Positivismo

corrente filosófica
(Redirecionado de Positivista)

O positivismo é uma escola filosófica que sustenta que todo conhecimento genuíno é verdadeiro por definição ou positivo – ou seja, fatos a posteriores a derivados pela razão e pela lógica da experiência sensorial. Outras formas de conhecimento, como intuição, introspecção ou fé religiosa, são rejeitadas ou consideradas sem sentido.[1]

O positivismo defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas, somente se pode afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos. Os positivistas não consideram os conhecimentos adquiridos por meio de crenças religiosas, superstição ou qualquer outro, do campo espiritual, intuitivo ou transcendente, que não possa ser comprovado cientificamente. Para eles, o progresso da humanidade depende exclusivamente dos avanços científicos. Assim, o positivismo desenvolvido na segunda fase da carreira de Comte, associa uma interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética apenas humana radical.

O positivismo é uma corrente filosófica que surgiu em França no começo do século XIX. Os principais idealizadores do positivismo foram os pensadores Auguste Comte e John Stuart Mill. Esta escola filosófica ganhou força na Europa na segunda metade do século XIX e começo do XX. É um conceito que possui distintos significados, englobando tanto perspectivas filosóficas e científicas do século XIX quanto outras do século XX.[2]

Desde o seu início, com Auguste Comte (1798-1857) na primeira metade do século XIX, até o presente século XXI, o sentido da palavra mudou radicalmente, incorporando diferentes significados, muitos deles opostos ou contraditórios entre si. Desse modo, há correntes de outras disciplinas que se consideram "positivistas" sem guardar nenhuma relação com a obra de Comte. Exemplos paradigmáticos disso são o positivismo jurídico, do austríaco Hans Kelsen, e o positivismo lógico (ou Círculo de Viena), de Rudolf Carnap, Otto Neurath e seus associados.[3]

Para Comte, o positivismo é uma doutrina filosófica, sociológica e política. Surgiu como desenvolvimento sociológico do iluminismo, das crises social e moral do fim da Idade Média e do nascimento da sociedade industrial, processos que tiveram como grande marco a Revolução Francesa (1789-1799). Em linhas gerais, ele propõe à existência humana valores completamente humanos, afastando radicalmente a teologia e a metafísica (embora incorporando-as em uma filosofia da história).

Embora a abordagem positivista tenha sido um tema recorrente na história do pensamento ocidental, o positivismo moderno foi articulado pela primeira vez no início do século XIX por Auguste Comte.  Sua escola de positivismo sociológico sustenta que a sociedade, como o mundo físico, opera de acordo com leis gerais. Depois de Comte, surgiram escolas positivistas em lógica, psicologia, economia, historiografia e outros campos do pensamento. Geralmente, os positivistas tentaram introduzir métodos científicos em seus respectivos campos. Desde a virada do século 20, o positivismo, embora ainda popular, diminuiu sob críticas em partes das ciências sociais de antipositivistas e teóricos críticos, entre outros, por seu alegado cientificismo, reducionismo, generalizações excessivas e limitações metodológicas. [4] [5]

Etimologia e antecedentes

editar

O substantivo positivismo neste sentido foi importado no século XIX da palavra francesa positivismo, derivada de positif no seu sentido filosófico de “imposto à mente pela experiência”. O adjetivo correspondente (latim : positīvus ) tem sido usado em sentido semelhante para discutir o direito (direito positivo comparado ao direito natural) desde a época de Chaucer. [6]

Kieran Egan argumenta que o positivismo pode ser atribuído ao lado filosófico do que Platão descreveu como a disputa entre filosofia e poesia, posteriormente reformulada por Wilhelm Dilthey como uma disputa entre as ciências naturais (alemão: Naturwissenschaften) e as ciências humanas (Geisteswissenschaften). No início do século XIX, avanços maciços nas ciências naturais encorajaram os filósofos a aplicar métodos científicos a outros campos. Pensadores como Henri de Saint-Simon, Pierre-Simon Laplace e Auguste Comte acreditavam que o método científico, a dependência circular da teoria e da observação, deveria substituir a metafísica na história do pensamento. [7]

Auguste Comte

editar
 
Auguste Comte

O método geral do positivismo de Auguste Comte consiste na observação dos fenômenos, opondo-se ao racionalismo e ao idealismo, por meio da promoção do primado da experiência sensível, única capaz de produzir a partir dos dados concretos (positivos) a verdadeira ciência (na concepção positivista), sem qualquer atributo teológico ou metafísico, subordinando a imaginação à observação, tomando como base apenas o mundo físico ou material. O positivismo nega à ciência qualquer possibilidade de investigar a causa dos fenômenos naturais e sociais, considerando este tipo de pesquisa inútil e inacessível, voltando-se para a descoberta e o estudo das leis (relações constantes entre os fenômenos observáveis).

Em sua obra Apelo aos conservadores (1855), Comte definiu a palavra "positivo" com sete acepções: real, útil, certo, preciso, relativo, orgânico e simpático.

O positivismo defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. Assim sendo, desconsideram-se todas as outras formas do conhecimento humano que não possam ser comprovadas cientificamente. Tudo aquilo que não puder ser provado pela ciência é considerado como pertencente ao domínio teológico-metafísico caracterizado por crendices e vãs superstições. Para os positivistas o progresso da humanidade depende única e exclusivamente dos avanços científicos, único meio capaz de transformar a sociedade e o planeta Terra no paraíso que as gerações anteriores colocavam no mundo além-túmulo.

O positivismo é uma reação radical ao transcendentalismo idealista alemão e ao romantismo, na qual os afetos individuais e coletivos e a subjetividade são completamente ignoradas, limitando a experiência humana ao mundo sensível e ao conhecimento aos fatos observáveis. Substitui-se a Teologia e a Metafísica pelo "Culto à Ciência", o Mundo Espiritual pelo Mundo Humano, o Espírito pela Matéria.

A ideia-chave do positivismo comtiano é a Lei dos três estados, de acordo com a qual o entendimento humano passou e passa por três estágios em suas concepções, isto é, na forma de conceber as suas ideias e a realidade:

  1. Teológico: o ser humano explica a realidade por meio de entidades supranaturais (os "deuses"), buscando responder a questões como "de onde viemos?" e "para onde vamos?"; além disso, busca-se o absoluto;
  2. Metafísico: é uma espécie de meio-termo entre a teologia e a positividade. No lugar dos deuses há entidades abstratas para explicar a realidade: "o Éter", "o Povo", "o Mercado financeiro", etc. Continua-se a procurar responder a questões como "de onde viemos?" e "para onde vamos?" e procurando o absoluto. É a busca da razão e destino das coisas.
  3. Positivo: etapa final e definitiva, não se busca mais o "porquê" das coisas, mas sim o "como", por meio da descoberta e do estudo das leis naturais, ou seja, relações constantes de sucessão ou de co-existência. A imaginação subordina-se à observação e busca-se apenas pelo observável e concreto.
     Ver artigo principal: Espírito positivo

A religião da humanidade

editar

Auguste Comte, por meio da obra "Sistema de Política Positiva" (1851-1854), institui a Religião da Humanidade. Após a elaboração de sua filosofia, Comte concluiu que deveria criar uma nova religião: afinal, para ele, as religiões do passado eram apenas formas provisórias da única e verdadeira religião: a religião positiva. Segundo os positivistas, as religiões não se caracterizam pelo sobrenatural, pelos "deuses", mas sim pela busca da unidade moral humana. Daí a necessidade do surgimento de uma nova religião que apresenta um novo conceito do Ser Supremo, a Religião da Humanidade.

Comte foi profundamente influenciado a tal pela figura de sua amada Clotilde de Vaux.

Segundo os positivistas, a Teologia e a Metafísica nunca inspiraram uma religião verdadeiramente racional, cuja instituição estaria reservada ao advento do espírito positivo. Estabelecendo a unidade espiritual por meio da ciência, a Religião da Humanidade possui como principal objetivo a "regeneração social e moral".

Assim como o catolicismo está fundamentado na filosofia escolástica de Tomás de Aquino, a Religião da Humanidade está fundamentada na filosofia positivista de Auguste Comte fundamentada na ciência clássica.

A Religião da Humanidade possui, como Ser Supremo, a Humanidade Personificada, tida como deusa pelos positivistas. Ela representa o conjunto de seres convergente de todas as gerações, passadas, presentes e futuras que contribuíram, que contribuem e que contribuirão para o desenvolvimento e aperfeiçoamento humano.

A ciência clássica se constitui no dogma da Religião da Humanidade. Também existem templos e capelas onde são celebrados cultos elaborados à Humanidade (chamada Grão-Ser pelos positivistas). A religião positivista caracteriza-se pelo uso de símbolos, sinais, estandartes, vestes litúrgicas, dias de santos (grandes tipos humanos), sacramentos, comemorações cívicas e pelo uso de um calendário próprio, o Calendário Positivista (um calendário lunar composto por 13 meses de 28 dias).

O lema da religião positivista é: "O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim". Seu regime é: "Viver às Claras" e "Viver para Outrem".

Auguste Comte foi o criador da palavra "altruísmo", palavra que segundo o fundador, resume o ideal de sua Nova Religião.

Positivismo de Durkheim

editar

A moderna disciplina acadêmica da sociologia começou com o trabalho de Émile Durkheim (1858–1917). Embora Durkheim tenha rejeitado muitos dos detalhes da filosofia de Comte, ele manteve e refinou o seu método, sustentando que as ciências sociais são uma continuação lógica das ciências naturais no domínio da atividade humana, e insistindo que elas podem reter a mesma objetividade, racionalismo, e abordagem da causalidade. Durkheim criou o primeiro departamento europeu de sociologia na Universidade de Bordeaux em 1895, publicando suas Regras do Método Sociológico (1895).  Neste texto ele argumentou: "[nosso] objetivo principal é estender o racionalismo científico à conduta humana. O que tem sido chamado de nosso positivismo é apenas uma consequência desse racionalismo." [8]

A monografia seminal de Durkheim, Suicídio (1897), um estudo de caso das taxas de suicídio entre populações católicas e protestantes , distinguiu a análise sociológica da psicologia ou da filosofia. Ao examinar cuidadosamente as estatísticas de suicídio em diferentes distritos policiais, ele tentou demonstrar que as comunidades católicas têm uma taxa de suicídio mais baixa do que a dos protestantes, algo que atribuiu a causas sociais (em oposição a causas individuais ou psicológicas). Ele desenvolveu a noção de "fatos sociais" objetivos sui generis para delinear um objeto empírico único para a ciência da sociologia estudar.  Através de tais estudos, afirmou ele, a sociologia seria capaz de determinar se uma determinada sociedade é 'saudável' ou 'patológica' e procurar reformas sociais para negar o colapso orgânico ou a "anomia social". Durkheim descreveu a sociologia como a "ciência das instituições , sua gênese e seu funcionamento". [9]

David Ashley e David M. Orenstein alegaram, em um livro didático publicado pela Pearson Education , que os relatos do positivismo de Durkheim são possivelmente exagerados e simplificados demais; Comte foi o único grande pensador sociológico a postular que o domínio social pode ser sujeito à análise científica exactamente da mesma forma que a ciência natural, enquanto Durkheim via uma necessidade muito maior de uma metodologia científica distintamente sociológica. O trabalho de sua vida foi fundamental no estabelecimento da pesquisa social prática como a conhecemos hoje - técnicas que vão além da sociologia e formam a base metodológica de outras ciências sociais , como a ciência política, bem como de pesquisa de mercado e outros campos. [10]

Positivismo histórico

editar

Na historiografia, o positivismo histórico ou documental é a crença de que os historiadores devem buscar a verdade objetiva do passado, permitindo que as fontes históricas "falem por si", sem interpretação adicional.  Nas palavras do historiador francês Fustel de Coulanges, como positivista, "Não sou eu quem falo, mas a própria história". A forte ênfase colocada pelos positivistas históricos nas fontes documentais levou ao desenvolvimento de métodos de crítica das fontes , que procuram eliminar preconceitos e descobrir as fontes originais em seu estado original. A origem da escola positivista histórica está particularmente associada ao historiador alemão do século XIX Leopold von Ranke, que argumentou que o historiador deveria procurar descrever a verdade histórica "wie es eigentlich gewesen ist" ("como realmente era") - embora subsequente historiadores do conceito, como Georg Iggers , argumentaram que seu desenvolvimento se deveu mais aos seguidores de Ranke do que ao próprio Ranke. [11]

O positivismo histórico foi criticado no século XX por historiadores e filósofos da história de várias escolas de pensamento, incluindo Ernst Kantorowicz na Alemanha de Weimar - que argumentou que "o positivismo... enfrenta o perigo de se tornar romântico quando afirma que é possível encontrar a Flor Azul da verdade sem preconceitos" - e Raymond Aron e Michel Foucault na França do pós-guerra, que postularam que as interpretações são sempre, em última análise, múltiplas e que não há uma verdade objetiva final a ser recuperada.  Em seu livro "The Idea of ​​History", publicado postumamente em 1946, o historiador inglês RG Collingwood criticou o positivismo histórico por confundir fatos científicos com fatos históricos, que são sempre inferidos e não podem ser confirmados pela repetição, e argumentou que seu foco na "coleção de fatos" deu aos historiadores "um domínio sem precedentes sobre problemas de pequena escala", mas "uma fraqueza sem precedentes no tratamento de problemas de grande escala". [12]

Os argumentos historicistas contra as abordagens positivistas na historiografia incluem que a história difere de ciências como a física e a etologia no assunto e no método ;  que muito do que a história estuda não é quantificável e, portanto, quantificar é perder precisão; e que os métodos experimentais e os modelos matemáticos geralmente não se aplicam à história, de modo que não é possível formular leis gerais (quase absolutas) na história. [13]

Outros subcampos

editar

Na psicologia o movimento positivista foi influente no desenvolvimento do operacionalismo . O livro de filosofia da ciência de 1927, "A Lógica da Física Moderna" em particular, originalmente destinado a físicos, cunhou o termo definição operacional , que passou a dominar o método psicológico durante todo o século. [14]

Em economia , os investigadores praticantes tendem a emular os pressupostos metodológicos do positivismo clássico, mas apenas de uma forma de facto: a maioria dos economistas não se preocupa explicitamente com questões de epistemologia.  O pensador econômico Friedrich Hayek (ver "Direito, Legislação e Liberdade") rejeitou o positivismo nas ciências sociais como irremediavelmente limitado em comparação ao conhecimento evoluído e dividido. Por exemplo, grande parte da legislação (positivista) é insuficiente em contraste com o direito comum ou evoluído pré-alfabetizado ou incompletamente definido. [15]

Na jurisprudência, o “ positivismo jurídico ” refere-se essencialmente à rejeição da lei natural; assim, o seu significado comum com o positivismo filosófico é um tanto atenuado e nas gerações recentes geralmente enfatiza a autoridade das estruturas políticas humanas em oposição a uma visão "científica" do direito. [16]

Positivismo lógico

editar

O positivismo lógico (mais tarde e mais precisamente chamado de empirismo lógico) é uma escola de filosofia que combina o empirismo, a ideia de que a evidência observacional é indispensável para o conhecimento do mundo, com uma versão do racionalismo, a ideia de que o nosso conhecimento inclui um componente que não é derivado da observação. O positivismo lógico cresceu a partir das discussões de um grupo chamado “Primeiro Círculo de Viena”, que se reuniu no Café Central antes da Primeira Guerra Mundial. Após a guerra, Hans Hahn , um membro desse grupo inicial, ajudou a trazer Moritz Schlick para Viena. O Círculo de Viena de Schlick , juntamente com o Círculo de Berlim de Hans Reichenbach, propagaram as novas doutrinas mais amplamente na década de 1920 e no início da década de 1930. [17]

Foi a defesa de Otto Neurath que tornou o movimento autoconsciente e mais conhecido. Um panfleto de 1929 escrito por Neurath, Hahn e Rudolf Carnap resumiu as doutrinas do Círculo de Viena da época. Estas incluíam a oposição a toda a metafísica , especialmente à ontologia e às proposições sintéticas a priori ; a rejeição da metafísica não como errada, mas como sem sentido (ou seja, não empiricamente verificável); um critério de significado baseado nos primeiros trabalhos de Ludwig Wittgenstein (que ele próprio mais tarde se propôs a refutar); a ideia de que todo o conhecimento deve ser codificável numa única linguagem científica padrão; e, acima de tudo, o projeto de "reconstrução racional", no qual os conceitos da linguagem comum seriam gradualmente substituídos por equivalentes mais precisos nessa linguagem padrão. No entanto, o projeto é amplamente considerado como tendo falhado. [18] [19]

Depois de se mudar para os Estados Unidos, Carnap propôs uma substituição para as doutrinas anteriores em sua Sintaxe Lógica da Linguagem. Esta mudança de direcção, e as crenças um tanto diferentes de Reichenbach e outros, levaram a um consenso de que o nome inglês para a plataforma doutrinária partilhada, no seu exílio americano a partir do final da década de 1930, deveria ser “empirismo lógico”. Embora o movimento positivista lógico seja agora considerado morto, ele continuou a influenciar o desenvolvimento filosófico. [20]

O positivismo no Brasil

editar
O lema Ordem e Progresso na bandeira do Brasil é inspirado pelo lema positivista: "Amor como princípio e ordem como base; o progresso como meta". Foi usado na bandeira, pois várias pessoas envolvidas na Proclamação da República do Brasil eram seguidores das ideias de Auguste Comte.[21]

Seria exagero atribuir aos positivistas a Proclamação da República do Brasil: é no processo de consolidação desta que se verifica a influência que exerceram destacando-se o coronel Benjamim Constant (que, depois, foi homenageado com o epíteto de "Fundador da República Brasileira").

De acordo com VALENTIM (2010):

A partir da segunda metade do século XIX, as ideias de Auguste Comte permearam as mentalidades de muitos mestres e estudantes militares, políticos, escritores, filósofos e historiadores. Vários brasileiros adotaram, ou melhor, se converteram ao positivismo, dentre eles o professor de matemática da Escola Militar do Rio de Janeiro Benjamin Constant, o mais influente de todos. Tais influências estimularam movimentos de caráter republicano e abolicionista, em oposição à monarquia e ao escravismo dominante no Brasil. A Proclamação da República, ocorrida através de um golpe militar, com apoio de setores da aristocracia brasileira, especialmente a paulista, foi o resultado “natural” desse movimento.

A conformação atual da bandeira do Brasil é um reflexo dessa influência na política nacional. Na bandeira lê-se a máxima política positivista Ordem e Progresso, surgida a partir da divisa comteana O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por meta, representando as aspirações a uma sociedade justa, fraterna e progressista.

Outros positivistas de importância para o Brasil foram Nísia Floresta (a primeira feminista brasileira e discípula direta de Auguste Comte), Miguel Lemos, Euclides da Cunha, Luís Pereira Barreto, o marechal Cândido Rondon, Júlio de Castilhos, Demétrio Nunes Ribeiro, Carlos Torres Gonçalves, Ivan Monteiro de Barros Lins, Roquette-Pinto, Barbosa Lima, Lindolfo Collor, David Carneiro, David Carneiro Jr., João Pernetta, Luís Hildebrando Horta Barbosa, Júlio Caetano Horta Barbosa, Alfredo de Morais Filho, Henrique Batista da Silva Oliveira, Eduardo de Sá e muitos outros.

Houve no Brasil dois tipos de positivismo: um "positivismo ortodoxo", mais conhecido, ligado à Religião da Humanidade e apoiado por Pierre Laffitte, discípulo de Comte, e um "positivismo heterodoxo", que se aproximava mais dos estudos primeiros de Augusto Comte que criaram a disciplina da Sociologia e apoiado por outro discípulo de Comte, Émile Littré.

Crítica

editar

Historicamente, o positivismo tem sido criticado pelo seu reducionismo, ou seja, por defender que todos os “processos são redutíveis a acontecimentos fisiológicos, físicos ou químicos”, “os processos sociais são redutíveis às relações entre os indivíduos e às acções dos indivíduos”, e que “os organismos biológicos são redutíveis” para "sistemas físicos." A consideração de que as leis da física podem não ser absolutas, mas relativas e, se assim for, isso pode ser ainda mais verdadeiro nas ciências sociais, foi afirmada, em termos diferentes, por GB Vico em 1725.  Vico, em Em contraste com o movimento positivista, afirmou a superioridade da ciência da mente humana (as humanidades, em outras palavras), com base no fato de que as ciências naturais nada nos dizem sobre os aspectos internos das coisas. Wilhelm Dilthey lutou arduamente contra a suposição de que apenas as explicações derivadas da ciência são válidas.  Ele reprisou o argumento de Vico de que as explicações científicas não alcançam a natureza interna dos fenômenos  e é o conhecimento humanístico que nos dá insights sobre pensamentos, sentimentos e desejos.  Dilthey foi em parte influenciado pelo historicismo de Leopold von Ranke (1795-1886). A contestação sobre o positivismo reflete-se tanto em debates mais antigos (ver a disputa do Positivismo ) como nos atuais sobre o papel adequado da ciência na esfera pública. A sociologia pública — especialmente conforme descrita por Michael Burawoy — argumenta que os sociólogos deveriam usar evidências empíricas para apresentar os problemas da sociedade para que possam ser mudados. [22]

Antipositivismo

editar

Na virada do século XX, a primeira onda de sociólogos alemães introduziu formalmente o antipositivismo metodológico, propondo que a pesquisa deveria se concentrar nas normas, valores, símbolos e processos sociais culturais humanos vistos de uma perspectiva subjetiva. Max Weber, um desses pensadores, argumentou que embora a sociologia possa ser vagamente descrita como uma 'ciência' porque é capaz de identificar relações causais (especialmente entre tipos ideais ), os sociólogos deveriam procurar relações que não sejam tão "a-históricas, invariantes ou generalizáveis". " como aqueles perseguidos por cientistas naturais.  Weber considerava a sociologia como o estudo da ação social, usando análise crítica e técnicas de compreensão interpretativa. Os sociólogos Georg Simmel, Ferdinand Tönnies, George Herbert Mead e Charles Cooley também foram influentes no desenvolvimento do antipositivismo sociológico, enquanto a filosofia neokantiana, a hermenêutica e a fenomenologia facilitaram o movimento em geral. [23]

Ver também

editar

Referências

  1. John J. Macionis, Linda M. Gerber, Sociology, Seventh Canadian Edition, Pearson Canada; Larrain, Jorge (1979). The Concept of Ideology. London: Hutchinson. p. 197.
  2. John J. Macionis, Linda M. Gerber, Sociology, Seventh Canadian Edition, Pearson Canada
  3. LACERDA, Gustavo Biscaia de (2009). «Augusto Comte e o "positivismo" redescobertos» (PDF). Revista de Sociologia Política. 17 (34): 319-343. Consultado em 9 de outubro de 2022 
  4. Cohen, Louis; Maldonado, Antonio (2007). "Research Methods In Education". British Journal of Educational Studies. 55 (4): 9. doi:10.1111/j.1467-8527.2007.00388_4.x. S2CID 143761151; Macionis, John J. (2012). Sociology 14th Edition. Boston: Pearson. p. 11. ISBN 978-0-205-11671-3.
  5. «Auguste Comte,Auguste Comte Sociology,Auguste Comte Positivism,Social Thinkers,Sociology Guide». www.sociologyguide.com. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  6. Le petit Robert s. v. 'positivisme'; OED s. v. positive.
  7. Egan, Kieran (1997). The Educated Mind. University of Chicago Press. pp. 115–116. ISBN 978-0-226-19036-5; Saunders, T. J. Introduction to Ion. London: Penguin Books, 1987, p. 46; Wallace and Gach (2008) p. 27; Hobsbawm, Eric (1975). The Age of Capital: 1848–1875. New York City: Charles Scribner's Sons.
  8. Wacquant, Loic. 1992. "Positivism." In Bottomore, Tom and William Outhwaite, ed., The Blackwell Dictionary of Twentieth-Century Social Thought; Gianfranco Poggi (2000). Durkheim. Oxford: Oxford University Press; Durkheim, Emile. 1895. The Rules of the Sociological Method.
  9. Craig J. Calhoun (2002). Classical Sociological Theory. Wiley-Blackwell. p. 104. ISBN 978-0-631-21348-2; Wacquant, Loic. 1992. "Positivism." In Bottomore, Tom and William Outhwaite, ed., The Blackwell Dictionary of Twentieth-Century Social Thought; Durkheim, Émile [1895] "The Rules of Sociological Method" 8th edition, trans. Sarah A. Solovay and John M. Mueller, ed. George E. G. Catlin (1938, 1964 edition), p. 45.
  10. Ashley D, Orenstein DM (2005). Sociological theory: Classical statements (6th ed.). Boston, MA: Pearson Education. pp. 94–98, 100–104.
  11. Munz, Peter (1993). Philosophical Darwinism: On the Origin of Knowledge by Means of Natural Selection. London: Routledge. p. 94. ISBN 9781134884841; Flynn, Thomas R. (1997). Sartre, Foucault, and Historical Reason. Vol. 1. Chicago: Chicago University Press. p. 4. ISBN 9780226254692; Martin, Luther H. (2014). Deep History, Secular Theory: Historical and Scientific Studies of Religion. Berlin: Walter de Gruyter. p. 343. ISBN 9781614515005.
  12. Lerner, Robert E. (2017). Ernst Kantorowicz: A Life. Princeton: Princeton University Press. p. 129. ISBN 9780691183022; Flynn, Thomas R. (1997). Sartre, Foucault, and Historical Reason. Vol. 1. Chicago: Chicago University Press. p. 4. ISBN 9780226254692; Shank, J. B. (2008). The Newton Wars and the Beginning of the French Enlightenment. Chicago: Chicago University Press. p. 24. ISBN 9780226749471; Collingwood, R. G. (1946). The Idea of History. Oxford: Oxford University Press. pp. 131–33.
  13. Raymond Boudon and François Bourricaud, A Critical Dictionary of Sociology Archived 3 May 2016 at the Wayback Machine, Routledge, 1989: "Historicism", p. 198; Wallace, Edwin R. and Gach, John (2008) History of Psychiatry and Medical Psychology: With an Epilogue on Psychiatry and the Mind-Body Relation. p. 14; Wallace and Gach (2008) p. 28.
  14. Koch, Sigmund (1992) Psychology's Bridgman vs. Bridgman's Bridgman: An Essay in Reconstruction., in Theory and Psychology vol. 2 no. 3 (1992) p. 275
  15. «Economic Positivism – Positivism» (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  16. Green, Leslie (2009). Zalta, Edward N. (ed.). "Legal Positivism". The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2009 ed.). Metaphysics Research Lab, Stanford University.
  17. Peter Godfrey-Smith. (2010). Theory and Reality : an Introduction to the Philosophy of Science. University of Chicago Press. ISBN 978-1-282-64630-8. OCLC 748357235
  18. Bunge, M. A. (1996). Finding Philosophy in Social Science. Yale University Press. p. 317. ISBN 9780300066067. LCCN lc96004399.
  19. «Popper, Falsifiability, and the Failure of Positivism». web.archive.org. 7 de janeiro de 2014. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  20. Hanfling, Oswald (2003). "Logical Positivism". Routledge History of Philosophy. Vol. IX. Routledge. pp. 193–194.
  21. Hilton, Ronald (27 de abril de 2003). «BRAZIL: Order and Progress». wais.stanford.edu/. World Association of International Studies. Consultado em 21 de fevereiro de 2016 
  22. Alan Bullock and Stephen Trombley, [Eds] The Fontana Dictionary of Modern Thought, London: Harper-Collins, 1999, pp. 669–737; Wallace, Edwin R. and Gach, John (2008) History of Psychiatry and Medical Psychology: With an Epilogue on Psychiatry and the Mind-Body Relation. p. 14; Wallace and Gach (2008) p. 27; Burawoy, Michael: "For Public Sociology" Archived 21 April 2015.
  23. Ashley D, Orenstein DM (2005). Sociological theory: Classical statements (6th ed.). Boston, MA: Pearson Education. pp. 239–240; Ashley D, Orenstein DM (2005). Sociological theory: Classical statements (6th ed.). Boston, MA: Pearson Education. p. 241.

Bibliografia

editar
  • ALONSO, Ângela. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
  • KREMER-MARIETTI, Angèle. Le kaléidoscope épistémologique d'Auguste Comte: Sentiments Images Signes. Paris, L'Harmattan, 2007.
  • PEREIRA SOARES, Mozart. O Positivismo no Brasil: 200 anos de Augusto Comte. Porto Alegre: UFRGS, 1998.
  • TRINDADE, Hélgio (org.). O Positivismo: teoria e prática. 3ª ed. Porto Alegre: UFRGS, 2007.
  • VALENTIM, Oséias Faustino. O Brasil e o Positivismo. Rio de Janeiro: Publit, 2010. ISBN 9788577733316
  • Amory, Frederic. "Euclides da Cunha and Brazilian Positivism". Luso-Brazilian Review. 36 (1 (Summer 1999)): 87–94.
  • Armenteros, Carolina. 2017. "The Counterrevolutionary Comte: Theorist of the Two Powers and Enthusiastic Medievalist." In The Anthem Companion to Auguste Comte, edited by Andrew Wernick, 91–116. London: Anthem.
  • Annan, Noel. 1959. The Curious Strength of Positivism in English Political Thought. London: Oxford University Press.
  • Ardao, Arturo. 1963. "Assimilation and Transformation of Positivism in Latin America." Journal of the History of Ideas 24 (4):515–22.
  • Bevir, Mark (1993). "Ernest Belfort Bax: Marxist, Idealist, Positivist". Journal of the History of Ideas. 54 (1): 119–35. doi:10.2307/2709863. JSTOR 2709863.
  • Bevir, Mark. 2002. "Sidney Webb: Utilitarianism, Positivism, and Social Democracy." The Journal of Modern History 74 (2):217–252.
  • Bevir, Mark. 2011. The Making of British Socialism. Princeton. PA: Princeton University Press.
  • Bourdeau, Michel. 2006. Les trois états: Science, théologie et métaphysique chez Auguste Comte. Paris: Éditions du Cerf.
  • Bourdeau, Michel, Mary Pickering, and Warren Schmaus, eds. 2018. Love, Order and Progress. Pittsburgh, PA: University of Pittsburgh Press.
  • Bryant, Christopher G. A. 1985. Positivism in Social Theory and Research. New York: St. Martin's Press.
  • Claeys, Gregory. 2010. Imperial Sceptics. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Claeys, Gregory. 2018. "Professor Beesly, Positivism and the International: the Patriotism Issue." In "Arise Ye Wretched of the Earth": The First International in a Global Perspective, edited by Fabrice Bensimon, Quinton Deluermoz and Jeanne Moisand. Leiden: Brill.
  • De Boni, Carlo. 2013. Storia di un'utopia. La religione dell'Umanità di Comte e la sua circolazione nel mondo. Milano: Mimesis.
  • Dixon, Thomas. 2008. The Invention of Altruism. Oxford: Oxford University Press.
  • Feichtinger, Johannes, Franz L. Fillafer, and Jan Surman, eds. 2018. The Worlds of Positivism. London: Palgrave Macmillan.
  • Forbes, Geraldine Handcock. 2003. "The English Positivists and India." In Essays on Indian Renaissance, edited by Raj Kumar, 151–63. Discovery: New Delhi.
  • Gane, Mike. 2006. Auguste Comte. London: Routledge.
  • Giddens, Anthony. Positivism and Sociology. Heinemann. London. 1974.
  • Gilson, Gregory D. and Irving W. Levinson, eds. Latin American Positivism: New Historical and Philosophic Essays (Lexington Books; 2012) 197 pages; Essays on positivism in the intellectual and political life of Brazil, Colombia, and Mexico.
  • Harp, Gillis J. 1995. Positivist Republic: Auguste Comte and the Reconstruction of American Liberalism, 1865-1920. University Park, PA: Pennsylvania State University Press.
  • Harrison, Royden. 1965. Before the Socialists. London: Routledge.
  • Hoecker-Drysdale, Susan. 2001. "Harriet Martineau and the Positivism of Auguste Comte." In Harriet Martineau: Theoretical and Methodological Perspectives, edited by Michael R. Hill and Susan Hoecker-Drysdale, 169–90. London: Routledge.
  • Kremer-Marietti, Angèle. L'Anthropologie positiviste d'Auguste Comte, Librairie Honoré Champion, Paris, 1980.
  • Kremer-Marietti, Angèle. Le positivisme, Collection "Que sais-je?", Paris, PUF, 1982.
  • LeGouis, Catherine. Positivism and Imagination: Scientism and Its Limits in Emile Hennequin, Wilhelm Scherer and Dmitril Pisarev. Bucknell University Press. London: 1997.
  • Lenzer, Gertrud, ed. 2009. The Essential Writings of Auguste Comte and Positivism. London: Transaction.
  • "Positivism." Marxists Internet Archive.
  • McGee, John Edwin. 1931. A Crusade for Humanity. London: Watts.
  • Mill, John Stuart. Auguste Comte and Positivism.
  • Mises, Richard von. Positivism: A Study In Human Understanding. Harvard University Press. Cambridge, Massachusetts: 1951.
  • Petit, Annie. Le Système d'Auguste Comte. De la science à la religion par la philosophie. Vrin, Paris (2016).
  • Pickering, Mary. Auguste Comte: An Intellectual Biography. Cambridge University Press. Cambridge, England; 1993.
  • Quin, Malcolm. 1924. Memoirs of a Positivist. London: George Allen & Unwin.
  • Richard Rorty (1982). Consequences of Pragmatism.
  • Scharff, Robert C. 1995. Comte After Positivism. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Schunk, Dale H. Learning Theories: An Educational Perspective, 5th. Pearson, Merrill Prentice Hall. 1991, 1996, 2000, 2004, 2008.
  • Simon, W. M. 1963. European Positivism in the Nineteenth Century. Ithaca, NY: Cornell University Press.
  • Sutton, Michael. 1982. Nationalism, Positivism and Catholicism. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Trindade, Helgio. 2003. "La république positiviste chex Comte." In Auguste Comte: Trajectoires positivistes 1798–1998, edited by Annie Petit, 363–400. Paris: L'Harmattan.
  • Turner, Mark. 2000. "Defining Discourses: The "Westminster Review", "Fortnightly Review", and Comte's Positivism." Victorian Periodicals Review 33 (3):273–282.
  • Wernick, Andrew. 2001. Auguste Comte and the Religion of Humanity. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Whatmore, Richard. 2005. "Comte, Auguste (1798-1857)." In Encyclopaedia of Nineteenth-Century Thought, edited by Gregory Claeys, 123–8. London: Routledge.
  • Whetsell, Travis and Patricia M. Shields. "The Dynamics of Positivism in the Study of Public Administration: A Brief Intellectual History and Reappraisal", Administration & Society. doi:10.1177/0095399713490157.
  • Wils, Kaat. 2005. De omweg van de wetenschap: het positivisme en de Belgische en Nederlandse intellectuele cultuur, 1845–1914. Amsterdam: Amsterdam University Press.
  • Wilson, Matthew. 2018. "British Comtism and Modernist Design." Modern Intellectual History x (xx):1–32.
  • Wilson, Matthew. 2018. Moralising Space: the Utopian Urbanism of the British Positivists, 1855–1920. London: Routledge.
  • Wilson, Matthew. 2020. "Rendering sociology: on the utopian positivism of Harriet Martineau and the ‘Mumbo Jumbo club." Journal of Interdisciplinary History of Ideas 8 (16):1–42.
  • Woll, Allen L. 1976. "Positivism and History in Nineteenth-Century Chile." Journal of the History of Ideas 37 (3):493–506.
  • Woodward, Ralph Lee, ed. 1971. Positivism in Latin America, 1850–1900. Lexington: Heath.
  • Wright, T. R. 1986. The Religion of Humanity. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Wright, T. R. 1981. "George Eliot and Positivism: A Reassessment." The Modern Language Review 76 (2):257–72.
  • Wunderlich, Roger. 1992. Low Living and High Thinking at Modern Times, New York. Syracuse, NY: Syracuse University Press.
  • Zea, Leopoldo. 1974. Positivism in Mexico. Austin: University of Texas Press.

Ligações externas

editar