Abrir menu principal

Artigo selecionado

Mumbai 03-2016 30 Gateway of India.jpg

O Portal da Índia (em inglês: Gateway of India) é um monumento situado na cidade indiana de Bombaim, construído durante o período colonial britânico (Raj). É um arco do triunfo de basalto, com 26 metros de altura, situado à beira do mar Arábico e de Mumbai Harbour (Front Bay), na zona sul da cidade (South Mumbai), especificamente em Apollo Bunder (Wellington Pier), Colaba, no fim da Chhatrapati Shivaji Marg.

A zona era um molhe simples usado por pescadores que foi renovado e usado como local de desembarque dos governadores britânicos e outras personalidades proeminentes. No passado era a primeira estrutura avistada por quem chegasse de barco a Bombaim. O monumento, por vezes alcunhado Taj Mahal de Bombaim, e é a principal atração turística da cidade.

Foi erigido para comemorar o desembarque do rei Jorge V do Reino Unido e da sua esposa, a rainha Maria, aquando da sua visita à Índia em 1911. Construído em estilo indo-sarraceno, a cerimónia de colocação da primeira pedra ocorreu em 31 de março de 1911, mas o desenho final, da autoria de George Wittet, só foi aprovado em 1914. A construção foi concluída em 1924. A partir de então, o monumento passou a ser a entrada cerimonial da Índia para os vice-reis e governadores de Bombaim.




Bandeira da Índia.

A Bandeira Nacional da Índia foi aprovada na sua forma atual durante uma reunião ad hoc da Assembleia Constituinte realizada em 22 de julho de 1947, vinte e dois dias antes da independência indiana do Império Britânico em 15 de agosto. Ela foi usada como bandeira nacional do Domínio da Índia entre 15 de agosto de 1947 e 26 de janeiro de 1950 e, logo após, da República da Índia. Na Índia, o termo "tricolor" quase sempre é utilizado para referir-se a sua bandeira nacional.

A bandeira nacional, adotada em 1947, baseia-se na do Congresso Nacional Indiano, desenhada por Pingali Venkayya. A bandeira é um tricolor horizontal: "açafrão escuro" no topo, branco no meio e verde na parte inferior. No centro, há uma roda azul-marinho com vinte e quatro raios, conhecida como Ashoka Chakra, extraída do Capitel do Leão de Asoca erguido em cima do Pilar de Asoca em Sarnath. O diâmetro desse Chacra é três-quartos da altura da faixa branca. A relação da largura da bandeira para o seu comprimento é 2:3. Ela é também a bandeira de guerra do exército da Índia, hasteada diariamente em instalações militares indianas.




Francisco de Almeida foi o primeiro militar português a navegar pelo porto de Bombaim em 1508.

O domínio português sobre a região atualmente ocupada por Bombaim, a capital financeira da Índia e uma das cidades mais populosas do mundo, teve início em 1535 e terminou formalmente em 1665, embora algumas partes só tenham deixado de ser administradas por portugueses em 1737. Quando os portugueses chegaram à região, situada na costa do mar da Arábia, o local onde hoje se encontra a cidade era constituído por um arquipélago de sete ilhas. Entre os séculos III a.C. e XIV d.C., essas ilhas estiveram sob o controlo de sucessivas dinastias hindus; foram anexadas em 1348 pelo soberano muçulmano de Guzarate, que já controlava há algumas décadas Baçaim e o que é hoje Thane (conhecida como Tana pelos portugueses). Mais tarde, entre 1391 e 1534, as ilhas fizeram parte do Sultanato de Guzarate.

Devido à crescente ameaça colocada pelo poderio do imperador mogol Humaium (r. 1530–1556), o sultão Badur Xá de Guzarate (r. 1526–1537) viu-se obrigado a assinar o Tratado de Baçaim com os portugueses em 23 de dezembro de 1534. Nos termos deste tratado, as sete ilhas de Bombaim, a cidade vizinha estratégica de Baçaim (Vasai) e as suas dependências eram oferecidas a Portugal, o que aconteceu em 25 de outubro de 1535. O arquipélago teve vários nomes em português, até que finalmente se estabilizou a forma Bombaim. Durante o período português, as ilhas foram arrendadas a vários oficiais portugueses.




Radha-Krishna chess.jpg

O Xadrez na Índia refere-se à contribuição da Índia na história do xadrez que remonta ao século VI, durante o Império Gupta. O país é considerado pela maioria dos historiadores como o berço do chaturanga, a variante reconhecidamente mais antiga do xadrez moderno. Antes do século VI, não existem evidências suficientes para comprovar o emprego da palavra chaturanga no sentido do jogo, pois a palavra também significa a composição do exército indiano da época com bigas, elefantes, cavalos e a infantaria. Menções explícitas descrevendo o jogo na Índia surgiram somente no século IX, porém o poema persa Épica dos Reis relata a chegada do Chatrangue à Pérsia vindo de um reino a oeste, o qual considera-se ser no noroeste da Índia.

Não existem evidências arqueológicas na Índia anteriores ao século IX, sendo impossível datar com precisão quando o jogo surgiu no subcontinente indiano. Entretanto, os relatos persas datados de períodos anteriores e a proximidade de achados arqueológicos no Irã e Uzbequistão mantém a Índia como uma forte candidata a ser o país de origem do xadrez e os arqueólogos indianos ainda esperam encontrar provas que validem esta teoria.




Darjeeling Himalayan Railway.jpg

O transporte ferroviário na Índia é um modo de transporte a longa distância que consiste em operações ferroviárias manipuladas quase sempre por uma empresa estatal, a Indian Railways, sob controle do Ministério Federal da Ferrovia. A rede ferroviária cobre todo o comprimento e largura do país, abrangendo uma extensão total de 63 140 quilômetros (39 234 milhas). Diz-se de ser a segunda maior rede ferroviária do mundo, o transporte de mais de 5 bilhões de passageiros e mais de 350 milhões de toneladas de carga anualmente. As suas operações abrangem 28 estados e 3 territórios da união além de prestar serviços limitados ao Nepal, Bangladesh e Paquistão.

As ferrovias foram introduzidas na Índia em 1853, e na época da Independência da Índia em 1947 tinham crescido a quarenta e dois sistemas ferroviários. Em 1951 os sistemas foram nacionalizados como uma unidade — a Indian Railways — para formar uma das maiores redes do mundo. Locomotivas fabricadas em diversos lugares da Índia recebem códigos que especificam as suas bitolas, tipo de potência e o tipo de operação. Semáforos coloridos são usados como sinais, mas em algumas zonas remotas de operação ainda são utilizados os sinais mecânicos mais primitivos. As classes de acomodações vão desde geral até primeira classe AC. Os trens são classificados de acordo com a velocidade e área de operação. Muitos trens são oficialmente identificados por um código de quatro dígitos, embora muitos são vulgarmente conhecido por nomes exclusivos. O sistema de bilheteria foi informatizado em grande escala, e os bilhetes são encontrados tanto na categoria por reserva como não reservados.




Taj Majal significa "Coroa de Mahal".

Taj Mahal (em hindi ताज महल, persa تاج محل) é um mausoléu situado em Agra, na Índia, e o mais conhecido dos monumentos do país. Encontra-se classificado pela UNESCO como Património da Humanidade. Foi recentemente anunciado como uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo Moderno em uma celebração em Lisboa no dia 7 de Julho de 2007.

A obra foi construída entre 1630 e 1652, com a força de cerca de 22 mil homens trazidos de várias cidades do Oriente, para trabalhar no sumptuoso monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal ("A Jóia do Palácio"). Ela morreu após dar à luz o 14º filho, tendo o Taj Mahal sido construído sobre seu túmulo, junto ao rio Yamuna. Todos os pormenores do edifício mostram a sua natureza romântica e o conjunto promove uma estética esplêndida.

Assim, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão. É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúli entre outras. A sua cúpula é costurada com fios de ouro. O edifício é flanqueado por duas mesquitas e cercado por quatro minaretes.