Abrir menu principal
Promon Engenharia
Razão social Promon Engenharia Ltda
Empresa de capital fechado
Atividade Engenharia
Gênero Subsidiária
Fundação 1960 (59 anos)
Sede São Paulo,  Brasil
Área(s) servida(s) Obras no Brasil e no exterior
Proprietário(s) Grupo Promon
Faturamento U$ 536 milhões (2010)
Website oficial www.promonengenharia.com.br

Promon Engenharia é uma empresa de engenharia brasileira fundada em 1960 que faz parte do Grupo Promon.[1]

Atua no setores de energia elétrica, indústrias de processo e manufatura, infraestrutura e edificações especiais, meio ambiente, mineração e metalurgia, petróleo e gás, química e petroquímica.[1]

A empresa tem mais de 56 anos de atuação com grandes construções industriais em empresas como Petrobras, Vale, CESP, General Motors, Ford do Brasil, Light, Renault do Brasil, Suzano Papel e Celulose, Volkswagen, entre outras.[2]

Em 2010, o crescimento da Promon Engenharia foi de 36%, e a receita bruta foi de 536 milhões de dólares.[3]

Índice

HistóriaEditar

A Promon Engenharia teve seu primeiro contrato em 1961 com a ampliação da Refinaria Presidente Bernardes em Cubatão, São Paulo. Em 1962 fez a fábrica de fertilizantes em Cubatão para a Petrobras. Em 1963, teve um novo contrato com a Petrobras, em Betim, Minas Gerais. No ano seguinte, em 1964, fez a construção do Terminal para Óleo Aromático, em Duque de Caxias, para a Copebrás. Em 1965 fez outra obra para a Petrobras, a Reduc, em Duque de Caxias.[2]

Na década de 70 fez obras para o General Motors em São José dos Campos, uma Fábrica de Motores e Montagem de Automóveis e para a Petrobras em Mataripe, Bahia. Fez ainda a obra da Usina Hidrelétrica de Água Vermelha, da CESP. Em 1972 fez a obra de Furnas e em 1973 a Ford Brasil. Em 1975 fez a obra de Itaipu, e Linha 1 e Linha 3 do Metrô de São Paulo.[2]

Na década de 80 fez obras para VALE, CESP, Petrobras, e obras no exterior, pros governos da Nigéria, da Argélia e do Iraque.[2]

Na década de 90 fez obras para Brahma, Copesul, Light, Walmart Brasil, Peugeot, Petrobras, Volkswagen.[2]

Nos anos 2000 fez a primeira expansão Alunorte, da Fábrica de Alumina em Barcarena, Pará.[2]

Em 2008 fez um consórcio (consórcio CCPR) com a construtora Camargo Corrêa para executar obras da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), tendo finalizado o projeto em 2012.[4][5]

PremiaçõesEditar

  • As Melhores Empresas para Começar a Carreira - 2016[6]
  • As Melhores Empresas para Você Trabalhar - 2015[6]
  • Guia Exame de Sustentabilidade - 2014[6]
  • Empresa do Ano - Melhores e Maiores de Exame - 2012[3]
  • PMO do Ano - 2012 [6]
  • Guia Exame de Sustentabilidade - 2012 [6]
  • As Melhores Empresas para Você trabalhar - 2012 [6]
  • As Melhores Empresas para Começar a Carreira - 2012 [6]
  • 500 Grandes da Construção - 2012 [6]
  • Guia Exame de Sustentabilidade - 2011 [6]
  • Top of Mind do PMI - 2011 [6]
  • As Melhores Empresas para Você Trabalhar - 2011 [6]
  • As 100 Melhores Empresas para Trabalhar - 2011 [6]
  • Empresa do Ano - 2011 [6]
  • Melhor do Setor Indústria da Construção, 2011 [6]
  • As Melhores Empresas para Começar a Carreira – 2011 [6]
  • Prêmio Expressão Ecologia, 2011 [6]
  • Prêmio Projeto do Ano, 2010 [6]
  • Prêmio Nacional Gestão Banas, 2010 [6]
  • Top of Mind do PMI, 2010 [6]
  • 50 Melhores Empresas para Executivos Trabalhar, 2010 [6]
  • As 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar, 2010 [6]
  • As 100 Melhores Empresas para Trabalhar, 2010 [6]
  • Top Social, 2010 [6]
  • 500 Grandes da Construção, 2010 [6]
  • Prêmio Proteção Brasil, 2010 [6]
  • Engineering & Schematics Excellence Award , 2010 [6]
  • Most Admired Knowledge Enterprise - MAKE, 2009 [6]
  • Prêmio Petrobras - Engenharia QSMS, 2009 [6]
  • Prêmio Nacional da Qualidade - PNQ, 2007 [6]  

CompromissosEditar

CertificaçõesEditar

Operação Lava JatoEditar

Em 2014 passou a ser investigada na Operação Lava Jato,[9] e no mesmo mês foi impedida de fazer novos contratos com a Petrobras, pela própria estatal.[10]

Inquérito policialEditar

Em janeiro de 2015 foi alvo de inquérito da Polícia Federal, para apurar a participação da Promon Engenharia no esquema delatado por Alberto Youssef, investigado pela força-tarefa da Lava Jato.[11]

Cartel e processo administrativoEditar

Em março de 2015, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), afirmou que o cartel das empreiteiras na Petrobras, investigado pela Lava Jato, durou pelo menos 9 anos.[12]

No mesmo mês foi alvo de processo administrativo da Controladoria-Geral da União (CGU), em razão do envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.[13]

Improbidade administrativaEditar

Em 2016, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com uma ação de improbidade administrativa contra diversas empreiteiras envolvidas no esquema da Petrobras, entre elas, a Promon Engenharia.[14]

Galeria de fotos – exemplos de projetos já realizados[2]Editar

 
Usina Hidrelétrica de Itaipu
 
Sistema de Transmissão de Itaipu (HVDC)
 
Passarela do Samba - Rio de Janeiro
 
Memorial da América Latina
 
Metrô de São Paulo
 
Metrô do Rio de Janeiro
 
Linha Vermelha - Rio de Janeiro
 
Terminal Marítimo de Ponta da Madeira - Vale
 
Usina Hidrelétrica de Marimbondo
 
Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs)
 
Centros de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (CAICs)
 
Usinas Nucleares Angra I e II
 
Metrô de Lisboa
 
Complexo Viário Ayrton Senna - São Paulo
 
Metrô de Salvador
 
Usina de Etanol de 2ª Geração - Raízen

Referências

  1. a b «PROMON ENGENHARIA». Promon. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  2. a b c d e f g «Linha do Tempo». Promon Engenharia. Consultado em 9 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2016 
  3. a b Márcio Juliboni (19 de junho de 2012). «Promon Engenharia é a Empresa do Ano de Melhores e Maiores de EXAME». Exame. Abril. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  4. «Consórcio CCPR (Camargo Corrêa e Promon Engenharia)». providercontrols.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  5. «Unidade de Coqueamento Retardado da Repar». Promon Egenharia. Consultado em 9 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac «Premiações». Promon Engenharia. Consultado em 9 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  7. a b c d e f g «Compromissos e Premiações». www.promon.com.br. Consultado em 28 de março de 2017 
  8. a b c d «Certificações». www.promonengenharia.com.br. Consultado em 24 de março de 2017. Arquivado do original em 25 de março de 2017 
  9. Fabiano Costa e Fábio Amato. «Delatores dizem ter pago R$ 154 mi de propina a operadores de PT e PMDB». G1. Globo.com. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  10. «Construtoras reagem a impedimento de contratar com a Petrobras». O Globo. Yahoo. 30 de dezembro de 2014. Consultado em 9 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  11. Samuel Nunes (27 de janeiro de 2015). «para investigar empresas na Lava Jato». G1. Globo.com. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  12. Juliano Brasile. «Lava-Jato: Cade diz que cartel das empreiteiras durou 9 anos». Valor Econômico. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  13. Erich Decat (11 de março de 2015). «CGU abre processo contra mais dez empreiteiras implicadas na Lava Jato». Estadão. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  14. André de Souza (14 de outubro de 2016). «Lava-Jato: AGU vai à Justiça cobrar R$ 5,1 bilhões da Camargo Corrêa». O Globo. Globo.com. Consultado em 8 de dezembro de 2016 

Ligações externasEditar