Primitivo moderno

Os primitivos modernos ou primitivos urbanos são pessoas em nações desenvolvidas ou modernas que se envolvem em rituais e práticas de modificação corporal inspiradas nas cerimônias, ritos de passagem ou ornamentação corporal no que consideram culturas tradicionais. [1] Essas práticas podem incluir piercing, tatuagem, play piercing, suspensão corporal, tightlacing, escarificação, marca a ferro(branding) e corte . A motivação declarada para se envolver nessas variadas práticas pode ser crescimento pessoal, ritos pessoais de passagem, rejeição da sociedade, como forma de se conectar com a antiguidade, ou curiosidade espiritual e sexual.

OrigensEditar

Roland Loomis, também conhecido por seu nome escolhido, Fakir Musafar, foi um dos fundadores do movimento primitivo moderno. [2] O livro de 1989 RE/Search Modern Primitives é o grande responsável pela a promoção do conceito de primitivismo moderno. Entre as motivações dos primitivos modernos, o principal objetivo de qualquer rito de passagem é transformar o estado de ser do adepto, de um estado de existência para outro. Os primitivos modernos identificam uma conexão entre o que eles veem como "o primitivo" e a autenticidade; “em oposição às corrupções da sociedade dominante”. [3]

Os primitivos modernos podem ter um conjunto solto de crenças sobre seu modo de vida, que incluem

  • A modificação do corpo para esculpir sua autoimagem.
  • Atividades que rejeitam a sociedade em geral. Explorar o self é uma afirmação pessoal, que a sociedade rejeita.
  • Resistir ao que eles enxerga, como colonialismo e identificar-se com as lutas anticoloniais . [4]

CríticasEditar

O primitivismo urbano tem sido sugerido como apropriação cultural e deturpação ou "agregação" de culturas em um ambiente "primitivo". [5] [4] Estes foram debatidos, com os adeptos acreditando que essas críticas se baseiam em grande parte nas opiniões de Roland Loomis e não na cultura como um todo. [6]

Veja tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. National Geographic - Ancient and Modern Tattoos Celebrated in Photography Book
  2. Gauntlet – decorating the Modern Primitive Arquivado 2007-05-20 na Archive.today
  3. Benson, Susan (2000). «Inscriptions of the self: reflections on tattooing and piercing in contemporary Euro-America». In: Jane. Written on the body: the tattoo in European and American history Jane Caplan ed. London: United Kingdom: Reaktion Books Ltd. pp. 234–254. ISBN 978-0691057231 
  4. a b Rosenblatt, David (1997). «The Antisocial Skin: Structure, Resistance, and 'Modern Primitive' Adornment in the United States.». Cultural Anthropology. 12 (3): 287–334. ISBN 9781526440211. doi:10.4135/9781526440211. Consultado em 16 de Junho de 2019 
  5. [1]
  6. https://www.researchgate.net/publication/272274147_The_myths_of_modern_primitivism

Leitura adicionalEditar

links externosEditar