Ponte da Crimeia

A Ponte da Crimeia ou Ponte de Kerch[2] (em russo: Крымский мост, Керченский мост tr. Kerchensky most) ou, ainda, Ponte do Estreito de Kerch é um conjunto de duas pontes paralelas construídas pela Federação Russa sobre o estreito de Kerch entre a península de Taman no krai de Krasnodar (Rússia) e a península de Kerch na Crimeia. O complexo das pontes permite o tráfego rodoviário e o ferroviário. Com 18,1 km é a ponte mais longa da Rússia[3] e da Europa, ultrapassando a Ponte Vasco da Gama, que liga Montijo/Alcochete a Lisboa/Sacavém em Portugal.[4][5][6][3][7]

Ponte da Crimeia
Ponte da Crimeia
Design Ponte atirantada
Data de abertura 16 de maio de 2018[1]
Dimensões
Comprimento total 18,1 km (ponte ferroviária)
16,9 km (ponte viária)
Altura máxima 35 m
Geografia
Cruza Estreito de Kerch
Localização Taman, Rússia, Kerch, Crimeia

HistóriaEditar

Propostas e tentativas antes da anexaçãoEditar

Ponte ferroviária de KerchEditar

 Ver artigo principal: Ponte ferroviária de Kerch

Propostas para a construção de uma ponte sobre o estreito de Kerch foram consideradas a partir do início do século XX.[8]

Durante a Segunda Guerra Mundial, a organização alemã Todt construiu um teleférico sobre o estreito. Concluído em junho de 1943, tinha uma capacidade diária de 1 000 toneladas. A construção de uma ponte rodoferroviária começou em abril de 1943, mas antes de ser concluída, as tropas alemãs, em retirada, explodiram as partes já concluídas da ponte e destruíram parcialmente o teleférico.

Em 1944, a União Soviética construiu uma ponte de 4,5 km (2,80 mi) sobre o estreito. Esta ponte, não projetada como permanente, foi marcada por erros de projeto e de construção, sendo destruída pelo fluxo de gelo em fevereiro de 1945.[9] A proposta de repará-la foi rapidamente rejeitada e os remanescentes da ponte destruída foram desmontados, com projetos de uma ponte permanente previstos no seu lugar.

Propostas soviéticasEditar

Em 1949, o governo soviético ordenou a construção de uma ponte rodoferroviária de dois andares de 5,969 km (3,71 mi) (duas vias rodoviárias na camada superior e duas vias ferroviárias na camada inferior) e com 40 m de altura, que ia conectar Yeni-Kale com a península de Chushka, mas em 1950 a construção foi interrompida e uma linha de balsa foi criada em seu lugar.[10]

Uma versão diferente de uma ligação fixa, o projeto de obras aquáticas de Kerch ("Керченский гидроузел"), foi desenvolvido desde meados da década de 1960, propondo a construção de um sistema de barragens e pontes através do estreito. O projeto não foi implementado devido à falta de financiamento[11] e ao colapso da União Soviética.[12][13]

Acordos entre Rússia e UcrâniaEditar

A ideia de uma ponte no estreito de Kerch, agora destinada a se tornar uma ligação fixa internacional entre os estados independentes da Rússia e da Ucrânia, sobreviveu à dissolução da União Soviética, mas em 1994 os governos russo e ucraniano não conseguiram finalizar o projeto. O ex-prefeito de Moscovo Yuri Luzhkov era um defensor de uma ponte rodoviária através do estreito, expressando esperança de que isso aproximaria a Crimeia da Rússia, tanto economicamente quanto simbolicamente.[15] Esperanças semelhantes foram expressas pelas autoridades pró-russas na Crimeia, que esperavam que a ponte contribuísse para um "renascimento da rota da Seda" ou para uma rodovia multinacional ao longo da costa do Mar Negro.[11]

A construção da ponte foi reconsiderada pelo Gabinete de Ministros da Ucrânia em 2006, e o então ministro dos Transportes da Ucrânia, Mykola Rudkovsky, afirmou que esperava que a ponte fosse um "líquido positivo para a Crimeia", pois permitiria que "todos os turistas que visitam o Cáucaso russo, também visitem a Crimeia".[16][17] O assunto foi discutido pelos primeiros-ministros de ambos os países em 2008,[18] e uma estratégia de transporte da Rússia, adotada naquele ano, previa a construção da ponte sobre o estreito de Kerch como uma questão de alta prioridade para o desenvolvimento da infraestrutura de transportes do Distrito Federal do Sul no período de 2016 a 2030, com o projeto a ser criado até 2015.[19]

Em 2010, o presidente russo Dmitri Medvedev e o presidente ucraniano Viktor Yanukovych assinaram um acordo para construir uma ponte através do estreito de Kerch,[20] e a Rússia e a Ucrânia assinaram um memorando de entendimento mútuo sobre a construção da ponte em 26 de novembro de 2010.[21] Um estudo de 2011 do governo ucraniano, anunciou uma preferência preliminar em uma rota entre o cabo Fonar e o Cabo Maly Kut. Se esse projeto tivesse sido realizado, teria significado a construção de uma ponte de 10,92 km, com 49 km (30,4 mi) de estradas e 24 km (14,9 mi) de ferrovias adjacentes.[22]

O arquivamento do Acordo de associação entre a Ucrânia e a União Europeia em novembro de 2013 levou a um aumento do interesse na construção de uma ponte entre a Crimeia e a península de Taman na Rússia e um acordo sobre a construção dessa ponte foi assinado como parte do plano de ação russo-ucraniano de 17 de dezembro de 2013. No final de janeiro de 2014, os governos russo e ucraniano decidiram que uma nova empresa conjunta russa-ucraniana seria contratada para lidar com a construção da ponte, enquanto a empresa estatal russa Russian Highways (Avtodor) ia ser responsável pela ponte a longo prazo. Além disso, foi decidido que um grupo de trabalho especial determinaria a localização e definiria os parâmetros técnicos. O Ministério do Desenvolvimento Económico e Comércio da Ucrânia estimou que a construção levaria cinco anos e custaria entre US$ 1,5 e US$ 3 mil milhões. No início de fevereiro de 2014, a Russian Highways (Avtodor) foi instruída pelo primeiro-ministro adjunto da Rússia a trabalhar em um estudo de viabilidade a ser publicado em 2015.[23]

Nos meses seguintes, à medida que as relações se deterioravam, as negociações bilaterais sobre a ponte desabaram,[24] mas a Rússia alegou que esperava que os acordos de dezembro de 2013 fossem honrados e, em 3 de março, o primeiro-ministro Dmitri Medvedev assinou um decreto governamental para criar uma subsidiária da Avtodor para supervisionar o projeto.[25] Um concurso para o levantamento de engenharia do projeto da ponte foi anunciado por essa subsidiária em 18 de março,[26] mas, por essa altura, a premissa do concurso, que ainda se referia a acordos de 2013,[27] já estava desatualizada.

Após anexação e início da construçãoEditar

Após a anexação da Crimeia pela Rússia em março de 2014, em meio a uma forte deterioração nas relações russo-ucranianas, o projeto da ponte da Crimeia tornou-se uma parte fundamental dos planos russos de integrar o território recém-anexado à Rússia.[28] Embora a Ucrânia tenha perdido o controle da península, ela ainda foi capaz de isolá-la, fechando ligações vitais de transporte, uma vez que a Rússia, ao contrário da Ucrânia, não tinha ligações terrestres com a Crimeia naquela época[29] e o uso da linha de balsa do estreito de Kerch tinha as suas limitações: o tráfego de balsas era frequentemente interrompido por causa do mau tempo,[30] e muitas vezes havia longas filas de veículos.[3]

Além da necessidade prática, a ponte tinha um propósito simbólico: mostrar a determinação da Rússia em manter a Crimeia[28] e como uma ligação "física" da Crimeia ao território russo.[31] Não mais um projeto bilateral de infraestrutura, o projeto e a construção da ponte da Crimeia a partir desse momento foi conduzido pela Rússia unilateralmente e foi apenas neste momento que a construção de uma ligação permanente através do estreito de Kerch deixou de ser um projeto de longa data e se tornou realidade.[32]

O anúncio de que a Rússia construiria uma ponte rodoviária sobre o estreito foi feito pelo presidente russo Vladimir Putin em 19 de março de 2014,[33][34] apenas um dia depois de a Rússia ter reivindicado oficialmente a Crimeia. Em janeiro de 2015, o contrato para a construção da ponte foi concedido ao Grupo SGM, cujo proprietário Arkady Rotenberg (supostamente um amigo pessoal e próximo de Putin) foi sancionado internacionalmente em resposta ao envolvimento dos militares russos na Ucrânia. A SGM normalmente constrói tubos de conduta e não tinha experiência em construir pontes, de acordo com a BBC News.[35]

Em abril de 2014, o governo ucraniano deu à Rússia seis meses de aviso da sua retirada do extinto acordo bilateral da ponte de Kerch.[36] Desde então, o governo ucraniano condenou ativamente a construção da ponte russa[37] como ilegal[38] porque a Ucrânia, "como um estado costeiro no que diz respeito à Península da Crimeia", não deu o seu consentimento para tal construção,[39] e pediu à Rússia que demolisse "as partes dessa estrutura localizadas dentro do território ucraniano ocupado temporariamente".[40] As sanções foram introduzidas pelos Estados Unidos e pela União Europeia contra as empresas envolvidas na construção,[41][42] e desde dezembro de 2018 a Assembleia Geral das Nações Unidas condenou repetidamente a construção e abertura da ponte como "facilitando a militarização adicional da Crimeia"[43][44] e "restringindo o tamanho dos navios que podem chegar aos portos ucranianos na costa de Azov".[45] A Rússia, por outro lado, afirmou que "não pedirá a permissão de ninguém para construir infraestruturas de transporte para o bem da população das regiões russas".[46]

Na cultura popularEditar

  • Em homenagem à inauguração da ponte em 15 de maio de 2018, um concerto festivo foi realizado num palco perto do local da ponte. O concerto foi transmitido no Primeiro Canal em 19 de maio de 2018.[47]
  • Um filme de comédia romântica realizado pelo cineasta russo Tigran Keosayan sobre a construção da ponte, foi lançado oficialmente nos cinemas da Rússia em 1 de novembro de 2018.[48]
  • Em 6 de novembro de 2018, foram lançadas 230 000 cópias do acoplamento em livre circulação - um selo postal com dois cupões laterais e com a inscrição 'Крымский мост' (Ponte da Crimeia). O autor é Vladimir Ivanovich Beltyukov e o lançamento dos selos postais foi programado para coincidir com a abertura do tráfego de automóveis na ponte. A valor dos selos é de 46 rublos.[49]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Автодорожная часть Крымского моста открылась для движения автомобилей». ТАСС. Consultado em 16 de abril de 2019 
  2. «Crimea Bridge: A Real Exclusive, and more to come!!». Thethruthspeaker.co. 28 de outubro de 2017. Consultado em 13 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2017 
  3. a b c «Bridge connects Crimea to Russia, and Putin to a Tsarist dream». South China Morning Post (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2018 
  4. «Рекорд России и Европы: как строили Крымский мост». NTV (em russo). Consultado em 16 de maio de 2018 
  5. Welle (www.dw.com), Deutsche. «克里米亚大桥通车 普京亲自驾车剪彩 | DW | 15.05.2018». DW.COM (em chinês). Consultado em 16 de maio de 2021 
  6. CNN, Nathan Hodge,. «Russia's bridge to Crimea: A metaphor for the Putin era». CNN. Consultado em 17 de maio de 2018 
  7. News, A. B. C. (15 de maio de 2018). «Putin inaugurates bridge by driving a truck across to seized peninsula Crimea». ABC News (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2018 
  8. Мост жизни. К предистории Керченского моста [A ponte da vida. Pré-história da ponte de Kerch]. thehimki.ru (em russo). 2 de junho de 2014. Consultado em 13 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 8 de julho de 2018 
  9. Bologov, Petr (27 de fevereiro de 2017). «The bridge-long dream». intersectionproject.eu (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2017. Arquivado do original em 29 de junho de 2017 
  10. Мост через Керченский пролив [Ponte sobre o estreito de Kerch]. kerch.rusarchives.ru (em russo). Consultado em 5 de dezembro de 2019 
  11. a b Крым, Украину и Россию смогут объединить прокладчики туннеля под Ла-Маншем [Crimeia, Ucrânia e Rússia poderão unir os criadores do túnel sob o Canal da Mancha]. Kommersant (em russo). 22 de outubro de 1994. Consultado em 7 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2019 
  12. Проект для моря [Projeto para o mar]. Vokrug sveta (em russo). 1 de dezembro de 1972. Consultado em 19 de fevereiro de 2016 
  13. На стыке двух морей [Na junção de dois mares]. Tekhnika Molodezhi (em russo): 33–36. Janeiro de 1985. Consultado em 19 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de março de 2016 
  14. Мост через Керченский пролив [Ponte sobre o estreito de Kerch]. Pantikapei (em russo). 28 de fevereiro de 2011. Consultado em 27 de março de 2012 
  15. Лужков присоединяет Крым к России [Luzhkov anexa a Crimeia à Rússia]. Kommersant (em russo). 8 de abril de 1999. Consultado em 25 de abril de 2009 
  16. Кабмин рассматривает возможность соединения Украины с Россией [O Gabinete de Ministros [russo] considera a possibilidade de conectar a Ucrânia com a Rússia]. Украинская правда (em russo). 17 de novembro de 2006. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  17. Между Керчью и Россией построят мост [Uma ponte será construída entre Kerch e a Rússia]. Podrobnosti (em russo). 17 de novembro de 2006. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  18. Россия и Украина договорились строить мост через Керченский пролив [Rússia e Ucrânia concordaram em construir uma ponte sobre o estreito de Kerch]. lenta.ru (em russo). 28 de abril de 2008. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  19. «2008 Transport Strategy of the Russian Federation». www.rzd.ru (em russo). 30 de março de 2011. Consultado em 7 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2019 
  20. «Azarov creates group for bridging the Kerch Strait». Kyiv Post (em inglês). 9 de agosto de 2010. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  21. «Russia, Ukraine to construct bridge across Kerch Strait». Kyiv Post (em inglês). 26 de novembro de 2010. Consultado em 14 de dezembro de 2010 
  22. Украина выбрала северный вариант моста через Керченский пролив [A Ucrânia escolheu a versão norte da ponte sobre o estreito de Kerch]. Kavkaz Uzel (em russo). 11 de abril de 2011. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  23. «Автодор» приступает к подготовке проекта моста через Керченский пролив Читайте далее [«Avtodor» começa a preparar um projeto de uma ponte sobre o estreito de Kerch]. Vedomosti (em russo). 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 3 de março de 2014. Arquivado do original em 29 de maio de 2014 
  24. Глава Минтранса: Россия приостановила переговоры с Украиной по проекту Керченского моста [Ministro do Ministério dos Transportes [russo]: Rússia suspendeu negociações com a Ucrânia sobre o projeto da ponte no estreito de Kerch]. TASS (em russo). 28 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  25. «Medvedev Signs Decree Creating Contractor for Kerch Strait Bridge Project». The Moscow Times (em inglês). 3 de março de 2014. Consultado em 4 de março de 2014 
  26. Объявлен конкурс на инженерные изыскания по строительству Керченского моста [Foi anunciado um concurso de pesquisas de engenharia para a construção da ponte de Kerch]. ТАСС (em russo). 18 de março de 2014. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  27. «Request on proposals on the engineering design of the Kerch Strait Bridge, Contest Documentation» (PDF). zakupki.gov.ru (em russo). pp. 20–23. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  28. a b Walker, Shaun (31 de agosto de 2017). «Russia's bridge link with Crimea moves nearer to completion». The Guardian (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2018 
  29. Herszenhorn, David M. (19 de março de 2014). «Dependence on Russia Is Likely to Leave Region's Economy in a Precarious State». The New York Times (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2018. The process is also fraught with risks, including the possibility that the Ukrainian government could move to further isolate the geographically remote peninsula by shutting vital transportation lines. There is no overland transportation link between Russia and Crimea, and building a bridge across the shortest waterway, near the Crimean city of Kerch, would take years and cost an estimated $3 billion to $5 billion 
  30. Roth, Andrew (15 de maio de 2018). «Putin opens 12-mile bridge between Crimea and Russian mainland». The Guardian (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2018 
  31. Peterson, Nolan (18 de maio de 2018). «Russia Makes Bold Move to Try to Solidify Control Over Crimea». The Daily Signal (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  32. Как всего за два года был построен Крымский мост [Como a ponte da Crimeia foi construída em apenas dois anos]. Vedomosti (em russo). Consultado em 18 de novembro de 2019 
  33. «Russia to Build Bridge to Crimea». RIA Novosti (em inglês). 19 de março de 2014. Consultado em 22 de março de 2014. Arquivado do original em 22 de março de 2014 
  34. «Kerch Strait bridge to be built ahead of schedule – deputy minister». ITAR–TASS (em inglês). 19 de março de 2014. Consultado em 22 de março de 2014 
  35. «Ukraine conflict: Putin ally to build bridge to Crimea». BBC News (em inglês). 30 de janeiro de 2015. Consultado em 30 de janeiro de 2015 
  36. «Ukraine withdraws from Kerch Strait bridge project with Russia». ITAR–TASS (em inglês). 1 de outubro de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  37. «Ukraine-Russia sea clash: Who controls the territorial waters around Crimea?». BBC News (em inglês). 27 de novembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  38. «Statement of the Ministry of Foreign Affairs of Ukraine on the unlawful launch of the Kerch Strait bridge by the Russian Federation» (PDF). United Nations Documents (em inglês). 25 de maio de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  39. Киев считает противоправным введение РФ запрета на судоходство через Керченский пролив [Kiev considera que a introdução de uma restrição de navegação no estreito de Kerch pela Federação Russa é ilegal]. Interfax-Ukraine (em russo). 11 de agosto de 2017. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  40. «Statement by the delegation of Ukraine at the 28th meeting of States Parties to the UNCLOS». Permanent Mission of Ukraine to the United Nations (em inglês). 12 de junho de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  41. Stubbs, Jack; Torbati, Yeganeh (2 de setembro de 2016). «U.S. imposes sanctions on 'Putin's bridge' to Crimea». Reuters (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2019 
  42. «Ukraine: EU adds six entities involved in the construction of the Kerch Bridge connecting the illegally annexed Crimea to Russia to sanctions list». Concelho Europeu (em inglês). 31 de julho de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  43. «United Nations General Assembly Resolution 73/194 "Problem of the militarization of the Autonomous Republic of Crimea and the city of Sevastopol, Ukraine, as well as parts of the Black Sea and the Sea of Azov"». United Nations Documents (em inglês). 23 de janeiro de 2019. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  44. «General Assembly Adopts Resolution Urging Russian Federation to Withdraw Its Armed Forces from Crimea, Expressing Grave Concern about Rising Military Presence». United Nations. Meetings Coverage and Press Releases (em inglês). 17 de dezembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  45. «United Nations General Assembly Resolution 74/17 "Problem of the militarization of the Autonomous Republic of Crimea and the city of Sevastopol, Ukraine, as well as parts of the Black Sea and the Sea of Azov"». United Nations Documents (em inglês). 13 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  46. «Russia Defends Opening of Crimea Bridge Against U.S. Criticism». The Moscow Times (em inglês). 16 de maio de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  47. Концерт к открытию Крымского моста [Concerto para a inauguração da ponte da Crimeia]. Piervy Kanal (em russo). 19 de maio de 2018. Consultado em 26 de abril de 2019 
  48. Крымский мост. Сделано с любовью!. Central Partnership (em russo). Consultado em 2 de novembro de 2018. Arquivado do original em 7 de novembro de 2018 
  49. № 2403. Крымский мост [Nº 2403. Ponte da Crimeia]. JSC “MARKA” (em russo). 6 de novembro de 2018. Consultado em 10 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2018 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma ponte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.