Prospero Colonna (cardeal)

Prospero Colonna (Roma, c. 1410 - Roma, 24 de Março de 1463) foi um cardeal-sobrinho do Papa Martinho V (Odo Colonna), cuja eleição fez terminar o Cisma do Ocidente.

Prospero Colonna
Cardeal da Igreja Católica
Protodiácono
Arcipreste da Basílica de São João de Latrão
Arcipreste da Basílica de Santa Maria Maior

Título

Cardeal-diácono de São Jorge em Velabro
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 24 de maio de 1426 (in pectore)
8 de novembro de 1430 (Publicado)

por Papa Martinho V
Ordem Cardeal-diácono
Título São Jorge em Velabro
Brasão
Template-Cardinal (not a bishop).svg
Dados pessoais
Nascimento Roma
1410
Morte Roma
24 de março de 1463 (53 anos)[1]
Progenitores Mãe: Sveva Caetani
Pai: Lorenzo Onofrio Colonna
Sepultado Basílica dos Doze Santos Apóstolos
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

BiografiaEditar

Colonna nasceu por volta de 1410, sendo o quinto filho do conde Lorenzo Onofrio Colonna e de Sveva Caetani, do signori de Sermoneta [1]. Colonna foi um notário apostólico e, aos 11 anos, foi cónego da Catedral de Liège (1421), perdendo o título mas recuperando-o em 1426[1]. Colonna foi também o arcediago de Cantuária de junho de 1424 a dezembro de 1434, nomeado por Martinho V, seu tio.[1][2] Colonna recebeu as receitas correntes eclesiásticas na Inglaterra, incluindo a prebenda de Laughton, York, num valor estimado de 33₤ por ano, numa questão de disputa entre Colonna e Thomas Chapman, bem como com o sucessor de Chapman, John Lax[3]. Colonna adquiriu outros benefícios em Inglaterra num momento em que o direito de o papa nomear bispos ingleses era uma questão controversa [4] .

Colonna foi criado cardeal-diácono in pectore em 24 de maio de 1426, apesar da sua elevação não ser publicada senão em 8 de novembro de 1430.[1][5] Após a morte de seu tio, Prospero juntou-se ao resto da família Colonna em rebelião contra o sucessor de Martinho V, o Papa Eugénio IV, que passou a privar o cardeal de todos os seus benefícios[5]. Colonna, com a ajuda de seus parentes, levou a maior parte do tesouro papal, e foi excomungado por Eugénio IV.[6]

Como as forças dos Colonna se juntaram às da família Savelli e ao Reino de Nápoles, Colonna escapou para fora da cidade à noite para se juntar às forças rebeldes.[7] Em 22 de maio, em Paliano, Colonna recebeu o comando da guarnição do Duque de Calabria, Luís III de Nápoles, que comandava as tropas napolitanas fora dos muros de Roma.[7] As forças entraram na cidade em 30 de maio, mas foram rechaçadas pelos esforços da família Orsini e de Girolamo Riario[7].

Até então Protodiácono do Colégio dos Cardeais, Colonna foi o papabile líder no conclave de 1447, recebendo 10 votos em primeiro escrutínio (apenas a dois da maioria absoluta necessária), e continuou a receber 10 nos três primeiros dias de votação [8]. Colonna teve o apoio dos cardeais franceses e daqueles que ficaram impressionados com a influência que ele tinha com várias das cidades-estado italianas, mas não teve o apoio do público romano, devido à reputação de violência extrajudicial.[9] Domenico Capranica em vão falou em favor de Colonna, referindo-se a ele como "Mansuetto agnello" (manso como um cordeiro).[6] O Papa Nicolau V, o candidato escolhido em última instância, reintegrado todos os benefícios de Colonna.[5].

Colonna exerceu o voto no conclave de 1458, que elegeu o Papa Pio II, afirmando: "Eu também voto para o Cardeal de Siena se tornar papa."[5] Colonna anos antes mudara o seu voto de Piccolomini por Accessus após os cardeais Guillaume d'Estouteville e Basilios Bessarion tentarem tirá-lo da sala pela força[10].

Colonna morreu no dia 24 de março de 1463 e foi enterrado na Basílica dos Doze Santos Apóstolos, em Roma.

ConclavesEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d e Miranda, S. 1998. "Consistory of May 24, 1426 (II)". Florida International University.
  2. Harvey, 1993, p. 29.
  3. Harvey, 1993, p. 16.
  4. Harvey, 1993, p. 95.
  5. a b c d   "Colonna" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.
  6. a b Trollope, 1876, p. 138.
  7. a b c Pastor, 1906, p. 355.
  8. Trollope, 1876, p. 135.
  9. Trollope, 1876, p. 136.
  10. Hibbert, 2008, pp. 16-17.

BibliografiaEditar

Precedido por
Oddone Colonna
 
Cardeal-diácono de São Jorge em Velabro

14301463
Entre 1433 e 1434, foi excomungado
Sucedido por
Raffaele Riario
Precedido por
Lucido Conti
 
Cardeal-Protodiácono

14371463
Sucedido por
Rodrigo de Borja y Borja
Precedido por
Domenico Capranica
 
Arcipreste da Basílica de São João de Latrão

14581463
Sucedido por
Latino Orsini
Precedido por
Guillaume d’Estouteville, O.S.B.
 
Arcipreste da Basílica de Santa Maria Maior

14621463
Sucedido por
Giuliano della Rovere, O.F.M.