Abrir menu principal
Heraldic Royal Crown (Common).svg Bem-vindo ao Portal da Monarquia


 ver·editar Monarquia
French heraldic crowns - King.svg

Monarquia é uma forma de governo em que o chefe de Estado mantém-se no cargo até a morte ou a abdicação, sendo normalmente um regime hereditário. O chefe de Estado dessa forma de governação recebe o nome de monarca (Normalmente com o título de Rei ou Rainha) e pode também muitas vezes ser o chefe do governo. A ele, o ofício real de governo, é sobretudo o de reger e coordenar a administração da nação, em vista do bem comum em harmonia social.

O monarca quase nunca deteve poderes ilimitados, como muitas vezes é pensado. Foi num período muito curto que houve monarquias absolutas. Hoje em dia a grande maioria da monarquias são monarquias constitucionais, que lhes dá quase nenhum poder de governação do seu país, que é exercido por um primeiro-ministro.

Apesar da chefia do Estado hereditária ser a característica mais comum das monarquias, existem na história inúmeros casos de monarquias electivas, tais como a do milenar Sacro Império Romano-Germânico, a República das Duas Nações (república aristocrática, precursora da ideia de Monarquia Constitucional), e os atuais Vaticano, Andorra, Camboja, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Malásia, Suazilândia, não sendo consideradas repúblicas.

 ver·editar Artigo selecionado
Concilio Trento Museo Buonconsiglio.jpg

Monarquia eletiva é uma forma de governo na qual o monarca desempenha o seu cargo por toda a vida e o seu sucessor é eleito por um conselho através de votação. Este sistema de sucessão foi praticado durante a Idade Média, representando uma evolução do modelo germânico. Na monarquia visigótica encontramos exemplos disso. O rei era eleito por um conselho composto pelos príncipes ou grandes responsáveis eleitores. Depois da escolha, o novo monarca devia jurar as capitulações governativas, que continham as condições impostas pelo conselho eleitoral para o monarca exercer o poder. Este sistema ainda vigora atualmente em alguns estados, como por exemplo, no Vaticano, onde o Colégio de Cardeais escolhe um novo Papa. Na Roma Antiga, os reis eram eleitos pelas Assembleias. O Sacro Império Romano-Germânico foi outro exemplo disso, no qual o Imperador era eleito por um pequeno conselho de nobres chamados de príncipes-eleitores.

 ver·editar Monarca selecionado
The King of Jordan in 2013.jpg

Abdullah II (em árabe: عبدالله الثاني بن الحسين; Amã, 30 de janeiro de 1962) é o Rei da Jordânia desde 1999. É o filho mais velho do rei Hussein com sua segunda esposa a britânica Antoinette Avril Gardiner, sendo membro da Casa de Hachemita, que governa a Jordânia desde 1946 e afirma ser descendente do profeta islâmico Maomé. Abdullah nasceu em 1962 e foi nomeado Príncipe Herdeiro pouco depois de seu nascimento, porém o rei transferiu o título para seu irmão o príncipe Hassan em 1965, devolvendo-o para Abdullah em 1999 pouco antes de sua morte. Ele é casado com Rania Al-Yassin, com que têm quatro filhos: Hussein, Príncipe Herdeiro, Iman, Salma e Hashem.

 ver·editar Membro da realeza selecionado
Prince Carl Philip in January 2014.jpg

Carlos Filipe Edmundo Bertil (Estocolmo, 13 de maio de 1979) é o segundo filho, o único menino, do rei Carlos XVI Gustavo da Suécia e sua esposa a rainha Sílvia Sommerlath. Nascido como príncipe herdeiro, ele sete meses depois foi passado por sua irmã mais velha Vitória na linha de sucessão quando a Suécia adotou o príncipio da primogenitura absoluta. Carlos Filipe é casado desde 2015 com Sofia Hellqvist.

 ver·editar Imagens selecionadas
 ver·editar Sabia que
King Richard III.png
 ver·editar Consorte selecionado
Carlota Joaquina.jpg

Carlota Joaquina de Bourbon (Aranjuez, 25 de Abril de 1775Palácio de Queluz, 7 de Janeiro de 1830) foi uma infanta de Espanha por nascimento, e Infanta consorte de Portugal, princesa consorte do Brasil, princesa-regente consorte de Portugal, rainha consorte do reino unido de Portugal, Brasil e Algarves e rainha consorte de Portugal por seu casamento com o então Infante português D. João Maria de Bragança (futuro Dom João VI). Foi também Imperatriz do Brasil, entre 1825 e 1826. Ficou conhecida como “A Megera de Queluz”, pela sua personalidade forte e porque foi isolada no Palácio de Queluz, nos arredores de Lisboa, por ter conspirado contra seu marido.

 ver·editar Navegação