Abrir menu principal

Protesto de Espira

(Redirecionado de Protesto de Speyer)
João de Saxônia, eleitor do Sacro Império Romano Germánico, um dos líderes do Protesto de Espira, por médio da qual seis príncipes e 14 Cidades Livres da Alemanha reclamaram a tolerância religiosa ao imperador Carlos V. Imagem de uma das vidrieras da Igreja da Lembrança, em Espira.

O Protesto de Espira é o documento que seis príncipes e catorze cidades livres alemães do Sacro Império Romano Germânico apresentaram em 19 de abril de 1529 para protestar contra o Édito do Imperador Carlos V, que anulava a tolerância religiosa que tinha sido legalmente concedida aos principados alemães, com o fim de reprimir ao movimento de reforma da Igreja católica iniciado por Martinho Lutero em 1517. Este é considerado como um dos documentos mais importantes do protestantismo, do qual toma sua denominação.

AntecedentesEditar

Em 1517 o teólogo e monge católico agustino alemão Martin Lutero, da universidade de Wittenberg, capital do Ducado da Saxônia, publicou as 95 teses, questionando a prática das indulgências que realizava o Papa. Este histórico fato originou uma série de confrontações religiosas entre Lutero e o Vaticano, nas que se viram envolvidos vários principados e nobres alemães, bem como amplos setores populares que compartilhavam as propostas religiosas de Lutero.

Em 1521 o Papa Leão X excomungou Lutero e poucos meses depois o recém eleito imperador Carlos V (também Rei de Espanha) sancionou o Édito de Worms, o declarando prófugo e herege e proibindo suas obras em todo o Império. Mas, pese à ordem imperial, Lutero era protegido por Federico III da Saxônia e de outros nobres alemães, e a reforma religiosa começa a se estender, tanto territorialmente como em seus conteúdos, ao mesmo tempo que se radicaliza o confronto com o Papa. Enquanto, em 1522 aparece em Zurich e estende-se por Suíça uma nova corrente reformadora liderada pelo teólogo Ulrico Zuinglio, da qual se desprende a sua vez outra corrente ainda mais radical que levará o nome de anabatismo.

Entre 1524 e 1525 teólogos e predicadores luteranos e anabatistas desencadeiam a sangrenta Guerra dos camponeses alemães, duramente reprimida com o resultado de dezenas de milhares de mortos. A seu término, vários Estados católicos alemães formaram a Liga de Dessau para combater aos evangélicos.

A Dieta de Espira de 1526Editar

Para os então luteranos tinham-se estendido, enquanto que o Sacro Império Romano-Germânico via-se ameaçado pelo Império Otomano, dirigido por Solimão, o Magnífico, que tinha conquistado a Hungria e se preparava para atacar Áustria. O perigo exterior levou ao imperador Carlos V a procurar uma postergação do conflito religioso interno, e para isso convocou a uma reunião da Dieta Imperial (Reichstag), uma assembleia de nobres, laicos e religiosos que tinha funções legislativas. A Dieta reuniu-se em Espira em 1526 e resolveu, com o consenso do Rei Fernando I enviado por Carlos V, que "a cada Estado deverá viver, governar e crer como deseje e confie, respondendo ante Deus e sua Majestade Imperial". Tratava-se de um armistício religioso, durante o qual ficava suspenso o Édito de Worms, que proibia o luteranismo.

A decisão da Dieta de Espira de 1526 foi utilizada pelos príncipes luteranos para expandir ainda mais o novo movimento religioso. Imediatamente após a Dieta, o Landgraviato de Hesse e o Eleitorado da Saxônia formam a Liga de Torgau, e no ano seguinte o príncipe eleitor João da Saxônia estabelece oficialmente a Igreja Luterana e assume como primeiro bispo da mesma. Nos três anos seguintes, a maior parte do norte de Alemanha adotou as ideias de Lutero, com exceção do Margraviato de Brandeburgo, o Ducado albertino de Saxônia-Meissen e o ducado de Brunswick-Wolfenbüttel.[1]

A Dieta de Espira de 1529Editar

Em 1529 Carlos V voltou a convocar à Dieta Imperial em Espira, desta vez com a intenção de deixar sem efeito a trégua de 1526 e restabelecer plenamente o Edicto de Worms para combater definitivamente ao luteranismo e obrigar aos príncipes a impor o catolicismo no Sacro Império Romano-Germânico.

Ao igual que em 1526, o Imperador Carlos V não pôde ir a Espira e enviou em sua representação a seu irmão o rei Fernando I. Também não assistiu Lutero, a quem Carlos V tinha considerado herege e posto fora da lei mediante o Édito de Worms, mas sim apresentaram-se vários de seus principais seguidores, em particular o teólogo Philipp Melanchthon, que participou como acompanhante de João da Saxônia.

Na abertura da Dieta, o 15 de março, Fernando anunciou a decisão do imperador de restabelecer plenamente o Édito de Worms, dizendo:

O 19 de abril, a maioria dos membros da Dieta aprovaram a decisão imperial de revogar a decisão de 1526. Aos luteranos disse-se-lhes que tinham que aceitar a decisão da maioria. Mas a decisão imperial significava encerrar a reforma luterana dentro dos limites da Saxônia, com o fim de preparar sua aniquilação. Nesse ponto, os príncipes luteranos abandonaram o salão para debater a posição a adotar. A ideia geral era que a Dieta de 1526 tinha estabelecido a tolerância religiosa e que devia ser mantida. "Em assuntos de consciência, a maioria não tem poder", foi o princípio no que se baseou a posição dos luteranos.

Ao voltar à Dieta, Fernando recusou escutá-los. Por essa razão, os príncipes escreveram um Protesto e leram-na. Fernando recusou a postura dos príncipes dissidentes e demandou que deviam "aceitar e obedecer a decisão".

Ao dia seguinte, os luteranos apresentaram a Carta de Protesto, na que sustentavam que a autoridade secular não podia impor sua autoridade em matéria de fé. O rei negou-se a receber a carta, mas a mesma foi impressa e difundida publicamente.

O ProtestoEditar

Os seis "príncipes" que assinaram a Carta de Protesto foram:

As 14 cidades imperiais livres que subscreveram o protesto foram:

O texto do histórico protesto começa dizendo:

A Dieta teve sua última reunião o 24 de abril, e a decisão oficial foi lida uma vez mais, sem nenhuma alusão ao protesto luterano. Em resposta, os príncipes e delegados de cidades luteranas reuniram-se no dia 25 e redigiram um Instrumento de Apelação, no que reiteraram suas objeções. Esta última é a que se considera a data e o texto do Protesto. Nesse mesmo dia, o Eleitorado da Saxônia, Hesse e as cidades de Estrasburgo, Ulm e Nuremberg comprometeram-se secretamente a selar um tratado defensivo em caso de serem atacados pelo imperador ou algum dos Estados católicos.

Acontecimentos posterioresEditar

 
Igreja da Lembrança do Protesto, em Espira, construída entre 1893 e 1904

Depois do Protesto de Espira, Lutero e Zuinglio, líderes das duas grandes correntes reformistas com sede em Wittemberg e Zurich, respectivamente, encontraram-se em Marburgo em 1529, onde precisaram suas coincidências e diferenças (Disputa de Marburgo). Quase simultaneamente, o imperador convocou a uma nova Dieta em Augsburgo onde os luteranos apresentaram as importantes Confissões de Augsburgo, redigidas por Philipp Melanchthon, considerado um dos textos básicos do protestantismo e parte do Liber Concordiae luterano. Em 1531 os Estados luteranos formaram a Liga de Esmalcalda, que chegara a se enfrentar em duas guerras contra o imperador Carlos V, na Guerra de Esmalcalda (1546-1547), favorável ao império, e a Guerra dos Príncipes (1552-1555), favorável aos protestantes, que finalizou com a Paz de Augsburgo, que dividiu o Império em dois confissões cristãs (luterana e católica) e outorgou aos príncipes alemães a capacidade de eleger a confissão a ser praticada em seus Estados.

Enquanto isso, em 1529 tinha começado a separação política da Igreja da Inglaterra sob a liderança de Henrique VIII, separação que completar-se-ia em 1536 incorporando a Inglaterra ao movimento reformador. Na mesma década, o francês João Calvino instalou-se m Genebra e desde ali cria-las protestantes difundiram-se por [[Escócia]], [[Hungria]] e Sacro Império.

Ao longo do século XVI cresceu a divisão religiosa dos Estados do Sacro Império até que estourou a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), uma das mais sangrentas da história, na que se envolveu toda Europa e finalizou com a Paz de Westfalia, que marcou o nascimento da ordem internacional moderno baseado no Estado-nação. Os Estados alemães se fragmentaram em mais de 300 entidades autônomas e se reunificariam em 1871, com o Império Alemão.

Com a fundação do Império Alemão em 1871, tomou corpo o projeto de construir uma igreja em lembrança do Protesto de Espira. A construção da mesma começou em 1893 e finalizou em 1904.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Lindsay, Tomás. V. Desde la Dieta de Spira de 1526 hasta la paz religiosa de Augsburgo de 1555. Historia de la Reforma. [S.l.]: Iglesia Bautista Berea de Monterrey 

BibliografiaEditar

  • White, Ellen G. (1975). «11. La protesta de los príncipes». El conflicto de los siglos. Mountain View, CA, Estados Unidos: Publicação Interamericanas. pp. 179–192 O protesto dos príncipes». O conflito dos séculos. Mountain View, CA, Estados Unidos: Publicações Interamericanas. pg. 179-192. 

Ligações externasEditar