Presidência de Joe Biden

A presidência de Joe Biden começou oficialmente quando foi inaugurado em 20 de janeiro de 2021.[1][2] Quando Biden assumiu o cargo de 46.º presidente, Kamala Harris foi simultaneamente empossada como 49.º vice-presidente.[3][4]

Governo de Joe Biden
 Estados Unidos
Tipo Presidencialismo
49.º vice-presidente Kamala Harris
46.º presidente Joe Biden
Eleição 2020
Mandato
Período
Início 20 de janeiro de 2021
Composição
Partido Democrata
Sítio oficial
joebiden.com
Histórico
Fleche-defaut-gauche-gris-32.png Donald Trump
(2017–2021)
Seal of the President of the United States.svg

Política internaEditar

COVID-19Editar

 
O presidente Biden assinando uma ordem executiva para expandir o Affordable Care Act e melhorar o acesso dos cidadãos a seguro de saúde.

No começo de 2021, os Estados Unidos estava passando por uma grave crise, social e econômica, gerada pela pandemia de COVID-19, que, naquela altura, já tinha matado mais de 400 mil pessoas no país.

Em 20 de janeiro de 2021, seu primeiro dia como presidente, Biden assinou uma ordem executiva para garantir o uso de máscara e distanciamento social em todos os prédios e terras federais.[5] Biden também anunciou o retorno dos Estados Unidos a Organização Mundial da Saúde.[6] No seu segundo dia no cargo, o governo liberou um documento de 200 páginas intitulado National Strategy for the COVID-19 Response and Pandemic Preparedness ("Estratégia Nacional para a Resposta ao COVID-19 e Preparação para Pandemia").[7] O presidente também invocou o Ato de Produção de Defesa pra acelerar a produção de vacinas e insumos (como frascos de vidro, seringas e outros suprimentos de vacina) a nível federal.[8] Ao justificar o uso do ato, Biden disse: "E quando digo tempo de guerra, as pessoas meio que me olham como 'tempo de guerra?' Bem, como eu disse ontem à noite, 400 000 americanos morreram. Isso é mais do que morreram em toda a Segunda Guerra Mundial, 400 000. Este é um empreendimento em tempo de guerra."[9]

Em 21 de janeiro, Biden assinou mais ordens executivas para conter a pandemia de COVID-19, instruindo as agências do governo para trabalharem mais rápido na vacinação de pessoas, reabertura de escolas e uso obrigatório de máscaras em transporte público interestadual.[10] Em março, o governo Biden anunciou que a meta, prometida durante a campanha, de vacinar cem milhões de pessoas nos primeiros cem dias de sua presidência fora completada, em apenas 58 dias. Assim, as taxas de internação e mortes pelo vírus no país caíram ao final do primeiro trimestre do ano.[11]

EconomiaEditar

 
Presidente Biden e a vice-presidente Kamala Harris se reunindo com a secretária do tesouro Janet Yellen e outras autoridades para discutir questões econômicas, em 29 de janeiro de 2021.

Em 22 de janeiro de 2021, Biden assinou ordens executivas para reverter ações do ex presidente Trump que limitavam o poder de sindicatos federias de negociar um acordo coletivo de trabalho.[12][13] Biden também defendeu um aumento para 15 dólares para o salário mínimo federal e aumentou os direitos dos trabalhadores de se envolver com atividades sindicais. Além disso, a ordem executiva de Biden aumentou em 15% a quantidade de dinheiro que vai para as famílias de crianças que estavam perdendo refeições devido ao fechamento de escolas por causa da pandemia.[14] A revogação das três ordens executivas de Trump ocorreu quando as ordens eram usadas para transferir funcionários públicos e cientistas de carreira e substituí-los por funcionários amigáveis ao governo Trump.[15]

 
O presidente Biden assina o American Rescue Plan, sendo a primeira vitória legislativa de sua presidência.

Em 14 de janeiro de 2021, Biden revelou seu plano de 1,9 trilhão de dólares para combater o COVID-19 e a crise, no chamado American Rescue Plan ("Plano de Resgate Americano").[16] O plano incluía 1 trilhão de ajuda direta (a população e empresas de pequeno e médio porte), incluindo 1,4 mil dólares a mais no cheque de ajuda emergencial para o povo americano, fornecimento de moradias populares e assistência nutricional, expandia o acesso a creches seguras e cuidados de saúde acessíveis, aumentando o salário mínimo (esta ideia foi posteriormente abandonada), estendendo o seguro-desemprego, além de dar às famílias com crianças e trabalhadores sem filhos um impulso de emergência durante todo 2021.[17] Ele também iria expandir a elegibilidade desses cheques para dependentes adultos que foram deixados de fora das rodadas anteriores de assistência emergencial.[17][18][16] O plano ainda incluía cerca de 440 bilhões de dólares para apoio as comunidades, fornecendo 350 bilhões para médicos, enfermeiras, socorristas, entre outros, com apoio também para pequenas empresas e agências transitórias; 400 bilhões para um plano de vacinação nacional e reabertura de escolas; e 10 bilhões para tecnologia da informação e modernização da infraestrutura federal de segurança cibernética.[16][18] Na sua primeira entrevista coletiva, Jen Psaki, a Porta-voz da Casa Branca, disse que o plano poderia mudar. O plano foi aprovado pela Câmara em 27 de fevereiro e então enviado para debate no Senado. Nas mãos dos senadores, o plano de Biden acabou sofrendo alterações para poder aplacar a ala moderada do Partido Democrata. Quando foi levada a plenário do Senado, assim como na Câmara, a proposta foi aprovada por maioria, mas sem um voto de um republicano sequer. O texto voltou para a câmara baixa do Congresso para que as mudanças no pacote de estímulo fossem aprovadas, com os congressistas finalizando a votação em 10 de março.[19] O presidente Biden sancionou a lei no dia seguinte no Salão Oval.[20]

InfraestruturaEditar

 
Presidente Biden visitando uma fábrica da Ford Motor Company, em Dearborn, Michigan, durante uma turnê para promover seu plano de infraestrutura.

O governo Biden visava gastos maciços na infraestrutura do país da ordem de dois trilhões de dólares.[21] O presidente formalmente anunciou o pacote em março de 2021, que seria proposto ao Congresso antes do final do ano e englobaria gastos de pelo US$ 621 bilhões destinados a área de transportes, incluindo construção e reforma de pontes, estradas, transporte público de massa, portos, aeroportos e desenvolvimento de veículos elétricos. Outros US$ 300 bilhões seriam focados em melhorar a infraestrutura de água potável (incluindo saneamento), com outros US$ 580 bilhões na indústria manufatureira e no setor pesquisa e desenvolvimento e treinamento profissional. Além disso, mais de US$ 300 bilhões seriam destinados à construção civil e reforma de moradias populares, junto com a construção e reforma de escolas e, por fim, expandir o acesso à internet de banda larga, além de atualizar as redes elétricas nacionais. Para pagar por estes programas, o governo pretende aumentar os impostos para todos os americanos com renda igual ou superior a US 400 mil dólares por ano, além de também aumentar os impostos federais sobre empresas dos atuais 21% para 28% (com esta taxa sendo ainda abaixo do que era em 2017).[22]

Manufatura domésticaEditar

Biden assinou uma ordem executiva destinada a apoiar os fabricantes nacionais, aumentando a preferência federal pela compra de bens feitos total ou parcialmente nos Estados Unidos. Usando o termo amplo do "Ato Made in America", o objetivo declarado da ordem executiva é fortalecer "todos os estatutos, regulamentos, regras e ordens executivas relativas a prêmios de assistência financeira federal ou compras federais, incluindo aqueles que se referem a Buy American, ou "Compre americano".[23][24]

Política socialEditar

 
Biden, com a vice Kamala Harris a sua direita e o procurador-geral Merrick Garland na sua esquerda, falando sobre medidas de controle de armas.

Durante seus primeiros dias na presidência, Biden se concentrou em "promover a equidade, os direitos civis, a justiça racial e a igualdade de oportunidades". De acordo com The New York Times, as primeiras ações de Biden no cargo se concentraram na igualdade racial mais do que qualquer presidente desde Lyndon B. Johnson na década de 1960.[25] Em 25 de janeiro de 2021, Biden assinou uma ordem executiva para reverter o banimento da entrada de pessoas trangêneras nas forças armadas, algo que Trump havia aprovado.[26]

Outra questão para o governo Biden foi relançar a ideia de implementar a face de Harriet Tubman na nota de 20 dólares.[27][28] Essa proposta havia sido levantada no governo Obama, uma década antes, mas Trump decidiu descartar a mudança.[29] Jen Psaki afirmou que era importante que o governo federal e o dinheiro do país refletir a "história e diversidade" dos Estados Unidos e colocar Tubman na nota de vinte dólares.[30]

Em 26 de janeiro, Biden ordenou que o Departamento de Justiça reduzisse o uso de prisões privadas e pediu para o procurador-geral não renovar contrato com tais instituições, citando a necessidade de "reduzir os incentivos baseados no lucro" para o encarceramento de minorias raciais.[31]

Em 17 de junho, Biden assinou o Juneteenth National Independence Day Act, uma lei que oficialmente declarou a data comemorativa conhecida como "Juneteenth" como um feriado federal.[32]

Política de imigraçãoEditar

 
Biden deixando o Marine One, em fevereiro de 2021.

Em 20 de janeiro de 2021, Biden anunciou que parou a construção do muro de Trump na fronteira com o México[6] e encerrou a declaração de emergência do presidente anterior na fronteira sul do país.[33] Biden também reverteu a Ordem Executiva 13769, assinada por Donald Trump, que impedia a imigração legal de pessoas de países de maioria muçulmana.[6][33] Biden reafirmou o programa DACA, que extendia a proteção para imigrantes ilegais que chegaram nos Estados Unidos quando eram crianças com seus pais.[34]

Em 20 de janeiro, o governo Biden iniciou uma moratória em deportações pelo Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos durante seus primeiros dias na presidência.[35] Em 22 de janeiro de 2021, o procurador-geral do estado do Texas, Ken Paxton, processou judicialmente o governo Biden por violar o compromisso que o presidente havia firmado com o estado para cooperação.[36] Dias depois, um juiz federal no Texas reverteu a decisão do governo Biden, afirmando que não havia "qualquer justificativa concreta e razoável para uma pausa de 100 dias nas deportações".[37]

Em 23 de janeiro, Biden propôs sua primeira legislação para imigração.[38] Segundo a proposta, cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais vivendo nos Estados Unidos receberiam papeis de legalização e poderiam se tornar elegíveis para se tornar cidadãos.[38] O projeto de lei também tornaria mais fácil para certos trabalhadores estrangeiros permanecerem nos Estados Unidos.[39][40] Segundo o senador democrata Dick Durbin, a lei era "aspiracional", e dificilmente passaria pelo Congresso sem severas modificações.[38][39][40]

 
Biden em visita ao Pentágono, em fevereiro de 2021.

Numa das primeiras atitudes tomadas por Biden com relação a imigração foi reverter várias políticas do seu antecessor, especialmente a de deportação sumária de pessoas na fronteira, incluindo menores, para o México, mesmo com a maioria destas pessoas não sendo mexicanas. Outras medidas foram tomadas para agilizar o processo de travessia e aceitação de vistos na fronteira sul. Acreditando que Biden não seria tão duro com imigrantes quanto Trump, milhares de pessoas começaram a ir, em números cada vez maiores, para a fronteira mexicana com os Estados Unidos. A maioria destes imigrantes vinham da América Central, com as caravanas aumentando em tamanho desde abril de 2020 devido a fatores como crise econômica, COVID, desastres naturais, insegurança alimentícia e pobreza desenfreada na região.[41] Em fevereiro de 2021, a Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos reportou uma aumento anormal de 61% na chegada de menores de idade (especialmente crianças) desacompanhados em relação ao mês anterior. No total, cerca de 5 858 jovens foram apreendidos na fronteira em janeiro, com o número saltando para 9 457 em fevereiro, constituiu o maior aumento percentual de um mês para outro na apreensão de crianças desacompanhadas desde que a agência de Serviço de Alfândegas e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos começou a compilar esses dados em 2010.[42][43][44] O governo Biden foi duramente criticado por sua lentidão e aparente despreparo para lidar com a questão, abolindo quase todas as medidas de Trump sem antes implementar ações substitutas. O presidente e sua equipe responderam afirmando que mais agentes federias estavam indo para a fronteira, que instalações novas para abrigar os migrantes e refugiados estavam sendo construídas e que um novo sistema de processamento de pedidos de exílio seria implementado, mas que não reverteria sua decisão de parar de deportar crianças desacompanhadas.[45] O presidente havia revertido a política do seu antecessor e encerrou a deportação de crianças desacompanhadas, mas o número de migrantes e refugiados cresceu exponencialmente, forçando Biden a mandar a Agência Federal de Gestão de Emergências para ajudar.[46]

Em 24 de março de 2021, Biden colocou a vice-presidente Harris no comando de uma equipe que deveria trabalhar para deduzir o número de menores de idade desacompanhados e adultos tentando cruzar a fronteira ilegalmente. Entre as funções da vice-presidente, estaria negociar diretamente com as lideranças polícias no México, Honduras, Guatemala e El Salvador, de onde a maioria dos novos imigrantes vinham.[47]

Política ambientalEditar

Em 20 de janeiro de 2021, Biden assinou uma ordem executiva para colocar os Estados Unidos de volta no Acordo Climático de Paris.[48] Com a volta dos Estados Unidos ao acordo, os países responsáveis por dois terços das emissões globais de gases de efeito estufa farão promessas de se tornarem neutros em carbono, enquanto sem os Estados Unidos é apenas a metade.[49] No mesmo dia, Biden cancelou a construção da Oleoduto Keystone XL. Ambientalistas e ativistas nativos americanos receberam muito bem a notícia.[50] Como resultado, a empresa TC Energy teve que demitir 1 000 trabalhadores diretos no Canadá e nos Estados Unidos.[51] Em 21 de janeiro, o governo Biden emitiou uma nota afirmando que havia proibido, por 60 dias, permissão para exploração de gás e petróleo em terras e águas federais.[52] Em 27 de janeiro, o presidente assinou mais ordens executivas para lidar com a mudança climática, um dos pilares de sua campanha a presidência no ano anterior.[53]

Entre os dias 22 e 23 de abril, Biden participou da Cúpula do Clima de 2021 onde ele anunciou que os Estados Unidos trabalhariam para cortar cerca de 50% das emissões de gases do efeito estufa até 2030. Outros países afirmaram que tomariam atitudes similares. O objetivo do encontro virtual era conseguir fazer com que o máximo de nações possível cooperassem para tomar medidas de combate ao aquecimento global e foi previsto que se essas atitudes de fato fossem tomadas, haveria uma redução de 2.6–3.7 GtCO2e até 2030.[54][55]

Política externaEditar

 
Biden conversando, direto do Salão Oval, com o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador.

Biden disse que os Estados Unidos precisavam "ser duros" com a China e construir "uma frente unida de aliados e parceiros do país para enfrentar os comportamentos abusivos e as violações dos direitos humanos do governo chinês".[56]

Biden nomeou Antony Blinken para ser seu Secretário de Estado.[57][58] Blinken disse que houve erros na política externa de Obama, especialmente em relação a aventuras militares no exterior, e ainda afirmou que Donald Trump "estava certo em adotar uma abordagem mais dura para a China", mas disse que a abordagem do ex presidente havia falhado em várias áreas.[58] Na sua audiência de confirmação no Senado, ele endossou o relatório do ex-secretário de Estado Mike Pompeo de que a China estava cometendo um genocídio contra os muçulmanos uigures.[58]

O governo Biden também afirmou que tomaria uma atitude firme contra o aquecimento global, tomando medidas internas e externas com isso em mente.[59] Biden havia recolocado os Estados Unidos no Acordo de Paris, logo no primeiro dia. Durante a campanha presidencial em 2020, Biden havia criticado o presidente brasileiro Jair Bolsonaro e sua posição com relação a queimadas e destruição da Floresta Amazônica.[60]

Ao final de janeiro, Biden ordenou a suspensão da venda de armas para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, o que a administração Trump havia concordado anteriormente.[61] Em 1 de fevereiro, Biden condenou o Golpe de Estado em Mianmar e ameaçou recolocar sanções econômicas contra o país.[62]

Em 4 de fevereiro de 2021, o governo Biden anunciou que os Estados Unidos estavam encerrando seu apoio à intervenção militar saudita no Iêmen. Na sua primeira visita ao prédio do Departamento de Estado, Biden disse que "essa guerra tem que acabar" e que o conflito tinha criado uma "catástrofe humanitária e estratégica".[63]

Na noite de 25 de fevereiro, um mês após tomar posse, o presidente Biden autorizou, sob a recomendação do Secretário de Defesa Lloyd Austin, sua primeira ação militar, com um bombardeio aéreo contra uma milícia jihadista, armada e financiada pelo Irã, em território Sírio. A operação teria sido uma retaliação a uma série de atentados cometidos por terroristas no Iraque que haviam deixado vários americanos feridos semanas antes.[64]

 
Joe Biden e Vladimir Putin, em 16 de junho de 2021, em um encontro na cidade de Genebra.

Em 14 de abril de 2021, Biden anunciou oficialmente que todas as tropas americanas iriam se retirar do Afeganistão até 11 de setembro do mesmo ano. Isto foi uma extensão do prazo estabelecido pelo governo anterior, que seria 1 de maio.[65][66]

Em 24 de abril, o governo Biden declarou que o assassinato em massa de armênios pelos turco-otomanos no começo do século XX foi, de fato, um genocídio. Ele foi o primeiro presidente dos Estados Unidos a reconhecer o genocídio armênio como tal.[67]

Em junho de 2021, Biden fez sua primeira viagem para o exterior como presidente, visitando o Reino Unido para uma reunião de cúpula do G7 e depois foi para Bruxelas onde se encontrou com líderes da União Europeia e da OTAN.[68][69] Antes de partir para estes encontros, o presidente americano anunciou que os Estados Unidos iriam comprar 500 milhões de doses da vacina da Pfizer para distribuir para países de baixa renda, com o propósito de frear os avanços da pandemia de COVID-19 no mundo.[70] Ainda na Europa, em 16 de junho, Biden foi para Genebra, na Suíça, onde se encontrou com o presidente russo Vladimir Putin e os dois discutiram questões como cibersegurança, direitos humanos e a crise diplomática entre as duas nações. Ambos os lados afirmaram que as conversas foram positivas.[71]

Em 28 de junho, aviões dos Estados Unidos bombardearam alvos na Síria e no Iraque, novamente, como retaliação por ataques de milícias pró-Irã contra forças americanas na região. Esta foi a segunda ação militar ordenada pelo presidente Biden naquele ano.[72] Neste mesmo período, Biden buscava reerguer o acordo nuclear com os iranianos que havia sido rompido no governo Trump, mas desconfiança de ambos os lados empacavam as conversas.[73]

Índices de aprovaçãoEditar

Ao final de fevereiro, pesquisas de opinião indicavam que a aprovação do governo Joe Biden era relativamente alta para um presidente no começo de mandato, com seus números sendo melhores e mais consistentes que os de seu predecessor, Donald Trump. Na média, segundo as pesquisas, cerca de 55% dos americanos aprovavam o trabalho de Biden, enquanto 39% desaprovavam.[74] Contudo, seu índice de aprovação era mais polarizado do que de Trump, com 98% dos democratas e 61% dos independentes aprovando sua administração, contra apenas 11% dos republicanos que aprovavam a forma como Biden governava o país, uma diferença de 87%.[75] Perto de completar cem dias no cargo, os índices de aprovação de Joe Biden permaneceram acima dos 50%, bem superior ao de Trump, mas abaixo da média histórica desde o final da década de 1940.[76]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Martin, Jonathan; Burns, Alexander (7 de novembro de 2020). «Biden Wins Presidency, Ending Four Tumultuous Years Under Trump». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  2. «When is inauguration day 2021?: Here's when president-elect Joe Biden will take office». pennlive (em inglês). 7 de novembro de 2020. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  3. Heath, Ryan; Meyer, Theodoric. «How to swear in a pandemic president». POLITICO (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2020 
  4. Zhou, Li (6 de novembro de 2020). «Kamala Harris makes history as the first woman to become vice president». Vox (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2020 
  5. Biden, Joseph R. «Executive Order on Protecting the Federal Workforce and Requiring Mask-Wearing». White House. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  6. a b c Bradner, Eric; Klein, Betsy. «Biden targets Trump's legacy with first-day executive actions». CNN. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  7. Stolberg, Sheryl Gay. «Live Updates: Biden Set to Unveil Covid Response Plan». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  8. «Biden signs executive orders on COVID-19 response, authorizes broader use of Defense Production Act to speed vaccine». The Philadelphia Inquirer. 21 de janeiro de 2021 
  9. Vogt, Adrienne (21 de janeiro de 2021). «Biden on Covid-19 plan: "This is a wartime undertaking"». CNN. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  10. «Biden signs 10 executive orders to tackle Covid-19». BBC News. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  11. «Governo Biden atinge 100 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas». CNN Brasil. Consultado em 31 de março de 2021 
  12. Wagner, Erich (22 de janeiro de 2021). «Biden to Sign Executive Order Killing Schedule F, Restoring Collective Bargaining Rights». Government Executive. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  13. Ogrysko, Nicole. «Biden to repeal Schedule F, overturn Trump workforce policies with new executive order». Federal News Network. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  14. Boak, Josh (22 de janeiro de 2021). «Biden's executive actions for economic relief at a glance». Washington Post. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  15. Lienhard, Kelly (22 de janeiro de 2021). «Biden Axes Trump's EO That Made It Easier To Fire Career Scientists». Inside Health Policy. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  16. a b c Alonso-Zaldivar, Ricardo; Barrow, Bill (14 de janeiro de 2021). «Biden unveils $1.9T plan to stem COVID-19 and steady economy». Associated Press. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  17. a b «President-elect Biden Announces American Rescue Plan» (PDF). The White House. 14 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  18. a b «What's in President-Elect Biden's COVID-19 American Rescue Plan?». The National Law Review. 19 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  19. «Câmara dos EUA aprova plano de estímulo de Biden de US$ 1,9 trilhão». G1. Consultado em 10 de março de 2021 
  20. «Biden assina pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão». Consultado em 11 de março de 2021 
  21. Schwartz, Brian (21 de janeiro de 2021). «Joe Biden's business allies discuss ways to pay for infrastructure plan, including a carbon tax». CNBC. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  22. «Biden proposes $2 trillion infrastructure, jobs plan funded by corporate tax hike». USA Today. Consultado em 31 de março de 2021 
  23. BIDEN JR., JOSEPH R. (25 de janeiro de 2021). «Executive Order on Ensuring the Future Is Made in All of America by All of America's Workers». Casa Branca. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  24. Lobosco, Katie. «Biden signs executive order aimed at strengthening American manufacturing». CNN. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  25. Tankersley, Jim; Shear, Michael D. «Biden Seeks to Define His Presidency by an Early Emphasis on Equity». The New York Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2021 
  26. Miller, Zeke; Baldor, Lolita C. (25 de janeiro de 2021). «Biden to drop Trump's military transgender ban». Associated Press 
  27. Samuels, Brett (25 de janeiro de 2021). «Biden administration will look to expedite getting Tubman on $20 bill». The Hill 
  28. Rappeport, Alan (25 de janeiro de 2021). «Biden's Treasury will seek to put Harriet Tubman on the $20 bill, an effort the Trump administration halted.». New York Times. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  29. Watkins, Eli (22 de maio de 2019). «Mnuchin punts again on putting Harriet Tubman on the $20 bill». CNN. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  30. Judd, Donald (25 de janeiro de 2021). «White House recommits to getting Harriet Tubman on $20 bill after Trump delay». CNN 
  31. BEITSCH, REBECCA. «Biden directs DOJ to phase out use of private prisons». The Hill. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  32. «Most Federal Employees Will Receive Friday Off for Juneteenth». Government Executive (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2021 
  33. a b «Biden's first act: Orders on pandemic, climate, immigration». Associated Press. 20 de janeiro 2021 
  34. Narea, Nicole (20 de janeiro de 2021). «Biden is already rolling back Trump's immigration legacy». Vox 
  35. Priscilla, Alvarez. «DHS pauses some deportations for 100 days». CNN. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  36. Priscilla, Alvarez (22 de janeiro de 2021). «Texas attorney general sues Biden administration over deportation pause». CNN. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  37. MERCHANT, NOMAAN (26 de janeiro de 2021). «Judge bars Biden from enforcing 100-day deportation ban». Associated Press. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  38. a b c Hackman, Michelle; Siobhan, Hughes (23 de janeiro de 2021). «Biden's Immigration Package Faces Steep Odds on Capitol Hill». Wall Street Journal. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  39. a b Fram, Alan (23 de janeiro de 2021). «Democrats start reining in expectations for immigration bill». Associated Press. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  40. a b Spagat, Elliot. «Biden bets big on immigration changes in opening move». Associated Press. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  41. Romo, Vanessa (11 de março de 2021). «Number Of Unaccompanied Minors Entering U.S. Soared In February». NPR.org (em inglês) 
  42. SPAGAT, ELLIOT (17 de março de 2021). «EXPLAINER: Is the US border with Mexico in crisis?». AP NEWS 
  43. Mulder, Brandon. «Fact-check: Is the surge of migrant children arriving at border a result of Biden policies?». Austin American-Statesman (29 de março de 2021) 
  44. Morin, Rebecca (15 de março de 2021). «As Biden faces ongoing surge of migrant children, Republicans criticize White House for border crisis». USA TODAY 
  45. «Why Biden has an immigration policy problem». CNN. Consultado em 31 de março de 2021 
  46. Miroff, Nick. «Biden will deploy FEMA to care for teenagers and children crossing border in record numbers». The Washington Post. Consultado em 23 de março de 2021 
  47. «Biden is giving Kamala Harris the thorniest issue to oversee as VP: immigration». Business Insider. Consultado em 27 de março de 2021 
  48. Sommer, Lauren (20 de janeiro de 2021). «Biden Moves Quickly On Climate Change, Reversing Trump Rollbacks». NPR. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  49. «Secretary-General welcomes US return to Paris Agreement on Climate Change». UN News. United Nations. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  50. Rice, Doyle. «Biden is taking bold action on climate change and the environment: Here's what we know about the Paris Agreement and the Keystone XL». USA TODAY (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  51. «Keystone XL's Demise Prompts TC Energy to Slash 1,000 Jobs». Bloomberg.com (em inglês). 21 de janeiro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  52. «Biden halts oil and gas leases, permits on US land and water». AP NEWS. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  53. Quinn, Melissa. «"It's time to act": Biden rolls out new actions on climate change». CBS News. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  54. «New momentum reduces emissions gap, but huge gap remains - analysis». Carbon Action Tracker. Consultado em 27 de abril de 2021 
  55. Newburger, Emma (22 de abril de 2021). «Here's what countries pledged on climate change at Biden's global summit». CNBC. Consultado em 29 de abril de 2021 
  56. Biden, Joseph R. (23 de janeiro de 2020). «Why America Must Lead Again». Foreign Affairs. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  57. Hansler, Jennifer (26 de janeiro de 2021). «Antony Blinken sworn in as Biden's secretary of state». CNN. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  58. a b c Bernstein, Brittany (20 de janeiro de 2021). «Incoming Secretary of State Backs Pompeo's Uyghur Genocide Designation». National Review 
  59. Ebbs, Stephanie; Kolinovsky, Sarah (27 de janeiro de 2021). «Biden says tackling climate change will create jobs, bring economic recovery». ABC News. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  60. «Declarações de Biden e Kamala revelam chapa mais crítica a governo brasileiro na história dos EUA». BBC Brasil. 16 de agosto de 2020. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  61. «Biden administration halts arms sales to UAE and Saudi Arabia». DW.COM (em inglês). 2021. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  62. «Statement by White House Spokesperson Jen Psaki on Burma». Casa Branca. 1 de fevereiro de 2021 
  63. Knickmeyer, Ellen. «Biden ending US support for Saudi-led offensive in Yemen». Associated Press. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  64. «Biden takes first military action with Syria strike on Iran-backed militias». BBC. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  65. «EUA devem anunciar saída de tropas do Afeganistão até 11 de setembro». BBC. Consultado em 13 de abril de 2021 
  66. «Biden anuncia retirada de tropas americanas do Afeganistão até 11 de setembro». CNN Brasil. Consultado em 14 de abril de 2021 
  67. Rogers, Katie; Gall, Carlotta. «Breaking With Predecessors, Biden Declares Mass Killings of Armenians a Genocide». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 24 de abril de 2021 
  68. Macias, Amanda (19 de fevereiro de 2021). «'An attack on one is an attack on all' – Biden backs NATO military alliance in sharp contrast to Trump». CNBC (em inglês). Consultado em 3 de março de 2021 
  69. «Biden to travel to U.K. and Brussels for first foreign trip as president». Axios.com. Consultado em 11 de junho de 2021 
  70. «Biden anuncia doação de 500 milhões de doses da Pfizer para países pobres». G1. Consultado em 11 de junho de 2021 
  71. «Biden e Putin discutiram sobre armas nucleares, ciberataques e futuro das relações entre EUA e Rússia». G1. Consultado em 16 de junho de 2021 
  72. «Biden orders U.S. airstrikes on Iran-backed militias in Iraq and Syria». Axios.com. Consultado em 29 de junho de 2021 
  73. «U.S. releases footage of airstrikes in Iraq and Syria at fragile moment for Iran nuclear talks». CNBC. 28 de junho de 2021. Consultado em 29 de junho de 2021 
  74. CNN, Analysis by Harry Enten. «Analysis: Biden's polling is steadier than Trump's». CNN. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  75. Inc, Gallup (4 de fevereiro de 2021). «Biden Begins Term With 57% Job Approval». Gallup.com (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  76. Bowden, John (25 de abril de 2021). «Biden approval rating stands at 52 percent after almost 100 days in office». TheHill (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021