Pontormo

pintor italiano

Jacopo Carucci, geralmente chamado Jacopo da Pontormo, Jacopo Pontormo ou simplesmente Pontormo (Empoli, 24 de maio de 1494Florença, 2 de janeiro de 1557) foi um pintor maneirista italiano da Escola Florentina. Era famoso pelo uso de poses contorcidas, perspectiva distorcida e cores marcadamente incomuns e peculiares.

Pontormo
Pontormo
Nascimento 24 de maio de 1494
Empoli
Morte 31 de dezembro de 1556
Florença
Cidadania Itália
Progenitores
  • Bartolommeo di Jacopo di Martino
Ocupação pintor, desenhista
Obras destacadas Visitação, Vertumnus and Pomona, Pucci Altarpiece, A Deposição
Movimento estético maneirismo

Biografia

editar

Jacopo Carucci nasceu em Pontorme, perto de Empoli. A sua casa ainda sobrevive e é um museu, na Via Pontorme 97[1]

Foi aprendiz de Leonardo da Vinci, Mariotto Albertinelli, Piero di Cosimo, e finalmente em 1512, de Andrea del Sarto.

 
José no Egito, 1515–1518; Óleo sobre madeira; 96 x 109 cm; Galeria Nacional, Londres

Pontormo pintou somente em Florença, com o patrocínio da Família Médici. Pintou afrescos de pastores e campos, um gênero quase incomum na pintura de Florença. Em 1522, com a peste em Florença, Pontormo partiu para Certosa di Galuzzo, um monastério da Ordem dos Cartuxos, onde pintou uma série de afrescos.

O grande altar construído por Brunelleschi para a Capela Capponi, na Igreja de Santa Felicita, em Florença, é considerada sua obra-prima. A Galeria Uffizi abriga outra de suas obras-primas, a Ceia em Emaús, junto com vários retratos, realizados com proporções Maneiristas.

Muitas de suas obras foram perdidas ou danificadas, incluindo O Julgamento Final, um afresco que ocupou a última década de sua vida, e que mantinha escondido de outras pessoas. Segundo relatos, sua visão do Juízo Final era um pântano de figuras contorcidas, que tinha um efeito quase alucinógeno. Na obra, Pontormo foi contra a tradição pictórica e cristã da época, colocando Deus aos pés de Cristo, uma ideia que Vasari classificou como perturbadora.

Seu estilo era semelhante ao de Bronzino, ao mesmo tempo que compartilhava o Maneirismo de Rosso Fiorentino e Parmigianino. De alguma forma, antecipou o Barroco e as tensões de El Greco.

 
Da luneta de Vertumnus e Pomona, 1520–21

Avaliação crítica e legado

editar

A Vida de Pontormo, de Vasari, retrata-o como retraído e mergulhado em neurose enquanto está no centro dos artistas e mecenas de sua vida. Esta imagem de Pontormo tende a colorir a concepção popular do artista, como se vê no filme de Giovanni Fago, Pontormo, um amor herético. Fago retrata Pontormo atolado em uma dedicação solitária e, em última análise, paranoica ao seu projeto final de Juízo Final, que ele muitas vezes manteve protegido dos espectadores. No entanto, como a historiadora de arte Elizabeth Pilliod apontou, Vasari estava em competição feroz com a oficina Pontormo/Bronzino no momento em que ele estava escrevendo suas Vidas dos Mais Excelentes Pintores, Escultores e Arquitetos. Essa rivalidade profissional entre os dois bottegapoderia muito bem ter fornecido a Vasari uma ampla motivação para atropelar a linhagem artística de seu oponente pelo patrocínio de Médici.[2]

 
A Deposição da Cruz, 1525–1528

Talvez como resultado do escárnio de Vasari, ou talvez por causa dos caprichos do gosto estético, a obra de Pontormo ficou fora de moda por vários séculos. O fato de que muito de sua obra foi perdida ou severamente danificada é uma prova dessa negligência, embora ele tenha recebido atenção renovada dos historiadores da arte contemporânea. De fato, entre 1989 e 2002, o Retrato de um Halberdier de Pontormo (à direita), detinha o título de pintura mais cara do mundo por um Velho Mestre.[2]

Independentemente da veracidade do relato de Vasari, é certamente verdade que as idiossincrasias artísticas de Pontormo produziram um estilo que poucos foram capazes (ou dispostos) a imitar, com exceção de seu pupilo mais próximo, Bronzino. O trabalho inicial de Bronzino é tão próximo ao de seu professor, que a autoria de várias pinturas das décadas de 1520 e 30 ainda está em disputa – por exemplo, os quatro tondi contendo os evangelistas na Capela Capponi.[2]

Pontormo compartilha um pouco do maneirismo de Rosso Fiorentino e de Parmigianino. De certa forma, ele antecipou o barroco, bem como as tensões de El Greco. Suas excentricidades também resultaram em um sentido original de composição. Na melhor das hipóteses, suas composições são coesas. As figuras do depoimento, por exemplo, parecem apoiar-se mutuamente: a remoção de qualquer uma delas causaria o colapso do edifício. Em outras obras, como nas telas de Joseph, a aglomeração faz uma confusão pictórica. É nos desenhos posteriores que vemos uma graciosa fusão de corpos em uma composição que inclui a moldura oval de Jesus no Juízo Final.[2]

Obras perdidas ou danificadas

editar
 
Cristo e a Criação de Eva
 
Estudo para Dilúvio
 
Morto no Juízo Final

Muitas das obras de Pontormo foram danificadas, incluindo as lunetas para o claustro no mosteiro cartuxo de Galluzo. Eles agora são exibidos dentro de casa, embora em seu estado danificado.

Talvez o mais trágico seja a perda dos afrescos inacabados para o coro da Basílica de San Lorenzo, Florença, que consumiu a última década de sua vida.  Seus afrescos retratavam um dia do Juízo Final composto por um inquietante pântano de figuras contorcidas. Os desenhos restantes, mostrando uma bizarra e mística fita de corpos, tiveram um efeito quase alucinatório. A pintura de figuras florentinas tinha principalmente figuras lineares e escultóricas. Por exemplo, o Cristo no Juízo Final de Michelangelo na Capela Sistina é um enorme bloco pintado, severo em sua ira; em contraste, o Jesus de Pontormo no Juízo Final torce sinuosamente, como se ondulasse pelos céus na dança da finalidade última. Anjos rodopiam sobre ele em poses ainda mais serpentinas. Se a obra de Pontormo da década de 1520 parecia flutuar em um mundo pouco tocado pela força gravitacional, as figuras do Juízo Final parecem ter escapado completamente e flutuado pelo ar rarefeito.[3]

Em seu Juízo Final, Pontormo foi contra a tradição pictórica e teológica ao colocar Deus Pai aos pés de Cristo, em vez de acima dele, uma ideia que Vasari achou profundamente perturbadora:

Mas nunca consegui entender o significado dessa cena, ... Quero dizer, o que ele poderia ter pretendido significar naquela parte em que há Cristo no alto, ressuscitando os mortos, e abaixo de Seus pés é Deus, o Pai, que está criando Adão e Eva. Além disso, em um dos cantos, onde estão os quatro evangelistas, nus, com livros nas mãos, não me parece que em um único lugar ele tenha pensado em qualquer ordem de composição, ou medida, ou tempo, ou variedade nas cabeças, ou diversidade nas cores da carne, ou, em uma palavra, a qualquer regra, proporção ou lei de perspectiva, pois toda a obra está cheia de figuras nuas com uma ordem, design, invenção, composição, coloração e pintura inventadas à sua própria maneira...

Antologia de obras

editar

Primeiras obras (até 1521)

editar
Pintura Data Local
Leda e o Cisne (atribuição incerta) 1512–1513 Galeria Uffizi, Florença
Apolo e Dafne 1513 Museu de Arte do Colégio Bowdoin, Brunswick, Maine
Conversa Sagrada 1514 Capela de San Luca, Santissima Annunziata, Florença
Madona e Menino com o Menino São João Batista c. 1514 Whitfield Fine Art, Londres
Episódio da Vida Hospitalar 1514 Accademia, Florença
Verônica e a Imagem 1515 Capela dos Médici, Santa Maria Novella, Florença
Visitação 1514–1516 Santissima Annunziata, Florença
Dama com Cesta de Fusos (atribuída a Andrea del Sarto) 1516–1517 Galeria Uffizi, Florença
Painéis de cama de casamento para Pier Francesco Borgherini. (Outros dois de Francesco Bacchiacca)
José se revela a seus irmãos 1516–1517 National Gallery, Londres
José vendido a Potifar 1516–1517 National Gallery, Londres
Irmãos de José Imploram por Ajuda 1515 National Gallery, Londres
Faraó com seu mordomo e padeiro 1516–1517 National Gallery, Londres
Joseph em Egito 1517–1518 National Gallery, Londres
*São Quentin (Também atribuído a Giovanni Maria Pichi) 1517 Pinacoteca comunale, Sansepolcro
Retrato de Furrier 1517–1518 Louvre, Paris
São Jerônimo e São Francisco 1518 Whitfield Fine Art, Londres
Retábulo Pucci 1518 San Michele Visdomini, Florença
Retrato do Músico 1518–1519 Galeria Uffizi, Florença
Santo Antônio Abbott 1518–1519 Galeria Uffizi, Florença
Retrato de Cosme, o Velho 1518–1519 Galeria Uffizi, Florença
João Evangelista e o Arcanjo Gabriel 1519 Igreja de S. Michele, Empoli
Adoração dos Reis Magos 1519–1521 Palazzo Pitti, Florença
Vertumnus e Pomona 1519–1521 Vila Médici, Poggio a Caiano
Estudo da Cabeça do Homem (Desenho) Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque
Retrato de Gentleman com livro e luvas 1540-1541 Coleção Cerruti, Castello di Rivoli Museo d'Arte Contemporanea, Rivoli- Turim

Obras maduras (1522-30)

editar
Pintura Data Local
Maria e Menino com Quatro Santos 1520–1530 Museu Metropolitano, Nova Iorque
Retrato de dois amigos c. 1522 Fondazione Giorgio Cini, Veneza
Madonna com Criança e Dois Santos (Bronzino?) c. 1522 Galeria Uffizi, Florença
Sagrada Família com São João 1522–1524 Museu Hermitage, São Petersburgo
Madona com Menino e São João (Atribuído a Rosso Fiorentino) 1523–1525 Galeria Uffizi, Florença
Oração em Gesthemane (cópias de Jacopo da Empoli) 1523–1525 Certosa di Galluzzo
Caminhada ao Calvário 1523–1525 Certosa di Galluzo
Cristo diante de Pilatos 1523–1525 Certosa di Galluzzo
Deposição 1523–1525 Certosa di Galluzzo
Ressurreição 1523–1525 Certosa di Galluzzo
Ceia em Emaús 1525 Galeria Uffizi, Florença
Estudo de um Monge Cartuxo (Desenho) 1525 Galeria Uffizi, Florença
Madona e criança e dois anjos 1525 Museu de Arte de São Francisco, São Francisco
Retrato do jovem na cor rosa 1525–1526 Pinacoteca Communale, Lucca
Tabernáculo de San Giuliano, Boldrone, Crucifixo com Madonna e São João e Sant'Agostino 1525–1526 Accademia, Florença
Nascimento de São João Batista 1526 Galeria Uffizi, Florença
Penitente São Jerônimo 1526–1527 Museu do Estado da Baixa Saxônia, Hanôver
Madonna com Criança e São João (Bronzino?) 1526–1528 Palazzo Corsini, Florença
Madonna com Criança & São João 1527–1528 Galeria Uffizi, Florença
Mateus, Lucas, João (Marcos pintado por Bronzino) 1525–1526 Santa Felicita, Capela Capponi, Florença.
Deposição 1526–1528 Santa Felicita, Capela Capponi, Florença.
Anunciação 1527–1528 Santa Felicita, Capela Capponi, Florença
Retrato de Francesca Capponi, como Santa Maria Madalena 1527–1528 Whitfield Fine Art, Londres
Visitação 1528–1529 Igreja de San Francesco e Michele, Carmignano
Virgem e Menino com Sant'Ana e Quatro Santos 1528–1529 Museu do Louvre, Paris
Retrato de um Halberdier 1528–1530 Museu J. Paul Getty, Los Angeles
Os Dez Mil Mártires 1529–1530 Palazzo Pitti, Florença
Retrato de um homem em um boné vermelho 1530 National Gallery, Londres

Obras tardias (depois de 1530)

editar
Pintura Data Local
Martírio de San Maurizio e as Legiões Tebanas (Pontormo & Bronzino) 1531 Galeria Uffizi, Florença
Noli me Tangere (Bronzino?) 1531 Casa Buonarroti, Florença
Retrato da senhora em vermelho com filhote, (Bronzino?) 1532–1533 Städelsches Kunstinstitut, Frankfurt
Vênus e Cupido 1532–1534 Galleria dell'Accademia, Florença
Retrato de Alessandro de' Medici antes de dezembro de 1535 Museu de Arte da Filadélfia, Filadélfia
Retrato de Alessandro de' Medici c. 1534–1535 Instituto de Arte de Chicago, Chicago
Expulsão de Adão e Eva c. 1535 Galeria Uffizi, Florença
Estudo para as Três Graças (Desenho) 1535 Galeria Uffizi, Florença
Retrato de Maria Salviati de' Medici e Giulia de' Medici (Pintura) c. 1539 Museu de Arte Walters, Baltimore
Retrato de Niccolò Ardinghelli Galeria Nacional, Washington, D.C.
Retrato de Maria Salviati 1543–1545 Galeria Uffizi, Florença
Cena do sacrifício c. 1545 Museu Capodimonte, Nápoles
Meu Livro (Diário de Pontormo)) 1554–1556 Biblioteca Nacional, Florença
Retrato de Pontormo (Bronzino)
São Francisco (Desenho) Museu de Belas Artes, Boston
San Lorenzo (desenhos animados a fresco)

Ver também

editar

Referências

  1. «Casa Pontormo» 
  2. a b c d Ver "An Introduction to Vasari's Story" em Pontormo, Bronzino e Allori: A Genealogy of Florentine Art (New Haven, CT: Yale University Press, 2001).
  3. Still visible to the traveller Lassel in his travels through Italy, published 1698 [1], page 105.

Leitura adicional

editar
  • Krystof, Doris. Joseph Carrucci, known as Pontormo 1494–1557. Köln: Konemann, 1988. ISBN 3-8290-0254-8
  • Keener, Chrystine. (2021). Pontormo's lost frescoes at San Lorenzo: political propaganda and dynastic symbolism /.

Ligações externas

editar
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Pontormo