Abrir menu principal

O produto interno bruto do Brasil é um indicador do tamanho da economia brasileira. Esse indicador econômico corresponde à soma, em valores monetários, de todos os bens e serviços finais produzidos internamente em determinada época, que pode variar de acordo com a metodologia de cálculo.

No continente americano, o valor do produto interno bruto (PIB) brasileiro só não é maior que o dos Estados Unidos[quando?][carece de fontes?]. Em 2011, chegou a ser a sexta maior economia do mundo.[1][2] Entretanto, em 2012, a economia voltou à sétima posição na classificação mundial, o que foi atribuído, pelo menos em parte, à desvalorização da moeda brasileira, o real.[3][4] Durante a década de 2010, o PIB do país se manteve dentre os dez maiores dentre os países do mundo, com algumas variações na posição. Em 2017, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) determinou que o PIB real brasileiro cresceu 0,98% em relação a 2016, totalizando 6,55 trilhões de reais nominais (cerca de 2,05 trilhões de dólares estadunidenses) sempre considerando-se valores correntes[5]). Esse crescimento se verificou após duas quedas consecutivas, ambas superiores a 3%, em 2015 e 2016.[6] Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil foi a oitava maior economia do mundo em 2017.[7][8] Em 2016, o PIB totalizou 6,26 trilhões de reais (ou 1,77 trilhão de dólares estadunidenses), de acordo com dados do Banco Mundial.[9] Houve queda de 3,59% em relação a 2015. Em 2015, o PIB totalizou 6,00 trilhões de reais (ou 1,804 trilhão de dólares estadunidenses), segundo o Banco Mundial;[9] ou 1,772 trilhão de dólares estadunidenses, segundo o FMI. Houve queda de 3,77% em relação a 2014.[10] Naquele ano, o país foi classificado pelo FMI como a nona maior economia do mundo, em números brutos (comparação país a país, sem considerar quantidade de habitantes).[11] Anteriormente, o país estivera na sétima posição, segundo o Banco Mundial, com PIB de 2,09 trilhões de dólares estadunidenses em 2010.[12]

Ao mesmo tempo em que o PIB do Brasil tem colocado o país entre as dez maiores economias do mundo, quando se consideram os valores do PIB per capita (PIB dividido pela população), tendo em vista valores nominais, a situação do país é muito diferente. Em 2013, o Brasil ficou na 62.ª posição mundial, cujo valor foi de US$ 11 310 por habitante, segundo o World Economic Outlook Database do FMI.[13] De acordo com dados do banco Goldman Sachs, o Brasil atingirá em 2050 um PIB de 11,3 trilhões de dólares estadunidenses e um PIB per capita de 49 759 de dólares estadunidenses, tornando-se a quarta maior economia do planeta.[14]

Índice

Evolução históricaEditar

Os gráficos e a tabela a seguir mostram a evolução do produto interno bruto brasileiro entre 1961 e 2018. Percebe-se que houve aumentos significativos do PIB nos primeiros anos do regime militar brasileiro, seguido de crescimento menor e inclusive recessão devido, entre outros fatores, à crise do petróleo, que contribuiu também para o fim do regime.[15] Nos últimos anos mostrados pelo segundo gráfico, percebe-se duas recessões consecutivas, que foi consequência da crise econômica no Brasil desde 2014.

Alguns dados utilizados para elaboração dos gráficos[16][17] e da tabela[18] são do Banco Mundial e IBGE, exceto os períodos onde indicados diferentemente.

Produto interno bruto real do Brasil acumulado entre 1961 e 2018.
Variação do produto interno bruto real do Brasil entre 1961 e 2018.
Produto interno bruto real per capita do Brasil entre 1961 e 2018.
Variação do produto interno bruto real per capita do Brasil entre 1961 e 2018.
Ano PIB nominal (R$)[nota 1][nota 2] PIB real (R$)[nota 3][nota 2] Crescimento anual do PIB real (R$) Variação anual do PIB real (%)[nota 4] PIB nominal per capita (R$/hab.)[nota 5] PIB real per capita (R$/hab.)[nota 6] Crescimento anual do PIB real per capita (R$) Variação anual do PIB real per capita (%)[nota 7] Governo
2021 . 1.889.610.066.700,00 46.088.050.400,00 2,50% (est. 2019)[26] . 8.858,19[27] 152,30[27] 1,74% (proj. 1 jul 2021)[27] Governo Bolsonaro
2020 . 1.843.522.016.300,00 39.684.427.000,00 2,20% (est. 2019)[26] . 8.705,89[27] 122,20[27] 1,42% (proj. 1 jul 2020)[27]
tri. 2019 . 1.803.837.589.300,00 15.203.390.600,00 0,85% (est. 1 jul 2019)[26] . 8.583,69[27] 4,90[27] 0,06% (proj. 1 jul 2019)[27]
tri. 2019 . . . . . . . .
tri. 2019 . . . . . . . .
tri. 2019 N/D 1.785.131.235.500,00 8.806.944.600,00 0,50%[28][29] N/D 8.545,83[27] 8,43[27] 0,10% (proj. 1 out 2018)[27]
2018 6.800.000.000.000,00 1.788.634.198.700,00 19.460.906.200,00 1,10% 32.594,68 8.578,79 28,22 0,33% Governo Temer / Governo Dilma
2017 6.559,900.000.000,00 1.769.173.292.500,00 17.169.635.800,00 0,98% 31.534,05 8.550,57 21,32 0,25%
2016 6.266.895.000.000,00 1.752.003.656.700.00 -65.239.011.900,00 -3,59% 30.399.26 8.529,25 -364,65 -4,10%
2015 6.000.572.000.000,00 1.817.242.668.600,00 -71.179.399.200,00 -3,77% 29.323,30 8.893,90 -404,48 -4,35%
2014 5.778.952.000.000,00 1.888.422.067.800,00 9.469.204.500,00 0,50% 28.500,92 9.298,38 -32,65 -0,35%
2013 5.331.619.000.000,00 1.878.952.863.300,00 ‭54.812.948.400‬,00 3,00% 26.520,72 9.331,03 192,81 2,11%
2012 4.814.760.000.000,00 1.824.139.914.900,00 34.383.903.300,00 1,92% 24.159,89 9.138,22 91,38 1,01%
2011 4.376.382.000.000,00 1.789.756.011.600,00 68.323.475.100,00 3,97% 22.157,26 9.046,84 266,05 3,03%
2010 3.885.847.000.000,00 1.721.342.536.500,00 120.513.954.500,00 7,53% 19.854,75 8.780,79 537,47 6,52% Governo Lula
2009 3.333.039.000.000,00 1.600.828.582.000,00 -2.017.551.500,00 -0,13% 17.190,67 8.243,32 -90,00 -1,08%
2008 3.109.803.000.000,00 1.602.846.133.500,00 77.696.350.100,00 5,09% 16.194,33 8.333,32 324,36 4,05%
2007 2.720.263.000.000,00 1.525.149.783.400,00 87.277.046.800,00 6,07% 14.307,35 8.008,96 379,20 4,97%
2006 2.409.450.000.000,00 1.437.872.736.600,00 54.796.148.100,00 3,96% 12.804,82 7.629,76 209,98 2,83%
2005 2.170.584.000.000,00 1.383.076.588.500,00 42.913.923.800,00 3,20% 11.661,84 7.419,78 147,63 2,03%
2004 1.957.750.000.000,00 1.340.162.764.700,00 72.987.711.800,00 5,76% 10.639,58 7.272,15 313,15 4,50%
2003 1.717.951.000.000,00 1.267.175.052.900,00 14.295.444.200,00 1,14% 9.449,19 6.959,00 8,36 -0,12%
2002 1.488.788.000.000,00 1.252.879.608.700,00 37.120.808.800,00 3,05% 8.292,35 6.967,36 117,14 1,71% Governo FHC
2001 1.315.756.000.000,00 1.215.758.799.900,00 16.665.799.900,00 1,39% 7.425,42 6.850,22 0,68 0,01%
2000 1.199.093.000.000,00 1.199.093.000.000,00 47.365.539.400,00 4,11% 6.860,17 6.849,54 193,69 2,91%
1999 1.087.711.000.000,00 1.151.727.460.600,00 5.377.146.300,00 0,47% 6.312,20 6.655,85 -67,91 -1,01%
1998 1.002.351.000.000,00 1.146.350.314.300,00 3.865.667.400,00 0,34% 5.903,64 6.723,76 -80,29 -1,18%
1997 952.089.000.000,00 1.142.484.646.900,00 37.514.067.600,00 3,40% 5.694,01 6.804,05 119,65 1,79%
1996 854.763.000.000,00  1.104.970.579.300,00 23.865.772.700,00 2,21% 5.192,51 6.684,40 39,87 0,60%
1995 720.985.000.000,00  1.081.104.806.600,00 45.729.735.400,00 4,42% 4.357,44 6.644,53 177,83 2,75%
1994 356.801.000.000,00  1.035.375.071.200,00 52.435.423.700,00 5,33% 2.237,94 6.466,70 226,52 3,63% Governo Itamar / Governo Collor
1993 14.097.114.200,00  982.939.647.500,00 43.811.896.600,00 4,67% 89,88 6.240,18 178,22 2,94%
1992 640.958.800,00  939.127.750.900,00 -4.405.481.300,00 -0,47% 4,15 6.061,96 -133,19 -2,15%
1991 60.286.000,00  943.533.232.200,00 14.053.155.400,00 1,51% 0,40 6.195,15 -16,15 -0,26%
1990 11.548.794,55  929.480.076.800,00 -29.759.010.900,00 -3,10% 0,08 6.211,30 -315,92 -4,84%
1989 425.595,31  959.239.087.700,00 30.458.962.100,00 3,28% 0,003 6.527,22 88,21 1,37% Governo Sarney
1988 31.477,70  928.780.125.600,00 -954.583.900,00 -0,10% . 6.439,01 -132,07 -2,01%
1987 4.195,11  929.734.709.500,00 32.304.174.000,00 3,60% . 6.571,08 100,29 1,55%
1986 1.331,57  897.430.535.500,00 66.386.268.500,00 7,99% . 6.470,79 353,00 5,77%
1985 502,74  831.044.267.000,00 61.172.913.400,00 7,95% . 6.117,79 326,62 5,64%
1984 140,40  769.871.353.600,00 38.535.151.400,00 5,27% . 5.791,17 164,85 2,93% Governo Figueiredo
1983 42,64  731.336.202.200,00 -25.817.373.200,00 -3,41% . 5.626,32 -334,39 -5,61%
1982 18,38  757.153.575.400,00 4.368.004.800,00 0,58% . 5.960,71 -106,17 -1,75%
1981 8,92  752.785.570.600,00 -34.592.323.400,00 -4,39% . 6.066,88 -430,10 -6,62%
1980 4,50  787.377.894.000,00 65.747.551.200,00 9,11% . 6.496,98 400,53 6,57%
1979 2,20  721.630.432.800,00 45.733.137.100,00 6,77% . 6.096,45 249,66 4,27%
1978 1,32  675.897.295.700,00 21.159.232.600,00 3,23% . 5.846,79 46,98 0,81% Governo Geisel
1977 0,91  654.738.063.100,00 28.831.258.200,00 4,61% . 5.799,81 122,07 2,15%
1976 0,59  625.906.804.900,00 55.814.386.000,00 9,79% . 5.677,74 382,33 7,22%
1975 0,37  570.092.418.800,00 28.216.221.500,00 5,21% . 5.295,41 141,73 2,75%
1974 0,26  541.866.197.300,00 44.933.272.900,00 9,04% . 5.153,68 314,54 6,50%
1973 0,18  496.932.924.400,00 60.945.357.600,00 13,98% . 4.839,14 491,30 11,30% Governo Médici
1972 0,13  435.987.566.800,00 46.896.390.100,00 12,05% . 4.347.84 373,22 9,39%
1971 0,09  389.091.176.700,00 39.487.984.200,00 11,30% . 3.974,62 314,41 8,59%
1970 0,07  349.603.192.500,00 28.187.948.100,00 8,77% . 3.660,21 209,25 6,06%
1969 0,06  321.415.244.400,00 28.516.148.900,00 9,74% . 3.451,07 223,96 6,94%
1968 0,04  292.899.095.500,00 30.037.892.000,00 11,43% . 3.227,11 253,64 8,53% Governo Costa e Silva
1967 0,03  262.861.203.500,00 12.326.316.400,00 4,92% . 2.973,47 62,01 2,13%
1966 0,02 250.534.887.100,00 9.979.907.100,00 4,15% . 2.911,46 38,22 1,33% Governo Castello
1965 0,01 240.551.980.000,00 7.119.684.900,00 3,05% . 2.873,24 5,73 0,20%
1964 0,01 233.432.295.100,00 7.872.052.200,00 3,49% . 2.867,51 15.97 0,56%
1963 0,005 225.560.242.900,00 1.967.615.100,00 0,88% . 2.851,54 -58,79 -2,02% Governo Goulart / Governo Jânio
1962 0,003 223.592.627.800,00 11.092.506.300,00 5,22% . 2.910,33 62,37 2,19%
1961 0,001 212.500.121.500,00 19.808.680.100,00 10,28% . 2.847,96 189,05 7,11%

Distribuição geográfica e comparaçãoEditar

Taxas de crescimentoEditar

PIB per capitaEditar

Composição setorialEditar

Em dezembro de 2017, o setor de serviços respondeu pela maior parte do PIB, com 73,2%,[30] seguido pelo setor industrial, com 21,2%, enquanto a agricultura representa 5,7%.[31]

Ver tambémEditar

Notas

  1. Dados do Banco Mundial[19]
  2. a b Ao dividir o PIB de um ano pelo ano anterior não resulta o valor do crescimento. Isto se deve à diferença entre o PIB nominal e o PIB real, que desconta a inflação. O tamanho do crescimento é medido pelo PIB real, que desconta a inflação. Em vários anos, verificou-se um baixo crescimento do PIB real, enquanto o PIB nominal cresceu muito mais, dada a inflação alta. Observação: em março de 2015, o IBGE revisou a série histórica do PIB desde 1995, adotando nova metodologia de cálculo e aprimorando a medição; com isso, as taxas de crescimento (ou de retração) de anos anteriores sofreram modificações.[20]
  3. Dados do Banco Mundial[21]
  4. Dados do Banco Mundial[22]
  5. Dados do Banco Mundial[23]
  6. Dados do Banco Mundial[24]
  7. Dados do Banco Mundial[25]

Referências

  1. «The World Factbook — Central Intelligence Agency». www.cia.gov 
  2. Brasil ultrapassa Reino Unido e se torna 6ª economia do mundo. Crise bancária de 2008 e a consequente recessão foram as principais causas da queda britânica. Istoé, 26 de dezembro de 2011.
  3. Brasil perde posto de sexta maior economia. Desvalorização do real em relação ao dólar fez o País voltar para sétima posição no ranking, atrás do Reino Unido. Jornal do Do 17 de dezembro de 2012
  4. Desvalorização do real pode derrubar Brasil em ranking de economias. Por Marcos Troyjo. BBC, 28 de maio 2012.
  5. International Moneary Fund. Report for Selected Countries and Subjects. Brazil. Gross domestic product, current prices. U.S. dollars. Billions
  6. PIB avança 1,0% em 2017 e fecha ano em R$ 6,6 trilhões. IBGE Agência de Notícias, 1º de março de 2018.
  7. Na corrida mundial, Índia ultrapassa França e Brasil passa à frente de Itália. Expresso, 20 de abril de 2018.
  8. O que é o PIB - IBGE
  9. a b The World Bank. GDP (current US$). Brazil.
  10. International Monetary Fund. World Economic Outlook Database, April 2016Report for Selected Countries and Subjects (1980-2015). Country: Brazil. Subject Descriptor: Gross domestic product, current prices. Units: U.S. dollars. Scale:Billions
  11. Brasil cai para a nona economia do mundo. Diário do Comércio, 4 de março de 2016.
  12. Gross domestic product 2010 (millions of US dollars) Ranking. World Development Indicators database, World Bank, 1º de julho de 2011.
  13. International Monetary Fund. World Economic Outlook Database. April 2014. Acesso em 15 de maio de 2018.
  14. Goldman Sachs, Global Economics Paper No: 153 Arquivado em 31 de março de 2010, no Wayback Machine., visitado em 31 de agosto de 2009
  15. «Crise do petróleo». Consultado em 17 de Junho de 2017 
  16. «GDP growth (annual %) | Data». data.worldbank.org (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2017 
  17. «World Development Indicators | DataBank». databank.worldbank.org. Consultado em 16 de junho de 2017 
  18. The World Bank. GDP (constant LCU) Brazil
  19. The World Bank. GDP (current LCU) Brazil
  20. Entenda o novo cálculo que aprimora e muda o tamanho do PIB. G1 (27/03/2015). Acesso em 28 de março de 2015.
  21. The World Bank. GDP (constant LCU)
  22. GDP growth (annual %)
  23. The World Bank. World Development Indicators | DataBank. GDP per capita (current LCU).
  24. The World Bank. World Development Indicators | DataBank. per capita (constant LCU)
  25. The World Bank. World Development Indicators | DataBank. GDP per capita growth (annual %)
  26. a b c «Mercado mantém previsão de queda no crescimento do PIB de 2019». G1. Consultado em 9 de julho de 2019 
  27. a b c d e f g h i j k l «IBGE | Projeção da população». www.ibge.gov.br. Consultado em 9 de julho de 2019 
  28. «PIB: Economia brasileira encolhe 0,2% e tem 1ª queda trimestral desde 2016». economia.uol.com.br. Consultado em 10 de julho de 2019 
  29. «PIB do Brasil cresce 0,4% no 1º trimestre e recuperação da economia segue em ritmo lento». G1. Consultado em 14 de julho de 2019 
  30. «Agropecuária puxa o PIB de 2017. IBGE: Crescimento acumulado do setor foi de 14,5%» 
  31. «PIB brasileiro cresce 1% em 2017 após dois anos de queda, mostra IBGE». Valor Econômico