Problema do cálculo econômico

O problema do cálculo econômico é uma crítica ao uso do planejamento econômico como substituto da alocação dos fatores de produção baseada no mercado.[1] Foi proposto pela primeira vez por Ludwig von Mises em seu artigo de 1920 "Cálculo Econômico na Comunidade Socialista" e posteriormente expandido por Friedrich Hayek. [2] [3][4]

Em seu primeiro artigo, Mises descreveu a natureza do sistema de preços sob o capitalismo e descreveu como os valores subjetivos individuais (enquanto critica outras teorias de valor) são traduzidos em informações objetivas necessárias para a alocação racional de recursos na sociedade.[2] Ele argumentou que o planejamento da economia leva necessariamente a uma alocação irracional e ineficiente de recursos. Nas trocas de mercado, os preços refletem a oferta e a demanda de recursos, mão de obra e produtos. No artigo, Mises focou sua crítica nas deficiências da socialização dos bens de capital, mas depois passou a elaborar das várias formas diferentes de socialismo em seu livro Socialism. Ele mencionou brevemente o problema no 3º livro de Ação Humana: um Tratado de Economia, onde também elaborou sobre os diferentes tipos de socialismo, nomeadamente os modelos "Hindenburg" e "Lenin", que são singularmente diferentes, e mostrando por que, em sua opinião, o socialismo de mercado ainda é vítima dos problemas que estão ligados ao socialismo.[5]

Mises e Hayek argumentaram que o cálculo econômico só é possível por meio de informações fornecidas por meio de preços de mercado e que os métodos burocráticos ou tecnocráticos de alocação carecem de métodos para alocar recursos racionalmente.[6] A análise de Mises centrou-se na teoria dos preços, enquanto Hayek optou por uma análise mais detalhada da informação e do empreendedorismo. O debate se alastrou nas décadas de 1920 e 1930 e esse período específico do debate passou a ser conhecido pelos historiadores econômicos como o debate do cálculo socialista.[7] As críticas iniciais de Mises receberam múltiplas reações e levaram à concepção do socialismo de mercado de tentativa e erro,[8] mais notavelmente o teorema de Lange-Lerner.[9]

No artigo de 1920, Mises argumentou que os sistemas de preços nas economias socialistas eram necessariamente deficientes porque se uma entidade pública possuísse todos os meios de produção, nenhum preço racional poderia ser obtido para bens de capital, pois eram meras transferências internas de bens e não "objetos". de troca", ao contrário dos bens finais. Portanto, eles não eram precificados e, portanto, o sistema seria necessariamente irracional, pois os planejadores centrais não saberiam alocar os recursos disponíveis de forma eficiente.[2] Ele escreveu que "a atividade econômica racional é impossível em uma comunidade socialista".[2] Mises desenvolveu sua crítica ao socialismo de forma mais completa em seu livro Socialism, de 1922, argumentando que o sistema de preços de mercado é uma expressão da praxeologia e não pode ser replicado por nenhuma forma de burocracia.

Críticos notáveis do argumento original de Mises e da nova proposta de Hayek incluem o economista anarco-capitalista Bryan Caplan, o programador de computador e marxista Paul Cockshott, bem como outros comunistas.[10]

CriticasEditar

Atualmente, o debate perpassa pelo uso da computação para resolver o problema. Paul Cockshott e Allin Cottrell argumentaram que o uso de tecnologia computacional agora simplifica o cálculo econômico e permite que o planejamento central seja implementado e mantido.[11] Steven Horwitz fez um contraponto, indicando que o problema do cálculo econômico não seria computacional, mas epistemológico, uma vez que a informação utilizada para os cálculos não viria dos indivíduos, portanto não representando suas preferências subjetivas.[12] Leigh Phillips e Michal Rozworski lançaram um livro em 2019 que argumenta que corporações multinacionais como Walmart e Amazon já operam economias centralmente planejadas maiores que a União Soviética, afirmando que o problema de cálculo econômico é superável.[13]

Ver tambémEditar

Referências

  1. MISES, Ludwig von. O cálculo econômico no sistema socialista.
  2. a b c d Von Mises, Ludwig (1990). Economic calculation in the Socialist Commonwealth (PDF). [S.l.]: Mises Institute 
  3. Hayek, Friedrich (1935). "The Nature and History of the Problem"; "The Present State of the Debate". Collectivist Economic Planning. pp. 1–40, 201–243.
  4. Hayek, Friedrich August von (1 de dezembro de 2015). «O Cálculo Socialista I::». MISES: Interdisciplinary Journal of Philosophy, Law and Economics. pp. 367–385. doi:10.30800/mises.2015.v3.773. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  5. Mises, Ludwig (1949). Human Action: a Treatise on Economics. [S.l.: s.n.] 
  6. Yeager, Leland B. (1994). «Mises and Hayek on Calculation and Knowledge». Review of Austrian Economics: 12. Consultado em 1 de agosto de 2022 
  7. A Companion to the History of Economic Thought, Wiley-Blackwell by Biddle, Jeff and Samuels, Warren and Davis, John. 2006. (p. 319): "What became known as the socialist calculation debate started when von Mises (1935 [1920]) launched a critique of socialism."
  8. Market socialism or the restoration of capitalism?. Anders Åslund, World Congress for Soviet and East European Studies. Cambridge [England]: Cambridge University Press. 1992. OCLC 23253935 
  9. Steele, David Ramsay (1992). From Marx to Mises : post-capitalist society and the challenge of economic calculation. La Salle, Ill.: Open Court. p. 151. ISBN 978-0875484495. OCLC 26934946 
  10. Caplan, Bryan (2003). "Why I Am Not an Austrian Economist". George Mason University. "Austrians have overused the economic calculation argument. In the absence of detailed empirical evidence showing that this particular problem is the most important one, it is just another argument out of hundreds on the list of arguments against socialism. How do we know that the problem of work effort, or innovation, or the underground economy, or any number of other problems were not more important than the calculation problem?" Retrieved 21 April 2020.
  11. «Towards a New Socialism». ricardo.ecn.wfu.edu. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  12. Horwitz, Steven (1 de janeiro de 1996). «Money, money prices, and the socialist calculation debate». Emerald Group Publishing Limited. Advances in Austrian Economics: 59–77. ISBN 978-1-84950-019-7. doi:10.1016/s1529-2134(96)03005-0/full/html. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  13. Phillips, Leigh; Rozworski, Michal (5 de março de 2019). «The People's Republic of Walmart: How the World's Biggest Corporations are Laying the Foundation for Socialism» (em inglês). Verso Books. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.