Abrir menu principal

Pronome relativo

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Pronome relativo é assim chamado porque se refere, de regra geral, a um que vem depois de um adjunto adnominal - o antecedente,ou seja, o substitui.[1]

Pronome relativo é um pronome que, no período composto, retoma um antecedente (palavra ou expressão anterior a ele), representando-o no início de uma nova oração.

Concorda sempre com o antecedente. EX: Os textos que li são excelentes.

Os pronomes relativos são: que, quem, o qual (a qual, os quais, as quais), onde (equivalendo a em que), quanto (quanta, quantos, quantas) e cujo (cuja, cujos, cujas) e podem ser precedidos ou não por preposições.

Ex.: A casa ''onde'' Maria Eugênia e Rafaela moram é muito moderna.

A pessoa a quem entreguei os documentos é a recepcionista.

Os pronomes relativos podem ser facilmente substituídos pelo relativo "o qual" e suas variantes, preposicionadas ou não. Esse artifício não se aplica aos pronomes cujo, cuja, cujos e cujas, que são sempre pronomes relativos.

Ex.: O rapaz de quem lhe falei não é aquele?

O rapaz do qual lhe falei não é aquele?

  • Quem - o pronome relativo quem refere-se a pessoas ou coisas personificadas e é precedido de preposição.
  • Onde - o pronome relativo onde é empregado na indicação de lugar, exercendo a função sintática de adjunto adverbial.
  • Cujo - todas a frases que tem o nome relativo cujo são adjunto adnominal ou complemento nominal.

Ex.: Vivo com seres cujos sentidos são facilmente detectáveis.

Ex.: A rodovia cuja pavimentação deteriora a flora...

Obs.: o pronome "cujo", e suas variações, não concorda com o antecedente, mas sim com o consequente. EX: Este é o livro cujas folhas estão amareladas.

Obs2.: quanto é pronome relativo quando tem por antecedente um pronome indefinido, tanto (ou variações) e tudo.

Notas

  1. CUNHA, Celso;CINTRA, Luís Filipe Lindley, Nova Gramática do Português Contemporâneo, 3a edição, 14a impressão, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2001, ISBN 85-209-1137-4, pág. 342.


  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.