Protestos contra respostas à pandemia de COVID-19

Há protestos e manifestações em todo o mundo contra respostas à pandemia de COVID-19 em andamento por órgãos governamentais. Esses protestos são semelhantes aos protestos da Liga Anti-Máscara de São Francisco, durante a pandemia de 1918. Esses protestos são separados dos vários ataques que também ocorreram.

Protestos contra respostas à pandemia de COVID-19
Open Ohio Rally IMG 0910 (49799974031).jpg
Protesto contra a quarentena em Ohio, em 20 de abril de 2020
Período 2020 - presente
Local Mundo
Causas Escassez
Perda de emprego
Crise econômica

ContextoEditar

Quarentena mundialEditar

 
Em azul escuro, países sob quarentena total e em azul claro, sob quarentena parcial.

Por paísEditar

ÁfricaEditar

QuêniaEditar

Em 28 de março de 2020, foram relatados distúrbios na ilha de Mombaça, no Quênia. Como resultado de vários cidadãos tentando pegar a última balsa que os transportaria para o continente, a polícia teve que intervir com gás lacrimogêneo.[1]

Em 17 de abril, durante a distribuição de alimentos às pessoas afetadas pela quarentena, foram relatados incidentes entre a população de Nairóbi tentando armazenar o máximo de comida possível, a polícia teve que intervir e usar a força para dispersá-los.[2]

MalawiEditar

Em 17 de abril de 2020, no Malawi, os comerciantes foram reprimidos pela polícia nacional em Blantyre e Mzuzu, enquanto realizavam uma parada e bloqueio de estradas em protesto ao confinamento, o governo do país africano foi acusado pelas organizações de direitos humanos de não conceberem um plano econômico para amortecer as consequências do confinamento obrigatório, a Suprema Corte do Malawi concordou com os direitos humanos e ordenou ao governo que a medida de quarentena fosse adiada por pelo menos sete dias.[3]

NígerEditar

Em 21 de abril de 2020, o governo do Níger prendeu 100 pessoas e encarcerou 10 que participaram de protestos em 17 e 19 de abril contra políticas de contenção obrigatórias.[4]

AméricaEditar

BrasilEditar

Em 19 de abril de 2020, nos estados do Brasil, foram registradas manifestações pedindo a interrupção da quarentena de seus respectivos governadores, entre as quais a de realizar uma intervenção militar para fechar o Congresso, o próprio presidente da nação Jair Bolsonaro participou dos protestos.[5]

BolíviaEditar

Em 8 de abril de 2020, em um campo de quarentena chamado Tata Santiago, formado pelo exército boliviano na fronteira com o Chile, um grupo de bolivianos transferidos se levantou e começou a atirar pedras nas forças armadas, a intenção dos nacionais era evitar o quarentena, manifestantes fugiram roubando um rifle do exército, as autoridades informaram que essas ações são incentivadas pelo Movimento para o Socialismo a "desestabilizar a quarentena", a arma roubada foi recuperada no território chileno e devolvida ao exército de acordo com protocolos internacionais.[6]

ColômbiaEditar

Em 24 de março de 2020, nos departamentos de Meta e Guaviare, houve distúrbios por parte de comerciantes e cidadãos que não podiam se mobilizar devido ao bloqueio de estradas.[7]

Desde 6 de abril de 2020, são registrados tumultos e violentos protestos na Colômbia, iniciados em Bogotá por pessoas que alegam falta de apoio financeiro para ficarem em casa.[8] Em Medellín, Cali e Bogotá, houve saques nos centros de alimentação e panelaços.[9] Em 15 de abril, um grupo de médicos de Santa Rosa de Cabal, se manifestaram por falta de garantias para o atendimento de pacientes com COVID-19.[10] Um toque de recolher foi declarado em Fundación de 20 a 21 de abril de 2020. O Presidente Iván Duque descreveu-os como "pessoas animadas que procuram criar ódio de classe".,[11] Nesse mesmo dia, em Ciudad Bolívar, um subúrbio de Bogotá, quando alimentos foram entregues, se iniciou um tumulto, resultando em quatro feridos.[12]

MéxicoEditar

Desde o início de março, grupos de médicos e enfermeiros saíram às ruas para protestar exigindo maior segurança à saúde, pois estavam expostos na linha de frente da pandemia.[13]

Em 2 de abril de 2020, a polícia mexicana confrontou comerciantes de Cuajimalpa, na Cidade do México, devido à recusa destes em cumprir o fechamento de seus negócios no centro da cidade.[14]

Estados UnidosEditar

 
Manifestação em Ohio em 20 de abril de 2020

Em 15 de abril de 2020, um protesto (coloquialmente conhecido como "Operação Gridlock") foi realizado em Lansing, Michigan, no nordeste dos Estados Unidos, contra a extensão da ordem de estadia em casa feita pela governadora Gretchen Whitmer. Entre 3000 e 4000 pessoas se uniram ao protesto e vários milhares de carros e veículos comerciais bloquearam a Avenida Capitol e outras ruas ao redor do Capitólio do Estado.[15] Os protestos em Lansing provocaram enormes ondas de protestos nos estados da Califórnia,[16] Colorado, Indiana,[17] Kentucky, Carolina do Norte, Ohio, (Este estado já registrava protestos desde 9 de abril) Oregon, Pensilvânia, Texas e Washington. O Presidente Donald Trump tweetou em apoio aos manifestantes, em todo o país, na tentativa de "libertar" os estados das ordens de bloqueio emitidas por seus governadores.[18] O economista Stephen Moore comparou os manifestantes às revoltas de Rosa Parks, ativista do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos.[19]

PeruEditar

Desde 17 de abril de 2020, houve manifestações de médicos em Lima solicitando ao governo o apoio que lhes foi prometido para realizar seu trabalho em face da quarentena decretada.​​​[20][21][22][23]

PanamáEditar

Em 28 de março de 2020, foram relatados saques de shopping centers nas cidades panamenhas de Curundú e Río Abajo, pertencentes à Cidade do Panamá. O conflito com a polícia local resultou em duas tropas feridas e na captura de quatro pessoas que participaram da manifestação.[24]

VenezuelaEditar

Em 17 de abril de 2020, foram registrados protestos e marchas nos estados venezuelanos de Falcón, Guárico, Cojedes, Portuguesa e Barinas devido à falta de combustível e à proibição de transportar produtos comestíveis do campo como resultado da quarentena decretada pelo governo bolivariano.[25] O jornal El Pitazo registrou pequenos protestos contra a mesma situação desde 1º de abril.[26]

ÁsiaEditar

IsraelEditar

Em 17 de abril de 2020, ocorreram confrontos no bairro ortodoxo de Mea Shearim, em Jerusalém, diante do intenso atrito entre a força pública e a população local.[27]

Em 20 de abril de 2020 em Israel, foram realizadas manifestações contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, manifestantes disseram que as políticas contra o COVID-19 adotadas por Netanyahu são "antidemocráticas".[28]

ÍndiaEditar

Em 14 de abril de 2020, na cidade indiana de Mumbai, operários migrantes protestaram contra a quarentena decretada por seu governo, a polícia nacional teve que reprimi-los, justificando que violavam o distanciamento social, a cidade é a principal afetada pela pandemia da doença por coronavírus no país.[29]

EuropaEditar

AlemanhaEditar

Em 18 de abril de 2020, a polícia nacional alemã prendeu vários manifestantes em Berlim que estavam protestando contra as restrições dadas pelo governo. Alguns desses manifestantes chamaram sua marcha de "vigília higiênica". Em 20 de abril, os antissistemas eram de direita. A partir da esquerda, mais uma vez se manifestaram nas ruas da capital contra o governo em oposição às políticas de isolamento, argumentando que "os direitos fundamentais estão sendo restringidos".[30]

EspanhaEditar

Em 8 de abril de 2020, nas redes sociais, eles chamaram um protesto virtual classificado como "a primeira manifestação online da história", pedindo a renúncia do Presidente do Governo, Pedro Sánchez, por lidar com a crise da saúde.[31]

RússiaEditar

Manifestações contra políticas de confinamento foram registradas no Distrito Federal do Sul da Rússia em 18 de abril de 2020, o crescente descontentamento teve seu epicentro em frente ao palácio do governo de Vladikavkaz, na Ossétia do Norte-Alânia.[32] Era que "eles não podem manter a quarentena porque não têm nada com o que alimentar suas famílias".

FrançaEditar

Em 19 de abril de 2020, em um subúrbio de Villeneuve-la-Garenne, nordeste de Paris, na França, foram relatados distúrbios que resultaram em uma morte,[33] mais protestos foram relatados em Aulnay-sous-Bois, segundo o governo, por confinamento. A partir da quarentena, eles temem uma "explosão" em mais subúrbios, atingindo níveis de guerrilha urbana em face do sentimento niilista da população nesses setores populares.

Em 20 de abril de 2020, os tumultos foram novamente registrados em Villeneuve, bem como em Asnières-sur-Seine e Gennevilliers. O Ministério do Interior informou que a polícia foi atacada, o sindicato do corpo policial teme que a situação evolua igual à agitação social nas comunas de Paris de 2005.

ItáliaEditar

Em 23 de março de 2020, vários sindicatos na Itália convocaram uma manifestação contra a desigualdade na paralização de empresas em quarentena, argumentando que a saúde dos trabalhadores está exposta a "bens e serviços considerados essenciais", segundo o governo.[34] Foram registrados tumultos e saques no sul da Itália, a cidade mais afetada foi Palermo, onde, segundo o La Repubblica, as pessoas gritavam "Não temos dinheiro para pagar, temos que comer". La Corriere della Sera descreveu os eventos como uma "bomba social" e a polícia local registrou mensagens no Facebook pedindo-lhes que provocassem revoltas. Em Nápoles e Beni, cidades com escassez devido à quarentena, também houve protestos contra políticas de isolamento.

GréciaEditar

Em um campo de refugiados, um incêndio foi iniciado como resultado de tumultos pela população local quando soube que um imigrante iraquiano havia morrido com febre, a população o classificou como COVID-19.[35]

EfeitosEditar

A Anistia Internacional pediu que, apesar de serem "tempos extraordinários ... é importante lembrar que a lei de direitos humanos permanece aplicável" em referências a políticas que restringem a liberdade das pessoas, como o respeito ao trabalhador, a acesso universal à saúde e liberdade de expressão, no último caso, ele se referiu ao início do surto em Wuhan, onde "as autoridades locais imediatamente silenciaram e advertiram" os médicos que descobriram a doença por " espalhar boatos ", bem como outros governos que se aproveitam da crise do coronavírus para silenciar seus detratores.[36] A Anistia Internacional também pediram que os governos parem de censurar qualquer crítica às políticas anti-COVID-19 e literalmente "intervenham quando milhões de pessoas passam fome devido a confinamento" para quarentena e imobilização compulsória.

A Anistia Internacional também rejeitou os protestos no Brasil contra a quarentena que pedia o estabelecimento de um regime militar, chamando-o de "um revés de dimensões colossais", e também condenou o Presidente Jair Bolsonaro por participar desses protestos.[37]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Primeros disturbios en Kenia tras imponerse toque de queda por coronavirus». ABC. 28 de março de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  2. «Distribución de alimentos en Kenia para combatir la COVID-19 termina en pelea multitudinaria». La República. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  3. «La Policía de Malaui usa gases lacrimógenos en una protesta de comerciantes contra el confinamiento por el coronavirus». Europa press. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  4. «Níger detiene a más de cien personas y encarcela a diez por disturbios contra las restricciones». Siglo XXI. 21 de abril de 2020. Consultado em 22 de abril de 2020 
  5. «Bolsonaro arenga a manifestantes que rompen cuarentena y piden intervención militar». La Tercera. 19 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  6. «Disturbios y robo de un fusil en la frontera de Bolivia con Chile». Defensa. 8 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  7. «Protestas en Meta y Guaviare por medidas de aislamiento por covid-19». El tiempo. 24 de março de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  8. «Protestas en Colombia por la falta de apoyo económico del Gobierno de Iván Duque». RT en español. 5 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  9. «Colombia: siguen las protestas en varias ciudades por hambre y falta de alimentos». Nodal. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  10. «Médicos protestan por falta de garantías al atender casos de covid-19». El tiempo. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  11. «Protestas por hambre en varias ciudades de Colombia: para Iván Duque son "vivarachos que pretenden generar odio de clase"». Nodal. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  12. «Ciudad Bolívar: en disturbios y con cuatro heridos terminó entrega de ayudas en el sur de Bogotá». El Espectador. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  13. «Protestas en México alertan sobre los riesgos del personal sanitario de contraer COVID-19». Sputnik. 21 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  14. «Las imágenes de los disturbios en Cuajimalpa: comerciantes se negaron a cerrar sus locales tras las medidas acordadas por Covid-19». Infobae. 2 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  15. «Michigan Stay-At-Home Order Prompts Honking, Traffic-Jam Protest». NPR. 15 de abril de 2020. Consultado em 22 de abril de 2020 
  16. «Protesters besiege Capitol in Sacramento — they want coronavirus restrictions lifted». San Francisco Chronicle. 20 de abril de 2020. Consultado em 22 de abril de 2020 
  17. «Yes, Denver officials are aware of that "gridlock" protest on Sunday that's breaking stay-at-home orders». Denverite. 17 de abril de 2020. Consultado em 22 de abril de 2020 
  18. ItkowitzCongress, Colby Itkowitz closeColby; campaigns; Policy, Health; EmailEmailBioBioFollowFollow, Pennsylvania politics. «'Liberate': Trump tweets support of protests against stay-at-home orders» (em inglês) 
  19. Johnson, Martin (18 de abril de 2020). «Trump ally compares coronavirus protesters to Rosa Parks» (em inglês) 
  20. «Personal médico del hospital Cayetano Heredia protesta por sueldos pendientes». La República. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  21. «Personal del antiguo Hospital de Ate protesta por malas condiciones de trabajo». La República. 19 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  22. «Personal del hospital María Auxiliadora protesta por falta de equipos». Publimitro. 20 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  23. «Personal médico protesta al no realizarles pruebas de COVID-19: Dicen que no hay». La República. 14 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  24. «Reportan saqueo, balacera y disturbios en Curundú y Río Abajo.». La República. 28 de março de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  25. «La falta de gasolina provoca protestas y revienta la cuarentena en Venezuela». El Mundo. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  26. «Del 1 al 20 de abril se han registrado 29 protestas en Venezuela». El tiempo. 15 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  27. «CORONAVIRUS/ISRAEL: DISTURBIOS EN EL BARRIO ORTODOXO MEA SHEARIM». Iton Gadol. 17 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  28. Con mascarilla y respetando la distancia social: miles de personas protestan contra Netanyahu en Israel. Publicado el 20 de abril de 2020. Consultado el 21 de abril de 2020.
  29. «Miles de trabajadores protestan en Bombay tras la prórroga del confinamiento». Europa press. 14 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  30. «Policía disuelve protestas pro-refugiados en Berlín y Fráncfort». El Universal. 22 de abril de 2020. Consultado em 5 de abril de 2020 
  31. «Varios detenidos en una protesta en Berlín contra las restricciones por el Covid-19». La Vanguardia. 18 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  32. «LO ÚLTIMO: Protesta en Rusia contra restricciones sanitarias». 20 minutos. 20 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  33. «Segunda noche de disturbios en los suburbios de París». ABC. 20 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  34. «Los sindicatos amenazan con protestas en Italia y piden más cierres de empresas por el coronavirus». Hoy. España. 23 de março de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  35. «El incendio declarado por unos disturbios destruye parte de un campo de inmigrantes en Grecia». RFI. 19 de abril de 2020. Consultado em 22 de abril de 2020 
  36. «COVID-19: Los derechos humanos pueden ayudar a protegernos». Amnistía Internacional. 20 de março de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020 
  37. «Brasil: Amnistía Internacional condena las manifestaciones en favor de la instauración de un régimen militar». Amnistía Internacional. 19 de abril de 2020. Consultado em 21 de abril de 2020