Abrir menu principal
Porta da Esperança
Informação geral
Formato Programa de auditório
País de origem  Brasil
Idioma original {{{idioma}}}
Produção
Apresentador(es) Silvio Santos
Tema de abertura "In The Stone" - Earth, Wind & Fire
Tema de encerramento "Entends-tu Les Chiens Aboyer" - Vangelis
Exibição
Emissora de televisão original Brasil SBT
Transmissão original 1984 - 1996

Porta da Esperança foi um programa de televisão brasileiro apresentado por Silvio Santos e exibido pelo SBT aos domingos, entre 1984 e 1996. Era um quadro do Programa Sílvio Santos e era exibido por volta das 18h da tarde.

ConteúdoEditar

O quadro baseava-se na assistência aos telespectadores, sendo considerado o primeiro programa assistencialista da televisão brasileira, servindo de modelo para outros programas[1].

O apresentador convidava os telespectadores a enviar uma carta contando suas necessidades (como uma ferramenta de trabalho, um carro, uma casa), desejos (como uma viagem, um quimono, um instrumento musical), ou até mesmo reencontrar alguém desaparecido ou conhecer algum artista famoso. As milhares de cartas recebidas passavam por uma triagem dos produtores do programa, sendo que algumas dessas cartas eram enviadas para outras celebridades da emissora, como o jornalista e apresentador Boris Casoy.

Os telespectadores cujos casos eram selecionados, eram convidados a ir gravar o programa, onde suas vidas eram apresentadas e o pedido justificado, na esperança de ter a solicitação realizada. O apresentador do programa mantinha suspense sobre esse acontecimento, até a hora do clímax, quando Sílvio Santos dizia o seu clássico bordão:

Assim que Sílvio Santos dizia essa frase, duas portas de correr abriam, abrindo para onde estaria um empresário benemérito (ou outros) que apadrinharia o desejo e a necessidade do participante.

O programa apresentava 3 histórias, em três blocos de dez minutos. No encerramento do programa, aparecia uma vinheta com a imagem de um ator no papel de Jesus Cristo, e as seguintes palavras, na voz do dublador Carlos Campanile, com o fundo musical Entends-tu Les Chiens Aboyer, de Vangelis:

Essa vinheta voltou a ser exibida na madrugada de 11 para 12 de março de 2019, no final do primeiro programa da 6ª temporada do The Noite com Danilo Gentili, intitulado The Noite Awards.

ResultadosEditar

Grande parte dos pedidos eram atendidos pelo programa. Aqueles não atendidos poderiam voltar a participar, se desejassem, enviando novas cartas. Houve participantes que gravaram mais de um programa.

O quadro nunca chegou à liderança de audiência, mas foi um dos maiores sucessos realizados por Silvio Santos.

Término e sucessoresEditar

O quadro deixou de ser exibido em 1996, ainda que o Programa Silvio Santos tenha continuado no ar até hoje. Posteriormente, houve na televisão diversos programas comerciais de caráter assistencialista, porém com quadros e formatos diferentes, como no Programa do Ratinho (Voltando pra Casa), Show da Gente (Um Dia de Princesa), Domingo Legal (De Volta para Minha Terra e Construindo um Sonho), Programa do Gugu (Sonhar mais um Sonho e De Volta pro Meu Aconchego), Caldeirão do Huck (Lar Doce Lar e Lata Velha), O Melhor do Brasil (Hora da Virada e Confesso Que Vivi) dentre outros.

Em janeiro de 2016 estava previsto o retorno da atração agora como quadro dentro do Programa do Ratinho, comandado pelo apresentador Ratinho às quartas[2]. Porém a continuidade do projeto foi barrada por Silvio Santos[3].

Referências

  1. ALMEIDA JÚNIOR, Ataíde de (19 de outubro de 2014). «Programa Porta da esperança emocionava e ajudava participantes». Divirta-se Mais. Consultado em 11 de de dezembro de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «Clássico de Silvio Santos, "Porta da Esperança" volta ao SBT em janeiro». UOL. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 9 de dezembro de 2015 
  3. «SBT desiste de relançar "Porta da Esperança", sucesso de Silvio Santos». UOL. 5 de janeiro de 2016. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.