugonio, in Opus Tessellatum. Modi und Grenzgänge der Kunstwissenschaft. Festschrift für Peter Cornelius Claussen, a cura di D. Mondini et al., Hildesheim-Zürich-New York 2004, pp. 399-410;
  • Stefan Heid, Pompeo Ugonio, in Personenlexikon zur Christlichen Archäologie. Forscher und Persönlichkeiten vom 16. bis 21. Jahrhundert, a cura di S. Heid e M. Dennert, II, Regensburg 2012, pp. 1256 s.