Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Porsche, veja Porsche (desambiguação).
O Porsche 804, que obteve a única vitória da equipe Porsche na Fórmula 1, no Grande Prêmio da França de 1962.

A Porsche ingressou na Fórmula 1 com uma equipe própria na temporada de 1961, mas a equipe não alcançou o sucesso desejado, conseguindo apenas uma vitória. Ela saiu da categoria máxima do automobilismo mundial em 1962.

HistóriaEditar

ComeçoEditar

Apesar de Ferdinand Porsche ter desenhado carros para disputar as competições de Grandes Prêmios nas décadas de 1920 e 1930 para Mercedes e Auto Union, a Porsche AG nunca se sentiu a vontade em categorias de monoposto.

No final da década de 1950, o Porsche 718 RSK, um carro esportivo de dois lugares, foi inserido nas corridas de Fórmula 2, já que as regras permitiam isso, e os tempos de volta foram promissores. O 718 foi modificado pela primeira vez, movendo o assento para o centro do carro e, posteriormente, foram construídos as rodas abertas adequadas. Esses carros de 1500 cc tiveram algum sucesso. Os antigos carros de Fórmula 2 foram transferidos para a Fórmula 1 em 1961, onde o projeto ultrapassado da Porsche não foi competitivo. Para a temporada de 1962, um Porsche 804, de primeira geração e elegante, desenvolvido recentemente, alcançou a única vitória da Porsche como construtor em uma corrida do Campeonato Mundial de Fórmula 1, conquistada por Dan Gurney no Grande Prêmio da França de 1962.[1] Uma semana depois, ele repetiu o sucesso na frente da multidão doméstica da Porsche em Stuttgart em uma corrida não válida para o Campeonato. No final da temporada, a Porsche retirou-se da categoria devido aos altos custos, apenas tendo adquirido a fábrica de Reutter. A Volkswagen e as filiais alemãs de fornecedores não tiveram interesse em um compromisso Fórmula 1, pois esta categoria estava muito longe dos carros de rua. Os competidores privados continuaram a usar o Porsche 718 desatualizado na Fórmula 1 até a temporada de 1964.

Fornecedora de motoresEditar

 Ver artigo principal: Motores Porsche na Fórmula 1
 
O McLaren MP4/2 utilizava o motor TAG-Porsche.

Tendo sido muito bem-sucedido com os carros com turbo na década de 1970, a Porsche retornou à Fórmula 1 em 1983, depois de quase duas décadas de ausência, mas desta vez como fabricante de motor, fazendo o motor a pedido da TAG. Os motores TAG-Porsche eram utilizados pela equipe McLaren, e obtiveram um certo sucesso, levando a equipe McLaren a dois títulos de construtores (1984 e 1985) e três títulos de pilotos (1984, 1985 e 1986). Em 1987 abandona mais uma vez a categoria.

Em 1991 volta a fornecer motores, desta vez para a equipe Footwork, porém não se mostra um motor competitivo pois o orçamento permitido pela equipa não permitia grande desenvolvimento, conseguindo apenas um ponto na temporada e decretando assim a saída definitiva da Porsche na Fórmula 1.

ResultadosEditar

Ano Chassis Motor Pneus Pilotos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Pontos Posição final
1961 718
787
547/6 1.5 F4 D MON PBS BEL FRA GBR ALE ITA EUA 22 (23)
  Jo Bonnier 12 11 7 7 5 NC Ret 6
  Dan Gurney 5 10 6 2 7 7 2 2
  Hans Herrmann 9 13
  Edgar Barth WD
1962 718
804
753 1.5 F8
547/6 1.5 F4
D PBS MON BEL FRA GBR ALE ITA EUA RSA 18 (19)
  Jo Bonnier 7 5 WD 10 Ret 7 6 13
  Dan Gurney Ret Ret 1 9 3 13 5
  Phil Hill DNS

Referências

  1. «Curiosidades da F-1». Super Speedway. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  Este artigo sobre Fórmula 1 é um esboço relacionado ao projeto sobre Fórmula 1. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.