Abrir menu principal
Heraldic Royal Crown (Common).svg Bem-vindo ao Portal da Monarquia


 ver·editar Monarquia
French heraldic crowns - King.svg

Monarquia é uma forma de governo em que o chefe de Estado mantém-se no cargo até a morte ou a abdicação, sendo normalmente um regime hereditário. O chefe de Estado dessa forma de governação recebe o nome de monarca (Normalmente com o título de Rei ou Rainha) e pode também muitas vezes ser o chefe do governo. A ele, o ofício real de governo, é sobretudo o de reger e coordenar a administração da nação, em vista do bem comum em harmonia social.

O monarca quase nunca deteve poderes ilimitados, como muitas vezes é pensado. Foi num período muito curto que houve monarquias absolutas. Hoje em dia a grande maioria da monarquias são monarquias constitucionais, que lhes dá quase nenhum poder de governação do seu país, que é exercido por um primeiro-ministro.

Apesar da chefia do Estado hereditária ser a característica mais comum das monarquias, existem na história inúmeros casos de monarquias electivas, tais como a do milenar Sacro Império Romano-Germânico, a República das Duas Nações (república aristocrática, precursora da ideia de Monarquia Constitucional), e os atuais Vaticano, Andorra, Camboja, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Malásia, Suazilândia, não sendo consideradas repúblicas.

 ver·editar Artigo selecionado
Ludvig XVI av Frankrike porträtterad av AF Callet.jpg

A monarquia absoluta designa os regimes em que o monarca exerce um poder sobre os seus súbditos, só limitado pelo direito natural, mas que, para além disso, iguala a sua vontade à lei e impõe sobre os seus domínios um poder em que o monarca figura como o responsável final ou exclusivo. Assim, o rei governa só, mas deve respeitar os privilégios dos corpos e das ordens que compõem o país, e ele deve tomar conselho. A monarquia absoluta é, por essência, centralizadora. Foram monarquias absolutas a maior parte dos estados europeus ocidentais, entre os séculos XVI e XVIII, sobretudo em França, Espanha, Áustria, Saboia e Portugal, que se caracterizaram pela inexistência de qualquer outro poder político alternativo, excepto a lei e os costumes, sem prejuízo da identificação da vontade real com a lei. O princípio da relação entre o monarca e Deus (o rei como representação de Deus na Terra) dá ao monarca regras morais e de direito natural que não pode transgredir. No caso de Portugal, o essencial era garantir que o rei pudesse ser a última voz que resolvesse quaisquer diferendos internos.

 ver·editar Monarca selecionado
Darnley stage 3.jpg

Isabel I (Greenwich, 7 de setembro de 1533Richmond, 24 de março de 1603), também chamada de "A Rainha Virgem", "Gloriana" ou "Boa Rainha Bess", foi a Rainha da Inglaterra e Irlanda de 1558 até sua morte e a quinta e última monarca da Casa de Tudor. Como filha do rei Henrique VIII, Isabel nasceu dentro da linha de sucessão; entretanto, sua mãe Ana Bolena, segunda esposa de Henrique, foi executada dois anos e meio após seu nascimento e o casamento de seus pais foi anulado. Isabel assim foi declarada ilegítima. Seu meio-irmão Eduardo VI sucedeu a Henrique e reinou até morrer em 1553. Ele colocou a coroa em Joana Grey, excluindo da sucessão suas meia-irmãs Isabel e a católica Maria, apesar da existência de um estatuto declarando o contrário. Seu testamento acabou sendo colocado de lado e Maria tornou-se rainha, com Joana sendo executada. Isabel ficou presa por quase um ano durante o reinado de Maria por suspeitas de apoiar os rebeldes protestantes.

 ver·editar Membro da realeza selecionado
Lady Louise Mountbatten-Windsor.JPG

Lady Luísa Windsor (Louise Alice Elizabeth Mary Mountbatten-Windsor; 8 de novembro de 2003) é um membro da família real britânica. Ela é filha do príncipe Eduardo, Conde de Wessex, o filho mais jovem da Rainha Isabel II do Reino Unido, e de Sofia, Condessa de Wessex. Lady Luísa Windsor é a décima na linha de sucessão ao trono britânico, logo atrás de seu irmão menor, Jaime Windsor, Visconde Severn. Legalmente, seu título é Sua Alteza Real a Princesa Luísa de Wessex, mas é referida normalmente apenas como Lady.

 ver·editar Imagens selecionadas
 ver·editar Sabia que
Dronning Margrethe II (crop).jpg
 ver·editar Consorte selecionado
Prince Philip March 2015.jpg

Filipe da Grécia e Dinamarca, Duque de Edimburgo (Corfu, 10 de junho de 1921) é o marido da rainha Isabel II e consorte do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte desde 1952. Ele é o consorte mais velho e de maior reinado na história da monarquia britânica, além de o homem mais velho da história da família real britânica. Filipe nasceu nas famílias reais grega e dinamarquesa, porém sua família foi exilada da Grécia quando ele ainda era criança. Depois de estudar na França, Inglaterra, Alemanha e Escócia, ele entrou na Marinha Real Britânica em 1939 aos dezoito anos. Ele começou a se corresponder em julho com a princesa Isabel, de treze anos, quem havia conhecido em 1934. Ele serviu no Mediterrâneo e no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial.

 ver·editar Navegação